A lesma do mar masoquista

ResearchBlogging.org

 

 

Naquela manhã, no consultório psicanalítico…

Siphopteron. Linda, mas com um gosto sexual duvidoso. Fonte: seaslugforum.net

A doutora ouvia a narrativa da paciente chegando ao fim com um nó na garganta e uma secreção ácida no estômago. Mesmo depois de tantos anos no consultório, algumas histórias ainda a horrorizavam. A paciente, uma lesma do mar branca, vermelha e amarela de menos de meio centímetro, chegou contando sobre seu relacionamento atual, um caso clássico de sadomasoquismo.

– Em resumo é isso, doutora. Para mim uma boa sessão de sexo nunca termina sem um bocado de hemolinfa derramada e objetos afiados introduzidos no meu corpo.

A psicanalista, que havia anos seguia uma linha pouco ortodoxa entre Lorenz e Lacan, disfarçou o melhor que pôde seu mal-estar e comentou: – Mas se isso proporciona prazer a você e seu parceiro, que mal há?

-Você pergunta que mal tem? Olhe para mim, doutora. Sou uma lesma do mar bem sucedida, tinha um emprego legal e um papel de liderança lá no recife de coral. Mas agora tenho uma cicatriz do estilete peniano do meu parceiro na testa. Que vida social e profissional me cabe com marcas inequívocas como essa? Saio na rua e todo mundo já sabe como anda minha vida sexual! – Acontece que os nudibrânquios têm um pênis enorme e nele existe um tipo de estaca que o macho finca na fêmea. Uma coisa assombrosa, seja pelo tamanho do membro, seja pela aparente violência do ato, que deixava a fêmea toda marcada. – Você só diz isso porque está aí nessa poltrona quase de costas para mim e, nessa escuridão, nem consegue me ver direito.

-Olha, Dona Siphopteron, você precisa decidir qual o seu desejo. O sexo como você pratica deixa marcas que complicarão outras partes da sua vida. Não tem um lugar mais discreto para você pedir ao seu parceiro para te dar estocadas?

A lesma balançava a cabeça abanando os tentáculos cefálicos negativamente. – Ele só quer saber de me penetrar na testa, assim fico marcada!

– E ele injeta alguma coisa em você nessas penetrações?

-Injeta sim. Por que? Isto quer dizer alguma coisa?

-Bom, uma forma de encarar o fetiche de vocês, uma bem lacaniana, diria que houve uma ruptura entre o significado e o significante. Inconscientemente você deseja deixar esse papel de liderança e sucesso, mas recalcou esse desejo e o sublimou de outra forma, tornando-se sexualmente submissa. – Informou a psicanalista colocando a perna dos óculos de armação larga entre os lábios a título de ponto final.

-De jeito nenhum! Nunca me canso dessa vida agitada, das minhas responsabilidades. Eu adoro ser assim. É só que também gosto de sexo desse jeito e ninguém tem nada com isso. – Protestou a Sra. Siphonopteron com o manto arrepiado.

-Exatamente por te deixar tão exasperada eu diria para você pensar no que eu disse até nossa próxima sessão. Essa rejeição imediata do que eu disse me remete à negação, o que indica que pode ter um fundo de verdade. – A psicóloga encerrou a sessão fechando seu bloquinho de anotações e espetando na espiral a caneta elegante.

A cliente parecia resignada enquanto se arrastava até a porta de saída. Quase virando no corredor deu um giro sobre o pé e perguntou à analista. – Você disse que uma forma de encarar meu fetiche era a lacaniana. Qual seria a outra?

-Olha, são só especulações. Injetando líquido da próstata na testa, tão perto dos seus nervos, as secreções do seu parceiro podem estar afetando seu sistema nervoso e mudando seu comportamento. Talvez isto te deixe cada vez mais submissa e disposta ao masoquismo. Mas isto é um palpite. Até semana que vem.

Voltando da porta, a doutora reparou que sua secretária nem tinha escutado as conversa com a paciente porque não desgrudara os olhos do livro que tinha nas mãos. Algo parecia errado com a capa, onde se lia “365 receitas para o dia-a-dia”. Abaixo dessa capa, frouxamente encaixada ao miolo, dava para ver claramente a capa cinza de “Cinquenta tons mais escuros”. A terapeuta reparou os dedos da secretária se crisparem segurando firme o livro ao perceber que estava sendo observada.

-Cuidado com os recalques, minha filha. Assuma seus desejos porque as consequências podem ser piores. – Comentou a doutora retornando a sua sala.
Rolanda Lange, Johanna Werminghausen and Nils Anthes (2013). Cephalo-traumatic secretion transfer in a hermaphrodite sea slug Proceedings of the Royal Society B DOI: 10.1098/rspb.2013.2424

O nudibrânquio emasculado

Naquela manhã, no consultório psicanalítico…

Não devia ter chamado o cliente de lesma. A secretária olhava o rastejando para dentro do consultório com o lábio inferior evertido e as narinas contraídas numa clara expressão de nojo. A doutora não conseguia entender como a secretária podia ver com asco aquilo que ela mesma considerava [email protected] Uma lesma marinha com duas protuberâncias alaranjadas na parte da frente e um tufinho de brânquias atrás, [email protected] vermelho vinho com pintas brancas. É isso, não devia ter chamado de lesma.

-Entre, [email protected] Chromodoris. – Convidou a analista tentando evitar uma declinação de gênero a esse animal hermafrodita. – O que @ traz aqui hoje?

O amor nos faz perder coisas que nem imaginamos. O nudibrânquio emasculado. (Fonte: eol.org)

O amor nos faz perder coisas que nem imaginamos. O nudibrânquio emasculado. (Fonte: eol.org)

Por um tempo @ nudibrâ[email protected] tergiversou sobre seu trabalho de arquivista numa repartição burocrática, sobre o conforto que a rotina dava e sobre sua falta de criatividade, que [email protected] não via como problema, porque era melhor não ousar que ver as coisas dando errado. A psicóloga, que já tinha alguns anos de experiência, sabia quando tentavam evitar problemas reais.

-Como era sua relação com sua pãe e seu mai? – Pãe, como se sabe, é o indivíduo hermafrodita que recebeu os espermatozoides do mai na hora do sexo. Um mesmo animal pode ser pãe de um filho e mai de outro se o sexo for recíproco.

-Nossa, doutora, que mudança radical de assunto. Bom, meu mai foi pouco presente em nossa família, nunca nos deu muito apoio. Em compensação minha pãe tinha um pulso firme. Pulso é maneira de dizer, né. Nós nudibrânquios não temos pulso. Papãe era muito [email protected], fazia questão de que tudo andasse nos eixos. Papãe era mai e pãe ao mesmo tempo, e não era só porque era hermafrodita. Acho que é normal ser oprimido, né?

-Não é não. @ [email protected] precisa se impor também. Isso é complexo de castração! – Pronunciada a última frase, ficou instantaneamente lí[email protected] , os rinóforos murchos completavam o quadro de desolação.

-Co-como a senhora sabe? – Gaguejou baixinho em pânico.  – Como sabe que eu fui castrado? Todos podem perceber?

– Eu quis dizer em sentido figurado. Mas por que você diz isso? Quer me contar algo mais?

Chromodoris passou os minutos seguintes contando sobre seu primeiro e último relacionamento apenas algumas horas antes, mas que pareciam uma eternidade. Como @ [email protected] era [email protected], mas ao mesmo tempo [email protected] Como haviam se amado mutuamente, mas também como a culpa havia surgido avassaladora. Num momento de confusão entre ser macho, fêmea ou hermafrodita, arrancara violentamente o próprio membro. Agora era toda mulher, mas a culpa e a confusão não passavam. Já perdera a concha quando ainda era uma larvinha, agora a perda auto-infringida do pênis era demais para suportar. Por isso marcara a sessão urgente com a analista.

Enquanto narrava @ cliente percebeu aquela sensação intoxicante no osfrádio e lágrimas começaram a escorrer aos borbotões. A psicanalista esperou alguns instantes e preparou um lenço de papel e sua voz mais acolhedora.

-Acalme-se. Você é o que você é. Sua castração é meramente temporária, de fato, se você olhar agora mesmo perceberá que um novo pênis está se formando. Quando encontrar [email protected] [email protected] já estará [email protected] para copular outra vez.

Despediram-se na porta do consultório. @ nudibrâ[email protected] rastejando para o elevador do prédio enxugando as lágrimas. Mais [email protected] e menos [email protected], [email protected] até ensaiou um sorriso amarelo que mal descobria a rádula enquanto a porta do elevador se fechava. A doutora ficou para trás, pensando em como somos todos hermafroditas e temos dificuldade de lidar com isso.

ResearchBlogging.org
Sekizawa, A., Seki, S., Tokuzato, M., Shiga, S., & Nakashima, Y. (2013). Disposable penis and its replenishment in a simultaneous hermaphrodite Biology Letters, 9 (2), 20121150-20121150 DOI: 10.1098/rsbl.2012.1150

 

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM