Gabarito comentado do ENEM-Biologia

Esse final de semana estão ocorrendo as provas do ENEM. E como Ciência à Bessa também é prestação de serviços, vou apresentar aqui a minha correção e discussão das questões mais ligadas à Biologia da Prova desse ano.

A primeira questão é a 47. Nela apresenta-se o valor dos peixes híbridos na aquicultura, mas também os riscos dessa criação, no caso, a invasão de ambientes naturais. Pergunta-se qual o risco que essa invasão pode causar. O maior problema seria a substituição genética das populações naturais pelos híbridos.

A próxima questão também trata de biologia. O enunciado nos conta sobre o uso de leveduras no preparo de pães e bebidas alcoólicas. Pergunta-se: Por que a massa do pão cresce quando fermenta? Isso é resultado das bolhas de gás carbônico resultantes da fermentação alcoólica. A levedura consome açúcares para produzir energia, mas no processo libera CO2.

Na questão 55, que fala de biodegradação, pergunta-se o que se espera que um microrganismo faça no processo de biorremediação. O microrganismo deve metabolizar a substância tóxica, eliminando algum composto menos problemático para o ambiente.

A questão seguinte, em seu enunciado fala sobre um paciente que, numa região sem saneamento básico, entrou em contato com água de enchente e apresentou alguns dados sintomas. Juro que eu nem sabia os sintomas da leptospirose, mas essa doença é muito característica de enchentes. Além disso, a lista de sintomas era bem genérica (dor de cabeça, febre etc). As outras doenças não tinham muita relação com as enchentes, eram transmitidas de pessoa a pessoa (difteria, tuberculose, meningite).

Na questão 58 pergunta-se qual a definição precisa de reciclagem. Nas alternativas há quatro exemplos de reutilização (vassouras de PET, garrafas retornáveis etc), mas só o derretimento do alumínio das latas para fazer lingotes é um exemplo verdadeiro de reciclagem.

Organismos geneticamente modificados era o tema da questão 60. O enunciado perguntava como uma característica inserida por transgenia se manifestava no milho. No final a questão era uma versão enfeitada do (ah, odeio esse nome!) dogma central da Biologia Molecular. Ele diz que o DNA se transcreve em RNA mensageiro e esse é traduzido em proteínas. É claro que o DNA em questão tem que ser o implantado no milho transgênico, de outro modo só seria manifestada ali a característica do milho normal.

Na questão 63 o enunciado diz que a quantidade de substâncias químicas numa planta varia com o crescimento e ao longo do ano. Pergunta-se como o genoma da planta pode originar essas variações. O que acontece é que o genoma, apesar de relativamente estável, pode ser expresso em maior ou menor intensidade, de acordo com a necessidade.

Na questão 69 o enunciado apresenta um caso em que seres vivos (larvas de moscas) aparentemente surgem de matéria inanimada (arroz), mas explica que desde o século XVII sabe-se que não é bem assim. Aí o importante é saber que os microrganismos ali apresentados não surgiram do nada, mas são os descendentes de seus pais que, em algum momento, passaram por ali.

Meu habitat natural, o cerrado, é o tema da questão 72. Conta-se que as árvores e arbustos desse ambiente precisam resistir à seca e ao fogo. Pede-se uma adaptação desses vegetais aos problemas mencionados. O pé de lobeira que tinha no terreno baldio da quadra onde cresci não tinha uma casca fina, não tinha um caule reto nem folhas estreitas e certamente não tinha raízes aéreas. No entanto, seus brotinhos eram de um verde claro parecido com uma camurça. Pelos nas gemas apicais dão-lhes a proteção necessária.

O desmatamento é a causa de diversos problemas, inclusive alguns de saúde pública. Casos de dengue são muito comuns em regiões recém-desmatadas, de doença de Chagas também. Sem ter animais silvestres para atacar, mosquitos da dengue ou barbeiros passam a alimentar-se de humanos, contaminando-os. É isso que a questão 75 pergunta.

A questão 81 gerou certa celeuma. O enunciado apresenta uma filogenia dos vegetais (Atenção professores, não dá mais para fugir! Sistemática filogenética virou assunto de colégio. Professores de ciências, aprendam sistemática!) com os grupos e suas sinapomorfias. Pergunta-se qual sinapomorfia levou à maior diversificação genética nos vegetais. A dúvida era que a questão poderia ser interpretada de duas formas: 1) Num vegetal, o que leva à diversificação genética? Ou 2) Qual a sinapomorfia do grupo vegetal mais geneticamente diverso? Pessoalmente não enxerguei tanta confusão assim. A pergunta refere-se ao que leva à diversificação genética nos vegetais, ou seja, como as plantas fazem sexo. Isso é feito através de grãos de pólen com fecundação cruzada.

A pergunta 82 trata de osmose. Dá-se a concentração de uma célula e uma solução na qual a célula está imersa e pergunta-se o que aconteceria. Como a concentração na célula (0,15 mol/L) é menor do que na solução (0,20 mol/L), a água sairia da célula através de sua membrana.

Já na pergunta 83 o assunto oficial são os dinossauros, mas um olhar mais atento demonstra que na verdade são as cadeias alimentares. Acredita-se que a grande extinção do fim do Mesozoico tenha sido causada por um meteoro que, ao atingir o solo, levantou uma enorme nuvem de poeira que cobriu toda a atmosfera. Sem luz solar, os grandes vegetais morreram, sem plantas para comer morreram juntos os dinossauros herbívoros. Sem suas presas foram-se também os grandes carnívoros. Sorte a nossa, mamiferinhos já adaptados às trevas. Sorte também a dos dinossauros menores e menos exigentes em termos de alimento, os avós dos nossos pombos, frangos e congêneres atuais.

Cálculos mirabolantes do TRI a parte, ainda acho o ENEM uma prova fraca. A questão 86 é uma evidência disso. Pode soar estranho, mas uma prova eficiente em selecionar tem que ser difícil. Muito difícil! Todos os candidatos vão bem numa prova fácil, é impossível triar os melhores. Já numa prova difícil, especialmente se há muitas questões, fica mais fácil separar o joio do trigo. Sem delongas, todo mundo com um pouco de estudo sabe que obesidade aumenta o risco de diabetes!

O simpático tamanduaí, ou Cyclopes didactylus para os íntimos, é o assunto da questão 88. Infelizmente essa foi outra que me deixou desgostoso. O enunciado conta um pouco sobre esse animal e pergunta a que se refere o texto. Essa é uma daquelas questões que tornam a Biologia célebre entre os alunos de colégio como a ciência da decoreba. Memorizar nomes para passar no ENEM. Biologia NÃO é isso! Habitat é o local num ecossistema onde uma espécie vive. Biótopo é o conjunto das características ambientais que um organismo exige (umidade do ar, temperatura, altitude etc). O nível trópico (melhor seria trófico) é o ponto na cadeia alimentar onde um ser vivo se localiza, produtor, consumidor primário, secundário (o caso do nosso tamanduaí) etc. Nicho é o conjunto dos papeis que uma espécie desempenha na natureza, essa é a alternativa correta. Já potencial biótico é a capacidade de um animal em produzir filhotes. Decorou? Acertou.

Espero ter ajudado e que vença o melhor…

Profissão Biólogo – Produção de mudas para reflorestamento

Fernanda Furlan, responsável pela produção de mudas da Ziani Florestal

Ir na contramão de todos no Mato Grosso e transformar áreas degradadas em florestas é profissão biólogo.

Ir na contramão de todos em Mato Grosso e transformar áreas degradadas em florestas é profissão biólogo.

Meu nome é Fernanda Furlan e sou botânica, trabalhando com produção de mudas exóticas e nativas em um viveiro e implantando as mudas produzidas em reflorestamento. Trabalho para a Ziani Mudas Florestais. Esse mercado até tem espaço para mais biólogos, mas é limitado e a competição com profissionais das engenharias agronômica e florestal dificulta muito nosso ingresso.

Para trabalhar nessa área é necessário entendimento sobre fisiologia, anatomia e taxonomia botânica. Principalmente relacionada à nutrição das plantas e adaptação a diferentes ambientes. Sou supervisora de produção de mudas e de campo. Oriento a melhor produção das mudas com indicações sobre substrato, adubação, luminosidade e umidade. Além de supervisionar a implantação das florestas. Minha carga horária semanal não é definida. No trabalho de campo devemos considerar as adversidades cotidianas, mas a dedicação varia de 40 a 60 horas. Trabalho em ambiente aberto e na zona rural.

Depois de formada em biologia, outras formações foram necessárias, mas nada ligado a mestrado e doutorado. É muito importante que o profissional continue reciclando seus conhecimentos e adquirindo novos também, nessa área há muita competição. Muitas disciplinas me agradaram na graduação. Não segui uma linha de pesquisa específica, o que contribuiu muito para o meu trabalho. Mas no trabalho uso todos os dias os conhecimentos que obtive nas matérias de Estatística, Botânica, Taxonomia, Fisiologia e Anatomia vegetal.

Ainda durante a graduação comecei com um estágio extracurricular junto com outros quatro estagiários de diferentes áreas de atuação. A intenção desse estágio era contratar um profissional. Acabei conseguindo essa vaga assim que me formei.

Contato com a natureza em campo é o que me motiva nessa profissão. Poder acompanhar o desenvolvimento das florestas contribuindo para a conservação dos biomas. Todo dia acontece algo diferente, nunca vivo uma rotina, afinal o ambiente não é controlado. Por outro lado, os desafios estão em conseguir sobressair mesmo com a concorrência de outros profissionais nesta área em busca da remuneração merecida.

Se você deseja obter um emprego como o meu, sugiro que busque um estágio na área e faça cursos e workshops sempre que possível. Busque realizar trabalhos científicos nesta área ainda durante a graduação e se aprimore em áreas paralelas como a engenharia agronômica e florestal. É importante não parar os estudos depois da graduação. A concorrência é muito alta, pois a área é muito promissora nos dias de hoje, o profissional deve sempre buscar meios de se destacar.

Parabéns biólogos!

Biólogo
Em tempo, quero dar meus parabéns a todos os Biólogos. Aos Biólogos que são mais do que uma carteirinha do CRBio na carteira ou um diploma na parede. Aos Biólogos de fibra, mas de uma fibra mais nobre do que a fibra de celulose. Aos Biólogos que o atestam nas cicatrizes das viagens de campo e nas histórias impagáveis de laboratório. Aos Biólogos que, como eu, falam com fervor desse mal que lhes acomete, seja para seus jovens alunos, seja para sua tia-avó e queira ou não a plateia escutar. Aos Biólogos que só se sentem vivos mesmo em meio a tudo o que é vivo. A todos esses Biólogos, meu feliz dia do Biólogo!
Esse ano quero dar meus parabéns especiais a um grupo de Biólogos específicos em nome de todos os do país: a Gesivânia Pires, o Ângelo Manzotti, a Fabiana Freitas, a Tania Matsumoto, o Allan Crema, o Elias Lopes de Freitas, a Vivian Mendonça, o Fernando Nodari, a Karina Tatit, a Sarah Leandrini e todos os meus futuros entrevistados da série Profissão Biólogo. Vocês têm sido um sucesso de clicagem, obrigado pela participação e pela confiança. E aos visitantes, continuem acessando que ainda tem muito material até o fim do ano.

Produção de material didático – Profissão Biólogo

Vivian Lavander

Vivian Lavander, a mente por trás de um livro didático de Biologia

Vivian Lavander, a mente por trás de um livro didático de Biologia

Meu nome é Vivian Lavander Mendonça e sou Bacharel e Licenciada em Ciências Biológicas pelo Instituto de Biociências da USP, São Paulo. Também fiz mestrado em Ciências pelo Departamento de Zoologia do IBUSP. Hoje atuo na produção de livros didáticos e de outros materiais (jogos, planos de aula etc.) destinados ao ensino de Ciências Naturais e Biologia. Sou uma profissional autônoma; a coleção de livros de Biologia para Ensino Médio da qual sou co-autora foi publicada pela Editora Nova Geração. O mercado de trabalho em que atuo hoje tem espaço para biólogos. Para elaborar materiais didáticos com temas de Biologia é necessário ser biólogo. Há muitos colegas trabalhando em editoras – podem ser contratados para elaborar apostilas, revisar textos e fazer leituras técnicas.

Na minha área é necessário estudar e manter-se constantemente atualizado, tanto nos temas de Biologia quanto nos de Pedagogia. Além disso, deve-se gostar muito de escrever e ser criativo na hora de elaborar atividades. Também é importante ter disciplina e organização para cumprir os prazos exigidos.

O trabalho é intenso. Como trabalho em casa, posso organizar meu tempo, mas quando os prazos finais de entrega se aproximam chego a trabalhar mais de 12 horas por dia, todos os dias! E mesmo quando não estou escrevendo, estou ligada no trabalho, estudando um tema, lendo um livro, tendo ideias para novas atividades… Trabalho no escritório que montei em minha casa, com computador, acesso à internet e diversas obras de referência para consultar.

Com relação à formação, não é necessária nenhuma formação extra além da biologia. Ao contrário da maioria dos meus colegas de turma, eu gostava muito de Botânica e das disciplinas específicas da Licenciatura. Como tenho que escrever sobre os mais variados temas (Evolução, Botânica, Zoologia, Genética, Fisiologia, questões ambientais e outros), estou sempre consultando as obras de referência adotadas nas diversas disciplinas da graduação. Por isso não consigo apontar uma área que mais me seja cobrada em meu cotidiano profissional.

Comecei minha carreira profissional como professora de Ciências e Biologia, um sonho que cultivava desde a infância. Como sempre gostei muito de escrever, fui procurar orientação da Profa. Dra. Sônia Lopes, que é autora de livros didáticos. Ela foi minha orientadora no mestrado, que consistiu na elaboração de um texto didático sobre anfíbios, e foi quem me deu as primeiras oportunidades de elaborar materiais como sua colaboradora.

Quando criança, eu gostava muito de ler, inclusive os livros didáticos. Posso dizer que aprendi mais com os livros do que com as aulas, que consistiam basicamente em copiar matéria da lousa… Assim, minha motivação é imaginar um aluno, em qualquer ponto do Brasil, estudando e aprendendo algo novo ao ler ou resolver uma atividade que eu elaborei. Por outro lado, o livro didático deve ser apenas uma das diversas ferramentas que auxiliam o trabalho do professor, assim como, do ponto de vista do aluno, o livro deve ser apenas um de seus meios de estudo. Considero grande desafio a elaboração de outros tipos de materiais didáticos (principalmente digitais), de boa qualidade e feitos para a realidade brasileira. Esses recursos ainda são muito escassos no Brasil.

Se algum leitor quiser escrever materiais didáticos minha principal dica seria “Leia muito!”. Livros e revistas de divulgação científica, livros diversos destinados ao público para o qual se pretende escrever, livros que inspiram quem deseja ensinar (eu recomendo Pedagogia da Autonomia, de Paulo Freire). E acho importante ter experiência em sala de aula – o professor exercita a transposição didática de conceitos científicos, algo fundamental para escrever materiais que sejam ao mesmo tempo corretos e compreensíveis pelo aluno.

Perito Criminal – Profissão Biólogo

Elias Lopes de Freitas

Elias de Freitas, Perito criminal

Elias de Freitas, Perito criminal

Sou Perito Criminal, realizando exames periciais em casos de crimes. Trabalho, portanto, na produção de provas em investigações criminais. Sou funcionário do Núcleo de Perícias Criminalísticas de São José do Rio Preto, SP, que pertence ao Instituto de Criminalística, da Superintendência de Polícia Técnico-Científica de nosso Estado.

No Estado de São Paulo e em vários outros, o Biólogo é um dos profissionais de nível superior que podem prestar concurso e ingressar na carreira de perito. Porém, podem atuar em diversas áreas, que não necessariamente a biológica, como, por exemplo, acidentes de trânsito, furtos, análises de documentos, etc. Em alguns Estados e na Polícia Federal, os concursos são específicos para as diferentes formações.

Entre as habilidades que me são exigidas em meu cotidiano profissional estão um bom preparo não só na área biológica, mas também em outras, principalmente exatas, pois muitas perícias envolvem análises físicas e matemáticas. Quando o trabalho é específico para a área biológica, pode envolver análise de DNA, Bioquímica e atualmente, exames com abordagens sistemáticas e ecológicas, nos casos de crimes ambientais. E o esforço pelo bom Português, como em todas as demais áreas, é fundamental. Nossos Laudos Periciais serão utilizados pelos profissionais que decidirão se um crime de fato ocorreu ou não, qual sua gravidade, se há um culpado, qual pena deverá ser aplicada. É muito importante que apresentemos a redação mais clara e correta possível, para evitar erros de interpretação.

Participo da equipe plantonista, conhecida no jargão policial como “clínica geral”. Faço perícias em diversos tipos de casos, como acidentes de trânsito, furtos, roubos, homicídios, suicídios, danos e também em casos de crimes ambientais. Geralmente, realizo os exames periciais nos locais onde ocorrem os crimes. Contudo, sou pós-graduado na área de zoologia e em casos de crimes contra a fauna, realizo perícias em exemplares vítimas de caça, maus tratos e outros, bem como em instrumentos utilizados para a prática desses crimes.

Normalmente, passo por um ou dois plantões semanais, com 24 h de duração cada. Mas, atendemos a 23 Municípios, com um total de 34 delegacias de polícia, quase não sobra tempo para as análises detalhadas e elaboração dos diferentes tipos de laudos periciais durante os plantões. Assim, trabalho em casa ou em nossa sede, utilizando, aproximadamente, 12 h semanais. Esse tempo varia em função da quantidade de casos mais ou menos complexos que surgem durante os plantões. Às vezes, passo dias trabalhando em um único caso, pesquisando, analisando, principalmente quando envolve análises físicas (por exemplo, acidentes de trânsito) ou em casos que envolvam análises mais complexas sobre sistemática e/ou ecologia.

O ambiente onde trabalho envolve muitos compromissos e exigências típicos dos trabalhos no setor policial. Trabalhamos para auxiliar na solução de problemas da população, que muitas vezes envolvem situações dramáticas. Obviamente, acabamos sujeitos ao desconforto consequente desse tipo de tarefa. Como nossa missão é fornecer análises imparciais, técnicas, é fundamental o preparo para evitar interferências subjetivas, que comprometam a qualidade da prova produzida. E, no caso do plantonista, que atua em loco, onde um crime acabou de ocorrer, analisando detalhes recentes daquele fato, esse preparo é fundamental. Como qualquer estudo direto no ambiente, há sempre variáveis que não podemos controlar e que podem interferir no resultado da coleta dos dados e de sua análise final.

Nenhuma preparação foi exigida além da minha graduação em Biologia antes do concurso. A experiência nas disciplinas favoreceu, mas não era uma exigência. Depois do concurso, para nossa preparação profissional, passamos por um curso de formação, principalmente teórica, na Academia de Polícia. Depois, passamos por um período de estágio, sendo acompanhados por peritos já atuantes, em locais e situações reais de crimes. O tempo de academia pode variar de três até vários meses, dependendo da instituição, isso também quanto ao estágio, que pode ocorrer junto à sede central do órgão ou no próprio posto de trabalho onde cada profissional atuará após sua nomeação.

As disciplinas que mais me interessavam durante a graduação eram Anatomia, Fisiologia Humana, Fisiologia Animal Comparada, Zoologia. O comportamento animal, que também gostava e gosto, era incluso nas fisiologias e zoologia. No entanto, atualmente lido frequentemente com disciplinas como Matemática e Física, além da Anatomia e Fisiologia que já me interessavam.

Apesar dos vários problemas de nosso Sistema Judiciário, o trabalho pericial é um dos alicerces para produzir a investigação adequada nos casos de crimes. Isso é fundamental para a análise feita por aqueles que julgarão e decidirão sobre o resultado final de cada fato examinado. Assim, faço parte de uma parcela profissional importante na luta pela garantia da justiça em nosso País, o que me motiva nas horas difíceis da minha profissão.

Especificamente em São Paulo, que é onde atuo, apesar dos incrementos e melhorias nas condições de trabalho, ainda necessitamos de mais recursos, tanto humanos, como tecnológicos e de infraestrutura. Afinal, vivemos no Brasil e nossas deficiências, principalmente no setor público em geral, todos nós conhecemos.

O Perito Criminal encontra situações desagradáveis durante seu trabalho; muitas vezes, extremamente dramáticas. Isso exige certo preparo e autodomínio diante dos desafios enfrentados. Assim, para aqueles que pretendam ingressar na carreira, seria muito conveniente uma visita a alguma sede da Polícia Científica, onde poderiam conversar e ter melhor percepção das reais condições de trabalho e desafios que poderão ter pela frente. Outro aspecto que devem ter em mente é a adequação aos métodos utilizados nos trabalhos de cunho legal. A legislação tem um desenvolvimento antropocêntrico e muitas vezes, apenas a argumentação baseada em nossa formação tradicional nas Ciências Biológicas é insuficiente para gerar os resultados esperados. É necessário entender e se expressar na linguagem e argumentação forense. Esses detalhes não devem ser encarados como desanimadores. Apenas refletem o que considero como fato: nenhuma profissão é para todos; nenhuma é para ninguém. O ideal é que cada um procure aquilo que irá lhe satisfazer. O trabalho pericial, certamente, satisfaz e satisfará muita gente.

Analista de meio ambiente – Profissão Biólogo

Allan Crema

Allan Crema, analista ambiental do ICMBio

Allan Crema, analista ambiental do ICMBio

Trabalho como analista de meio ambiente no governo federal desde 2006. Sou funcionário do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, ICMBio, autarquia vinculada ao Ministério do Meio Ambiente, cuja missão é executar as ações do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza, responsável pela criação, gestão e fiscalização das unidades de conservação instituídas pela União. Há no ICMBio muitas oportunidades profissionais para biólogos, inclusive poderia afirmar que grande parte dos meus colegas de trabalho possuem graduação em biologia. Este campo do conhecimento é fundamental para gerir de forma adequada estas áreas protegidas, assim como, para implementar e supervisionar ações de conservação das espécies ameaçadas, recuperação de áreas degradadas, manejo das florestas nativas, monitoramento do uso sustentável dos recursos naturais renováveis, entre outras diversas atividades. No entanto, para concorrer a uma vaga de analista de meio ambiente basta ter nível superior. Além disso, a carreira de analista de meio ambiente ainda não conta com gratificação por titularidade.

Em meu cotidiano no trabalho é exigido o conhecimento profundo da legislação ambiental, com ênfase na Política Nacional de Meio Ambiente e no Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. Além disso, noções de ecologia da paisagem e técnicas de geoprocessamento são constantemente requeridas para a criação, planejamento e monitoramento das unidades de conservação. Outra questão fundamental é possuir uma boa base sobre administração pública e gestão de projetos de forma a conseguir ter sucesso na execução dos projetos e gerenciar de maneira responsável os escassos recursos financeiros destinados ao meio ambiente.

Atualmente sou chefe de uma divisão do ICMBio. Meu trabalho é técnico e centrado na temática: “corredores ecológicos e mosaicos de unidades de conservação”, que são instrumentos de ordenamento e gestão territorial para a conservação. Como trabalho na sede de uma instituição responsável por 310 unidades de conservação e 11 centros de pesquisa espalhados por todo o território nacional, meu trabalho é muito focado na articulação interinstitucional, análise de processos, planejamento, pesquisa, supervisão e execução de atividades em campo.

Em conjunto com o MMA, também promovemos capacitações para as equipes técnicas do ICMBio e outras instituições parceiras e auxiliamos a traçar diretrizes e normativas para implementar ações relacionadas aos corredores ecológicos e mosaicos. É bastante trabalho para ser realizado em oito horas diárias e quarenta semanais.

Apesar de trabalhar no escritório em Brasília, viajo com freqüência para participar de reuniões, oficinas, seminários e atividades de campo nas unidades de conservação. Além disso, o Brasil é referência mundial por sua megabiodiversidade e muitos países possuem o interesse de contribuir com o trabalho de conservação deste patrimônio natural. Por isso, surgem algumas valiosas oportunidades de realizar intercâmbios de conhecimento sobre a gestão de áreas protegidas e/ou desenvolver trabalhos técnicos conjuntos com instituições internacionais a partir de projetos bilaterais de cooperação técnica.

Na graduação sempre tive muito interesse nas matérias de Ecologia, Biologia da Conservação, Zoologia e Evolução. Hoje, no trabalho, estou sempre recordando de tudo que aprendi. Enquanto fazia o curso de Biologia, sempre tive muita disposição para fazer estágios. Estagiei na Fundação Zoológico de Brasília, na Área de Relevante Interesse Ecológico do Riacho Fundo, na EMBRAPA e no IBAMA, onde aprendi muito e pude vivenciar o trabalho na prática. Acredito que os estágios ajudam a nos orientar e são fundamentais para descobrir a área que realmente gostamos de trabalhar.

Depois me dediquei ao mestrado. Sempre gostei muito de trabalhar em campo com animais, por isso optei em desenvolver minha pesquisa na área de herpetologia, junto ao Departamento de Biologia Animal da UnB. Enquanto fazia mestrado, prestei alguns concursos públicos e consegui passar no IBAMA. Terminar o mestrado trabalhando foi um desafio enorme, mas com certeza, valeu a pena. Após a divisão do IBAMA em 2007 decidi permanecer no ICMBio, uma vez que meu interesse sempre foi trabalhar com unidades de conservação.

Eu tenho enorme fascínio e muito respeito pela natureza. Aprendo todos os dias coisas incríveis sobre ela. Isso me deixa motivado para trabalhar pela preservação da biodiversidade. No entanto, trabalhar com a conservação da natureza, na prática significa gerenciar conflitos, por isso, são muitos os desafios para quem pretende seguir esta profissão, como por exemplo: 1) escassos recursos humanos e orçamentários, 2) falta de interesse político para dotar as unidades de conservação de estrutura necessária, 3) dificuldade em conciliar o desenvolvimento econômico com a preservação da natureza, 4) carência de apoio para desenvolver alternativas econômicas sustentáveis.

Quem pretende seguir uma carreira como a minha deveria se dedicar aos estudos, estar sempre atualizado e buscar estágios em diferentes áreas.

Genética Clínica – Profissão Biólogo

Tania Matsumoto

Tania Matsumoto, Geneticista da rede Sarah de Hospitais

Tania Matsumoto, Geneticista da rede Sarah de Hospitais

Sou bióloga molecular na área de genética humana. Trabalho na Rede Sarah de Hospitais de Reabilitação. Acho que a maioria das pessoas na minha área de atuação são ou biólogos ou biomédicos. Portanto, sim, há muitas oportunidades de emprego para biólogos em áreas similares à minha.

No meu dia-a-dia profissional é importante ter experiência em laboratório de biologia molecular e conhecimentos de genética geral e humana. Faço diagnósticos de doenças genéticas, em especial doenças neuromusculares, para os pacientes do hospital. Existe uma rotina ditada pela demanda de exames, mas sempre estamos padronizando novos exames e tentado aprimorar os existentes. Trabalho 40 horas por semana e 8 horas por dia, uma carga horária normal. O laboratório em que trabalho é bem equipado e as pessoas muito bem qualificadas, tanto os biólogos quanto os técnicos de nível médio.

Para o meu cargo não foi necessária nenhuma formação extra após a graduação, mas ter realizado estágios em laboratórios a partir do terceiro ano de graduação me ajudou a ter mais visão da área. As disciplinas com as quais mais me identificava na graduação são as mesmas que mais me vêm à mente na minha rotina profissional: Genética e evolução. O ingresso profissional no Sarah Kubitschek é por concurso público, então prestei o concurso e fiquei em quarto lugar. Após um ano de espera me chamaram e aceitei a vaga.

A genética clínica é uma área da qual sempre gostei e acho que ter o diagnóstico de uma doença ajuda tanto no aspecto prático (tratamento, prognóstico) quanto no psicológico (sabendo-se qual o problema, ele pode ser melhor encarado) dos pacientes. E eu gosto do trabalho de bancada, pipetar DNAs, fazer reações de PCR. Nesta área necessita-se muita atenção a detalhes e cautela, pois estamos lidando com o diagnóstico de doenças de pacientes, então temos controles para garantir a exatidão dos resultados. Esse é o maior desafio. Para aqueles que gostariam de seguir a mesma carreira que eu recomendaria fazer estágios em biologia molecular para adquirir experiência prática e manter-se atualizado com relação à evolução das técnicas e conhecimentos sobre as doenças com as quais se trabalha.

Direito ambiental – Profissão Biólogo

Fabiana Freitas

Direito ambiental

Fabiana Freitas- Bióloga e Advogada

Fabiana Freitas- Bióloga e Advogada

Sou Bacharel em Direito, Advogada desde 1999 e bacharel em Ciências Biológicas desde 2007. Atualmente faço consultoria jurídica a um Município de São Paulo, atuando em diversas áreas como o direito ambiental.

O direito ambiental tem espaço para a atuação de biólogos. Os profissionais de direito, necessitam de profissionais de outras áreas, e no caso, os profissionais da Biologia podem atuar com a realização de perícias em diversas áreas, especialmente na criminal e ambiental, fornecendo pareceres, relatórios, avaliações, que irão dar embasamento às teses jurídicas. Cabe ressaltar que há muito tempo os conhecimentos relacionados à biologia são utilizados pelo mundo jurídico, como por exemplo, os exames de investigação de paternidade, perícias criminais, e hoje com a atenção voltada para as questões ambientais, o biólogo, pode desempenhar importantes trabalhos, que vão desde a elaboração de Estudos de Impacto Ambiental até a emissão de pareceres a empresas preocupadas com o ambiente.

No direito a atuação do biólogo funciona como um complemento. O biólogo que presta serviços a um advogado necessita basicamente de conhecimentos técnicos, inscrição no Conselho de Classe (CRBio) e boa redação para elaboração de estudos e pareceres.

No meu caso, participo de trabalhos que envolvem a análise jurídica de estudos de impacto ambiental, audiências públicas e pareceres jurídicos na área ambiental. Trabalho 40 horas semanais, das 8:00 às 17:00 h, boa parte delas dentro de um escritório.

Primeiro me formei em Direito, e depois, decidi estudar Biologia. Logo que me formei em direito me envolvi com o Direito Ambiental, e na contramão de outros profissionais da área jurídica, que vão estudar Gestão Ambiental, aproveitei o fato de ter afinidade e curiosidade em relação a plantas, bichos, evolução de espécies, minerais e decidi estudar biologia, como um diferencial à minha área profissional.

Eu adoro árvores, agroecologia e sou mergulhadora, então logo de cara me encantei com as aulas de botânica e zoologia.  Mas sempre gostei bastante das matérias interdisciplinares. Para que se faça a implantação de uma obra que cause impacto no ambiente, é necessária a elaboração do Estudo de Impacto Ambiental, que na maioria dos casos envolve disciplinas como a zoologia, botânica, além de estudos em relação ao solo, à água, além do impacto humano/social naquele ambiente.

Para trabalhar em direito ambiental fiz as duas graduações em direito e em biologia. Hoje, por ocasião, meu trabalho não está focado somente nesta área, mas faz parte da minha trajetória, os dois cursos. Estou planejando para o próximo ano, uma especialização em Direito Ambiental.

O direito é uma área muito interessante e multidisciplinar, que necessita da atuação de profissionais de outras áreas. Eu sempre gostei de tudo o que envolvia o mundo natural, desde plantas, animais, evolução, preservação, à qualidade de vida. Acredito que para a aplicação do direito nas questões que envolvam o ambiente, o conhecimento da biologia é fundamental. Quando estudava biologia, muitas vezes fui criticada por vários colegas advogados, que achavam que o que eu estava fazendo era uma loucura. Nunca dei importância a isso, pois sempre acreditei na minha escolha. Acho que o mercado para os advogados que trabalham com o Direito Ambiental e biólogos (que em algum momento profissional vão esbarrar nas questões legais) tem que se expandir bastante ainda, não pode ficar restrito a questões relacionadas ao poder público. Acredito que haja um grande potencial para isso, já que vivemos o momento histórico em que temos que cuidar do ambiente para o hoje e para o futuro.

Para quem tiver interesse em seguir a carreira do direito ambiental recomendo gostar muito das duas áreas, já que vai ter que estudar por pelo menos dez anos, ser perseverante, e claro, acreditar no próprio potencial!

Consultoria ambiental – Profissão Biólogo

Ângelo Manzotti

Ângelo Manzotti, consultor ambiental

Ângelo Manzotti, consultor ambiental

Trabalho na área de consultoria ambiental, com ênfase em diagnósticos da fauna de peixes e avaliação de impactos ambientais sobre os organismos aquáticos. Sou contratado como autônomo por diferentes empresas do ramo, portanto, não sou empregado de uma única empresa. Apesar da grande representatividade de Engenheiros florestais e agrônomos, o mercado de consultorias ambientais tem amplo espaço para atuação de biólogos, principalmente no que diz respeito aos trabalhos envolvendo fauna.

Nas atividades cotidianas, é necessária disposição física para os trabalhos de campo (coleta e visitas às áreas sob influência do empreendimento que está sendo avaliado), conhecimento teórico sobre ecologia, diversidade e comportamento em relação ao objeto de estudo escolhido (por exemplo, peixes) e algumas metodologias de previsão de impactos. Além disso, o profissional deve possuir uma boa escrita e ler com frequência para se manter sempre atualizado em relação aos trabalhos que desenvolve. Tenho os peixes como modelo de estudos. Dentro da área ambiental, realizo trabalhos de Avaliação de impactos ambientais (Estudo de Impacto Ambiental – EIA ou Relatório Ambiental Preliminar – RAP) visando prever como a instalação ou ampliação de empreendimentos do setor agroindustrial poderão influenciar as espécies presentes nos ecossistemas aquáticos. Além disso, também existem atividades sazonais para avaliar o funcionamento desses empreendimentos e verificar se seu funcionamento não está prejudicando o ambiente. Em todos esses trabalhos, além da previsão de impactos, é necessário propor alternativas que sejam capazes de minimizar ou extinguir seus efeitos sobre a fauna. Por se tratar de um trabalho autônomo, a carga horária é bastante flexível e depende do tipo de serviço contratado. Em média, cada trabalho leva em torno de cinco dias de trabalho de campo além do tempo necessário para a elaboração do relatório técnico.

Via de regra não é necessário nenhum outro tipo de formação complementar para exercer as atividades que eu realizo. Entretanto, é importante que o profissional saiba utilizar aparelhos de GPS e realizar a leitura de mapas. Durante a graduação, as disciplinas de comportamento animal, ecologia e zoologia dos vertebrados eram minhas favoritas. As que mais utilizo hoje profissionalmente são, com toda certeza, Ecologia e Comportamento Animal. Sempre me interessei pela área de consultoria ambiental desde o período de graduação. Ainda na condição de graduando, auxiliava amigos biólogos durante os trabalhos de campo e fui adquirindo experiência. Depois de formado recebi o convite de um amigo para realizar trabalhos na área de consultoria ambiental e daí em diante, a cada trabalho surgia uma nova oportunidade.

Além de fazer o que gosto, acredito que o biólogo que trabalha com consultoria ambiental está mais próximo de conseguir atingir algumas metas conservacionista, mesmo que em pequena escala. Por meio de relatórios técnicos que são avaliados pelos órgãos ambientais de fiscalização, é possível propor planos de adequação ambiental a serem desenvolvidos pelos empreendedores a troco da obtenção das licenças ambientais necessárias para a implementação ou funcionamento do empreendimento.

Dentro da área ambiental, ainda é grande a desvalorização do trabalho realizado por biólogos. Apesar de existirem empreendimentos que reconheçam a importância dos estudos ambientais e estejam dispostos a pagar um valor justo, acredito que a ausência de um piso salarial estabelecido por lei, dificulte as negociações durante a fase de contratação dos serviços. Esse seria um dos principais problemas na área.

Toda pessoa disposta a ingressar nessa área deve procurar primeiro o conhecimento teórico, e com toda certeza a ecologia é quem rege esse universo. Depois disso, deve procurar contatos em empresas do ramo e a participar em trabalhos de campo, mesmo como auxiliar (isso pode lhe conferir grande experiência).  Por fim, quando a primeira oportunidade aparecer, deve realizar um trabalho de qualidade para que outros convites apareçam.

Analista microbiológico – Profissão Biólogo

Gesivânia Pires

Gesivânia Pires, microbiologista da Marfrig Alimentos

Gesivânia Pires, microbiologista da Marfrig Alimentos

Desde 2010 sou microbiologista da Marfrig Alimentos. Em mercados semelhantes ao que eu trabalho existe mais espaço para biólogos. Só no laboratório onde trabalho, somos três.

Na minha profissão são exigidos atenção, olhar crítico e muito minucioso. Faço vários tipos de análises microbiológicas para testar se existe contaminação. Assim podemos identificar as bactérias presentes na nossa amostra, no nosso caso carne bovina, antes que a mesma vá para o mercado. Assim pode-se ter garantia de um bom produto. A jornada de trabalho é de 8 h por dia, 48 h semanais por causa dos sábados, sem falar nos eventuais domingos quando é sua vez na rodada. Custa bastante suor o bife na mesa de vocês todos os dias!

Meu ambiente de trabalho é tranquilo, silencioso. Tem apenas três funcionários que atuam no laboratório, todos biólogos, fora o pessoal que é responsável pela coleta que não são biólogos. Não podemos entrar na indústria devido à contaminação cruzada. Ou seja, quem faz a coleta não entra no laboratório e quem fica no laboratório não coleta. A quantidade de trabalho é muito relativa, depende do dia e de que mercado a empresa quer atingir. Por exemplo, os russos são muito exigentes, já o mercado interno é mais fácil de agradar.

Com relação à minha formação, não foi necessário nenhum curso extra para conseguir o cargo. A experiência foi bem mais valiosa. Na graduação eu gostava muito das matérias de microbiologia e zoologia. Microbiologia também é a matéria que mais uso no meu cotidiano profissional. Mais ou menos duas semanas depois de formada consegui emprego como técnica de laboratório numa faculdade. A experiência obtida foi o que me destacou na entrevista para o emprego que tenho hoje. Afinal, todas as minhas concorrentes tinham indicações internas na empresa. Eu só tinha a experiência, mas já estou contratada há um ano e cinco meses.

Minha motivação no trabalho vem do amor à vida, entender como realmente várias formas de vida funcionam. Os desafios aqui são lidar com a rotina e aprender a trabalhar em equipe. Quem quer seguir a área de laboratório tem que saber trabalhar em equipe, afinal um precisa do outro para ter sucesso nos resultados e, no meu caso, para que a indústria possa exportar com confiança o produto. Algumas dicas para quem quiser ingressar nesse ramo: estudar bastante, gostar do que faz, se dedicar e ser atento. Também recomendo ser curioso e diversificar suas experiências. Faça de tudo um pouco, experiência é muito importante. No mais é ser muito perseverante, por que obstáculos sempre irão aparecer.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM