Totorial de Combinatória Analítica

Se você jogar Cara ou Coroa várias vezes em sequência, qual a chance de nunca aparecer duas caras seguidas?

Esse é um problema que você resolve com ferramentas da Combinatória. Se você estudou para o vestibular, certamente deve lembrar que esse tipo de problema usualmente se resolvia com permutações, arranjos ou combinações.

Infelizmente, isso é verdade no vestibular, mas não na vida real. Os problemas avançados de Combinatória resistem a essas ferramentas básicas. Em geral, você vai precisar de recorrências complexas e somatórias complicadas; e até recentemente não tinha nenhum método que fosse simples e geral, para usar em qualquer situação.

A boa notícia é que isso mudou! Nos últimos anos, surgiu um novo ramo da matemática, chamado de Combinatória Analítica, que permite calcular esses problemas com facilidade. Como ainda não existe nenhum texto introdutório em português, resolvi escrever um totorial para mostrar como as coisas ficam bem simples com esse método!

totoro

Um exemplo simples

Como funciona esse método novo? A analogia mais simples é com desenho geométrico. Com as técnicas tradicionais, você precisa de régua, compasso e uma boa dose de insight para resolver os problemas. Ao invés disso, você pode usar geometria analítica: o problema é transformado em uma série de equações, aí você não precisa pensar, só resolver (e em muitos casos nem precisa resolver, é só jogar num sistema de computação automática como o Wolfram Alpha que ele resolve para você).

Com combinatória analítica é parecido: você vai transformar a descrição do seu problema de contagem em uma equação, e aí existem técnicas padrão para resolvê-la. Para mostrar como funciona, vamos pegar um problema simples: Quantas strings binárias de tamanho ##n## existem?

Para ##n=3##, por exemplo, existem oito strings: ##000##, ##001##, ##010##, ##011##, ##100##, ##101##, ##110## e ##111##.

A primeira coisa a ser feita é caracterizar o conjunto de todas as strings. Podemos recursivamente construir as strings binárias válidas com três casos:

Caso 1: A string vazia (##\varepsilon##), ou…

Caso 2: Uma string que começa com ##0##, seguida de uma string válida, ou…

Caso 3: Uma string que começa com ##1##, seguida de uma string válida.

Pronto, agora podemos agora escrever a equação que descreve o conjunto ##B## das strings binárias. Em combinatória analítica, a regra é que a descrição “ou” vira adição, e a operação “seguida de” vira multiplicação. Vou também substituir o caractere ##0## por ##Z_0## e ##1## por ##Z_1## só para deixar claro que nesse contexto são átomos, e não números:

$$B=\varepsilon+Z_0\times B+Z_1\times B$$

Essa é a construção combinatória correspondente às strings binárias. Agora o pulo do gato: eu vou trocar ##\varepsilon## pelo número ##1##, cada átomo individual pela variável ##z##, e resolver a equação:

$$\begin{align*}
B&=\varepsilon+Z_0\times B+Z_1\times B\\
B&=1+zB+zB\\
B&=\frac{1}{1-2z}
\end{align*}$$

Chegamos então no elemento principal da combinatória analítica: a função geradora do conjunto das strings binárias. E por que ela é tão importante? É que essa função simples tem escondida dentro dela a solução do problema para qualquer ##n##! Basta expandir a função em série (nesse caso, basta reconhecer que essa é a fórmula da soma infinita de uma PG com razão ##2z##):

$$B=\frac{1}{1-2z}=1+2z+4z^2+8z^3+16z^4+\cdots$$

Olha só, a solução aparece na série! O termo ##8z^3## significa que, para ##n=3##, a solução é ##8##, exatamente como tínhamos visto enumerando as possbilidades.

O operador SEQ

O método acima foi simples né? Mas dá para ficar mais fácil ainda! O pessoal que estuda combinatória analítica faz bastante tempo inventou uma série de operadores que deixam a solução mais fácil de escrever.

O primeiro deles é o operador ##SEQ##, que serve para definir sequências. Ao invés da definição recursiva com três casos, podemos simplesmente dizer que uma string binária é formada por uma sequência de zero ou mais átomos, onde os átomos possíveis são ##0## e ##1##. Daí a construção combinatória sai direto:

$$B=SEQ(Z_0+Z_1)$$

E como transformar isso em função geradora? Se você sabe que um conjunto ##A## tem função geradora ##A(z)##, então a função geradora da sequência de ##A## é:

$$SEQ(A)=\frac{1}{1-A(z)}$$

No nosso caso, a função geradora das strings binárias é:

$$SEQ(Z_0+Z_1)=SEQ(z+z)=\frac{1}{1-2z}$$

Pronto, a função geradora saiu direto, sem precisar resolver nenhuma equação!

O teorema de transferência

Ainda resta o problema de abrir a função geradora em série. Nesse caso foi fácil porque conseguimos ver de cara que a função era a soma de uma PG, mas e em casos mais complicados?

Bem, resolver de maneira exata continua sendo um problema difícil até hoje. Mas na maioria das vezes você não precisa da solução exata, um assintótico para ##n## grande já é suficiente. E para isso a combinatória analítica possui uma série de teoremas de transferência, que dão a resposta assintótica da função geradora sem precisar abrir a série!

O teorema de transferência usado nesse caso é simples de usar, embora sua definição seja meio assustadora:

Se a sua função geradora for uma função racional ##f(z)/g(z)##, onde ##f(z)## e ##g(z)## são relativamente primas, ##g(0)\neq 0##, ##g(z)## tem um único pólo ##1/\beta## de módulo mínimo, e ##\nu## é a multiplicidade desse pólo, então um assintótico para a função é dado por:
$$[z^n]\frac{f(z)}{g(z)}=\nu\frac{(-\beta)^\nu f(1/\beta)}{g^{(\nu)}(1/\beta)}\beta^n n^{\nu-1}$$

Eu juro que é simples, apesar de assustador. Para o nosso caso, ##f(z)=1##, ##g(z)=1-2z##, ##g'(z)=-2##, ##\beta=2##, ##f(1/2)=1##, ##g'(1/2)=-2## e ##\nu=1##. Substituindo os valores, temos:
$$[z^n]B(z)=1\times\frac{(-2)^1\times 1}{-2}\times(2)^n n^{1-1} =2^n $$

Portanto, existem ##2^n## strings binárias de tamanho ##n##, o que bate com nosso resultado de ##8## para ##n=3##.

Outro exemplo

E se eu quiser calcular quantas strings binárias existem, mas só as que não possuem dois zeros seguidos? Esse problema é complicado com combinatória tradicional, mas com combinatória analítica fica simples!

Primeiro, vamos caracterizar essas strings. Podemos descrevê-las como uma sequência de ##1## ou ##01##, seguida de ##0## ou vazio:

$$C=SEQ(Z_1+Z_0Z_1)\times(Z_0 + \varepsilon)$$

Traduzindo para função geradora:

$$C=SEQ(z+z^2)\times(z+1)=\frac{z+1}{1-z-z^2}$$

Agora aplicamos o teorema de transferência. ##f(z)=z+1## e ##g(z)=1-z-z^2##. As raízes de ##g(z)## são ##0.618## e ##-1.618##, a de menor módulo é ##0.618## com multiplicidade ##1##. Então:

$$\begin{align*}
\beta &= 1/0.618 = 1.618 \\
f(1/\beta)&=f(0.618)=1.618 \\
g'(z) &=-2z-1 \\
g'(1/\beta) &=g'(0.618)=-2.236 \\
C[n]&\sim \frac{-1.618\times 1.618}{-2.236}\times 1.618^n \\
C[n] &\sim 1.171\times 1.618^n
\end{align*}$$
Prontinho, transformamos raciocínio, que é díficil, em álgebra, que qualquer chimpanzé bêbado consegue fazer!

A pergunta original

Podemos agora voltar à pergunta original: se você jogar Cara ou Coroa várias vezes em sequência, qual a chance de nunca aparecer duas caras seguidas?

Ora, essa probabilidade é exatamente igual ao número de strings binárias que não possuem dois zeros seguidos, dividida pelo número total de strings binárias. Esses são os dois casos que analisamos, logo:

$$p\sim\frac{1.171\times1.618^n}{2^n} = 1.171\times 0.809^n$$

Easy! E funciona mesmo? Eu fiz uma simulação computacional para comparar com o nosso assintótico, eis o resultado:

Para ##n=5##, simulação ##40.78\%##, assintótico ##40.57\%##.

Para ##n=10##, simulação ##14.17\%##, assintótico ##14.06\%##.

Para ##n=15##, simulação ##4.84\%##, assintótico ##4.87\%##.

Script com a simulação no github

Ou seja, funcionou super bem, e a precisão vai ficando melhor conforme o ##n## aumenta.

Para saber mais

Se você gostou do que viu, a referência definitiva sobre o tema é o livro Analytic Combinatorics, do Flajolet, que foi o inventor da técnica. Não é o livro mais didático do mundo, mas está inteiramente disponível na web. No Coursera, de tempos em tempos, o Sedgewick faz um curso online, que eu super recomendo, foi onde eu aprendi inclusive. E na wikipedia… o tópico é tão novo que não tem na wikipedia em português ainda! Fica como exercício para o leitor criar uma página na wikipedia sobre o tema 🙂

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 1 comentário

  1. […] último post do blog eu mostrei como funciona a Combinatória Analítica, mostrando uma aplicação de cálculo com […]

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Categorias

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM