>Nobel chegando… façam suas apostas!

>

E anotem no calendário pra não perder…

03/10 – Fisiologia e Medicina
04/10 – Física
05/10 – Química
07/10 – Paz
10/10 – Economia

??/?? – Literatura

Por aqui vamos tentar seguir a divulgação tão perto quanto possível!

>Ser referee… A arte da pureza

>Antes de mais nada um aviso: vou usar ao longo do texto o termo em inglês referee – árbitro em português – e ainda paper – trabalho científico na nossa língua – já que estes são termos mais que comuns na linguagem científica. Aviso dado, de volta à vaca fria.

Recebi esta semana um artigo para ser referee. Não, não é a primeira vez e também não, não é tão comum que se tornou banal. Longe disso. Acho que com esse eu encho uma mão, ou um pouco mais. Voltando ao ponto, eu recebi um artigo essa semana para ser referee e isso acabou por me fazer praticar um dos meus esportes prediletos: refletir sobre o processo.
Neste caso, por processo, eu quero dizer como deve se portar um referee para julgar um trabalho com imparcialidade e justiça? No fim das contas, como eu devo me portar ao me deparar com uma situação dessas? 
Confesso que a minha primeira resposta era que ser referee era um exercício de humildade. Conversando com ela, deu pra concluir que humildade não era a melhor palavra. Pensei em desapego… mas também não… no fim, cheguei à pureza como uma boa definição do estado de mente/espírito de um referee ideal frente a um paper. Os motivos? Seguem abaixo:
(1) é preciso se livrar dos preconceitos. E aqui eu nem me refiro a preconceitos do tipo “no Chile não se faz pesquisa de qualidade” (só um exemplo, não me entendam mal) e o paper é do Chile, então já vou lê-lo com viés de baixa. Ou ainda, um dos autores é super-ultra conhecido por trabalhos de qualidade, então este novo trabalho vai ser bom de qualquer jeito. Não, eu não me refiro a esse tipo de preconceito. Ser cego pro nome/grupo/país dos autores é absolutamente fundamental. O meu conceito de preconceito é com a ciência que está sendo descrita ali naquele trabalho. Você pode achar que teoria das cordas é uma besteira completa, ou que difração de raios-x é “ciência velha” (de novo, só exemplos genéricos!), ou ainda que relatividade geral é o supra-sumo do que há de mais perfeito em ciência. Nada disso pode importar. A ciência contida ali tem que ser julgada pelo que ela representa, dentro do seu próprio contexto e independente das suas opiniões.

(2) não se deve descontar uma frustração no cientista errado. Você teve um paper recentemente recusado? Ou tem um paper submetido e o seu referee está levando o triplo do tempo pra responder? (caso real e beeeeem atual) Os autores do trabalho que você vai julgar não tem nada com isso. É preciso esquecer as frustrações científicas passadas ou presentes para julgar um paper. (Adendo: não se deve descontar frustrações em caso nenhum)

(3) ser referee não é um exercício de poder e/ou arrogância. Uma vez eu soube de uma história de um pesquisador que se orgulhava por nunca ter aprovado um trabalho para uma determinada revista prestigiada… Outro que adorava reprovar e/ou criticar duramente trabalhos simplesmente pela diversão de exercer o seu poder de recusar, pisar nos outros, enfim, ser arrogante.
(4) é preciso se livrar da condescendência. É isso mesmo. Não se pode ser propositadamente mau. Mas também não se pode ser propositadamente bom. Aquele grupo não publica a muito tempo? Ou você conhece um dos autores e ele está precisando MUITO de um trabalho publicado? (isso vale igualmente para projetos pedindo bolsa, auxílio, etc…). Não importa. Ser referee é julgar sem viés qualquer, venha este da cabeça ou do coração.

Enfim, julgar a qualidade científica de um paper é um belo exercício de limpeza, quase como se fosse muito necessário um banho mental e espiritual para julgar com justiça. Não é fácil, mas não custa nada tentar. 

E você, acha que tem mais alguma “sujeira” que deve ser expelida antes de partir pra julgar um trabalho? Deixe sua opinião aí nos comentários… E agora deixa eu ir lá porque o prazo pra devolver meu parecer é semana que vem! 😉

>Mais veloz que a luz…

>Oi… Saudade de escrever aqui. Muita coisa acontecendo, sinto muito. Vou tentar ser mais presente.

Mas esse notícia eu não podia deixar de comentar. Pipocou na rede inteira um notícia que pesquisadores no CERN, em Genebra, mediram partículas mais rápidas que a luz…

Dito assim nem parece grande coisa. Mas é a primeira vez (repetindo: A PRIMEIRA VEZ) que um experimento contradiz em 106 anos (veja bem, 106! cento-e-seis!) a teoria especial da relatividade, que é uma das bases da ciência moderna. Nada mais que isso.

Nessas horas é preciso calma, repetir o experimento independentemente (os próprios cientistas já fizeram isso alguns milhares de vezes) e checar cada mínimo detalhe, o que com certeza eles fizeram, visto que já está em todo lugar na internet. Vamos ficar de olho no desenrolar dessa história. Porque eles podem estar fazendo história…

Counter

wordpress stats

Counter 2

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM