Inseticida “à prova de evolução”

Duas notícias veiculadas no EurekAlert — uma pela Public Library of Science (PLoS) e outra pela Universidade Penn State, ambas sobre o mesmo artigo publicado na PLoS Biology — sugerem uma nova abordagem para acabar de uma vez com a malária: um inseticida que mate somente mosquitos mais velhos.

A idéia se fundamenta em dois fatos:

1. Um mosquito infectado pelo vírus da malária precisa viver outros 10 a 14 dias para se tornar um vetor da doença.

2. Os inseticidas atualmente empregados acabam por selecionar mosquitos resistentes a inseticidas e, cada vez mais, é necessário introduzir inseticidas mais tóxicos (com os danos colaterais ao meio ambiente e às próprias pessoas) que, por sua vez, acabam por gerar mosquitos ainda mais resistentes.

O trabalho publicado pela PLoS Biology, de autoria de Andrew Read e Matt Thomas (ambos da Penn State), e Penelope Lynch (Open University, Reino Unido), explica que, para matar mosquitos mais velhos, até o velho DDT serve. No entanto, Read e seus colegas estão trabalhando em cima de um bio-inseticida à base de fungos que pode ser aspergido nas casas ou embebido em mosquiteiros e que leva de 10 a 12 dias para matar os mosquitos.

A idéia é deixar que a seleção natural se encarregue da maioria dos mosquitos (que morre ainda jovem e sem chances de se tornar um vetor), enquanto que o inseticida se encarrega dos mosquitos mais longevos e mais perigosos. Dessa forma, se aliviaria a pressão seletiva por indivíduos mais resistentes.

Read acrescenta que a idéia não é se livrar dos mosquitos: é se livrar da malária. Nas palavras dele: “Mosquitos jovens não são um perigo: são um aborrecimento”. E os esforços para eliminar os mosquitos podem também eliminar outras espécies de insetos, com efeitos muito negativos para o meio-ambiente.

Link para o artigo da PLoS Biology: http://biology.plosjournals.org/perlserv/?request=get-document&doi=10.1371/journal.pbio.1000058

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 1 comentário

  1. fantastica idéia. Mas ao inves de criar uma pressão evolutiva nos mosquitos, esta apenas criando uma pressao evolutiva no virus da malaria. As variantes que se reproduzam mais rápido iriam sobreviver a essa técnica e logo a malária estaria se proliferando através dos mosquitos que entram na epoca reprodutiva..

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM