Patentes Patéticas (nº. 100) (não, péra…)

Patentes Patéticas (nº. 100) (não, péra…)

Telefone celular (ou telemóvel para os lusos): OK. Tablet: OK. Carregadores de baterias: OK. Garrafinha de água: OK. Carteira: OK. Bolsos: não dá. Se você já enche seus bolsos (inclusive o do boné), como vai aindar por aí com sua parafernália tecnológica e manter-se...

A eugenia “não é o suficiente”

O ano 2100 verá a eugenia universalmente estabelecida. Nas eras passadas, a lei que governa a sobrevivência do mais ajustado capinou, grosso modo, as descendências menos desejáveis. O novo sentimento de pena dos homens passou a interferir com as operações brutas da...

Linhas de expressão cartesianamente corretas

Dadas suficientes variáveis, é possível plotar qualquer coisa num plano cartesiano. Círculos, triângulos, órbitas planetárias e até pessoas. O único problema é que, pra ser matematicamente preciso, você teria que encontrar e resolver as equações certas antes de sair...
Patentes Patéticas (nº. 78)

Patentes Patéticas (nº. 78)

Além de usar óculos, uma maneira de parecer inteligente (ou até mesmo sensual) é mascar a ponta da haste de seus óculos enquanto se olha para o nada com um ar de quem está tendo um pensamento profundo ou buscando inspiração (mas na verdade não se vê quase nada)....
A vida, o Universo e tudo mais — na ponta da língua

A vida, o Universo e tudo mais — na ponta da língua

A expressão “tá na ponta da língua” pode tornar-se bastante literal em um futuro próximo. Graças ao cruzamento de engenharia genética e ciência da computação, será possível armazenar tudo o que você quiser na ponta da sua língua — ou melhor, no DNA da ponta da sua...
Patentes Patéticas (nº. 72)

Patentes Patéticas (nº. 72)

É preciso ser meio masoquista para jogar certos games. Vez após vez você tem que morrer antes de aprender a passar daquela fase complicada. Daí, aparece outra mais complicada ainda e lá vai você outra vez… Skinner explica. Mas se Skinner quisesse criar algo para...