Previsões para a vindoura Temporada de Furacões

[ traduzido livremente daqui: Atlantic and East Pacific Ocean Hurricane Seasons Begin for 2009 ]

01 de junho de 2009
>

The latest image of sea surface temperatures from NASA's Jason 1 satellite.

Imagem ampliada
A mais recente imagem das temperaturas da superfície do mar, obtida pelo satélite Jason-1. As temperaturas mais altas aparecem em vermelho. Crédito: NASA JPL.

A Temporada de Furacões no hemisfério Nor­te está começando. Para efeitos de re­fe­rência, o período começa em 1 de junho e vai até 30 de novembro para o Atlântico – no Pacífico, costuma ser entre 15 de maio e 30 de novembro. E o que se pode esperar para esta nova temporada? Quais são os indícios que se pode colher a partir da rede de satélites da NASA, e o que esses dados sugerem?

As previsões são feitas pelo Centro Na­cional de Furacões (National Hurricane Center) da Administração Oceânica e At­mosférica Nacional (National Oceanic and Atmospheric Administration = NOAA) que acompanha todos os tipos de ciclones tropicais, isto é, furacões, tufões, tempes­tades tropicais e depressões tropicais nas costas do Atlântico e Pacífico. A NASA coleta os dados de satélites e seus cien­tistas realizam pesquisas sobre os ciclones tropicais.

A esquadra de satélites da NASA que fornecem dados para essas pesquisas e previsões compreende: o satélite da missão Tropical Rainfall Measuring Mission  (Missão de Medição de Precipitação Tropical), Aqua, QuikScat, CloudSat, o Geo­sta­tionary Operational Environmental Satellite (GOES), JASON-1, OSTM/ Jason-2, Landsat e Terra. Exceto o GOES que é gerenciado pela NOAA, todas as missões são controladas ou pelo Centro de Voo Espacial Goddard da NASA, em Greenbelt, Maryland, ou pelo Laboratório
de Propulsão a Jato da NASA, em Pasadena, Califórnia. O Escritório do Projeto GOES da NASA, no centro Goddard, gera as imagens e animações do GOES.

Amount of rainfall attributed to Hurricane Dolly

Imagem ampliada
Mapa gerado pelo satélite TRMM da precipitação causada pelo furacão Dolly sobre o Golfo do México e Sul do Texas, de 25 a 28 de julho de 2008. As maiores precipitações (acima de 10 mm) aparecem em vermelho e laranja. Crédito:
NASA/SSAI Hal Pierce

Usando todos esses satélites e seus ins­trumentos, os cientistas da NASA recolhem dados sobre vários fatores que dizem se um ciclone tropical irá ganhar ou perder for­ça. Esses dados compreendem: ventos das tempestades e os de superfície; alti­tudes e temperaturas da superfície do mar; intensidade e área das chuvas; atividade elétrica das tempestades; água e vapor d’á­gua nas nuvens; altitude das nuvens, extensão da cobertura das nuvens e tem­peratura, umidade e pressão das mesmas; desenvolvimento das nuvens; e o tamanho da tempestade.

Os dados da NASA indicam, atualmente, que as temperaturas da superfície do mar no Atlântico Tropical estão abaixo do nor­mal. Essas temperaturas oceânicas mais frias podem “tirar o alimento” dos furacões nascentes, deixando-os “raquíticos”, uma vez que sua principal fonte de energia são as águas com temperaturas mais altas do que 27°C. Isso sugere que talvez nesta temporada haja menos furacões.

Embora as águas do Atlântico estejam mais frias do que o normal, a primeira de­pressão tropical desta estação no Atlântico se formou em 27 de maio, em torno do meio-dia (horário de Brasília), nas águas mais quentes da Corrente do Golfo, cerca de 310 milhas ao Sul de Providence, Rhode Island, e daí se moveu para longe do continente e para águas mais frias, o que levou a sua dissipação.

Satellite image of Hurricane Fay

Imagem ampliada
Imagem do satélite QuikSCAT de 19 de agosto de 2008 que mostra as velocidades dos ventos do Furacão Fay em diferentes cores. A direção dos ventos é indicada pelos pequenos vértices e estes apontam para as áreas de chuvas pesadas. As maiores velocidades dos ventos (em roxo) indicam ventos de mais de 100 km/h. O olho do Fay estava sobre o Sul da Flórida. Crédito: NASA JPL

Enquanto isso, no Pacífico Leste, as con­dições ditadas por La Niña nos últimos anos estão desaparecendo. Isso também é uma boa notícia, com respeito a temporada de furacões vindoura, já que La Niña tende a empurrar a Corrente de Jato mais para o Norte, o que diminui a força dos ventos nos trópicos que dissipam os furacões. A Corrente de Jato é uma faixa de ar em rápi­do movimento na troposfera superior que guia zonas de baixa pressão (tempestades) e frentes.

No entanto, ainda é muito cedo para pre­visões sobre a atividade de furacões, uma vez que muita coisa pode se modificar du­rante o verão (no Hemisfério Norte). Será que El Niño vai aparecer no Pacífico, ou será que La Niña vai reaparecer de surpre­sa? O Atlântico vai esquentar durante o verão? E ainda existem algumas “incóg­nitas”. Desde 1995, o Atlântico entrou em uma fase multi-decenal que favorece o aumento da atividade dos furacões – o que vicia os dados em favor de mais furacões.

No Pacífico, o padrão de “ferradura” quente e “cunha” fria da Oscilação Decenal do Pacífico (Pacific Decadal Oscillation = PDO) ainda é forte na temperatura da superfície do mar e nas imagens da altitude do nível do mar. Essa PDO é uma flutuação de longo prazo na temperatura do Oceano Pacífico que cresce e desaparece a cada 10 a 20 anos.

Os dados mais recentes colhidos pela NASA sobre a temperatura e a altitude da superfície do mar, ilustram claramente a permanência desse padrão que se estende por toda a bacia. “Embora esse padrão da PDO mostre uma tendência a tornar mais remota a formação do El Niño, as águas quentes no Pacífico Ocidental favorecem uma temporada de tufões (o equivalente aos furacões do Pacífico Oriental e do Atlântico) e inibem a dispersão ds furacões sobre o Atlântico e o Caribe”, observa o Dr. William Patzert do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL).

Satellite image of Hurricane Gustav

Imagem ampliada
O instrumento MODIS no satelite Aqua capturou esta imagem do Gustav se movimentando ao longo da costa Sul da Jamaica em 29 de agosto de 2008. Nessa ocasião, o Gustav apresentava ventos de mais de 120 km/h. Crédito: NASA MODIS

No decorrer do outono as condições atuais podem se modificar. Uma maior vigilância e uma preparação antecipada ainda são as melhores maneiras de se preparar para uma Temporada de Furacões. “Ao longo de cos­tas sujeitas a furacões, esteja pronto; você pode ser nocauteado, não importa qual é a opinião dos experts hoje”, acau­tela Patzert.

Sempre e seja onde for que um ciclone tropical se formar, os dados dos satélites da NASA fornecerão os dados que auxi­liarão os meteorologistas a formarem uma idéia mais clara de como ele vai se com­portar.

Matéria original de: Bill Patzert e Rob Gutro
Jet Propulsion Laboratory e Goddard Space Flight Center


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 2 comentários

  1. João Carlos disse:

    Espero que o aumento das temperaturas seja um pouco menos drástico do que isso… Mas, se for como você diz, todos vão virar churrasquinho.

  2. Ivo Ramalho disse:

    Acho, que a temperatura climática da atmosfera se elevará à;
    aos 70 Cº nos próximos 3 a 5 anos. Haverá uma catástrofe na atmosfera.
    Haverá um calor tão grande que ninguém suportará ao se expor nas praias,
    e piscina, expondo seus corpos debaixo do SOL.
    O homem se abrasará de tanto calor.
    Quem suportará?

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM