Não seja enganado por baboseiras quânticas

Eu sou místico. Eu acredito em magia, em espíritos e em outras coisas absurdas. A meu favor, só posso dizer que não faço a menor ideia do porquê isso funciona; apenas acho que funciona. Se isso é uma prova de que meu raciocínio é tendencioso e baseado em auto-sugestão, problema meu… E, diga-se de passagem, não faço proselitismo de minhas crenças porque acho que isso é uma questão de convicção pessoal.

Este post foi motivado por uma dessas asneiras pseudo-científicas que, infelizmente, vêm sendo repetidamente utilizadas por gente que ouviu cantar um galo, mas não sabe onde, e – o que é mais deplorável ainda – gente que por sua própria formação acadêmica, deveria ter mais cuidado em não tentar impingir suas crenças não fundamentadas com argumentos fantasiosos baseados em sua lamentável ignorância de outro ramo das ciências que não é o seu.

A asneira em particular foi uma argumentação em defesa da homeopatia, publicada na Scientific American, Edição Brasileira (e já fartamente repudiada pela editoria da Scientific American, Matriz). A passagem é esta:

A homeopatia é conhecida como tratamento alternativo para os seres humanos, mas poucos conhecem sua utilização em animais, plantas, solo e águas. Essa técnica é alvo de críticas quanto aos resultados e eficácia. Uma delas diz respeito ao “efeito placebo” de seus remédios, que não contêm nenhum traço da matéria-prima utilizada em sua confecção. Para responder a essa abordagem é necessário um esclarecimento: a homeopatia não se relaciona com a química, mas com a física quântica, pois trabalha com energia, não com elementos químicos que podem ser qualificados e quantificados. (o grifo é meu. JC)

Essa “pérola” é atribuída a “Nina Ximenes, bióloga, […] pós-graduada em educação ambiental” e foi publicada na página 17 da edição brasileira de abril de 2012 da Scientific American. E – faça-se justiça – já foi publicamente repudiada pela Editora-Chefe da Scientific American, Matriz, Mariette DiChristina. É profundamente lamentável que o senhor Ulisses Capozolli, Editor-chefe da edição brasileira da SciAm, tenha “cochilado” e dado o respaldo de uma revista científica respeitada a tamanho non-sequitur.

Então, vamos ao que realmente interessa. Que diabos é essa tal “física quântica”?

O nome já começa por ser infeliz e induzir ao erro. O conceito de quanta (singular: quantum) de energia surgiu com as experiências de Max Planck sobre a energia que corpos aquecidos emitem. Ele descobriu (vou poupá-los dos detalhes técnicos) que a energia era sempre absorvida e emitida em “pacotes discretos”. Se você bombardeasse um alvo com luz de um determinado comprimento de onda, obteria uma radiação com outro comprimento de onda; sempre os mesmos. Se você aumentasse a intensidade da luz, produziria mais radiação, mas sempre com o mesmo comprimento de onda, não com um comprimento de onda maior. Da velha nomenclatura da química (especialmente a bioquímica) veio o termo quantum (= quantidade).

Disso, se deduziu (e, posteriormente, se comprovou fartamente) que no nível subatômico, a energia é absorvida e emitida sempre nesses “pacotes”; sem valores intermediários.

Parece algo sem paralelo em nosso mundo “macro” cotidiano, né?… Nem tanto… Pense na gravidade da Terra; para um objeto se livrar da atração da gravidade terrestre e ser lançado ao espaço (se você pensou em satélites e naves espaciais, acertou!) é preciso que ele alcance uma velocidade de escape de 11,2 km/s. Uma velocidade ligeiramente menor e o objeto cai de volta; se a velocidade for ligeiramente maior, tanto faz: o objeto escapa da atração da Terra.

Isso independe da massa do objeto; a velocidade de escape é sempre a mesma. É claro que, para que um objeto com maior massa (“mais pesado”), você vai precisar de uma energia total bem maior para obter a mesma velocidade de escape.

Nas interações entre as partículas que compõem os átomos, assim como entre os átomos que compõem uma molécula e da mesma forma entre átomos de moléculas próximas (e é isso que chamamos de “química”), tudo é feito com base nessas quantidades mínimas de energia (ou quanta), de modo que qualquer “pacote” de energia pode ser tratado como uma “partícula”.

E os físicos chegaram à conclusão (após longos e tediosos estudos) que só existem quatro tipos de interações entre as partículas subatômicas: as conhecidas gravitacionais e eletromagnéticas, que se manifestam claramente neste universo “macro” onde vivemos, e duas que só funcionam no âmbito restrito dos átomos e principalmente seus núcleos: a forte e a fraca. A fraca tem alguma semelhança com a eletromagnética, só que as partículas portadoras dessa força têm massa e, portanto, não chegam muito longe: não saem de dentro do diâmetro de um núcleo atômico dos pequenos… E a forte ganhou esse nome porque é muito mais forte do que a repulsão eletromagnética e consegue manter juntas duas partículas de cargas iguais (e ainda bem que ela existe, senão este universo nem existiria).

O grande problema em estudar o comportamento das “coisas” no “mundo subatômico” é que o simples ato de observar uma partícula altera essa partícula. Quer um paralelo ‘macro”?… Pense em uma pilha de pratos – uma meia dúzia deles – onde só um tem uma marca no centro (e você não pode olhar por cima da pilha). Para saber qual deles é o prato marcado, você tem que tirar os pratos que estão por cima e, quando chegar no prato marcado, ele já não será mais um “prato no meio da pilha”. Para uma partícula subatômica, seu “lugar na pilha” é extremamente importante (acredite em mim… senão a gente não chega ao fim da estória).

Para agravar o problema citado acima, é extremamente difícil (para não dizer “impossível”) obter algo como  “um único fóton” (“fóton” é a partícula de força eletromagnética, da qual a luz visível é apenas uma faixa extremamente estreita – mas guarde isto: todo e qualquer fóton se move à “velocidade da luz”, o “limite de velocidade” no universo) e – como se isso não bastasse – qualquer “partícula”, enquanto não produzir um efeito mensurável, é uma “onda” e se comporta como tal. Quer outra analogia “macro”?… Uma onda do mar que bate contra uma parede de cais. Se você dotar a parde de sensores que meçam a força exercida por cada onda que bate nela, você pode calcular a quantidade de água (e coisas dissolvidas nela) e a velocidade de cada onda (e eis sua “partícula” de mar…)

E mais uma coisa que confunde os “leigos”: isso tudo acontece no “mundo subatômico” em uma velocidade inimaginável e em quantidades de perder o fôlego. Lembra da onda do mar que eu fiz bater no cais no parágrafo acima?… Sabe como se dá esse “choque”?… Interação eletromagnética! Cada um dos elétrons dos átomos de água (e coisas dissolvidas nela) interage com os elétrons dos átomos dos materiais que compõem a parede, trocando “brazilhões” de “fótons virtuais” a cada “pentelhésimo” de segundo, e se repelem!

OK! E o que isso tem a ver com a homeopatia e os remédios em geral?

Exatamente o que você já pensou: nada! As reações químicas são uma “manifestação” da velha força eletromagnética que junta os átomos em moléculas, com os núcleos positivos atraindo os elétrons negativos dos outros átomos e estes puxam o núcleo do átomo “roubado” mais para perto do átomo “ladrão” de elétrons. E, se surgir uma molécula com capacidade de atrair mais o átomo “ladrão”, ou o átomo “roubado”, ela “rouba” o lugar da outra e cria uma (ou mais) moléculas novas, Isso é uma “reação química”.

Enquanto isso, as interações nucleares fortes e fracas continuam a acontecer dentro dos núcleos dos átomos – “brazilhões” de vezes por fração de segundo – e isso não muda chongas na reação química! 

Para você ter o efeito de um átomo de flúor – o elemento químico mais reativo que se conhece – você precisa da presença de um bendito átomo de flúor! Se o átomo de flúor for reagir em outra freguesia, a molécula abandonada passa a se comportar como se ele nunca tivesse estado lá! E, se você tiver “brazilhões” de átomos de, por exemplo, hidrogênio e um só átomo de flúor, só vai conseguir uma única molécula de ácido fluorídrico, coisa que, em um organismo vivo, não faz a menor diferença.

Já perceberam onde eu quero chegar, né?.. Quanto maior a diluição, menor o efeito, até não haver efeito algum.

E a física quântica não pode fazer nada a respeito, porque ela continua agindo da mesmíssima forma por todo o universo conhecido e nem por isso você é capaz de atravessar uma porta fechada – embora um nêutron seja capaz de escapar de repente de um núcleo atômico (“Radiatividade”).

Então, quando vierem com um papo furado de querer explicar magia, homeopatia, reiki, passes do caboclo ou as preces da rezadeira com a “física quântica”, caia fora!

Como eu disse lá em cima, eu acredito em magia… mas sei que a física não tem coisa alguma a ver!

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 14 comentários

  1. Samanta disse:

    Hehehehehe, é que nem o Mister M fazer e não saber dizer como hehehehe

  2. João Carlos disse:

    Eu acho que você tocou no ponto certo: o absurdo da coisa é que torna ela atraente. Eu não faço a menor ideia de por que funciona… só sei que as “explicações” que os “magos” dão, são furadas.

  3. Samanta disse:

    Olha nem sou interessada em mecânica quântica, física quântica ou o que seja, mas sou mais interessada no seu interesse em magia, como vc acha que ela dá certo?, sabe apesar de eu achar absurdo eu também gosto do assunto, deve ser exatamente porque é absurdo e mais divertido hehe

  4. Igor Santos disse:

    Fora o fato de, apesar de Pauli ser um grande físico, ele nunca foi um divinador. Prefiro não pensar em besteiras desconexas antes de criticar alguma coisa merecedora de crítica.

    João, excelente texto.

  5. Gabzaffari disse:

    Homeopatia é completamente banal, por favor, nunca, NUNCA apoiem qualquer coisas homepática.

  6. João Carlos disse:

    E eu posso argumentar que Pauli estava antevendo o nascimento da Neurociência, não da pseudo-ciência da Parapsicologia.
    Toda a química se fundamenta na física das partículas e uma comprova a outra. A homeopatia contraria uma e outra…

  7. silas disse:

    Wolfgang Pauli, sim aquele do principio da “exclusao”, dizia que a ciencia do futuro nao sera nem a psicologia nem a fisica, mas algo de ambas e de nenhuma”. Pensemos sobre isso antes de criticar tao duramente.

  8. João Carlos disse:

    Não é que seja complicada… É que coisas muito pequenas, como as partículas subatômicas, são dificílimas de observar. Mal comparando: é como tentar deduzir como é um elefante pelas pegadas no chão e demais rastros deixados pelo caminho.

  9. Maximus Gambiarra disse:

    Só sei que essa tal de quântica é tão complicada que só pode ser magia mesmo. eheh!

  10. ana claudia disse:

    Caro João!
    Obrigada pela aula. Gostaria de acessar a resposta da editora “da Matriz”, como encontro isso? Li apenas as “desculpas” do editor no site da versão brasileira e… não colou. Um abraço,
    ana claudia

  11. João Carlos disse:

    Eu sei… Analogias jamais são boas e, no caso da quântica, a coisa é pior ainda porque é tudo contra-intuitivo. Mas, se quem está argumentando do outro lado usa analogias falsas, eu me valho de analogias fracas, mas não falsas.
    Obrigado pelo comentário.

  12. André Rabelo disse:

    Como é bom ler alguém falando sobre “física quântica” sem ser para falar bobagem… estava sentindo falta disso =)

    Abraço!

  13. Laura disse:

    Gostei do texto… Estou estudando física quântica e é assustadora a quantidade de incompreensão sobre o assunto, e pior, de gente que não entende e por isso acha que ela pode explicar qualquer coisa. Mas as analogias que você usou não foram muito boas – na verdade, acho dificílimo encontrar uma analogia boa pra quantica, justamente por que ela não é observável no mundo macroscópico. E se a única analogia que vc tem é ruim, é melhor não usar analogia nenhuma – se não você só confunde mais quem é leigo…

    Abraço!

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM