Vestimentífera – A criptozoologia que existe

Esses bizarros vermes marinhos recebem o nome popular de batom do mar, pelo menos numa tradução do Inglês. São vermes tubulares vermelhos que entram e saem de um tubo protetor branco mais ou menos como a ponta de um batom aparece e some quando rodamos a base. Ao contrário de outros animais obscuros dessa série, os vestimentíferos não são minúsculos, eles podem passar dos 70 cm.

Outra esquisitice do grupo está em habitar regiões muito profundas, até cerca de 10 mil metros de profundidade. Ali a luz solar nunca chega devido à filtragem feita pela água, portanto, não temos plantas para produzir energia e servir de alimento aos vestimentíferos. Isso também não é um grande problema, já que nossos personagens de hoje nem boca ou tubo digestório têm. Como eles se nutrem então? Sua energia é derivada de bactérias quimiotróficas que processam sulfeto ou metano derivado de atividade vulcânica, por isso os vestimentíferos sempre ficam próximos a chaminés submarinas chamadas de fontes hidrotermais.

Na época da minha graduação, esses animais me foram apresentados como um filo aparte chamado pogonófora. Hoje, graças a dados moleculares e ao trabalho inestimável dos taxonomistas, os classificamos entre os poliquetos, um grupo de vermes marinhos aparentados às minhocas e sangue-sugas. É bem verdade que os poliquetos ainda precisam de um extenso estudo para confirmarmos se eles têm uma história evolutiva em comum, tendo todos um único ancestral (é bem provável que não). Apesar disso, hoje acredita-se que classificar os vestimentífera como anelídios poliquetos é mais próximo à verdade evolutiva do que agrupá-los num filo aparte.

Aos ignorantes que andam atacando macacos

Os macacos são inocentes, os mosquitos não. (Foto: Davi Santana CC BY-SA)

Os macacos são inocentes, os mosquitos não. (Foto: Davi Santana CC BY-SA)

Acordei essa manhã com alguns vizinhos gritando “Ei, eu estou aqui. Cadê vocês?”. Na verdade eu só sei que estavam dizendo isso porque entendo um pouquinho a língua deles, não falam português. Essa frase acima na língua deles soa como um longo assovio bem agudo que os outros repetem sempre que escutam. Esses vizinhos são micos e, não. Eu não estou com medo deles.

Já faz tempo que o verão nos traz notícias de enchentes e desmoronamentos catastróficos. Mas recentemente outra tragédia de verão se tornou rotina, viroses cujos vetores são mosquitos. A cada verão elas se repetem como hits de carnaval. Quando você achava que havíamos chegado ao fundo do poço chega um novo verão e te prova que estava errado. A desse verão é a febre amarela.

Já foram registradas pelo menos oito mortes na região de Teófilo Otoni, Minas Gerais, mas, como sempre, os números parecem ser bem maiores porque muitos casos são suspeitas não confirmadas e há falta de padronização nos dados. A febre amarela é causada por um flavivírus, um vírus de RNA e, ao contrário da dengue e Chikungunya, existe vacina para ela, mas poucas pessoas a tomam com a regularidade necessária até porque epidemis são raras. A doença fica lá, com um pequeno número de casos em humanos ou na natureza, até que ocorra a epidemia.

Os reservatórios desses vírus na natureza são macacos, eles são tão vítimas da doença quanto nós humanos e servem de termômetro para a vigilância sanitária. Macacos mortos podem indicar que uma epidemia está para começar e atingir humanos, portanto são muito importantes. O que acontece é que eventualmente um mosquito pode sugar sangue de um macaco contaminado e em seguida infectar um humano ao picá-lo também. Por isso algumas pessoas estão com medo dos macacos.

Cabe aqui uma explicação. O contágio também pode ser de um humano para um mosquito e então para outro humano, sem passar pelos macacos. Então pela lógica dos agressores também deveríamos apedrejar ou atirar em humanos que se aproximassem. Aliás, eles são bem mais numerosos que os macacos e podem ficar de 3 a 6 dias com o vírus no organismo, sendo transmitido pelos mosquitos, mas sem manifestar os sintomas. O macaco não transmite a febre amarela para humanos sem o mosquito vetor. Também será difícil atacar todo o bando de macacos, no máximo um único indivíduo será afetado e todos os outros nove indivíduos em média.

O mosquito que transmite o vírus entre os primatas é do gênero Haemagogus, mas entre humanos o maior vetor é nosso velho conhecido Aedes aegypti. Assim, poupe suas energias de atacar bugios indefesos e invista em passar e repassar repelente, instalar telas e mosquiteiros e eliminar focos de larvas.

Placozoa – A criptozoologia que existe

Placozoa, o animal mais solitário do mundo (Foto: Hunadam; CC BY-SA 3.0)

Placozoa, o animal mais solitário do mundo (Foto: Hunadam; CC BY-SA 3.0)

Os placozoa são provavelmente os mais solitários animais do universo. Eles são um filo inteiro que só contém uma única espécie: Trichoplax adhaerens. Foram descobertos em 1883 em um aquário marinho na Áustria e desde então foram raramente coletados. Apenas na década de 1970 foram aceitos como um novo filo de animais, mas sua relação de parentesco é obscura. Nenhum dos outros grupos de animais se parece com os placozoa, que podem ter se simplificado de um animal mais complexo ou nunca terem desenvolvido tais novidades evolutivas. Em termos biológicos, isso significa que nenhum dos outros animais assume ser parente próximo dos placozoa, aumentando sua solidão.

Continue lendo…

Um conto biológico de natal

Recebi hoje o vídeo da notícia acima por whatsapp. No melhor estilo “você que é biólogo”, me pediram para comentar o assunto, então resolvi fazê-lo no blog. Como num conto de natal, um casal de tico-ticos fez seu ninho na árvore de natal de uma casa e lá alguns filhotinhos nasceram.

Continue lendo…

Muito cuidado com este inseto!

Muito cuidado com este inseto, mas não pelo motivo que você está pensando. (Imagem: Matthew Robinson)

Desde o começo do ano vem circulando pela internet, principalmente whatsapp e facebook, um alerta sobre um inseto indiano ou chinês que está transmitindo pelo simples contato um vírus ou fungo mortal que se manifesta primeiro por erupções na pele. A única coisa viral a respeito dessa história foi a velocidade com que a mentira se espalhou online, e parece que uma mais recentemente houve um novo surto.

Continue lendo…

Priapúlida – A criptozoologia que existe

Esta bizarra criatura habita o fundo dos mares, passa sua vida chafurdando na lama ou entre os grãos de areia. Acreditava-se que eles só viviam nos mares frios e profundos, mas, para desespero de todos, mais e mais pessoas têm relatado encontros com priapúlidos em águas rasas por todo o mundo.

Priapúlida, o bicho-piroca dos mares profundos (imagem: Shunkina Ksenia)

Seu estranho nome tem uma origem ainda mais assustadora. Priapus era o deus grego do pênis, uma referência direta a sua anatomia peculiar. De fato, vários humanos que já encontraram priapúlidos relatam que sua visão causou gritos e reações que oscilaram da euforia ao pavor em decorrência do corpo alongado, roliço e dotado de uma probóscide entumescente com uma abertura única (a boca) que explica a analogia entre os animais deste falo, digo, Filo e um órgão masculino. Para completar, diversas espécies (como a da foto) ainda têm filamentos semelhantes a pelinhos na extremidade posterior. Outra bizarrice é que esses animais vagam entre nós quase despercebidos desde o Cambriano médio, muito antes dos dinossauros, e permanecem até hoje quase idênticos ao que foram 400 milhões de anos atrás.

Os priapúlidos possuem uma simatria corporal bilateral como a nossa, o que demonstra um parentesco muito antigo com os humanos. O ancestral comum entre nós e eles provavelmente era um verme de corpo achatado semelhante a um platelminto. Apesar do baixo metabolismo, os priapúlidos são grandes o suficiente para precisar de um sistema circulatório e até de um pigmento de transporte de oxigênio, a hemeritrina. Os órgãos estão arranjados numa cavidade corporal que se assemelha à nossa cavidade abdominal, mas tem uma origem embrionária muito diferente, sendo um resquício da fase embrionária de blástula. Esses animais alimentam-se de matéria orgânica em meio ao sedimento ou predam outros invertebrados lentos. Por sua vez, servem de alimento para peixes. A despeito de todas as comparações entre priapúlidos e pênis, a maioria dos animais desse grupo não ultrapassa os 3 cm, embora alguns poucos afortunados possam chegar a quase 40 cm.

De volta à vida

É primavera. Aqui no cerrado as chuvas começam a voltar. Na parte mais ao sul do Brasil são as temperaturas que sobem. Por todo lado a vida recomeça.

Sempre que o ambiente impõe condições difíceis demais à vida, uma opção disponível para os animais (e as plantas também) é abrir mão da vida. Não no sentido de se deixar, ou de se fazer, morrer, mas no sentido de abdicar dos processos vitais pelo menos enquanto as coisas andarem difíceis demais. Nesse caso, os organismos reduzem drasticamente seu metabolismo, o consumo de nutrientes, oxigênio e água, paralisam seu crescimento e o investimento reprodutivo e ficam ali, esperando as coisas melhorarem para retomar tudo isso depois. Estes processos são conhecidos por dormência.

Tem hora que não tem jeito, é preciso despertar. (imagem: John Connell)

Há diversos processos diferentes relacionados à depressão metabólica dos animais, como a diapausa, o torpor, a hibernação e a dormência. A duração, intensidade da economia energética e os gatilhos que desencadeiam cada processo de dormência diferem de um tipo para o outro.

Também existem diferentes espécies que entram em dormência metabólica nos mais diversos grupos animais. Mesmo protozoários podem se encistar para evitar a perda de água, a falta de um hospedeiro nas espécies parasitas ou a escassez alimentar. Outros animais que encistam (e insistem em continuar vivos) são os vermes nematóides e platelmintos, assim como os legendários e indestrutíveis tardígrados. Moluscos, minhocas e até peixes pulmonados evitam a morte por congelamento e a perda de água entrando em estivação. Mamíferos se escondem do frio e da desnutrição hibernando. Pequenos mamíferos e aves de metabolismo extremamente alto, como morcegos, camundongos e beija-flores, diariamente entram em torpor para evitar o desperdício energético. Os insetos e os embriões dos peixes anuais entram em diapausa durante períodos de seca intensa. Todos estes grupos são salvos da morte a cada ano (ou mesmo diariamente) graças aos processos de dormência.

A existência é um processo delicado que precisa se equilibrar numa corda bamba entre e existência e o desaparecimento. Cruelmente, a sina de todo ser vivo (pelo menos dos sexuados, mas isso fica para uma outra postagem) é sempre acabar morrendo, a diferença entre o sucesso ou o fracasso biológico está no que você conseguiu realizar enquanto se equilibrava. A dormência animal aparelha diferentes organismos a se manterem vivos ainda que o ambiente esteja hostil num dado momento, um verdadeiro alívio para a manutenção da biodiversidade. Todos passamos por isso, momentos mais difíceis nos quais suspendemos partes de nossas atividades e mantemos apenas o que for vital, mas chega uma hora em que é possível e necessário seguir em frente. O Ciência à Bessa está de volta!

Nomenclatura binomial

Vídeo novo do Ciência à Bessa. Em tempos de guerra ao mosquito quem morreu foi o Lineu!

A política é mais antiga que o homem

Clique na imagem que o infográfico interativo abre!

Celacanto, a volta dos que não foram

A partir de hoje o Ciência à Bessa irá experimentar uma nova mídia que está bombando na Internet. Está no ar o primeiro vídeo da série. Espero que vocês gostem! Começamos com a história de como um peixe que se acreditava extinto desde o mesozóico apareceu em 1932 num museu da África do Sul graças ao trabalho de uma jovem e dedicada naturalista.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM