Na Rússia, Plasma rádio VOCÊ !!

“Este vídeo de um ‘rádio de plasma‘ tem sido popular em blogs russos nos últimos dias. O efeito exibido é muito interessante, e aqui está uma breve história para entendê-lo:

Local: cidade de Brovary, Rússia

Potência do transmissor: 150 KW

Outros ingredientes: antenas soviéticas antigas, cabo de 90 metros de comprimento

Isso é todo o necessário para experimentos PERIGOSOS para receber ondas de rádio. Na área sob efeito das ondas de rádio uma grande diferença de potencial emerge. Por causa da modulação do sinal de rádio o arco elétrico começa a vibrar com a voz humana e começa a ‘falar’. A intensidade da corrente em tal ‘rádio’ pode chegar a centenas de Amperes e pode facilmente derreter metais. Tal eletricidade não tem barreiras e pode passar por um galho.

Não tente isso em casa!” [English Russia, via Mundo Gump]

Será mesmo verdade? Uma fraude elaborada? Uma lenda urbana? Aqui em 100nexos, as respostas lêem VOCÊ!! Read on.

Rádio Galena

Entre os rádios mais simples que podem ser criados estão os chamados rádios galena, que podem ser fabricados no estilo MacGyver com um fone de ouvido, fios elétricos, lápis, alfinete, uma lâmina de barbear e… um tubo de papel higiênico. Vazio. No vídeo abaixo você confere um destes rádios em funcionamento, sem baterias:

Não é um truque! Este tipo de receptor de rádio improvisado foi bem utilizado durante a Segunda Guerra Mundial, quando conseguir aparelhos de rádio podia ser um grande problema, e é parte de projetos de feira de ciência e entusiastas rádio-amadores até hoje.

O “segredo” de seu funcionamento se divide principalmente em duas partes. A primeira é que o sinal de rádio captado é AM, em que as ondas de rádio são moduladas em amplitude. Quando há um som mais alto, a onda de rádio transmitida é mesmo mais “alta”. Nada mais simples.

Basta então detectar esta onda, e para captá-la uma antena serve. Uma pequena corrente elétrica é induzida na antena que será capaz de alimentar o fone de ouvido – isso mesmo, estamos rodeados por ondas de rádio que podem induzir minúsculas correntes elétricas em objetos condutores por aí. Mas o sinal, se alimentado diretamente a um fone de ouvido não produzirá um som. É preciso retificá-lo, com um… retificador.

E este é o segundo elemento crucial. No rádio do vídeo anterior o retificador é a curiosa combinação do alfinete preso a uma ponta de lápis que toca uma lâmina de barbear enferrujada. No contato entre o grafite do lápis e a lâmina enferrujada, uma junção de dois materiais diferentes, ocorre um efeito capaz de retificar a corrente, permitindo que ela passe apenas em uma direção.

radio-am-detection.gif

Junte tudo e se tem um rádio. Galena, a propósito, é o nome de um minério um tanto mais apropriado do que o grafite de um lápis para este tipo de rádio, mas o princípio é exatamente o mesmo, incluindo arrastar uma ponta de metal pelo minério. Você confere detalhes e explicações mais rigorosas no Feira de Ciências e em Como Tudo Funciona.

Agora que sabemos mais um pouco sobre como o rádio-galena funciona, podemos especular que no vídeo russo o retificador do sinal talvez fosse o ponto de contato entre os cabos enferrujados ou com algum revestimento que poderia compor uma junção retificadora. Isso seria algo “MacGyvermente” fabuloso.

Rádio Cabo-de-aço

Há alguns problemas, no entanto. Assistindo ao vídeo fica claro que ainda que o som seja produzido a partir do contato entre os cabos de aço, eles logo se afastam, aumentando o arco… e o “rádio” continua funcionando! Teria o plasma capacidades retificadoras também? Provavelmente não.

“Eu acho que é bem mais simples que isso. Cortando o cabo do tamanho certo você ‘sintoniza’ o rádio. As ondas induzem corrente numa antena, e como é AM a intensidade da corrente é modulada pela voz do rádio. O arco voltaico normalmente já faz um zumbido; modulando a intensidade da corrente você modula o zumbido”, comentou o Murilo Queiroz.

E realmente, parece ser tão simples assim, sem retificadores, pelo pequeno detalhe de que o som produzido pelo arco voltaico, ao contrário do som produzido por um fone de ouvido, não precisa ser produzido por um sinal retificado.

O que me lembra de que é preciso explicar de onde vem o som no “rádio de plasma” russo. Bem, ele vem do plasma, não muito diferente de um trovão. A corrente elétrica atravessando o ar cria um plasma que, variando em intensidade pode se expandir e contrair, produzindo ondas de som. O que só pode ser ilustrado com os fantásticos vídeos com bobinas de Tesla gerando descargas elétricas moduladas ao som do tema de Super Mario Brothers:

Se o rádio de plasma não possui um retificador como os rádios-galena, por que passamos a primeira metade deste texto falando sobre eles? Porque conhecer rádios-galena feitos com lápis e gilete é importante para apreciar quão fenomenal o “rádio de plasma” pode ser.

Recapitulando: o cabo de aço, com o comprimento adequado para captar a frequência de rádio AM transmitida por um transmissor de 150.000 W próximo, acaba induzindo correntes elétricas suficientes para derreter metal. Ao encostar um outro cabo aterrado, as correntes fluem e então saltam pelo ar, formando um arco com plasma que, variando de intensidade de acordo com a corrente induzida pelo sinal de rádio AM, se traduz em um som audível.

O “rádio de plasma” seria assim ainda mais simples que um rádio-galena e completamente espetacular, desde a ausência de um retificador e filtro, até o risco de vida para os intrépidos rádio-amadores com altas correntes e arcos voltaicos serpenteando pelo ar.

Ou pelo menos, é como pudemos entender o vídeo. Faltava uma maior confirmação. Depois de vasculhar a rede, finalmente encontramos este outro exemplo do mesmo fenômeno:

Neste caso, nem mesmo há dois cabos de aço em contato, e o efeito é produzido diretamente na antena transmissora. Segundo o autor,

“Tudo que é necessário é um rádio de potência suficiente (acredito que se pode conseguir a partir de 50 a 100W como corona, arcos precisam de pelo menos 200W), e uma antena que não seja especificada para a potência em questão”.

Aqui a antena sobrecarregada gera descargas pelo ar que, mesmo sem retificação, já produzem sons audíveis. Beira a mágica, o sobrenatural, mas está longe disso. É ciência, ou pelo menos, a explicação bem natural que podemos encontrar para o efeito.

Um tanto mais de pesquisa revela que o fenômeno nem é tão raro. Há histórias, mesmo no Brasil, de cabos de aço em construções que subitamente começam a “falar”, para terror dos operários. E, retornando à Segunda Guerra, relatos de “invasores estrangeiros” na Inglaterra sussurando na calada da noite pelas proximidades de transmissoras de ondas curtas teriam sido desvendados após investigação como arcos voltaicos produzidos em cercas de arame farpado! [fonte] Soariam como meras lendas urbanas, mas se tornam mais do que plausíveis agora.

Afinal, ao que parece, com um clipe de papel realmente grande – quem sabe, de 90 metros -, mesmo sem um retificador, bastaria estar próximo de uma transmissora AM na frequência certa para ouvir o seu rádio. MacGyver ficaria orgulhoso.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 13 comentários

  1. Luís Brudna disse:

    Vi sobre isso em uma Super antiga (na época em que ela era ´menos ruim´. :-) )
    Mais sobre isso na Super
    http://super.abril.com.br/superarquivo/1994/conteudo_114012.shtml
    Acho que em um episódio do MacGyver ele comentava sobre pessoas que captavam rádio em obturações nos dentes. Mas aí já é bem lenda urbana mesmo. :-)

  2. K-prA disse:

    Cara… achei muito bacana a compilação de videos… mas pintou uma duvida: Pq “Plasma radio VOCÊ” ? já vi isso em outras coisas relacionadas a Russia mas acho que não entendi.
    Agradeceria alguma explicação.!

  3. luiz disse:

    Uou! Essa post ganha o prêmio de “lenda do youtube devendada”!E ovídeo do tema de Mario Brothers tocado com bobinas Teslas é animal!
    Muito legal ! E faz a gente pensar sobre a origem de algumas imagens e sons fantasmagóricos.

  4. Kentaro Mori disse:

    http://desciclo.pedia.ws/wiki/Reversal_Russa
    “Reversal Russa é uma metodologia de debate usada pela União Soviética durante o Século XX, inventada pelo Mestre Yoda. A metodologia foi criada para vencer imediatamente qualquer debate contra capitalistas, porém, na União Soviética, o debate vence VOCÊ!!”

  5. Cara achei incrível,nunca pensei que isso fosse possível,que incrível com apenas dois cabos…

  6. deuso disse:

    Coincidentemente meu prof falou brevemente sobre isso, na semana passada.
    Ele comentou que próximo do início da Av Anchieta, aqui em São Paulo, havia uma grande antena da rádio Bandeirantes. Ele foi chamado para averiguar “fenômenos” que aconteciam no canteiro de obras alí próximo: pessoas tomando choque ao encostar em Gruas e obreiros que ouviam rádio dessa mesma forma que o post relatou.
    Acho que nada útil posso acrescentar a este post, que explica bem o fenômeno, exceto lamentar por meu prof não dar uma aula tão interessante quanto poderia.

  7. Victor disse:

    K-prA, procure reversal russa no google e você vai achar a resposta

  8. Tulio Notari disse:

    Na Rússia, plasma radio *ESCUTA* VOCÊ!

  9. Eli Vieira disse:

    Excelente, impressionante! Deu vontade de fazer física!

  10. garebello disse:

    Achei meio estranho essas experiências. Quando estava no 2º grau fiz um radio galena para a feira de ciências, não usei exatamente galena, mas um diodo que imitava suas qualidades físicas (sinceramente uma lamina de barbear e um lápis não parecem funcionar de verdade, uma vez que, na época, lí que o cristal de galena tinha propriedades especificas, únicas, parcialmente imitáveis pelo diodo de germânio), outra coisa foi que, devido baixíssima voltagem/amperagem gerada, era impressindível um fone de “cristal”, que supostamente serviria, mas o volume era muito baixo, usei uma caixa de som com um amplificador, ligado na tomada, porque aí, no ambiente barulhento da feira seria possivel ouvir. A partir dai o que não entendi do video foi: onde esta o fone dos russos (cabos não são fones)? A bobina serve para sintonizar o radio, onde estava a bobina? Se não usava bobina, como foi possível sintonizar justamente uma estação e não estática (imaginando que o “plasma” possa realmente sintonizar algo)? Esse video do radio ligado na caixa de som do pc com certeza está ligado na tomada também, não pode ser tão alto!
    Valeu pelo post, muito bacana o trabalho, sempre me interessei por coisas “insolitas”!

  11. Juliano Carlos disse:

    Olá.
    Post interessante! Meu sogro é engenheiro eletrônico, foi responsável pela montagem e configuração de várias emissoras de rádio e tv na cidade de Curitiba. Ele já tinha me contado “causos” desta natureza, e segundo ele, já presenciou amigo de trabalho dele que “escutava rádio” pela obturação do dente, quando estavam trabalhando na montagem de torres de transmissão! Eu nunca acreditei nisto, mas já vi gente confirmar a história! e lendo este post, passo a acreditar no véio! rs
    Abraços.
    Juliano- Ctba

  12. sartori disse:

    ja li sobre isso de escutar radio em obturações numa seleções do readers digest….mas era uma edição antiga pra caramba tipo decada de 50, algo sobre uma velhinha que era tratada como louca porque ouvia seu programa favorito de radio sem ele estar ligado.

  13. Yargo Leocadio Silva e Nascimento disse:

    Cara,falando em arco elétrico e rádio AM encontrei de um video de um transmissor de 150 de uma rádio estadiuniense queimando em um arco elétrico audível.Muito interessante.http://www.youtube.com/watch?v=6pjrWjlBf4Q&feature=related

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Arquivos

Páginas

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM