Sacculina-A ciptozoologia que existe

Ciclo de vida de um parasita que transforma seus hospedeiros em zumbis. (Imagem: Edward Connolly, CC-BY 2.0)

Ciclo de vida de um parasita que transforma seus hospedeiros em zumbis. (Imagem: Edward Connolly, CC-BY 2.0)

Um apocalipse zumbi é uma das mais comuns fantasias de fim do mundo da contemporaneidade. Mal sabemos que isso não é lá tão ficcional assim. Recentemente a ciência têm demonstrado uma importante atuação dos parasitas na modulação do comportamento de seus hospedeiros. Já durante a graduação um exemplo disso me impressionou muito numa aula de Zoologia do saudoso Prof. Carlos Rocha, as cracas parasitas do gênero Sacculina.

Essas cracas em nada se parecem com aquelas que vemos no costão rochoso, em cascos de navio ou sobre baleias (aliás, as que se assentam sobre baleias são mais uns caroneiros chatos do que parasitas mesmo). Só é possível saber que a Sacculina é uma craca por causa da fase larval. A anatomia do adulto é única entre os crustáceos e se divide num saco reprodutivo externo e um rizoma interno que permeia todo o corpo do hospedeiro, em geral caranguejos ou lagostas.

Ao encontrar um hospedeiro, a larva da Sacculina irá invadir seu corpo através de uma junta do exoesqueleto do hospedeiro. Ali a parasita fêmea se desenvolverá até irradiar por todo o corpo do hospedeiro e produzir um saco reprodutivo externo na região caudal da vítima, o mesmo local onde os ovos deste se desenvolveriam. Paralelamente, a Sacculina irá afetar a fisiologia e a anatomia do hospedeiro, primeiro castrando e depois estimulando a feminilização anatômica e comportamental se o hospedeiro for macho. Ao acasalar, o parasita começa a produzir larvas ao mesmo tempo que estimula no hospedeiro os comportamentos de cuidado aos ovos e dispersão de filhotes que este teria com seus próprios descendentes.

Privado de crescer e se reproduzir pela presença do parasita, o caranguejo devota todo o excedente da energia que consome para nutrir a Sacculina até o fim dos seus dias, tornando-se um zumbi a serviço das cracas. Por mais assombroso que seja, caranguejos zumbis existem e chegam a ser 50% dos indivíduos em algumas regiões mais infestadas. Isso pode ser um problema para a produção de frutos do mar em locais como o Alasca.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 0 comentários

Participe e envie seu comentário abaixo.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM