A Primavera Silenciosa da Nature (parte II)

“Houve outrora uma cidade no coração da América onde toda a vida parecia viver em harmonia com o ambiente. Então uma estranha moléstia avançou sobre a área e tudo começou a mudar. Um feitiço maligno foi lançado sobre a comunidade. Por todo o lugar se via a sombra da morte.

Fazendeiros falavam de muitas doenças em suas famílias. Na cidade, os doutores ficaram mais e mais intrigados por novos tipos de moléstias aparecendo em seus pacientes.

Havia uma estranha calmaria. Os pássaros, por exemplo, para onde teriam ido? Os poucos vistos estavam moribundos, tremiam violentamente e não podiam voar. Aquela era uma primavera sem vozes. Pelas manhãs, que outrora haviam vibrado com o coro dos papos-roxos, dos tordos-dos-remedos, dos pombos, dos gaios, das corruíras e de vintenas de outras aves canoras, não havia agora som algum, somente o silêncio pairava.

Nas fazendas, os galos cruzavam mas os pintinhos não chocavam. As macieiras floresciam mas nenhuma abelha voava entre as flores, não havia polinização e não haveria frutos.

Nas sarjetas e nas calhas, entre as telhas, um pó branco granulado ainda podia ser visto. Algumas semanas antes ele havia caído como neve sobre os telhados e jardins, os campos e rios. Nenhuma bruxaria, nenhuma ação inimiga havia silenciado o renascimento de uma nova vida naquele mundo golpeado pela morte. Fora o povo, ele próprio, que fizera aquilo”.

Com esta assustadora “Fábula para Amanhã” começa a “Primavera Silenciosa” (1962) de Rachel Carson, saudado como um dos marcos iniciais do movimento ambientalista. Aproximando-se dos 50 anos desde sua publicação, você pode jamais ter lido o livro de capa verde, mas sem dúvida já escutou alguma versão desta fábula apocalíptica, e é bem possível que o cenário do silêncio dos pássaros e das doenças misteriosas causadas por produtos químicos sintéticos façam parte de seus temores mais primordiais.

Como contou um amigo, quando o aluno comentou, “Bah, o Shakespeare é um clichê atrás do outro!”, o professor respondeu, “Claro, foi ele que criou eles”. A “Primavera Silenciosa” de Carson, com seus alertas sobre o abuso de componentes sintéticos, a manipulação do público incauto pela grande indústria e a delicada teia da vida em que vivemos pode soar como um amontoado de clichês ecológicos.

Claro, foi em grande parte este best-seller ainda lido em escolas que os levou a milhões de mentes. Primavera Silenciosa foi eleito recentemente como um dos 25 maiores livros de ciência pelos editores da Discover Magazine.

“Biocidas”

Em meio à poesia, havia sim ciência: com a comoção popular, o presidente John Kennedy ordenou que seus cientistas investigassem as alegações de Carson. Quando em maio de 1963 o relatório foi finalmente divulgado, nada menos que a própria Science opinaria como:

“O tão esperado relatório sobre pesticidas do Comitê de Assessoria Científica do presidente foi divulgado na semana passada, e embora seja um documento moderado, mesmo em tom, e cuidadosamente equilibrado em seu julgamento de riscos versus benefícios, ele se soma a uma vindicação razoavelmente completa da tese da Primavera Silenciosa de Rachel Carson”.

A tese do livro, novamente hoje um clichê, era realmente simples. O uso irresponsável e irrestrito de pesticidas exterminava não apenas insetos, como afetava animais como pássaros e mesmo seres humanos. Carson argumentava como não seriam “pesticidas”, e sim “biocidas”, porque sua ação não se limitava às pestes e sim se estendia a toda a vida. O DDT em particular podia ter uma ação muito restrita a insetos, mas por ser lipofílico e não se degradar facilmente, tendia a se concentrar cada vez mais na gordura de animais no topo da cadeia alimentar, com efeitos não desprezíveis por exemplo em algumas espécies de pássaros como o falcão peregrino.

RTEmagicC_littoatl_406e.jpg

Mais do que seus efeitos colaterais, o próprio sucesso do DDT seria também seu fracasso, porque a evolução é literalmente uma força da natureza. Quase todos os insetos eram exterminados pelo DDT, mas os pouquíssimos indivíduos que por pequenas mutações eram mais resistentes ou mesmo imunes passavam então a se proliferar sem rivais. Enfatizando as ideias de Darwin para o desenvolvimento de resistência a pesticidas por insetos, Carson nota como “a guerra química nunca é vencida, e toda a vida fica encurralada no fogo-cruzado”. Insetos e pesticidas só se tornariam mais tóxicos e resistentes até que realmente não houvesse mais pássaros cantando pela manhã.

Dez anos após sua publicação, o DDT foi banido nos EUA e o uso e aplicação de pesticidas passou a ser melhor regulado por todo o mundo. A Convenção de Estocolmo, um tratado global do qual o Brasil faz parte e em vigor desde 2004, limita o uso de Poluentes Orgânicos Persistentes, incluindo além do DDT substâncias como as dioxinas.

Mas não há nada tão óbvio e ponderado que não possa ser distorcido para se transformar em algo abominável. A figura feminina de Rachel Carson e sua prosa repleta de referências poéticas seria transformada por alguns em um dos maiores males do último século, responsável pela morte de milhões.

No próximo texto.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 1 comentário

  1. Pedro disse:

    Ah, outro cliffhanger! XP

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Arquivos

Páginas

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM