Etologia de alcova – Sexo violento

Um coração, onf, que romântico! #sqn (Imagem: Flickr/Erik Kilby)

O sexo pode parecer um momento de conjunção, de partilha de objetivos, mas nós etólogos sabemos o quanto o comportamento sexual é conflituoso. O conflito sexual é a manifestação das diferenças de interesses entre machos e fêmeas na hora do sexo. Esse conflito pode tomar as mais diversas formas, mas hoje vamos falar sobre como a violência pode estar envolvida no conflito sexual.

Uma forma do conflito sexual agir sobre o comportamento reprodutivo é através da força física. Nesse caso, um dos sexos usará de força para conseguir o que deseja no relacionamento. A situação que imediatamente vem à mente é o estupro, ou sexo coercivo, do qual já tratei num outro momento. No entanto, existem outros casos em que a força pode ser usada para conseguir o que se quer. Começarei com o caso de uma fêmea que usa a força contra o macho. Fêmeas, como já falamos, se beneficiam de machos que dão atenção total aos seus filhotes, enquanto machos se beneficiam de acasalar com mais fêmeas. No besouro coveiro, a fêmea coage seu parceiro a não sair por aí galinhando e deixar toda a carniça que ele conseguiu como alimento apenas para os filhotes dela. Cada vez que o macho sobe num poleiro para liberar feromônio de atração de parceira a fêmea agarra a base do poleiro (em geral uma folha de capim) e sacode até derrubar lá do alto o besouro galanteador.

Mas a violência vai muito além. Quem nunca viu os simpáticos corações formados por libélulas durante a cópula? Por mais romântico que pareça, o que está acontecendo ali está mais para sexo selvagem. Quando um macho encontra uma fêmea, ele voa por trás dela e a agarra pelo tórax com as pernas. Nesse momento ele pode mordê-la também. A libélula macho tem um apêndice em forma de alicate na ponta do abdômen que ele usa para agarrar a fêmea. Assim, o macho pode passar algum tempo voando à frente com a fêmea presa pela cabeça à ponta do seu abdômen. É uma boa forma de cansá-la para resistir menos à cópula. Em seguida o macho pousará e agarrará a ponta do abdômen da fêmea, onde está a abertura genital dela, e a torcerá até o começo do seu abdômen, onde está o pênis. É aí que se forma o romântico coraçãozinho. Vários outros machos têm pedaços do corpo especializados em segurar a fêmea de jeito, como as antenas dos percevejos conhecidos bizarramente no Brasil como aranhas d’água.

Outro percevejo bem kinky passa a vida na cama (nas nossas camas, quero dizer), é o campeão do título “penetração mais violenta”. Esses bichos têm um pênis em forma de espada que o macho finca no abdômen da fêmea em qualquer lugar, não precisa de uma abertura genital. Ali ele jorra seu esperma que, com sorte, encontrará um óvulo entre os órgãos internos da parceira. Obviamente, a punhalada peniana tem alto custo para a saúde da fêmea que, apesar de tudo, em geral sobrevive.

O hemipênis de uma serpente, os espinhos ajudam a segurar a fêmea, mas também podem feri-la (Imagem: wikipedia/ Mokele)

Falamos acima de como agarrar sua parceira. Este é um problema ainda maior em animais sem braços ou pernas e com fecundação interna, como as serpentes. Os hemipênis das serpentes são cobertos de espinhos córneos afiados que literalmente ancoram o macho dentro da fêmea, mas é provável que essas ornamentações no pênis dos machos tenham outra função além de prender a fêmea. Em insetos como os gorgulhos, esses besourinhos que dão em potes de grãos armazenados, o trato genital da fêmea termina uma cópula todo ferido por dentro devido às pontas que o macho tem no pênis. Machucada, a fêmea dificilmente conseguirá acasalar de novo tão cedo, garantindo a paternidade do macho que a feriu.

Agora que esse texto já está longo o suficiente, me ocorreu que falei de casos em que a violência não é muito bem-vinda. O sexo violento traz prejuízos para um parceiro, mas beneficia o outro: definindo o conflito sexual. No entanto, existem casos em que a violência é parte do que um parceiro busca no outro. Falaremos disso na alcova mês que vem.

Estupro, ninguém merece

O resultado da pesquisa do IPEA intitulada “Tolerância social à violência contra a mulher” fez barulho nos últimos dias. Ele aponta que 65,126,0%* dos 3810 entrevistados, dos quais 66% eram mulheres e 4434% (Obrigado asd) homens, concordam que mulheres com roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas. Em outra parte da pesquisa, 58,5% dos entrevistados atribuíram a causa do estupro à mulher não saber se comportar. A pesquisa desencadeou uma campanha nas redes sociais durante o fim de semana.

O tema é espinhoso e passional, mas vou me arriscar a comentá-lo do ponto de vista do comportamento sexual na esperança de não ser mal interpretado. Antes de começar, ressalto que avaliar as bases biológicas de um comportamento não tem nada a ver com justificá-lo, muito menos concordar com ele. Sou radicalmente contra o estupro, apenas acredito que minha linha teórica pode ajudar a compreender e até evitar esse problema social.

Em diversas espécies nas quais a seleção sexual é forte, apenas uma pequena parte dos machos consegue satisfazer os critérios de seleção das fêmeas. Assim, machos incapazes de adquirir uma parceira da forma tradicional desenvolvem comportamentos reprodutivos alternativos. Alguns se passam por fêmeas para entrar num harém, outros roubam cópulas furtivamente. Uma forma comum de burlar a escolha da fêmea por parceiros é o sexo coercivo, especialmente, em espécies agressivas com machos maiores que as fêmeas.

Mecópteros como este são forçados a copular por machos mal sucedidos em conseguir parceiras por outras vias. Modificado de wikipedia.org

Mecópteras como esta são forçadas a copular com machos mal sucedidos em conseguir parceiras por outras vias. Modificado de wikipedia.org

Insetos mecópteros do gênero Panorpa constituem um exemplo disso. Nestes insetos só machos que presenteiam a fêmea com alimento são aceitos para acasalar, mas machos que não conseguem esse alimento podem forçar a fêmea a copular segurando-as com uma pinça que têm no abdômen enquanto fazem a penetração. Algo semelhante acontece com andorinhas do penhasco. Machos em geral começam a construir seus ninhos e cortejam fêmeas que os ajudarão a terminar o trabalho. Conseguir um bom local para nidificar é difícil, então, machos que não conseguem encurralam a fêmea no fundo do ninho de outro casal quando seu parceiro está ausente e forçam a cópula.

Fêmeas dessa andorinha são encurraladas por machos nos ninhos e forçadas a copular. Alterado de wikipedia.org

Fêmeas dessa andorinha são encurraladas por machos nos ninhos e forçadas a copular. Alterado de wikipedia.org

O que podemos tirar daí? É possível projetar algo disso nos casos de violência sexual em humanos? Suspeito que sim. No caso do sexo coercivo ser um comportamento reprodutivo alternativo, podemos prever que ele será praticado por homens incompetentes em conseguir uma parceira, mas que se valem de força. Ele também deverá ocorrer, preferencialmente, com mulheres mais indefesas e sexualmente férteis, entre 13 e 40 anos, com pico por volta dos 20 a 30 anos.

Há outra hipótese, entretanto, que sugere que o sexo coercivo, assim como diversos outros comportamentos masculinos como a masturbação, não é uma adaptação, mas um efeito colateral da superestimulação sexual. Neste caso, poderíamos prever que estupradores são homens com vida sexual muito ativa e baixa seletividade de parceiras e que a idade das vítimas não importaria muito.

Infelizmente, um assunto cercado de tanto tabu torna difícil acumular dados isentos o suficiente para avaliar essas hipóteses. Sabe-se que estupradores condenados costumam ter um histórico de frustração em atrair parceiras espontaneamente, o que concorda com a primeira hipótese. Por outro lado, outro relatório do IPEA aponta que 50,7% dos estupros registrados no SUS ocorrem com menores de 13 anos, o que concordaria com a segunda hipótese caso a mesma pesquisa não sugerisse que apenas cerca de 10% dos casos de estupro são relatados, às vezes por ser um parente ou “amigo”.

É claro que são necessários mais estudos e dados confiáveis para tomar decisões que levem à redução desse crime e garantam às mulheres a liberdade e segurança que merecem sem culpá-las por um desvio do comportamento masculino. Menos preconceito contra análises adaptativas do comportamento humano também não cairia mal, já que negar as bases biológicas do comportamento humano é tapar o sol com a peneira. Conhecer nosso lado instintivo, em vez de negá-lo, me parece a melhor forma de usar essa razão da qual tanto nos orgulhamos para evitar irracionalidades como o estupro. Frise-se que dizer que um comportamento ocorre na natureza não significa aceita-lo. Mas, no final, a conclusão que mais importa é que #ninguém merece ser estuprado. É direito da mulher se portar ou se vestir como bem entende e é dever do homem, ele sim, saber se comportar.

*Atualização: É claro que o percentual ainda assusta, mas uma errata divulgada uma semana depois pelo IPEA mostrou que dois gráficos foram trocados. Interessantemente, agora o que choca é a opinião de que mulher que continua com um marido agressivo é porque gosta de apanhar, ignorando completamente a relação de medo que surge num relacionamento violento.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM