Aos ignorantes que andam atacando macacos

Os macacos são inocentes, os mosquitos não. (Foto: Davi Santana CC BY-SA)

Os macacos são inocentes, os mosquitos não. (Foto: Davi Santana CC BY-SA)

Acordei essa manhã com alguns vizinhos gritando “Ei, eu estou aqui. Cadê vocês?”. Na verdade eu só sei que estavam dizendo isso porque entendo um pouquinho a língua deles, não falam português. Essa frase acima na língua deles soa como um longo assovio bem agudo que os outros repetem sempre que escutam. Esses vizinhos são micos e, não. Eu não estou com medo deles.

Já faz tempo que o verão nos traz notícias de enchentes e desmoronamentos catastróficos. Mas recentemente outra tragédia de verão se tornou rotina, viroses cujos vetores são mosquitos. A cada verão elas se repetem como hits de carnaval. Quando você achava que havíamos chegado ao fundo do poço chega um novo verão e te prova que estava errado. A desse verão é a febre amarela.

Já foram registradas pelo menos oito mortes na região de Teófilo Otoni, Minas Gerais, mas, como sempre, os números parecem ser bem maiores porque muitos casos são suspeitas não confirmadas e há falta de padronização nos dados. A febre amarela é causada por um flavivírus, um vírus de RNA e, ao contrário da dengue e Chikungunya, existe vacina para ela, mas poucas pessoas a tomam com a regularidade necessária até porque epidemis são raras. A doença fica lá, com um pequeno número de casos em humanos ou na natureza, até que ocorra a epidemia.

Os reservatórios desses vírus na natureza são macacos, eles são tão vítimas da doença quanto nós humanos e servem de termômetro para a vigilância sanitária. Macacos mortos podem indicar que uma epidemia está para começar e atingir humanos, portanto são muito importantes. O que acontece é que eventualmente um mosquito pode sugar sangue de um macaco contaminado e em seguida infectar um humano ao picá-lo também. Por isso algumas pessoas estão com medo dos macacos.

Cabe aqui uma explicação. O contágio também pode ser de um humano para um mosquito e então para outro humano, sem passar pelos macacos. Então pela lógica dos agressores também deveríamos apedrejar ou atirar em humanos que se aproximassem. Aliás, eles são bem mais numerosos que os macacos e podem ficar de 3 a 6 dias com o vírus no organismo, sendo transmitido pelos mosquitos, mas sem manifestar os sintomas. O macaco não transmite a febre amarela para humanos sem o mosquito vetor. Também será difícil atacar todo o bando de macacos, no máximo um único indivíduo será afetado e todos os outros nove indivíduos em média.

O mosquito que transmite o vírus entre os primatas é do gênero Haemagogus, mas entre humanos o maior vetor é nosso velho conhecido Aedes aegypti. Assim, poupe suas energias de atacar bugios indefesos e invista em passar e repassar repelente, instalar telas e mosquiteiros e eliminar focos de larvas.

Celacanto, a volta dos que não foram

A partir de hoje o Ciência à Bessa irá experimentar uma nova mídia que está bombando na Internet. Está no ar o primeiro vídeo da série. Espero que vocês gostem! Começamos com a história de como um peixe que se acreditava extinto desde o mesozóico apareceu em 1932 num museu da África do Sul graças ao trabalho de uma jovem e dedicada naturalista.

Brasil Ameaçado – Tubarão Lagarto

O tubarão lagarto está extinto no Brasil, parte disso se deve ao fluxo de grandes navios. (Imagem: Elasmolab)

O tubarão lagarto é uma espécie considerada extinta no Brasil. Esse tubarão alimenta-se prioritariamente de crustáceos e habita águas de 10 a mais de 300 m. São fortemente dimórficos, sendo que os machos são esguios e as fêmeas mais pesadas; os machos também têm dentes maiores. Medem cerca de 70 cm, sendo uma espécie pequena de tubarão. O declínio dessa espécie foi atribuído a modificações das áreas reprodutivas devido ao tráfego naval. Dessa forma, preferir produtos nacionais a importados pode ser uma forma de estimular a economia do Brasil e ainda ajudar espécies em condições semelhantes à do tubarão lagarto.

Brasil Ameaçado – Sauím de Coleira

Este lindo primata está ameaçado pela fragmentação de nossa maior floresta. (Imagem: Udo Schröter)

O sauím de coleira é um pequeno primata que vive próximo à cidade de Manaus. Como é comum entre os primatas, rios servem de barreira geográfica e isolam populações. O sauím de coleira está isolado ao norte do Amazonas, leste do Negro e sul do Cuieiras. Uma espécie aparentada, Saguinus midas cerca o sauím de coleira e parece estar excluindo nosso personagem de hoje por competição. O sauím de coleira vive em grupos de cerca de dez indivíduos, apenas uma fêmea do grupo se reproduz e dá à luz dois filhotes no início e no fim do ano. Mesmo assim sua população vem declinando nos últimos anos, o que deixou essa espécie criticamente ameaçada de extinção. Isso se deve principalmente à fragmentação do habitat na periferia de Manaus. O controle de natalidade é uma saída para o crescimento populacional humano que ameaça essa espécie, assim como para a maioria das que apresentei nessa série.

Brasil Ameaçado – Proceratophrys sanctaritae

Esse sapo folha é vítima do uso irracional da água, mas também do chocolate. (Imagem: Rafael Abreu)

Esse sapo folha é vítima do uso irracional da água, mas também do chocolate. (Imagem: Rafael Abreu)

Essa espécie de sapo-folha habita a Serra do Timbó, Bahia. São sapos diurnos que vocalizam em coro nos dias chuvosos para atrair parceiras. Acasalam em poças rasas onde seus girinos irão se desenvolver. Vivem quase o tempo todo no chão do interior de matas densas. Habita a floresta tropical semi-decidua em altitudes de 800 a 900 m acima do nível do mar. A principal ameaça à espécie é o desenvolvimento de culturas como a banana e o cacau, que ocupam as matas onde esses animais vivem. Secundariamente, as nascentes da Serra do Timbó estão secando devido à exploração exagerada nas cidades que cercam a unidade de conservação. Dessa forma, usar água com mais consciência é uma medida simples e que pode ajudar espécies como esse sapo-folha.

Brasil Ameaçado – Toninha Franciscana

Toninha franciscana, pequenas e encurraladas em águas rasas são alvo fácil da captura acidental em redes de pesca. (Imagem: Wurtz-Artescienza)

A Toninha franciscana é um golfinho marinho, mas que entra em estuários. São animais relativamente pequenos (1,80 m e 50 kg). Ele vive em águas rasas onde caça peixes como as corvinas. Essa espécie ocorre desde o norte da Argentina até o Espirito Santo onde a água e a alimentação são adequadas. Ao contrário da maioria dos golfinhos, as toninhas não formam grupos numerosos, vivendo geralmente isoladamente. Sua maior ameaça é a captura acidental nas redes de arrasto. Por isso, para preservá-las compre apenas peixes de pescadores que usam tecnologia dolphin safe. O lixo que jogamos nas praias também é frequentemente ingerido por esses animais.

Brasil Ameaçado – Jacu estalo

Ele imita porcos do mato, ele persegue formigas, ele está criticamente ameaçado. (Imagem: Le Jeune)

O Jacu-estalo é um parente dos abundantes anus, mas está criticamente ameaçado. Essa ave Cucculiforme tem uma distribuição bastante estranha, já tendo sido encontrada no Espirito Santo, Minas Gerais, Tocantins, Bahia e Maranhão, então há uma larga faixa onde ela nunca foi registrada e novos registros existem para o Acre, o Peru e a Bolívia. É possível que a espécie exista em terras intermediárias, mas nunca tenha sido registrada, alternativamente pode já ter sido extinta nessa faixa. Em todo caso, espécies de distribuição ampla ameaçadas de extinção são mais raras do que as fortemente endêmicas. A população mais ameaçada é a que se encontra na Mata Atlântica brasileira. São animais relativamente grandes (~54 cm) que andam no chão da mata atrás de insetos ou voam seguindo correições de formigas comendo as presas que a correição deixa escapar. O som que produz é um estalo seco que faz lembrar o bater de dentes de um porco do mato, daí alguns de seus nomes populares, como Taiassuíra (do Tupi ave porco do mato). Por dependerem de matas intactas para viverem, o jacu-estalo está criticamente ameaçado. Gosta de café? Então procure produtores dedicados a produzi-lo de maneira sustentável e preserve o Jacu-estalo. É que o café é muito produzido em locais onde antes havia Mata Atlântica primária. Preferindo produtores ambientalmente responsáveis você evita que mais matas sejam substituídas por cafezais.

Brasil Ameaçado – Noronhomys vespuccii

O personagem dessa semana está tão extinto que nem imagem dele sobrou. O rato Noronhomys vespuccii é o primeiro exemplo registrado de extinção de um animal devido às grandes navegações. A IUCN atribui inúmeras extinções a esse processo de colonização, mas poucos foram devidamente documentados como no caso desse roedor. O Rato de Noronha também seria o primeiro mamífero brasileiro extinto. Sua extinção é atribuída à introdução de um competidor voraz, o rato europeu, Rattus rattus. Paralelamente predadores introduzidos, como cães e gatos, e a caça aceleraram ainda mais o processo. Quase nada se sabe sobre a biologia dessa espécie. A única descrição deles vivos foi feita por Américo Vespúcio, que foi homenageado no nome desse roedor. Essa espécie mesmo já era, mas outras espécies nativas podem ser protegidas colocando um guizo na coleira do seu gato. Assim você o impede de atacar sorrateiramente um animal nativo.

Brasil Ameaçado – Maçarico esquimó

O maçarico esquimó foi tão mal recebido no Brasil que resolveu não voltar mais. (Imagem: Le Jeune)

Sabe aquele lugar que você visita uma vez e decide nunca mais voltar? O Brasil é um desses para o maçarico esquimó. Essa ave migratória vinha ao Brasil em especial São Paulo, Mato Grosso e Amazonas, mas, com a ocupação dos campos pela pecuária e a agricultura, o habitat que elas visitavam aqui deixou de existir e elas pararam de vir ao Brasil. Na verdade a população dessa espécie como um todo foi muito caçada na América do Norte e declinou bastante, mas muitas dessas aves seguem vivendo em outros lugares do mundo, embora não venham mais ao nosso país. Seu bico longo e curvo a ajuda a revirar o solo em busca de alimento. Por isso mesmo evitar a compactação do solo seria uma forma de preservar essa espécie.

Brasil ameaçado – Phrynomedusa fimbriata

Não, essa não é a perereca do Brasil ameaçado de hoje, é uma espécie do mesmo gênero porque P. fimbriata está extinta. (imagem: Hugo Klaessen/Wikipedia)

Essa pererequinha só é conhecida pelo seu holótipo. Foi descoberta em Santo André, região metropolitana de São Paulo, mas possivelmente ocorria em outras matas de altitude superior a mil metros desde o Paraná até o Rio de Janeiro. É um animal arborícola que se reproduzia em corredeiras da Mata Atlântica, fora isso não sabemos quase nada de sua vida já que há 80 anos nenhum exemplar é avistado apesar de intensas buscas já terem sido feitas. A expansão urbana desordenada de São Paulo provavelmente é a principal responsável por esta extinção. Para evitar que outras espécies tenham o mesmo destino é importante reservar áreas verdes dentro das grandes metrópoles.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM