Brasil ameaçado – Lagartixa de areia

Tem brasileiro ameaçado na praia: Liolaemus lutzae. (Imagem: Karina Marques/ arkive.org)

A lagartixa de areia (Liolaemus lutzae) é um pequeno réptil de uns 8 cm que habita dunas em restingas do Rio de Janeiro.  Ela se alimenta de insetos quando jovens e apenas quatro espécies de plantas da restinga que acumulam água quando adultas. Sua reprodução ocorre uma vez só na vida e cada casal produz apenas quatro ovos, o que torna o crescimento populacional dessa espécie muito lento. A crescente ocupação urbana do litoral brasileiro tem empurrado essa lagartixa para mais perto do abismo da extinção. Então, troque o terreno naquele loteamento novo à beira mar que você queria comprar por férias num hotel já construído há anos e ajude a preservar essa e outras espécies da restinga.

Brasil ameaçado – rato candango

Juscelinomys candango, um rato com nome de político, mas esse não queríamos que fosse extinto. (Imagem: cienciahoje.uol.com.br)

Com tanto político para ser associado a ratos, esse daí recebeu o nome de Juscelinomys candango. A espécie foi descoberta durante a construção de Brasília, mas a cidade cresceu tanto que hoje o animal já pode ser considerado extinto. Só era conhecido para a região do Distrito Federal, onde já não é avistado desde 1960. Cavava tocas subterrâneas que recheava com fibras e gramíneas, alimentava-se de gramíneas, sementes e formigas. Foi a destruição do habitat que provavelmente levou a espécie ao seu fim. Você pode evitar que outros roedores (e aves) tenham esse mesmo destino colocando um guizo na coleira do seu gato, mantendo uma área verde no seu quintal e, claro, desativando as ratoeiras.

Etologia de Alcova – Bate que eu gosto

Corte ou agressão? Machos do pássaro caramanchão batem nas fêmeas, mas só nas que pedem (Imagem: flickr/ Krysia B.)

Mês passado falei da violência como parte do conflito sexual no comportamento reprodutivo. Esse mês quero continuar no tema, mas falando da violência na seleção sexual. De fato, nem sempre comportamentos aparentemente agressivos para um observador humano são de fato indesejáveis para o parceiro que está experimentando, a violência pode ser inclusive o que um parceiro procura no outro.

Frequentemente a corte serve como uma amostra do que um macho é capaz. Ele exibe seus dotes à fêmea. Entre espéceis territoriais, portanto, é muito comum que o macho mostre como ele é agressivo durante a corte. É isso que observamos no pássaro caramanchão australiano. O macho encurrala a parceira dentro de um corredor de palha que ele constroi e lhe dá umas porradinhas de leve. Tudo parece muito violento, mas quando pesquisadores construíram robôs de fêmeas que não reagiam às investidas violentas dos machos (A que ponto chega a pesquisa em comportamento animal!?!), descobriram que havia todo um código entre os parceiros sobre quão mais forte o macho poderia bater.

No peixe beta, machos lutam para ter acesso às fêmeas. Isso já foi descrito por Darwin em seu livro sobre seleção sexual como seleção intrassexual, então nada de novo. O surpreendente é que quando fêmeas assitiam a lutas elas escolhiam acasalar com o ganhador, mesmo que esse ganhador não pudesse mais evitar que ela ficasse com o perdedor. Aparentemente também não é que a fêmea estava escolhendo uma característica do macho que o fazia ganhar, em lutas manipuladas ela continuava preferindo o vencedor, mesmo que ele fosse maior e mais forte. Isso faz estremecer a fronteira entre seleção intra e interssexual proposta pelo Darwin de forma categórica. Pelo jeito, alguns machos exibem caudas coloridas, outros exibem adversários de olhos roxos.

Nos humanos mesmo a seleção sexual está frequentemente relacionada com indicadores de força física e até de agressividade. Um peitoral desenvolvido e um braço forte são valorizados pela mulherada. Mais do que isso, um estudo clássico publicado na Science propôs que mulheres no auge da fecundidade preferem homens com indicadores faciais (barba, forma do queixo, tamanho do nariz e densidade da sobrancelha) que remetem à testosterona, um hormônio fortemente relacionado à agressividade.

Portanto, a máxima “em briga de marido e mulher não se mete colher” se estende também ao reino animal. Nunca se sabe o quanto aquela aparente violência não está agradando.

Brasil ameaçado – Bagre cavernícola

Ituglanis bambui, um bagre cavernícola ameaçado. (Imagem: Bichuette & Trajano, 2004)

Ituglanis bambui, um bagre cavernícola ameaçado. (Imagem: Bichuette & Trajano, 2004)

Meu primeiro trabalho científico foi com o grupo de biologia cavernícola da USP, eu participei de uma expedição a Terra Ronca, em Goiás, de onde vem o brasileiro ameaçado dessa semana. As descobridoras desse bagre cavernícola foram Eleonora Trajano e Maria Elina Bichuette, com as quais eu trabalhava nesse período. Elas descreveram Ituglanis bambui a partir de animais coletados na virada do século em riachos subterrâneos da caverna Angélica. Ituglanis bambui tem coloração ainda um pouco amarronzada e olhos reduzidos, mas presentes, o que sugere que ele não esteja vivendo em cavernas há muitas gerações já que olhos e pigmentação são perdidos em peixes totalmente adaptados às cavernas. Ele não tem forte hábito de entocar-se e nada solitariamente à meia água em busca de alimentos que localiza com seus barbilhões. O principal risco que essa espécie corre é ter uma população pequena e ter alto grau de endemismo em cavernas de solos calcários. Como o calcário é usado industrialmente em condições que variam do clareamento do papel até a produção de creme dental, economizar pasta de dente e usar aquelas folhas de papel reciclado e não clareado já é uma boa medida para cuidar desses bagres.

Brasil ameaçado – Cascudo zebra

O cascudo zebra é abundante em aquários pelo mundo, mas isso não adianta se ele é raro na natureza. (Imagem: wikipedia.org/ A. Birger)

Só de olhar a foto você já deve imaginar o que ameaça o brasileiro dessa semana, a captura para aquarismo. O cascudo zebra é um belo peixe de uns 6 cm que vive sobre rochas nas corredeiras do Rio Xingú. Ele se alimenta de microrganismos que crescem sobre superfícies duras como rochas e troncos, o que chamamos de perifíton. Os ovos são colocados em tocas que o macho protege e cuida. Os machos são territorialistas e brigam usando espinhos operculares, além disso, sua manutenção em aquário demanda água limpa e correnteza, o que torna sua criação complicada. Não bastasse a captura para o comércio de peixes ornamentais, sua área de ocorrência também deve ser diretamente afetada com a construção da usina de Belo Monte. Quer ajudar esse cascudo? Não povoe seu aquário com espécies ameaçadas ou que não se reproduzam em cativeiro.

Brasil ameaçado – Sapo Holoaden bradei

O sapinho do Itatiaia era abundante até os anos 70, agora é mais um brasileiro ameaçado, ou já extinto (Imagem: arkive.org/Ivan Sazima)

Esse sapinho é encontrado apenas em um trecho de mata de 10 km² acima dos dois mil metros de altitude na Serra de Itatiaia, isso se ainda for encontrado, porque há alguns anos que ele já não é mais visto por pesquisadores. Se você tem acompanhado essa série, já sabe que estar restrito a locais tão pequenos, um endemismo extremo, é uma recorrência entre as espécies ameaçadas. Muito pouco se sabe sobre Holoaden bradei, mas ele vive entre as folhas no chão da Mata Atlântica, os machos defendem a desova que é colocada no folhiço pela fêmea e provavelmente eclode sem passar pela fase de girino. Apesar de ser considerado numeroso até a década de 1970, atualmente a espécie já pode estar extinta. As principais causas de seu declínio foram a perda de qualidade do habitat e talvez a poluição do ar. Uma coisa que qualquer um pode fazer para proteger animais como esse sapo é andar somente nas trilhas, não acender fogueiras e não levar “lembranças” quando estiver fazendo ecoturismo, em especial no Itatiaia.

Etologia de alcova – Sexo violento

Um coração, onf, que romântico! #sqn (Imagem: Flickr/Erik Kilby)

O sexo pode parecer um momento de conjunção, de partilha de objetivos, mas nós etólogos sabemos o quanto o comportamento sexual é conflituoso. O conflito sexual é a manifestação das diferenças de interesses entre machos e fêmeas na hora do sexo. Esse conflito pode tomar as mais diversas formas, mas hoje vamos falar sobre como a violência pode estar envolvida no conflito sexual.

Uma forma do conflito sexual agir sobre o comportamento reprodutivo é através da força física. Nesse caso, um dos sexos usará de força para conseguir o que deseja no relacionamento. A situação que imediatamente vem à mente é o estupro, ou sexo coercivo, do qual já tratei num outro momento. No entanto, existem outros casos em que a força pode ser usada para conseguir o que se quer. Começarei com o caso de uma fêmea que usa a força contra o macho. Fêmeas, como já falamos, se beneficiam de machos que dão atenção total aos seus filhotes, enquanto machos se beneficiam de acasalar com mais fêmeas. No besouro coveiro, a fêmea coage seu parceiro a não sair por aí galinhando e deixar toda a carniça que ele conseguiu como alimento apenas para os filhotes dela. Cada vez que o macho sobe num poleiro para liberar feromônio de atração de parceira a fêmea agarra a base do poleiro (em geral uma folha de capim) e sacode até derrubar lá do alto o besouro galanteador.

Mas a violência vai muito além. Quem nunca viu os simpáticos corações formados por libélulas durante a cópula? Por mais romântico que pareça, o que está acontecendo ali está mais para sexo selvagem. Quando um macho encontra uma fêmea, ele voa por trás dela e a agarra pelo tórax com as pernas. Nesse momento ele pode mordê-la também. A libélula macho tem um apêndice em forma de alicate na ponta do abdômen que ele usa para agarrar a fêmea. Assim, o macho pode passar algum tempo voando à frente com a fêmea presa pela cabeça à ponta do seu abdômen. É uma boa forma de cansá-la para resistir menos à cópula. Em seguida o macho pousará e agarrará a ponta do abdômen da fêmea, onde está a abertura genital dela, e a torcerá até o começo do seu abdômen, onde está o pênis. É aí que se forma o romântico coraçãozinho. Vários outros machos têm pedaços do corpo especializados em segurar a fêmea de jeito, como as antenas dos percevejos conhecidos bizarramente no Brasil como aranhas d’água.

Outro percevejo bem kinky passa a vida na cama (nas nossas camas, quero dizer), é o campeão do título “penetração mais violenta”. Esses bichos têm um pênis em forma de espada que o macho finca no abdômen da fêmea em qualquer lugar, não precisa de uma abertura genital. Ali ele jorra seu esperma que, com sorte, encontrará um óvulo entre os órgãos internos da parceira. Obviamente, a punhalada peniana tem alto custo para a saúde da fêmea que, apesar de tudo, em geral sobrevive.

O hemipênis de uma serpente, os espinhos ajudam a segurar a fêmea, mas também podem feri-la (Imagem: wikipedia/ Mokele)

Falamos acima de como agarrar sua parceira. Este é um problema ainda maior em animais sem braços ou pernas e com fecundação interna, como as serpentes. Os hemipênis das serpentes são cobertos de espinhos córneos afiados que literalmente ancoram o macho dentro da fêmea, mas é provável que essas ornamentações no pênis dos machos tenham outra função além de prender a fêmea. Em insetos como os gorgulhos, esses besourinhos que dão em potes de grãos armazenados, o trato genital da fêmea termina uma cópula todo ferido por dentro devido às pontas que o macho tem no pênis. Machucada, a fêmea dificilmente conseguirá acasalar de novo tão cedo, garantindo a paternidade do macho que a feriu.

Agora que esse texto já está longo o suficiente, me ocorreu que falei de casos em que a violência não é muito bem-vinda. O sexo violento traz prejuízos para um parceiro, mas beneficia o outro: definindo o conflito sexual. No entanto, existem casos em que a violência é parte do que um parceiro busca no outro. Falaremos disso na alcova mês que vem.

Brasil ameaçado – Bagrinho Heptapterus multiradiatus

A espécie é tão ameaçada que nem uma foto confiavelmente atribuída a ela está disponível na internet (Imagem: fishbase.org/Brosse)

O bagre heptapterus multiradiatus é um peixe de cerca de 9 cm que habita a Bacia do Alto Tietê. Tem o corpo longo e a nadadeira anal igualmente alongada. Seus olhos são reduzidos e tem barbilhões longos que usa como sensor tátil e químico para perceber o ambiente. A perda da vegetação ripária, o uso dos riachos que habita como manancial para obtenção de água na Grande São Paulo e a poluição dos rios no Alto Tietê são as principais causas do declínio das populações desse peixe. Destine o escoamento da água de banheiros para a rede de tratamento de esgoto adequadamente, assim você não contribui para a extinção de peixes. Fechar a torneira enquanto escova os dentes ou lava a louça também é uma medida ao alcance de todos e que ajudará esses bagrinhos.

Brasil ameaçado – Cardeal amarelo

O cardeal amarelo, Gubernatrix cristata, é tão capturado por traficantes que está criticamente ameaçado. (Imagem: Edwyn Harvey)

O cardeal amarelo (Gubernatrix cristata) é uma ave que habita o Sul do Brasil, Uruguai e Leste da Argentina. Ocorre em campos abertos e vegetação baixa, onde alimenta-se de sementes. O macho tem coloração amarela mais forte e contrastante com penas pretas na cauda enquanto as fêmeas são mais pardacentas. Vivem em casais ou formam bandos e colocam de dois a quatro ovos por ano em territórios que o macho defende cantando. Devido a essa coloração bonita e seu canto melódico, essa espécie é muito capturada e comercializada por traficantes de animais, a principal causa dela estar criticamente ameaçada de extinção. Sua preservação está entre as prioridades do plano de ação nacional para conservação dos campos sulinos. Além disso, monoculturas de eucalipto têm devastado seu habitat natural. Não criar passarinhos em gaiolas em casa já é uma excelente ajuda para preservar essa ave.

Brasil ameaçado – caburé de Pernambuco Glaucidium moori

O Caburé de Pernambuco provavelmente ganhou um nome já estando extinto. Imagem: oeco.org.br

Essa corujinha simpática da ilustração está provavelmente extinta. Já falamos nessa coluna sobre o gritador do Nordeste (Cichlocolaptes mazarbarnetti), o caburé de Pernambuco (Glaucidium mooreorum) é nosso personagem da semana e vem da mesma região do gritador, o Centro de Endemismo Pernambucano. Essa é uma faixa de Mata Atlântica isolada ao norte do São Francisco que foi extensivamente desmatada, restando apenas 2% de sua cobertura original. Por conta de nunca ter sido estudada viva, sabemos muito pouco sobre a biologia dessa coruja, mas provavelmente alimentava-se de insetos grandes e pequenos mamíferos. Outras corujas do mesmo gênero voam tão baixo que cercas com mais de dois metros de altura têm isolado populações, mostrando como esse animal é vulnerável. Para proteger outras espécies de coruja é importante não usar inseticidas que sofrem bioacumulação.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM