O Apocalipse Inevitável (parte VII)

BCdaily150tg

Deixe de lado imagens piscantes no Orkut, este talvez seja o pior GIF animado já criado. Criado por Luke Oman, da NASA, a animação deriva dos mais sofisticados modelos do clima terrestres disponíveis em 2007 (ModelE), e uma simples olhada já deve oferecer uma ideia do que retrata: o Inverno Nuclear como consequência da elevação de fumaça em uma guerra nuclear total entre EUA e Rússia, com o uso de quase todo o arsenal ainda disponível. A fumaça negra se dispersa pela alta atmosfera e afeta todo o globo, incluindo o nosso hemisfério sul.

Onde duas décadas antes Sagan, Turco et al modelaram a complexidade da atmosfera em apenas uma dimensão, agora Oman, Alan Robock e Georgiy Stenchikov usaram um modelo tridimensional com resolução de alguns graus de latitude e longitude e 23 camadas verticais na atmosfera estendendo-se até 80 km de altitude. Ele ainda foi combinado com um modelo de circulação oceânica com 13 camadas, o primeiro estudo do Inverno Nuclear a utilizar um modelo de circulação geral envolvendo o mar.

Sim, Michael, o Inverno Nuclear existe. Desde sua descoberta em 1982/83 até o início da década de 1990, cientistas tanto nos EUA quanto na União Soviética – Stenchikov foi co-autor do primeiro modelo tridimensional do Inverno Nuclear já em 1983 – produziram estudos publicados nos principais periódicos científicos indicando o grande risco de que as previsões catastróficas eram mais do que plausíveis. Ainda que em 1991 Sagan, Turco e outros tenham previsto erroneamente que a queima de poços de petróleo no Golfo Pérsico teriam consequências climáticas globais, o que não ocorreu, ainda que negadores do Inverno Nuclear tenham e continuem atacando violentamente suas conclusões, vinte anos depois a ciência da climatologia mais preocupada com o aquecimento global revisitaria – e vindicaria – as piores previsões de escuridão.

Porque o modelo usado por Robock et al é exatamente o mesmo modelo computacional usado para tentar compreender, e então prever, o aquecimento global. Há um enorme emaranhado de nexos, e em se tratando do futuro do planeta, talvez não seja surpresa que todos acabem se encontrando repetidamente. De aviões supersônicos ao buraco na camada de ozônio, do ozônio e as tempestades de areia em Marte ao Inverno Nuclear, do aquecimento global e erupções vulcânicas de volta ao Inverno Nuclear: o Apocalipse é Inevitável.

O modelo computacional para simular o Inverno Nuclear foi testado em seus resultados contra a realidade em casos como as erupções vulcânicas de Laki (1783) e Katmai (1912). Ele fornece uma simulação muito próxima do que foi efetivamente observado, e como vimos em registros históricos, incluindo aqueles especialmente relevantes como a arte do Grito da Natureza de Munch ou Frankenstein de Shelley, partículas chegando à estratosfera podem levar a um cenário tenebroso como a “Escuridão” de Byron. E se o modelo pode prever as consequências observadas de erupções vulcânicas, sua simulação de um confronto nuclear é o melhor que podemos avaliar de suas consequências. O resultado, novamente, é o GIF animado acima, talvez não tão poético ou lúgubre quanto um poema, romance ou pintura, mas que deve ser um alerta tão ou mais urgente.

[Com agradecimentos a José Ildefonso, Alan Robock oferece seus papers e apresentações para download]

– – –

Releia toda a série:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 1 comentário

  1. Reptiliano rebelde disse:

    As questões são:
    O que significa “Apocalipse”?
    Destruição da civilização (para recomeço de outra) ou da própria espécie?
    O inverno nuclear duraria mais de uma década?

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Arquivos

Páginas

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM