Brasil Ameaçado – Maçarico esquimó

O maçarico esquimó foi tão mal recebido no Brasil que resolveu não voltar mais. (Imagem: Le Jeune)

Sabe aquele lugar que você visita uma vez e decide nunca mais voltar? O Brasil é um desses para o maçarico esquimó. Essa ave migratória vinha ao Brasil em especial São Paulo, Mato Grosso e Amazonas, mas, com a ocupação dos campos pela pecuária e a agricultura, o habitat que elas visitavam aqui deixou de existir e elas pararam de vir ao Brasil. Na verdade a população dessa espécie como um todo foi muito caçada na América do Norte e declinou bastante, mas muitas dessas aves seguem vivendo em outros lugares do mundo, embora não venham mais ao nosso país. Seu bico longo e curvo a ajuda a revirar o solo em busca de alimento. Por isso mesmo evitar a compactação do solo seria uma forma de preservar essa espécie.

Brasil ameaçado – Formicivora erythronotos

Esse delicado passarinho precisa da sua ajuda para preservar a transição da mata atlântica para a restinga e mangue (Imagem: wikipedia.org/Rick Elis)

O pássaro formigueiro de cabeça negra ficou quase um século sem ser observado na natureza e já era considerado extinto. Felizmente no fim do século passado algumas populações na região de Angra dos Reis foram descobertas. Hoje acredita-se haver cerca de 2 mil indivíduos, mas a população está declinando. Eles habitam mata atlântice baixa e sua transição com a restinga e o mangue. Esse passarinho é muito sensível às alterações do ambiente pelo homem. Sabe o que você pode fazer por ele? Não compre palmito juçara. A extração dessa árvore numa mata é suficiente para excluir os formigueiros.

Brasil Ameaçado – Crax blumenbachii

Caçado até a beira da extinção: mutum do sudeste. (Imagem: xeno-canto.org/Ciro Albano)

O mutum do sudeste é uma ave de grande porte, podendo passar dos 3 kg. O porte e sua docilidade, ou falta de agilidade, o tornam um alvo fácil para caçadores. O problema só tende a se agravar porque o animal só habita extensas áreas de mata atlântica baixa, coisa que praticamente já não existe especialmente devido à ocupação imobiliária. Hoje a espécie está restrita a alguns poucos avistamentos como em Linhares-ES e no sul da Bahia. Denunciar caçadores é uma ação simples que pode ajudar a salvar essa ave da extinção.

Brasil Ameaçado – Columbina cyanopis

Lindos e tristes olhos azuis os dessa vizinha ameaçada. Ilustração: John Gerrard Keulemans/Wikipedia.org

O brasileiro ameaçado dessa semana é uma rolinha mato-grossense. A Columbina cyanopsis é uma espécie muito rara, calcula-se que existam menos de 300 exemplares vivos, a maioria deles numa região muito visitada pelos estudantes da UNEMAT e da UFMT, a Estação Ecológica da Serra das Araras. Para chegar nesse nível de ameaça, essa rolinha sofreu muito com a perda e a fragmentação do habitat decorrente da expansão agrícola no cerrado. Mas se você quiser ajudar essa espécie e muitas outras desse bioma pode agir evitando as queimadas no cerrado. Não jogue cigarros acesos pela janela do carro e não queime lixo ou use o fogo para limpar terrenos.

O que então define o comportamento animal?

Vimos nos dois últimos textos que a genética influencia o comportamento, mas nunca o determina. Da mesma forma o aprendizado ocorre, mas depende de bases genéticas para tanto. No início do século passado o comportamento animal vivia essa dualidade instinto versus aprendizado, cada qual com sua escola e seguidores aguerridos. No entanto, e parafraseando o aniversariante Nelson Rodrigues, todo maniqueísmo é burro, voltamos ao caminho do meio. Foi assim que em 1973 Konrad Lorenz, Niko Timbergen e Karl von Frisch foram laureados com o prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina pela conciliação entre esses dois paradigmas.

Todo comportamento animal é um misto de dois componentes: seu instinto geneticamente baseado e o aprendizado proporcionado pelo ambiente onde vive. Não faz sentido isolar os fatores ou dizer que um comportamento é mais instintivo ou mais aprendido. A genética pode até promover uma forte propensão a realizar um dado comportamento, mas ele só irá se manifestar se pressupostos à sua ocorrência forem cumpridos. Mesmo assim o comportamento mudará de acordo com experiências prévias e com as informações que o meio lhe oferecer para essa manifestação.

Instinto vs aprendizado? Instinto+aprendizado. O canto de um pássaro depende de seus genes, mas também do ambiente. Fonte: everystockphoto.com

Instinto vs aprendizado? Instinto+aprendizado. O canto de um pássaro depende de seus genes, mas também do ambiente. Fonte: everystockphoto.com

Por exemplo, vejamos o canto de uma ave. Existem bases genéticas para o canto, tanto que cada espécie tem cantos tão específicos que pesquisadores são capazes de identifica-las de ouvido. No entanto, é necessário cumprir alguns pressupostos. Filhotes não cantam (ao menos não como adultos), portanto é importante que o animal esteja no estágio ontogenético adequado. Não importa quantos genes uma ave tenha, se ela estiver extremamente desnutrida esse comportamento será reprimido, demonstrando assim a importância do fator fisiológico também.

Porém, mesmo que um comportamento ocorra, ele tende a ser afetado por fatores externos. Uma ave pode estar geneticamente apta a cantar, na fase de vida ideal para o canto e fisiologicamente propensa, mas esse canto será melhor ou pior executado dependendo do contato que a ave teve com bons cantores antes. Isso o sabe qualquer criador de canário, já que gravações dos campeões de gogó (no caso, siringe) circulam no comércio para inspirar os futuros concorrentes. Da mesma forma, foi surpreendente quando se descobriu que em ambientes ruidosos algumas aves canoras mudavam seu estilo de canto privilegiando amplitudes maiores (cantando mais alto), ou em ambientes com muitos obstáculos, como uma floresta fechada, privilegiando cantos mais graves (que ultrapassam esses obstáculos).

Nos próximos textos veremos como instinto e aprendizado afetam as diferentes manifestações comportamentais dos animais.

Bicho Bizarro: Fragata

Fregata magnificens, fragata magnífica

Um ladrão, mas um ladrão com classe

Durante um projeto que desenvolvi em 2004 com pesquisadores do IO USP uma das lembranças mais legais é a de observar as aves marinhas enquanto coletávamos peixes. Uma das minhas favoritas era a fragata. Esse fascinante animal se alimenta principalmente de peixes, ela, no entanto, é uma má pescadora. Fragatas não conseguem mergulhar e para pescar elas riscam a superfície da água com o bico capturando peixes de superfície. O maior volume de sua dieta, no entanto, provém do roubo de alimento de gaivotas e atobás, por exemplo. As fragatas perseguem esses animais e muitas vezes os agridem até que eles regurgitem o peixe que acabaram de comer. A fragata então irá pegar o peixe antes que ele caia no mar novamente num espetáculo de acrobacias aéreas. Outra bizarrice da espécie é o comportamento de corte dos machos. Eles inflam um saco na região do pescoço, jogam a cabeça para trás e abanam as asas para seduzir a fêmea. As populações de fragatas vêm declinando e não se tem uma boa explicação para isso, por isso é importante preservar seus ninhais. Fragatas, assim como outras aves marinhas que nidificam em colônias, são importante fonte de guano para fornecer nitrogênio a plantações.

ARKive video - Magnificent frigatebirds in flight and piratical feeding behaviourE não deixe de votar no Ciência à Bessa para topblog de bichos e animais.

 

Tudo em um ano 12 – Mamíferos

O evento que ocorreria hoje se toda a história do universo se desenrolasse em um ano na verdade tem expressividade próxima a zero hoje mesmo (como boa parte dos eventos narrados nesta série). Seu efeito só começará a ser sentido daqui a quatro dias, no final da manhã do dia 30, quando um meteoro cairá perto da península de Yucatán no México. Novamente por culpa da competição, os mamíferos que surgem hoje serão ofuscados até daqui a 135 milhões de anos quando os dinossauros praticamente se extinguirem deixando vivos apenas um pequeno grupo deles menos ameaçadores ao qual iremos chamar um dia de aves.

Quem diria, você, um mamífero cheio de potencial, passou milênios subjugado ecologicamente pelos ancestrais daquele peru de ontem! Não é uma bela vingança? Felizmente esta supremacia terminou e nos permitiu sair do obscurantismo. Um meteoro, humpf, vai dizer se deus não joga dados.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM