Fazendo ciência pela ciência

Coloque-se na seguinte situação: você é um pesquisador estabelecido, tem alunos, pós-docs, um laboratório, algumas linhas de pesquisa. Mas unido a tudo isso, você tem todos os problemas inerentes da carreira: administrar alunos, continuamente brigar procurar por fontes de financiamento para manter seus pós-docs e experimentos, publicar, rebater referees, ter paper rejeitados e publicados, escrever projetos, reescrvê-los, fazer milagres com o dinheiro, etc, etc.

Aí um dia Estocolmo acha legal o que você faz e te dá um Prêmio Nobel. Festa, palestras, dinheiro, palestras, reconhecimento, palestras, viagens, palestras, enfim: a curto prazo a única atividade que você vai ter que fazer é contar pros outros porque Estocolmo gostou do seu trabalho.

Mas o calor arrefece e é preciso voltar ao trabalho. No entanto, dado o seu recém-adquirido prestígio, não vão te faltar alunos, pós-docs, colaboradores, parcerias e, suponho eu, publicar trabalhos se torna mais fácil e aprovar projetos e conseguir dinheiro também.

Nesse momento, e com todos esses aspectos favoráveis em mãos, o que você faria? Continuaria à “toda velocidade”, forçando mais e mais as fronteiras daquela área de pesquisa que te consagrou, fazendo, na maior parte do tempo, “ciência incremental”, como todos fazemos na maior parte do tempo, procurando um novo “jackpot”? Ou você chutaria o pau da barraca e mudaria completamente o seu ramo de pesquisa, abandonaria a competição com outros e iria se dedicar a algo novo? Pense bem: agora você pode “fazer o que quiser”, fazer “ciência pela ciência” e atacar problemas considerados “insolúveis” ou algo assim só pela vontade de fazer porque, afinal, ninguém mais vai te julgar, porque você pode.

Eu sei a minha resposta e não tenho dúvidas que eu sairia da competição e iria escolher estudar problemas os mais complicados possível. Nada de pressão por publicar, nada de pressão por dinheiro, simplesmente fazer ciência para aprender mais e mais e eventualmente, se algo funcionar, fazer outra contribuição decisiva pra ciência.

Mas perguntando aqui e ali, vi que tem gente que pensa o contrário e gostaria de continuar fazendo física dentro do mainstream, do que é tendência, do que é competitivo, porque é aquilo que os motiva a continar fazendo ciência.

Na vida real, o que vejo é que acontecem ambos os comportamentos: alguns vencedores do Nobel simplesmente investem mais e mais e continuam líderes em suas áreas apostando em se manter relevantes na sua área original de pesquisa. Mas alguns outros largam mão e vão estudar tópicos os mais diferentes possíveis. Eu já vi, entre outros: espiritualidade, biologia, o cérebro, a física do câncer e mesmo problemas sem solução aparente, como o tamanho do elétron.

E você? O que faria?

Menos é mais

Eu estava numa conferência esta semana (é, de novo). É uma conferência com um formato que me agrada: apenas algumas palestras plenárias, sem sessões paralelas e uma imensidão de posters. Assim você pode ver todas as palestras que mostram, em princípio, os tópicos mais importantes da área num passado recente e ainda têm muitas opções (e tempo) de posters, com chance de discutir “a fundo” os trabalhos, incluindo aí trabalhos de muita qualidade mas que ficaram fora das palestras plenárias.

Mas esse formato têm um efeito colateral muito ruim: os palestrantes tentam “valorizar” o tempo precioso que ganharam pra falar e espremem numa mesma palestra uma infinidade de temas e tópicos diferentes. Não é incomum palestrantes correndo, vomitando resultados, 10s por slide ou menos, 3, às vezes 4 tópicos diferentes numa mesma palestra. E isso é muito ruim. Ao contrário de se valorizar, no meu modo de entender, o palestrante se desvaloriza, porque passa uma mensagem errada ao público.

Não me entenda mal: ele passa a mensagem de que é alguém super produtivo, com 763.5 trabalhos publicados na Nature, Science, Cell e etc, no último mês e meio. Mas nenhum dos trabalhos fica retido na memória do público, simplesmente porque o palestrante não ocupa mais que alguns minutos com ele, por mais complexo que seja. A palestra que tinha tudo pra mostrar algo no topo do conhecimento não faz nenhum impacto porque ninguém (ou quase ninguém) é capaz de seguir os tópicos. E isso é muito ruim.

Ao contrário, quando o palestrante usa seu tempo para focar em um (único) assunto é como um oásis: mesmo os tópicos mais complicados são possíveis de entender, porque há tempo para uma introdução bem feita, uma conclusão decente e um tempo razoável em cada slide de resultados. Em resumo: a palestra tem um impacto, porque a audiência leva uma mensagem “pra casa”. Quem dera fosse sempre assim.

Se você se interessa pelo assunto, aqui tem uma discussão bacana na mesma linha.

Ossos do ofício

Um mês exatamente sem postar. {modo carente ON} Mas aposto que ninguém aqui sentiu falta, né? {modo carente OFF}.

Mas eu explico: estava afundado dentro de um projeto de pesquisa, escrevendo, pegando preço de equipamento, escrevendo, arrumando justificativa praqueles equipamentos caros, escrevendo, arrumando sub-projeto para futuros alunos usarem os equipamentos caros, escrevendo…  É impressionante como à medida que a gente vai mais e mais a fundo na vida dentro da academia o foco do nosso trabalho muda do “dia-a-dia do laboratório” para a “procura por financiamento para manter alguém cuidando do dia-a-dia do laboratório”. E é exatamente esse último que eu andei fazendo nesse último mês.

Você vai me dizer: “Tá reclamando de quê? Você sabia que ia ser assim!” E eu vou te dizer: não estou reclamando não. Só constatando. Eu sabia que o foco ia mudando com o tempo, que a gente deixa de colocar a mão na massa e fazer ciência todo dia e passa a formar pessoas, negociar financiamentos, fazer política no departamento, essas coisas pra poder… fazer ciência. Mas saber não significa que é preciso gostar, certo? Aqui vale um parênteses: meu ex-chefe e meu chefe atual são pesquisadores impressionantes e ainda assim capazes de fazer política e ganhar financiamentos como se aquilo fosse a coisa mais natural do mundo. Quando eu crescer quero ser assim.

Gostando ou não, fazendo bem ou não, essa é o tipo da transição que tem que ser feita, sem choro nem vela. Sabe as “dores do crescimento”? Pois é. Hoje eu ainda me vejo mais como alguém que põe um laboratório pra funcionar, faz medidas, analisa dados, escreve paper, briga com referee de paper, por fim publica o paper e aí começa tudo de novo. Mas uma hora a gente passa pro lado do escrever projeto, orientar tese, administrar o orçamento, escrever relatório, divulgar os resultados e começar tudo de novo. Espero poder manter o primeiro o máximo possível, mesmo assumindo o segundo lado de braços abertos.

Mas nem tudo é ruim nessa transição. Na verdade, esta foi está sendo uma experiência bem interessante: projetar o futuro, pedir auxílio pra fazer coisas relevantes sem tirar os pés do chão e sem reinventar a roda. O mais difícil é a parte do orçamento. É muito? É pouco? Eu vou pedir um experimento inteiro. A FAPESP vai me dar? Eu não faço a menor ideia. Depende só da física que eu quero fazer ou depende da física que o assessor acha interessante? Ou ele vai pesar se eu tenho alguma capacidade de fazer? São todas perguntas que eu não faço a menor ideia de como responder. {modo irônico ON} Dúvidas da juventude, sabe como é? Afinal, o projeto não se chama Jovem Pesquisador à toa, né? {modo irônico OFF}

E aí com todas essas dúvidas, você monta o projeto pra ser algo flexível, que você precisa de equipamento, mas escolhe uma rota em que eles são mais baratos, mas ao mesmo tempo tenta justificar um laser mais caro que é essencial pro que você quer fazer e assim vai… Ciência, embebida em orçamento, misturada com prazos apertados mas factíveis. E esse coquetel vira um projeto de pesquisa.

Mas o próximo passo é saber o que os futuros colaboradores pensam… Pelo menos eles têm mais experiência. 🙂

P.S.: Semana que vem, como você sabe, estarei em Lindau. Tentarei, veja bem, TENTAREI, fazer uma cobertura bacana do evento com os ganhadores do Nobel. Fique ligado.

O bom filho à casa torna… ou não?

Se você andou aqui pelo blog nos últimos tempos, sabe que eu estou me preparando pra um dois concursos no lugar onde fiz o mestrado e o doutorado. É o meu segundo concurso e o segundo no mesmo lugar, de onde facilmente depreende-se que eu quero voltar pro lugar onde me formei (sim, nesse caso doutorado, e NÃO graduação, é sinônimo de formação).

Verdade. Mas apenas em parte. Eu ando me perguntado, desde há algum tempo, o que é o certo a se fazer. Voltar pra “casa”? Ou fazer morada em outro lugar? É óbvio que há uma infinidade de fatores envolvidos nessa decisão, não apenas profissionais, mas pessoais também. É óbvio que nenhuma decisão nesse caso é pétrea: pode sempre mudar. Mas o certo é que não sei bem o que fazer e muito menos (e talvez o mais importante) o que é o melhor a se fazer.

Aqui na Alemanha, por exemplo, a dinâmica do sistema é extremamente diferente: você nunca (ou quase nunca) se tornará professor no lugar onde se formou. É preciso mudar para subir na carreira. Mesmo professores estabelecidos precisam receber propostas de emprego melhores e mudar de cidade (carregando o grupo todo junto) para subir na carreira. No Brasil, eu acho que não existe essa “regra não escrita”: as universidades contratarão quem melhor se sair no concurso aberto para a vaga, independente mente (quase sempre) de o candidato ter se formado ali ou não.

Você o que acha? Já passou por isso? Como se decidiu? Quais os fatores mais importantes a serem levados em conta? Abaixo, pra motivar a discussão e por que eu também acho que deve haver “uns par” de gente na mesma situação que eu, coloco os diversos prós e contras de voltar, do ponto de vista profissional.

Prós:

  1. o lugar onde me formei tem uma estrutura de apoio fantástica
  2. é disparado o melhor grupo do Brasil na minha área
  3. a verba é farta
  4. o instituto como um todo é grande, muitas possibilidades de colaboração
  5. eu conheço a maioria das pessoas do grupo

Contras:

  1. eu conheço a maioria das pessoas do grupo
  2. há o risco de ficar à sombra do pesquisador líder, um físico conhecido e consagrado
  3. a estrutura do lugar está montada, dificilmente eu conseguiria deixar uma marca num sentido mais amplo
  4. o instituto como um todo é grande, muitas possibilidades de “sumir na multidão”
  5. hábitos/culturas erradas são mais difíceis de serem mudadas num grupo grande e estabelecido

É só isso? Claro que não, mas estes são alguns dos fatores que me vieram à cabeça imediatamente ao escrever esse post. Deixe aí nos comentários o seu pensamento sobre isso.

Várzea tedesca em verde e amarelo

O governo brasileiro instituiu recentemente esse programa “Ciência sem Fronteiras” pra dar um quinquilhão de bolsas pros brasileiros seguirem pro exterior. Ótima iniciativa, o país precisa de gente mais e mais especializada, etc e tal. Os estrangeiros, pelo menos aqui pela Alemanha ficaram loucos. Explico: aqui eles têm que incluir bolsas de estudantes nos projetos, como salário, e isso sempre dá trabalho pra acertar e manejar. Já vi gente trabalhando aqui em Stuttgart e sendo paga por um projeto de Hannover, por causa de colaborações. E assim vai. Pois o projeto brasileiro é uma chance de financiar estudantes sem precisar escrever grandes projetos e isso facilita muito a vida deles. Eles ficaram muito interessados.

Aqui eu fiquei responsável por colocar no site as ofertas do nosso grupo (um doutorado e um pós-doutor). Fiz isso em janeiro. Janeiro. Ontem, um email veio avisando que as propostas estavam online. Fui lá checar. Para minha surpresa, a descrição do projeto, ao invés da correta, relacionada a gases quânticos dipolares, veio com algo relacionado à tecnologia de solos e o outro a alguma bio-sei-lá-o-quê que se eu tiver que chutar é um projeto na área de Farmácia. Isso tudo, porque a página da oferta do projeto é basicamente uma reprodução dos campos que eu preenchi no formulário onde se faz a oferta, ou seja, nada muito complicado de se implementar automaticamente e sem erros. Mas deu no que deu e agora vamos ver quanto tempo leva pra resolver.

Você pode pensar: agora ele vai dizer que isso só acontece porque é algo brasileiro e tal. Quase isso. De fato, o meu contato aqui pra resolver o problema é o DAAD no lado alemão e pelo que eu entendi foram eles que fizeram todo o procedimento. Então, apesar de não dar pra cravar se o problema é alemão ou brasileiro, esse tipo de acontecimento só reforça, pros estrangeiros, a imagem de que somos desorganizados, atrasados e não fazemos as coisas direito. E isso é ruim. Principalmente porque nem sempre é verdade. 🙁

>Vende-se

>Eu sempre falei que para a gente se tornar professor na universidade, temos que desenvolver duas características essenciais: primeiro, a capacidade de explorar ao máximo liderar e motivar um grupo de estudantes. Segundo, a capacidade de tirar dinheiro aprovar projetos de todo o lugar possível para financiar as pesquisas.

Essa semana eu adicionei mais uma pra lista: a capacidade de ser um vendedor padrão “funcionário do mês”.

Explico: medimos umas coisas bacanas aqui no laboratório, mas nada que possa ser dito “revolucionário”, estupendo, digno de uma publicação de altíssimo impacto. Mas ainda assim, digno de uma publicação decente. Pois bem, reunião esses dias para dar um rumo pro trabalho: qual revista, qual enfoque e tal. Não é que meu chefe me vem dizer que nosso sistema é tal e qual “uma bomba atômica”? E que isso, essa analogia com algo tão distante mas ao mesmo tempo de tanto apelo, poderia eventualmente nos levar pra uma revista bem melhor que as imaginadas inicialmente.

É isso que eu chamo de capacidade pra vender um produto. Lábia de vendedor levada ao extremo. Vamos ver no que dá. Se vender bem, eu conto aqui. Se não, eu conto também.

P.S.: Não tem nada de radioativo na história, é só o mecanismo de ignição de uma bomba que pode muito bem ser comparado ao mecanismo de ignição do processo que estamos estudando…

>Refletindo – O quê nos motiva a fazer ciência?

>Olhe em volta: artigos científicos, relatórios, projetos, de iniciação científica a grandes centros de pesquisa, tudo têm alguma motivação. E aqui quero dizer no sentido literal: há sempre uma seção, um parágrafo, um slide, algo para descrever, justificar, motivar aquele trabalho, verba, viagem.

Nada contra ter objetivos grandiosos. Entender as correlações entre genomas e comportamentos sociais complexos, construir um computador quântico, desenvolver novos métodos de deposição de filmes controlados átomo por átomo, são todas razões válidas, dignas e merecedoras, em princípio, de financiamento, para serem pesquisadas, publicadas, realizadas. O que me incomoda, de verdade, é que tudo, ou quase tudo, hoje, precisa, necessariamente de alguma motivação grandiosa por trás, mesmo que seja algo a longuíssimo prazo. Pede-se uma bolsa de iniciação científica, por exemplo, para se construir uma cavidade de transferência, por exemplo, seja lá o que isso for. A motivação? Construir um super sistema de sincronização entre diversos pontos da Terra e a estação espacial. Se alguém realmente se preocupar em olhar as minúcias da cadeia que leva de um ao outro vai ver que ela é tão longa quanto um super-polímero.

Parênteses: quando eu era um jovem estudante (não que não seja mais jovem, mas não sou mais estudante…) dizia-se que para passar qualquer projeto nas agências de fomento bastava que no título/motivação do trabalho houvesse as palavras “nano”, “bio” ou “computador quântico”. Assim, o projeto “Nano computador bioquântico” seria financiado ad eternum.

É aí que está meu ponto, é realmente precisa uma motivação grandiosa para se realizar um trabalho de pesquisa ou ser financiado? É realmente necessário querer “mudar o mundo” com ciência só pra se poder fazer ciência? Eu acho que não.

Mas isso não quer dizer, de forma nenhuma, que não é preciso ter motivação. Ao contrário, quando se quer pesquisar algo, seja o que for, é preciso de objetivos, claros e bem definidos, um fim motivador. Um desconhecido que se quer tornar conhecido. Mas o motivo pode ser tão simples quanto isso. Imagine só, o palestrante começa e fala:

“Eu vou mostrar para vocês os meus últimos resultados. Eu fiz isso porque este era até então um ponto em aberto. Eu fiz isso porque é um pedaço bonito e inexplorado de conhecimento científico que precisa ser investigado.”

Lindo não?

Ou imagine um projeto de pesquisa: “Desenvolveremos essa pesquisa porque é um tema ainda inexplorado pela ciência e os resultados contribuirão para o desenvolvimento do nosso conhecimento fundamental a respeito da natureza.”


Trocando em miúdos: fazer ciência, pura e simplesmente para engrandecer o conhecimento humano é sim, na minha opnião, motivação mais do que digna para… fazer ciência. É preciso quem faça visando um objetivo maior, mais concreto, mas é absolutamente essencial, que também se faça ciência pela própria ciência. Ciência para colocar mais um peça do quebra-cabeças, encaixá-la e poder admirar a beleza do quadro que se completa.

Eu confesso minha ignorância sobre como essa questão é tratada em nosso país ou mesmo fora. Especialmente por quem financia ciência. Mas eu realmente espero que um balanço saudável  entre pesquisa básica, pesquisa básica com fins aplicados e pesquisa aplicada seja privilegiado, porque é realmente difícil dizer qual contribui mais para o desenvolvimento de um país, de uma sociedade.

Counter

wordpress stats

Counter 2

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM