Os Quatro Cavaleiros do Ateísmo

Dawkins, Dennett, Hitchens e Harris em dois vídeos de uma hora cada onde discutem de maneira informal as reações a seus livros e propõem novas estratégias para promover o ateísmo.

A conversa tomou lugar em 30 de setembro de 2007, e está disponível também em um DVD. A versão online que pode ser vista aqui é legal e endossada pela Richard Dawkins Foundation, que também oferece uma transcrição. Ainda não assisti a tudo, mas não dá para não assistir. [via Evolutionary Middleman e José Ildefonso]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 48 comentários

  1. Karl disse:

    Má nem de longe esses caras poderiam ser chamados assim. Primeiro, porque o título do post é um tema bíblico (pelamor, né, Kentaro!!); segundo porque ninguém propõe “ateísmo”! Isso é um absurdo! Já tinha visto os caras venderem a fé, marketarem Deus, mas vender o ateísmo é a primeira vez! Buemba, vão cobrar dízimo de ateístas, os caras são demais. Não vi os vídeos e também não vou gastar 2 h para ver e ouvir bobagens. Gastarei minha vida lendo Nietzsche, Vernant, Arendt, Sartre…Foucault…Eco. Eco é uma boa. Dá de dez nesse manés…

  2. Kentaro Mori disse:

    Caro Karl… bem… eles mesmos intitularam o DVD de “Os Quatro Cavaleiros” (o “do Ateísmo” eu copiei do Evolutionary Middleman, achei engraçada a brincadeira com o tema bíblico).
    Concordo que há muitas falhas nos trabalhos dos quatro promovendo o ateísmo, por outro lado, penso que devemos apoiar iniciativas dessa natureza.
    Porque enquanto nós ateus ficamos criticando uns aos outros, centrando-nos em nossas divergências e não no muito que temos em comum, a credulidade (a credulidade, não apenas a fé), junta forças inclusive para eliminar a precária liberdade de não-crença de que desfrutamos em algumas partes do mundo.
    Na última contagem, vi “Deus seja louvado” no dinheiro, crucifixos em todos Poderes do Estado, missas patrocinadas e veiculadas com dinheiro público, apresentadores associando livre e enfaticamente o ateísmo à criminalidade…
    E nenhuma, NENHUMA organização oficial de defesa dos direitos de ateus. Isso acaba de mudar, ainda irei anunciar por aqui, com a ATEA.
    Além disso, do pouco que sei sobre Nietzsche e Sartre (sei ainda menos sobre os outros), eram figuras com mais falhas do que os “Quatro Cavaleiros”. Novamente, contudo, é a história de enxergarmos nossas divergências e não nossas concordâncias.

  3. Karl disse:

    Apoiar iniciativas de quê? Inverter o default? Ao invés de nascermos com uma religião e depois nos tornarmos ateus, vamos nascer pelados e vestir a crença que quisermos depois. É preciso enxergar, e o quanto antes melhor para o que parece ser uma causa para ti, que “iniciativas dessa natureza” são totalmente contraproducentes. É o mesmo que combater o inimigo com suas armas, sua tática, seu campo.
    Não podemos substituir um tapa-olhos por uma venda. É muito mais doloroso (e útil) saber o que é Deus, usufruir do conforto do pensamento metafísico, perdê-lo com o passar dos anos e depois, enfrentar a perda e assassiná-la com um “luminoso punhal enquanto as pessoas da sala de jantar são ocupadas em nascer e morrer”. Esses caras se comportam como o “último homem” de Nietzsche. Nenhum ateu de verdade, desses que citei, os leva a sério.

    • jorge ary disse:

      O Nietzche não era aquele filososo anti-semita, misógino e arauto do racismo? O Sartre não era aquele que defendia o stalin e seus expurgos e depois defendeu o mao e suas doideiras?

  4. Kentaro Mori disse:

    Todos nascemos ateus, é bem verdade. Mas na maior parte do mundo, por um sem número de abusos, a crença em deus associada a todo tipo de crenças arbitrárias é doutrinada a praticamente todo ser humano.
    Não vejo como os trabalhos dos proselitistas ateus seja uma venda. Nenhum propõe a queima de livros, a limitação de liberdades. Pelo contrário. Apenas enfatizam os ideais iluministas de um Estado laico, que parecem ter sido esquecidos.
    Também não vejo como pode ser muito mais útil que todo ser humano precise tomar conhecimento a respeito de crenças arbitrárias associadas a deus. Aqui, se tem a mesma dificuldade que leva à conclusão de que o Estado deve ser laico. Privilegiar apenas uma religião é certamente inapropriado. E a alternativa de buscar expor todas as religiões de forma igualitária é impossível. O laicismo não só resolve a questão, como é mais do que praticável.
    Também é preocupante que se fale em “ateu de verdade”. Karl, esse não é o fanatismo doutrinário que é justamente o ponto em que Dawkins et al por vezes incorrem?
    Repito: nós ateus somos talvez por definição contestadores e questionadores. O lado negativo é que costumamos nos centrar em divergências, ignorando agendas comuns.

  5. Karl disse:

    Kentaro, o ateísmo não é um movimento político! Se fosse, eu estaria mais para um anarquista que para um leninista ou fachista, que é o que esses caras são. E existem ateus e ateus, sim. O ateísmo é um estado do espírito e cada um o atinge por um caminho. Talvez você não entenda essa afirmação mas ela é bem útil – evita preconceitos. Uma discussão de Dawkins com uma personalidade religiosa que vi achei fraca (me ajude a lembrar!). Umberto Eco tem um livro com um bispo que é fantástico. http://www.historianet.com.br/conteudo/default.aspx?codigo=169.
    Tô com sono e vou dormir. Obrigado pela peleja. Achei demais o post da propriocepção! Parabéns.

  6. Luis Brudna disse:

    Resumiu tudo!
    “é a história de enxergarmos nossas divergências e não nossas concordâncias”
    parabéns.

  7. Carlos Magno disse:

    “Todos nascemos ateus, é bem verdade.”
    Por favor, Mori, essa frase infeliz condiciona todas as crenças da reencarnação, filosofias espiritualistas e religiões esotéricas a um balde furado a balas por ateístas e jogado no lixo.
    Eu já digo que ninguém nasce ateu porque o nascimento é justamente a realidade de um Criador, seja lá ele como for, que concebe um universo, uma galáxia, um sistema solar, um planeta ou um ser humano.
    O ateísmo é uma concepção mental institucionalizada, uma crença de uma corrente de pensamento, que apesar de todos os esforços em contrário, não muda a preexistência do espírito. É a negação ao espírito pura e simplesmente e não consegue provar que o Deus das religiões não existe. Muito menos prova a inexistência de uma mente cósmica universal, maior do que toda a tangibilidade do macro universo.
    Aliás, os números estatísticos são extremamente perversos para ateus, pois é ínfimo o número de ateus no planeta, e estão decrescendo segundo os institutos de pesquisas.
    Nem vou me alongar mais porque você é ateu declarado e pronto – ponto final. Mas concordo que o estado laico é uma necessidade racional e lógica para a liberdade de escolha. Nem os quatro cavaleiros apocalípticos do ateísmo a quem você se reportou sequer podem pensar em criar um pensamento universal no ateísmo. Estultícia!
    Imaginemos os ateus com poder semelhante ao da igreja no passado: seriam eles indulgentes como a igreja não foi? Duvido um bilhão de vezes! O ser humano é o mesmo séculos após séculos, e não é a crença ateísta de que a ciência materialista explica tudo e a tudo poderá explicar, que iria mudar o homem. Seriam, isto sim, tanto ou mais cruéis que os inquisidores!
    Baixe mais a bola, compadre!

  8. Carlos Magno disse:

    eh eh eh!

  9. André disse:

    Sempre me surpreendo com a carencia (afetiva talvez?) que faz com que as pessoas precisem acreditar que é necessário a existencia de um criador para as coisas existirem.
    Não importa quantos no planeta acreditem em deuses ou não o número de seres humanos que acredita em algo não muda a realidade do que as coisas são, uma pedra continua sendo uma pedra mesmo se todos os seres humanos do planeta acreditarem que ela é uma flor.
    Seus argumentos mostram a tipica argumentação teista furada que sempre me da pena ao ouvir

  10. Carlos Magno disse:

    André:
    Primeiro de tudo em posts não se ouvem argumentações, mas se lêem.
    Se você julga carência afetiva reconhecer o Incognoscível manifestar em Si todo o universo, que dizer do oposto? Insensibilidade?
    Eu digo que Deus é uma realidade objetiva e subjacente, porque entendo que o Criador precisa existir como única explicação plausível para a existência de uma pedra, uma minhoca, um inseto, uma bactéria e também de um grande energúmeno. Já a ciência tem metodologias e à luz de suas experiências, ou por abstrações teóricas, busca solucionar ou explicar os enigmas julgados importantes.
    Mas até o momento a ciência não provou que o Criador não existe. Ou já provou e esqueceu de divulgar?
    Você deve ser outro seduzido pelas falácias dos doutos que muito explicam e nada provam. E nem todos os grandes homens da ciência são ateus. Informe-se melhor que talvez um de seus ídolos seja crente!

    • jorge ary disse:

      Quem tem que provar a existência de deus são os que nele acreditam. Se eu acho que não há deus não como provar definitivamente uma não existência. O próprio Dawkins no “Deus, um delirio” demonstra que no máximo podemos demonstrar a grande improbabilidade da existência de deus. Cabe aos teístas mostrar as evidências inquestionáveis da realidade de deus (se houverem).

  11. Kentaro Mori disse:

    Carlos, perguntei lá no CA e pergunto aqui de novo: você é Carlos Magno Estevanovic?

  12. André disse:

    Explicações plausiveis para a existencia existem muitas, Deus é a menos plausível.
    Deus deriva basicamente de duas condições humanas: ignorancia do universo em que vivemos e medo da morte, elimine as duas e seu Deus perde sua útilidade.
    Não é preciso a existencia de um criador ou de uma inteligência, para que tudo exista, a própria natureza do universo a qual desconhecemos por completo pode contem em si as “leis” que definem a existencia como conhecemos.
    No entanto as pessoas precisam procurar um amigo imaginário, para que possam se consolar nas horas difíceis, choramingar, pedir “graças” e se iludirem quanto a uma existencia alem dessa vida sem prova alguma.
    Além do mais qual a razão da ciência precisar provar a existencia de Deus ou deuses, sempre foram os crentes que afirmaram sua existencia, provem vocês que ele existe, do contrario eu gostaria de pedir a você ou outro crente que prove a inexistencia do Flying Spaghetti Monster, ou qualquer outra entidade que eu inventar nesse segundo…
    A ciência nunca afirmou saber tudo, a ciência busca evoluir sempre, aprender sempre, ao contrario dos deuses e seus crentes que se satifazem com “É assim! Aceite e cale a boca.” A ciência pode não conseguir provar algo agora, mas quem sabe amanhã? Buscar explicações no fantástico, misterioso e sobrenatural, baseado somente na necessidade de obter respostas, mostra infantilidade e sim carência.
    Mas não se preocupe tenho certeza que Papai Noel também vai te traer brinquedinhos no natal, caso você ache que não, só precisa me provar que ele não existe…
    Aproveitando para explicar também, que não tenho ídolos, não idolatro ninguêm, por favor não me confunda com você que precisa se ajoelhar juntar mãozinhas e implorar para seus deuses, tenho noção que todos são humanos incluindo os cientistas, portanto falhos.

  13. Carlos Magno disse:

    Mori:
    Não sou não. Somente agora eu estou sabendo.
    Oportunamente farei contato, estou de saída nesse momento. Abs.

  14. Patola disse:

    Segundo Dennett o “sentimento de Deus” que seria inato pode existir sim e seria um dos inúmeros “bugs cerebrais” que temos relacionado à instância intencional – à tendência irracional que temos de atribuir intenções para eventos e coisas inanimadas, como quando praguejamos contra aquela chuva inoportuna ou damos uma pancada numa quina de madeira que nos machucou.
    E, Karl, essa idéia de que os “quatro cavaleiros do ateísmo” não trouxeram nada de novo às discussões ateístas é ululantemente falsa, como se vê com Dawkins e Dennett trazendo filosofia evolucionista e psicologia evolucionista na cena (disciplinas recentes) ou ainda os enfoques de ciência cognitivas de Dennett, ou a idéia de vírus memético de Dawkins.

  15. Patola disse:

    Mas até o momento a ciência não provou que o Criador não existe. Ou já provou e esqueceu de divulgar?
    Esse parágrafo aqui podia ganhar o prêmio de “pergunta mais respondida nos blogs de ateísmo que os crédulos continuam insistindo em perguntar”. Eu podia continuar insistindo em responder também e abordar os múltiplos aspectos errados da pergunta – o ônus da prova ser de quem propõe, fazer a comparação com o bule voador de Russell ou o unicórnio rosa invisível, ou dizer que ainda é necessário definir o tal “Criador” entre milhares de definições conflitantes e com atributos testáveis refutados (como ser onipresente ou onipotente), na falta de explicação da incompetência desse criador que cria uma columa vertebral falha como a dos humanos ou um peixe cujo crânio precisa ser retorcido durante a ontogenia…
    Mas tudo cai, de novo, na falta de humildade dos crédulos. Na insistente e irritante afirmação, contra todas as evidências, que o Universo, gigantesco e inabitado além da imaginação e indiferente a todos os caprichos humanos, foi “criado” de modo inexplicável para nós, uma aplicação extrema da instância intencional, a mesma que eu mencionei aí em cima.
    Fico perplexo diante de tanta teimosia e irracionalidade. Infelizmente os crédulos são presos pelo próprio paradoxo, visto que a “hora da verdade” onde finalmente descobririam estar errados é justamente a hora em que não dá mais pra voltar atrás… Só mesmo esses vídeos humorísticos do youtube pra aliviarem esse fardo pesado que místicos, religiosos e outros charlatães têm trazido para a humanidade desde sempre. Chega de Era das Trevas! Estamos na era tecnológica, não dá mais pra fingir que vivemos entre Leprechauns. Racionalidade JÁ!

  16. Patty disse:

    Não, não adianta argumentar com (ou refutar) crentes (religiosos ou não) de que o que eles acreditam que é verdade não é porque não foi provado que é.
    É como dizer que Papai Noel não existe, para uma criança. A mentalidade deles é infantil, o raciocínio deles é precário e limitado, e eles ainda são arrogantes de mente fechada para as possibilidades do que acreditam ser errado.
    *Você* é só umas letrinhas na internet, quando o crente termina de ler tudo o que você se presta a explicar, ele desliga o pc e na vida real encontra sua família de crentes, sua vizinhança de crentes, supersticiosos, místicos, esperançosos. É deles que a experiência real vem, o empirismo.
    A pedra é criada por um criador porque na mente do crente a pedra tem um propósito pra ele e pra sociedade: estar ali para tropeçar, para apedrejar, para desviar, para lapidar e para construir. Para um crente não é apenas uma ferramenta no ambiente que ele como animal aprendeu a adaptar e usar.
    A própria reversão linear de memória no animal (homem) é empiricamente uma demonstração de que tudo que aconteceu no passado teve como causa a consequência que se concretizou. Chamam isso de destino, determinismo, princípio atrópico.
    A raciocínio do crente não é capaz de considerar milhares de hipóteses causalísticas entre a pedra e o animal, removendo, movendo ou adicionando objetos e calculando as consequências disso.
    E no que diz respeito ao empirismo, eles sempre caem na falácia do antigo e do popular. Tudo porque não conseguem elaborar o raciocínio acima, consideram que a experiência de outros mais sábios tem mais valor que sua própria visão do mundo. Professores, mestres, lideres, etc. Pra que duvidar de alguém com certificado e credibilidade?
    Mas um pouco sobre o artigo e a importância do ateísmo, é o óbvio mal exemplo que fanáticos religiosos dão ao justificarem seus motivos em agir errado apoiado em seu moralismo e doutrinas. Não falo de terrorismo, e sim de apedrejadores e linchadores. Coisa que se encontra dormente em cada esquina de cada cidade.
    Tem até um site em inglês “que mal faz”, dá pra ler algo semelhante no ceticismo.net. Membros aparentemente normais da sociedade, agindo como loucos e idiotas, regredindo e estagnando a civilização. Tudo baseado em crenças sem fundamento lógico.

  17. Carlos Magno disse:

    “Estamos na era tecnológica, não dá mais pra fingir que vivemos entre Leprechauns. Racionalidade JÁ!”
    Ora viva! Finalmente consigo concordar com um trechinho escrito pelo Patola!
    Então vejamos: Se Deus existia antes por força e crendice dos primitivos e fetichistas e pelas religiões organizadas, hoje não mais existe porque Deus e a tecnologia são adversários cruéis e opositores mortais. Ou melhor, não são mais, porque Deus não existe, já morreu, o que existe é somente tecnologia como sabiamente afirmou o Patola..
    Então Deus e a tecnologia não podem co-existir, excelente dedução! Sua dedução, Patola, não confunda.
    Ora, nisso há um engano, pois Deus continua existindo. Pois é necessário aos descrentes do Deus religioso crer que Ele exista de outra forma; questão intestina, psicológica, animista, emocional, subterfugia, qualquer coisa da necessidade ou apoio!
    Não teria o objeto da devoção somente transitado de um ponto a outro? Não seria o Deus dos aficionados das ciências, o Carl Sagan? Ou os quatro panteístas cavaleiros apocalípticos acima mostrados pelo Mori, um quadriunvirato, – politeísta claro, – nos bons e antigos moldes dos devotos estúpidos que criam em deuses? Ou o Larger Hadron Colider aquele que traz no âmago os intrínsecos dilemas e enigmas do universo, que certamente revelará aos mais comportados contemporâneos e dedicados estudiosos, – bons e devotados alunos?
    Ou, quem sabe, seria o deus dos homens de ciências uma enorme, incomensurável máquina fantástica, vivente acima das 11 dimensões quânticas, a programar e reprogramar nos mínimos detalhes todo o universo? Seria esse fantástico maquinário, o deus pai. O LHC, o deus filho. E o deus espírito santo, quem seria?
    Aposto no Carl Sagan…
    Tempos modernos, Patola, ou não? O tempo passa, mas as necessidades psicológicas humanas continuam latentes, vivas e pronunciadas…
    Você não entende minhas posições. Veja que ao falar em Deus não me refiro aos deuses raciais, ao Jehovah, Odin, Júpiter, Osíris e a tantos outros deuses locais, nacionais ou étnicos, repito.
    Falo de uma Entidade Incognoscível, Incondicionada, fora do tempo e do espaço, uma Mente Operativa, Criadora, incrivelmente poderosa, que a ciência busca afanosa e febrilmente entender, mas se afasta cada vez mais dela ao desejar condicioná-la ao método científico.
    Não é um ser antropomórfico, vingativo, legislador, privilegiador e guerreiro. Esses deuses foram protagonistas de episódios acontecidos no passado, por necessidade da evolução local de raças e etnias, e não sob direta ação desse Criador Maior. Afinal, os homens precisam ou não aprender por si mesmos sob a tutela de mestres?
    Além do mais, Patola, as concepções sobre a criação e o Criador mudam através dos tempos, e hoje em dia, mesmo em religiões, são mais dinâmicas, mais atuais segundo ao desenvolvimento mental de grande parte da massa humana.
    E, paradoxalmente, muitos estudiosos das ciências, – neófitos, – ainda se apegam a um evolucionismo capenga, impossível e humilhante partindo de rastejantes animais para chegar a homens, concebido por uma mente condicionada, equivocada e ultrapassada como de Darwin.
    E por quê? Porque não apareceu pós Darwin nenhum outro semideus com uma nova, atualizada, mais realista e dinâmica teoria respaldada em provas científicas para desmontar essa impossível parafernália darwinista.
    Será que você não se aventuraria, ou vai continuar na pachorrice de sempre a falar desse evolucionismo hominídeo que conflita com as grandes e atualíssimas conquistas dos gênios das ciências?

  18. Patty disse:

    Parece-me que você criou ou adotou um novo “Deus” conceitual que está além do “Deus” antropomórfico criado pelos primeiros questionadores das leis naturais para descrever o que desconheciam.
    O Deus que peidou o big-bang: uma forma de energia de consciência invisível que está além das 4 dimensões, seja lá que ângulo ou eixo Ele se desloque, responsável pela manutenção e continuidade do seja lá o que você queira que ele se adapte.
    Não sei porque você acha que Carl Sagan ou qualquer outro cientista visionário é considerado “Deus” para ateus/agnósticos. Estas pessoas são ou foram fontes de inspiração e desenvolvimento, isto não as torna livre de erros ou próximas a perfeição, e tampouco dignas de idolatria.
    Deus existe sim, não como uma entidade responsável por qualquer coisa que você a atribua, mas como um personagem-conceito criado para justificar leis naturais e manipular culturas. E é por isso que sou atéia, e não agnóstica.

  19. Carlos Magno disse:

    Patty:
    Problema seu.
    Não gostou do cheiro do peido? Então espere pelo próximo, talvez goste mais…

  20. “Mas até o momento a ciência não provou que o Criador não existe. Ou já provou e esqueceu de divulgar?”
    A Ciência ainda não provou que EU não sou o criador em forma de gente. Acho que isso me torna um sério candidato a deus, não?
    Agora com licença, preciso levar meu unicórnio rosa invisível ao veterinário.

  21. Patola disse:

    Então vejamos: Se Deus existia antes por força e crendice dos primitivos e fetichistas e pelas religiões organizadas, hoje não mais existe porque Deus e a tecnologia são adversários cruéis e opositores mortais. Ou melhor, não são mais, porque Deus não existe, já morreu, o que existe é somente tecnologia como sabiamente afirmou o Patola..
    Incrível como funciona seu ‘raciocínio’. É assim que você chegou ao seu fantasmão “incognoscível”? Pra variar você perdeu a relação entre “tecnologia” e “Deus” proposta por mim logo no começo (e criou um argumento-espantalho ridículo). Então, como se me dirigisse a uma criança de 5 anos, titio Patola vai explicar:
    – Antigamente, guri, muitos, muitos anos atrás, a gente não tinha a ciência e a tecnologia. Assim, a gente acabava buscando elos causais entre trovões e ira de seres inventados que chamávamos deuses, entre desastres naturais e mudanças de humor deles, entre existência do mundo e truques mágicos deles (basicamente porque não conseguíamos pensar em coisa melhor).
    – Com o tempo, nossa espécie foi descobrindo os elos entre as coisas, as causas naturais que faziam os trovões surgirem, os desastres naturais acontecerem, e mesmo a origem de muitas coisas que achávamos “criadas”.
    – Apesar dessa gente ruim tentar impedir o acúmulo desse conhecimento como os bobões que detinham o poder na Idade Média, chegamos a uma era em que a ciência (os elos que eu mencionei) está em tudo, na forma de tecnologia que usamos: computadores, medicina, transportes, moradia…
    – Com essa tecnologia tão presente em nossa vida, é um contra-senso tentar ainda insistir nas relações inventadas pelos nossos parentes já mortos de muitas e muitas gerações atrás.
    Entendeu agora? Titio Patola vai te dar um doce se conseguir repetir.
    É lógico, sinto informar (mentira, não sinto não) que como o seu parágrafo está errado, todo o resto dos seus desvarios na sua “resposta” nem precisa ser comentado.
    Ah! Sugestão, da próxima vez que não entender algo, ao invés de xingar de “capenga” ou “impossível” e insistir na instância intencional como explicação para qualquer coisa, procure estudar mais senão seu professor da quarta série vai tirar ponto das suas provas.

  22. Patola disse:

    partindo de rastejantes animais para chegar a homens
    Ainda acho hilária essa nomenclatura bíblica que taxa toda a fauna terrestre de “rastejante”, pra não dizer absolutamente estúpida. Alguém aí já viu um canguru ou rato-canguru rastejando? Um um elefante, um hipopótamo, uma girafa?

  23. Sorete disse:

    Prezado Carlos Magno. A jocosidade e o sarcasmo deste seu pensamento non sequitur é realmente inspirador. Você estaria interessado em escrever artigos nessa linha para meu blog?

  24. Carlos Magno disse:

    Sorete:
    Não sei se você me elogia ou me ironiza. Mas tudo bem, respondo:
    De todas as formas, não penso em escrever artigos em blogs; certa ocasião montei um e não consegui arranjar tempo para me organizar, pois há épocas em que não paro em casa.
    Se foi mesmo convite, agradeço a gentileza, mas declino.
    Abraços.

  25. Carlos Magno disse:

    Patola:
    Certa vez disse que sua sensibilidade me assustava, graças ao bom deus passei desse estágio terrorífico, mas me deparo agora com sua cultura de terrificar criancinhas!
    Vejamos essa pérola: –
    ” Apesar dessa gente ruim tentar impedir o acúmulo desse conhecimento como os bobões que detinham o poder na Idade Média, chegamos a uma era em que a ciência (os elos que eu mencionei) está em tudo, na forma de tecnologia que usamos: computadores, medicina, transportes, moradia…”
    Sugestão ao titio Patola: Titio, leia, por favor, sua enciclopédia normalmente, da página um em diante. Você leu de trás para frente e começou logo pela idade média! Ou será que o titio só sabe falar de religião na idade média?
    Titio, Patola, não foi o homem quem inventou Deus, você precisa conhecer de verdade os primórdios da evolução humana. Leia esoterismo, titio, gnosticismo, cabala! Não mordem, não, homens inteligentes também lêem essas coisas! Mas você só fica no Darwin para cá, Darwin para lá. Para defender Darwin, tio Patola, precisa também argumentar com outros conhecimentos, mesmo da história universal manipulada pelos homens. Você só fala abobrinhas titio!
    Ah, titio Patola, acho que você não sabe ler. O Carlos Magno escreveu muito claro que ele não é contra a tecnologia e as ciências, ele é contra esse fanatismo ateu e cético, que é igual ou pior do que o fanatismo religioso e fundamentalista.
    Mas você não entende tio, e distorce tudo, por que será titio? Será que você quer também ser um ateu e cético fundamentalista? Ah Titio, que feio!
    O Carlos Magno falou que tudo evolui, o pensamento hoje é mais dinâmico e segmentos das religiões já têm outras definições sobre Deus, mas você não entende tio Patola.
    Acho que você precisa aprender a ler e a interpretar. Não vou mais perder tempo com você!

  26. Roger disse:

    Carlos Magno
    Lamento falar assim mas você é um idiota, ler esoterismo????
    Isso foi o fim da picada.
    Já que é pra acreditar em qualquer merda que você lê, sugiro que ao menos leia boa literatura, que tal Senhor dos Aneis, ai você pode sair por ai procurando elfos…
    O pior é que ele ainda fica confundindo a sua própria pessoa que fica lambendo os pés dos seus deuses e outras criatura imaginárias, com nós que meramente admiramos outros seres humanos que fizeram grandes progressos na ciência, mas que são somente humanos e reconhecidos como tal, não admiramos Carl Sagan ou Richard Dawkins como deuses, não confunda a sua necessidade de seres para quem você possa devotar sua idolatria estupida, burra e debilóide com nós que não idolatramos ninguem.
    Impressionante como esse tipo de ignorante sempre acha que ele é o padrão pelo qual todos os seres humanos podem se basear e portanto devemos ser como ele, ao menos em sua cabecinha vazia.

  27. Carlos Magno disse:

    Roger:
    Acho que vou abrir uma escola do B + A = BA para tipos como vocês aprender a ler e interpretar. É o mínimo que se pode esperar de quem vem comentar em blogs.
    Esse estereótipo de fanfarrões do ceticismo está ficando cada dia mais comum e repulsivo na internet, e vem colocando no mesmo balaio furado os verdadeiros e inteligentes céticos.
    Não aguento, fui!!!

  28. André disse:

    Caro Magno
    Na sua visão, aparentemente, só você sabe interpretar, mais ninguém sabe.
    Por outro lado, acredito que ninguém aqui iria querer aprender a intepretar algo com você visto que você parece interpretar as coisas um pouco literalmente demais, razão essa talvez que levou você a ter as crenças que tem.
    Realmente talvez muitos não interpretem corretamente o que você esta tentando dizer, mas visto que você tem uma aparente certa dificuldade de diferenciar a realidade dos contos do tipo biblicos como explicação para a existência, não pode vir falar muito dos outros não.
    Seja feliz com a sua interpretação da realidade, pois parece que é isso que você quer, enquanto creio que os outros aqui estejam interessados na verdade e na realidade mesmo que essa verdade/realidade não seja algo que sempre nos torne felizes. Felicidades em seu mundo de ilusões.
    Prefiro uma dura verdade a uma doce mentira.

  29. Carlos Magno disse:

    André:
    Talvez meu mundo seja incompreendido nesse blog não transparente de assuntos de ciências.
    O que estranho dessas mentes pragmáticas que se ufanam de ler Carl Sagan e outros líderes mundiais do ceticismo, que com respiração opressa e lagrimejantes olhos plenos de emoção, a abanar as cabecinhas de vaquinhas de presépios aos ditames dos sábios céticos, vêm ,esses tipos estranhos e aliens, a todo o momento atacar as religiões e o místicos e arrasar com a inclinação devocional dos bilhões de seguidores.
    E quando aparece alguém por aqui a dizer a céticos e pseudo céticos, que não é bem assim que a banda toca, os aliens defensores das ciências ficam furibundos, mandam recados malcriados, afirmando com arrogância e sabedoria que somos ultrapassados, estúpidos e idiotas, somente porque acreditamos em Deus. E a dizer que nosso mundo é de ilusões!
    Ora, e o mundo de abstrações, teorias e sonhos científicos é todo ele real? Há muito mais teorias e sonhos no mundo científico do que realizações. E os absurdos que os papas dos métodos científicos juraram verdadeiros, e que não tiveram a decência de vir desmentir quando deram com os burros n’água? E os perigos que os cientistas, com seus revolucionários inventos, expõem a população mundial?
    E a fabricação cada vez mais sofisticada e poderosa de mísseis, canhões eletrônicos, armas químicas, fuzis de longo alcance e bombas de destruição em massa?
    E os monopólios ambiciosos e criminosos dos fabricantes de remédios? E os medicamentos controlados que causam dependências por toda a vida, justamente para enriquecer uma fauna imensa de donos de laboratórios, e toda a corja envolvida? E muitas coisas mais. É tudo tecnologia e ciências, meu caro!
    Você certamente sabe, não André, que o estoque de armas nucleares em diversos países do mundo, tem 10 , 15, 20 vezes ou mais potencialidades para destruir o nosso planeta num abrir e fechar de olhos, calcinando e zerando a vida na Terra em poucos minutos? E basta o apertar de um único botão para acionar o sistema de extermínio com absoluto sucesso.
    Não sabia disso? Pois é, meu caro, estão nas mãos desses loucos e desvairados os resultados de um segmento mais cruel e animal dos inventos científicos. E você me vem falar que meu mundo é de sonhos e irrealidades!
    Ora, que mundo então é esse que você preconiza como o ideal? Aí, ateus e céticos vêm com a surrada argumentação de que as guerras religiosas mataram muito mais do que outras guerras.
    Mentiras e enganos! As guerras fratricidas de extermínios étnicos, de conquistas, ambições, escravismos, roubos de territórios, fanatismos, imposições ideológicas, terrorismos, tráficos, etc., mataram muito mais através da história universal. E continuam matando.
    E bilhões de religiosos do século 21, rezam todos os dias pela paz, pela compreensão e fraternidade no mundo, por que ainda acreditam em algo maior, além dos flageladores do planeta. E têm razões sólidas para isso. Os fundamentalistas e extremistas auto-denominados religiosos, são um percentual pequeno de criminosos, mas excessivamente bem armados pela tecnologia de guerra e não devem ser confundidos com os religiosos da paz.
    André, pare de falar bobagens e usar de filosofia vã e mentirosa, segundo os estereótipos dos estúpidos fanáticos e fundamentalistas ateus.
    Espero que agora você não venha interpretar que eu teria dito que todos os ateus e céticos são fanáticos e fundamentalistas e eu sou contrário às ciências. Ou vai?

  30. Gilson disse:

    Aquela pergunta básica que tem uma resposta igualmente elementar:
    O método usado [por você] para interpretar o mundo pode ser repruduzido por outras pessoas? Explique-nos como?

  31. Carlos Magno disse:

    A resposta básica e igualmente elementar é: não há método, procure por você mesmo!
    Adendo 1: Se for preguiçoso, vai bater palminhas para os quatro cavaleiros céticos apocalípticos aí em cima do Mori, e como vaquinha de presépio vai acenar a tudo positivamente. Seu mundo estará então pronto e embalado com papel celofane ou aluminizado.
    Adendo 2: Mas se deixar de lado a preguiça e realmente desejar conhecer os dois lados de um único mundo – o falso e o verdadeiro – irá partir para outro desenvolvimento mental, onde os céticos temem penetrar, ao qual anematizam por puro medo e horror de se verem desnudos de suas aterradoras teorias que os possuem e os sugam, e de pseudo certezas a que tanto confiam, mas que lhes são infiéis, – e o seu grande orgulho estará ferido e pronto para ser jogado no lixo!
    A escolha é totalmente sua.

  32. Gilson disse:

    Mais uma vez o crente não apresentou evidências de sua afirmação, justificou que é uma questão de interpretação e só quem tem fé pode entender, e mandou o outro ler o livro sagrado.
    Entenda como quiser, Sr. Sofista, você sempre terá a palavra final mesmo.

  33. Carlos Magno disse:

    Você queria que os mesmos métodos das ciências pudessem ser aplicados nos assuntos que transcendem a matéria e muitas vezes ao pensamento objetivo?
    Não mandei ler livros sagrado algum, há vasta literatura no mundo e grande número de escolas de respeitosa tradição que ensinam o que você sinceramente deseje buscar, nada mais do que isso.
    E não são organizações de nenhuma forma ligadas ou subordinadas às religiões. É só sair em campo e buscar, ou desejaria que eu o tomasse pela mão?
    Não quero ter a palavra final porquanto não existe nenhum assunto fechado e terminado. Quem pergunta deseja respostas, mas para alguém preconceituoso como você e de antemão “cético da negação” não adiantam respostas que não recaiam no ceticismo glacial de sempre.
    Então por que perguntou?

  34. Gilson disse:

    Sabe que você tem toda a razão!
    Eu vou parar de raciocinar como um cético, duvidando da carência de comprovação fatual e do pensamento subjetivo, e vou simplesmente aceitar que existem fenômenos milenares que acontecem com bilhões de pessoas e nenhum estudioso utilizando metodologia científica conseguiu comprovar (a não ser psiquiatras e sociólogos, o que não torna objetivo).
    Muito obrigado por abrir meus olhos, meu raciocínio crítico e discernimento estavam ofuscando a verdade que está bem na minha frente, e eu não conseguia admiti-la por não passarem nos mais rígidos testes de comprovação.
    As coisas não precisam ser testadas para serem reais!Veja a energia e matéria escura por exemplo, todos cientistas acreditam que ela exista, mas não há evidências física palpáveis delas.
    Energia e matéria escuras podem um dia provarem que são o que os antigos pensadores já sabiam: éter, a quintessência!
    É só renomear o conceito e afirmar que eles sabiam mas não podiam provar com os instrumentos daquela época.
    Quem sabe o que mais de inexplicável exista aqui entre nós! Aura, plano astral, chacras, são tantas as coisas que ainda não há instrumentos para medir!
    “cético da negação” tsc tsc, nunca mais!
    viva o ocultismo!

  35. Carlos Magno disse:

    Pois é, Gilson, satisfaz-me sua fina ironia. Não faz mal, afinal a ironia normalmente atinge um objetivo contrário e inesperado no caminho da volta. Causa e Efeito, sabe!
    Pelo menos você demonstra que andou pesquisando sobre assuntos esotéricos, aliás, exotéricos, vastamente procurados em bons book-shops, ou, googlados timidamente na wikipedia e adjacências.
    Somente um pequeno complemento. Eu inferiria na sua exaltação, o seguinte: “Viva o verdadeiro ocultismo, pai de todas as ciências!”
    Dessa minha maneira fica quase um axioma perfeito e irretocável.
    Fica até mais bonito e restabelece entre esse pequeníssimo núcleo cético e ateu do universo planetário, que se acha elitista, a legitimidade de que, graças aos ocultistas de antanho hoje temos todas as matemáticas, as físicas, as químicas, as farmacologias,enfim as ciências do mundo e o tão falado quantismo que extrapola dos parâmetros da matéria.
    E o melhor de tudo é que os ocultistas não pararam de trabalhar pelo progresso do mundo, continuam “imiscuidos” entre os céticos das pequenas, médias e grandes pesquisas. Essa é a melhor parte, chega dar vontade de rir só em pensar nessa transcendente realidade!
    Sei que os céticos e os pseudo céticos irão tirar as calças pelas cabeças mediante essa afirmação, mas, paciência, não querem pesquisar a verdade!
    Ou quando pesquisam inventam gracinhas e historinhas de boi tatás, somente para não perder a pose e continuar se embalando na ilusão.
    Abraços doutor!

  36. Gilson disse:

    Abraços! Foi divertido conversar com você.
    E nos vemos nos comentários de outros posts e blogs “céticos” ou “científicos”.
    Afinal, você e sua suprema sabedoria está nos ajudando a evoluir! Sempre provando seu ponto, ou marcando ponto.
    Obrigado por isso, e espero que você seja lembrado como o Magnânimo Senhor da Subjetividade Intrínseca.
    Quem sabe daqui 200 anos os “pseudo-“”cientístas” não demonstrem o ocultismo e esoterismo é de fato real, e que tudo o que você acredita terá fundamentos fatuais.
    Ah, a esperança!

  37. Carlos Magno disse:

    Eu é que agradeço pelos momentos divertidos. Que Deus o abençôe, o ilumine e não se esqueça de mim.
    Quanto à sua lógica colocação:
    “Quem sabe daqui 200 anos os “pseudo-””cientístas” não demonstrem o ocultismo e esoterismo é de fato real, e que tudo o que você acredita terá fundamentos fatuais.
    Ah, a esperança!”
    Somente tenho a apôr:
    Amém, Amém, Assim Seja!
    (afinal, 200 anos passam tão rápido!)

  38. Gilson disse:

    Magno, como é acreditar em coisas como Hierarquia Solar ou Auxiliares Invisíveis?
    Imagino que você não é o tipo de crente que presta reverência para seres invisíveis citados em livros de credibilidade duvidosa, mas você realiza algum outro ritual com objetivos transcendentais? Meditação Giro Sufi, jejum, hiperventilação?

  39. Carlos Magno disse:

    Não. Não gosto desses modismos importados em que os aproveitadores de plantão costumam enganar aos incautos.
    Aprecio a sabedoria das boas e tradicionais escolas, e somente pratico o que seja razoável e comprovado por pesquisadores idôneos e cautelosos, e em quem de fato acredito. Mesmo assim, se não gostar abandono; para mim vale o adágio: nem tudo é para todos.
    Entretanto, sempre estive engajado em correntes de curas fora do rigor e pedagogia das escolas e já presenciei coisas que nunca imaginaria pudessem acontecer.
    Mas se quer mesmo saber: desconfio profundamente de gurus, principalmente ocidentais, e jamais dimensionei uma novidade ou um pensamento daqueles ávidos por fama.
    Também não acredito nesse ceticismo daqui, de cartas marcadas e de partituras orquestradas e executadas pelos seus principais arautos e blogueiros.
    Se acredito em hierarquias solares e auxiliares invisíveis? Meu caro, a questão não é acreditar, mas sim vivenciar. O que publicam em livros, na internet ou dizem em palestras não veiculam 10% das mensagens pretendidas, e não podem substituir a experiência vivida. A literatura esotérico-ocultista, na sua maioria, somente dá pistas e indicações, daí em diante cabe a cada um buscar segundo suas inclinações.
    A realidade se torna unicamente procedente quando sentida ou comprovada por nós mesmos!

  40. Gilson disse:

    É, me parece que o mundo não está mesmo preparado para toda essa informação sobre a realidade. Principalmente por muitas pessoas serem “céticos de negação” que só acreditam vendo ou tocando, não é mesmo?
    Elas devem descobrir por elas mesmas, e querer achar a resposta, custe o que custar, mesmo que a resposta contradiza tudo o que já conhecido.
    Imagino que você não estaria disposto a ganhar um prêmio Nobel E 1 milhão de dólares de James Randi e se tornar mundialmente famoso divulgando isso tudo, certo?
    Suponho que como Guardião da Verdade, você assim como outros esotéricos não se preocupam em ganhar prêmios e essas coisas materiais e superficiais, correto? Tudo o que vocês se preocupam é o bem estar da humanidade e a harmonia do planeta.
    Imagina o caos que seria se todos os segredos que vocês descobriram ao longo de décadas de estudos, viesse a público!
    Ainda bem que toda essa humildade e resguardo não permitem que vocês se tornem pessoas famosas e importantes, veneradas pela imensa sabedoria, que está restrita àqueles que estão dispostos a aceita-la.
    Uma pena também que existam tantas pessoas que tirem sarro disso tudo e se oponham. Uma pena!

  41. Gilson disse:

    Já pensou que legal seria humilhar todos esses cientistas e céticos arrogantes. Esfregar na cara deles que tudo o que acreditam é mentira. Teoria-M, Emergência, tudo contos-da-carochinha escritos por farsantes malucos e sem noção alguma, só pra enganar os trouxas e ganhar dinheiro.
    Você consegue imaginar sua satisfação ao discursar para uma platéia de cientistas obtusos que eles estão todos enganados, e que as anomalias matemáticas só ocorrem porque a verdade não pode ser demonstrada matematicamente, apenas filosoficamente.
    Eu gostaria de ver a cara de pavor dos cientistas ao confrontar esta realidade, eles certamente ficariam em negação, depois muito furiosos. Mas no fundo aceitariam os fatos apresentados.

  42. Carlos Magno disse:

    Discurso disparatado.
    É hora de meditar, vou já acender meu incenso e me sintonizar com meu EU Superior.
    Abraços meu compadre e muita paz interior, pois sua caminhada é ainda mais longa do que eu antes houvera imaginado!

  43. nagol disse:

    Aqui o vídeo completo {quase duas horas} e todo legendado
    http://www.youtube.com/watch?v=0xO8mTLEnik&nofeather=True

Deixe uma resposta para Roger Cancelar resposta

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Arquivos

Páginas

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM