O Papel do Cientista nas Decisões Éticas

Por mais que se queira dissociar o tema deste mês do confronto “ciência vs. religião”, não há como fugir a isto, uma vez que o próprio tema surgiu da atualidade da decisão que o Supremo Tribunal Federal vai ter que tomar (em minha opinião, já devia ter tomado…) sobre uma questão de suposta “ética”, que, na verdade, é apenas sobre um dogma religioso.
Sendo assim, não me resta outro remédio senão analisar, desde a origem, a convivência entre “ciência e religião”, uma vez que sou suspeito por ambos os “lados” desse confronto.
Eu afirmei, em comentário ao artigo do Osame, que as religiões tiveram como base a “ciência” (na sua acepção de “conhecimento adquirido”), só que as religiões não foram capazes de se adaptar ao progresso da ciência e se tornaram, mesmo, um entrave ao progresso da humanidade, quando deveriam ser, ao contrário, um esteio ético para este desenvolvimento.
Voltemos à pré-história e analisemos a “ciência” de então, para podermos avaliar de onde surgiu toda essa idéia de “religião” e qual papel ela deveria ter, bem como sua ligação com os conceitos de “moral” e “ética”.
A primeira coisa que nossos ancestrais devem ter reparado, deve ter sido a alternância quase regular entre o dia e a noite. Recém saídos de uma Era Glacial que, por pouco não encerrou a promissora carreira desse bando de primatas, o Sol e o calor devem ter sido particularmente proeminentes, apesar da grande importância da Lua, principalmente da Lua Cheia que permitia uma melhor vigilância contra os predadores noturnos. [Parêntesis (primeiro de uma série de muitos): existe muita discussão quanto à coincidência dos ciclos lunares e a fertilidade das mulheres. Usando um raciocínio bem primário, se pode aventar a hipótese de que as mulheres que ficavam férteis no período da Lua Nova, teriam uma melhor chance de procriação; nessas noites mais escuras, é de se esperar que os caçadores estivessem de volta à proteção da caverna…] Bom, já temos duas entidades cujo comportamento era particularmente importante para os humanos e, portanto, sérios candidatos a serem deificados…
Mas qual seria a idéia de um “Deus”?… Afinal, com quem os homens podiam se comparar para criar os seres superiores?… Certos animais eram mais fortes, outros mais rápidos, outros demonstravam habilidades especiais de visão, audição, alguns, mesmo, pareciam possuir um “sentido” desconhecido aos homens. Ora, se os homens eram “superiores” aos animais, os “Deuses” deveriam ser “superiores” aos homens na mesma medida: mais fortes, mais inteligentes, mais belos, mais tudo… “Super-homens”. E é exatamente o que vamos encontrar nas primeiras civilizações: “super-homens” com atributos animais. E, como toda tribo tinha um chefe, normalmente escolhido entre os mais “sábios” (ou seja, mais velhos – a figura do guerreiro-chefe só veio aparecer mais tarde) e as mulheres eram naturalmente mais longevas, o matriarcado parece ser apenas um resultado natural. Logo, as Deusas-Mães são apenas um passo lógico adiante. [Parêntesis: em diversas culturas a associação de gênero é inversa à que temos hoje em dia: é A Sol e O Lua…] A “civilização” (“reunião em cidades”) parece ter acabado com o matriarcado: os antigos caçadores-coletores já podiam ficar nas habitações, sem se afastar demais dos rebanhos e plantações, e a força física dos machos da espécie, combinada à fragilidade da mulher gestante, parece ter relegado as mulheres a uma função “subordinada” – a de “reprodutora”, uma vez que a sobrevivência ainda dependia muito dos números. Os Deuses machos começam igualmente a assumir o comando…
E, de uma pletora de “Deuses” que “governavam” todos os fenômenos naturais, cuja imprevisibilidade era uma ameaça à sobrevivência da espécie e precisava de alguma maneira de “ser propiciada”, à exemplo dos homens que os criaram, os Deuses precisavam de um “chefe”. E, como tudo que se conhece e é vivo, nasceu e morre, também os Deuses precisavam ter nascido de algum lugar. “É claro” que vamos precisar de um “criador” que, do nada, criou tudo o que existia…
E chega de digressão acerca de Deuses e Deus… O importante é que todas essas noções nasceram da “ciência” disponível: a observação da Natureza e a comparação das coisas da natureza à única medida disponível: o ser humano.
Passando à questão de “moral” e “ética”, a Teoria dos Jogos está aí mesmo para comprovar, matematicamente, que o “jogo da sobrevivência da espécie” passa, necessariamente, pelo “altruísmo”. Embora em questões menores o “gene egoísta” seja preponderante, para a sobrevivência de uma sociedade é fundamental que o altruísmo seja incentivado. Qual incentivo melhor para forçar um comportamento harmonioso e devidamente cooperativo do que “a vontade divina”?… O medo da morte pode ser habilmente explorado com a crença em uma “vida eterna”, na qual o indivíduo será “julgado” por tudo o que fez e deixou de fazer – segundo um conjunto de normas atribuídas ao(s) Deus(es) – e terá recompensa pelos eventuais sofrimentos injustos a que se submeteu, enquanto os infratores serão severamente punidos, por mais “poderosos” que possam ter sido nesta Terra.
Essa é a base de toda e qualquer religião: “esta vida não é tudo” e “quem se comportar bem, ganha um presente”… E este “se comportar bem” geralmente inclui todas as normas necessárias ao “jogo cooperativo” entre os vivos (e os “mais vivos”, diria o Barão de Itararé…). Toda a ética humana pode ser resumida a: “não faça com os outros o que você não gostaria que fizessem com você”. E todas as “normas morais” que forem além de “mulheres e crianças primeiro, depois os idosos (sua sabedoria é útil…)” é pura conveniência local.
E a humanidade poderia ter ficado nisso e apenas deixado que a inveja, a cobiça e a preguiça assumissem seus aspectos positivos: a inveja estimulando o aperfeiçoamento pessoal (não que os demais piorem); a cobiça estimulando a “ter mais” (não necessariamente tirando de quem tem; quando toda a sociedade prospera, cada indivíduo é beneficiado); e a preguiça buscando soluções mais eficientes e menos trabalhosas para realizar o trabalho inevitável (não postergando o que tem que ser feito).
Mas o ser humano é um bichinho curioso… Quer porque quer saber como, quando, onde e por que… E não descansa enquanto não conseguir controlar tudo, desde o meio-ambiente até a “vontade de (os) Deus(es)”. E como (os) Deus(es) é(são) caprichoso(s) e nunca desvenda todos os seus segredos, o ser humano resolveu que ia estudar, até entender, pelo menos os mistérios da Natureza. E, de repente, descobriu que não morava no Centro do Universo, mas em um planetinha xinfrim, que orbita uma estrela de quinta, na periferia de uma galáxia perfeitamente medíocre, entre um nunca-acabar de galáxias… Aquele “Super-homem” com poderes compreensíveis e bajulável para ser propício, corruptível com meia-dúzia de louvaminhas e “protestos de elevada estima e consideração” (junto com um suborninho…), já não dava mais para a tarefa para lá de hercúlea de criar um universo desse tamanho… O(s) Deus(es) ficou(aram) irremediavelmente paroquiano(s).
Pior: o ser humano descobriu que nem seu aparente controle do meio-ambiente é suficiente… Nem a velha “Mamãe Natureza” está disposta a aguentar indefinidamente os maus modos desse filho bestalhão que gasta como se não houvesse amanhã… Tudo o que o homem tira da Natureza, está fadado a voltar para ela, com direito a uma catástrofezinha para ensinar ao moleque que com “Mamãe não se brinca”… De “ápice da Criação” e “imagem e semelhança do Criador”, o ser humano se viu reduzido, por sua própria curiosidade, a um triste macaquinho “melhorado” que – por muito favor – tem um planeta para morar, mas tem que cuidar dele, senão, é “despejado” e o Planeta nem liga… (e (os) Deus(es) também não…)
Sem este “Deus-bedel” para vigiar e punir/recompensar, sem sequer um “referencial inercial absoluto” para calcular, de onde derivar as certezas sobre o que é “certo” ou “errado”?… Da velocidade da luz no vácuo?… Da absoluta amoralidade da “seleção natural”, um “Jogo de Soma Zero”, onde a fome do lobo tem o mesmo valor que a vida do carneiro?…
Não… Certamente a ciência não tem respostas para a eterna pergunta da humanidade: “o que é que eu estou fazendo aqui?” E pode apenas apontar, estatisticamente, qual comportamento – a curto prazo – pode trazer uma recompensa maior. O ser humano é muito pequeno, mesmo se comparado apenas com o planetinha xinfrim onde vive… A humanidade pode ser apenas uma doença cutânea temporária no planeta e toda a sua filosofia e ciência serem uma “ilusão impermanente”, como afirmam os buddhistas…
E, afinal, qual é o papel do cientista nas Decisões Éticas?…
Apenas isso: buscar os fatos!… Apontar as inconsistências da auto-imagem que o ser humano tem de si próprio e lembrá-lo, sempre, que, se existe um Deus (ou Deusa, ou Deuses…), ele(a, es) é(são) profundamente indiferente(s) a detalhes insignificantes como os enormes dinossauros ou toda a nossa “ciência” E TEMOS QUE PARAR DE NOS COMPORTAR COMO CRIANÇAS MIMADAS E ASSUMIR RESPONSABILIDADE POR NOSSOS ATOS, PORQUE NÃO ADIANTA REZAR QUE A ÁGUA NÃO VAI SUBIR O MORRO!…
Nota de rodapé: seja qual for a decisão do STF sobre as células-tronco embrionárias, nada vai mudar o fato de que aquele embriões estão vivos, mas não são gente… Quer o Papa (o Dalai Lama, ou o Bispo Macedo) goste disso ou não!…
(Comentários aqui, por favor).
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 0 comentários

Participe e envie seu comentário abaixo.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM