O mamífero que comia dinossáurios

O mamífero que comia dinossáurios

Em 2003 agricultores chineses descobriram dois esqueletos de um tipo do animal nunca antes visto: um mamífero do tamanho de um cão que viveu há 135 milhões de anos.
A descoberta revoluciona o conhecimento actual de que os mamíferos mais desenvolvidos da época dos dinossáurios não eram do tamanho de pequenos roedores.
No interior de um dos esqueletos – onde foi outrora o seu estômago – os paleontólogos encontraram um conjunto de minúsculo dos ossos, os restos que pertenceram a um pequeno dinossáurio de aproximadamente 13 cm de comprimento – o Psittacosaurus.
Os cientistas dizem que o achado irá provocar a reavaliação dos actuais conhecimentos sobre as relações entre mamíferos e dinossáurios durante o Mesozóico – os mamíferos afinal não eram os seres indefesos e minúsculos que até hoje se pensava.
Os fósseis, classificados como Repenomamus, foram encontrados na província de Liaoning na China, uma região que tem fornecido numerosos fósseis originais nos últimos anos. Esta descoberta aparece publicada no jornal científico Nature.
Os mamíferos, tradicionalmente encarados como pequenos e periféricos na evolução dos vertebrados do Mesozóico são, em face desta nova descoberta, olhados com outros olhos – já imagino a satisfação e os sorrisos dos meus colegas paleontólogos que estudam mamíferos, que agora já têm também as suas estrelas nos “combates” jurássicos!!
Os mamíferos procuravam e consumiam aquilo que podiam (à semelhança do que acontece actualmente), até dinossáurios. Alguns dos nossos antepassados de maior dimensão competiam com os dinossáurios por territórios e alimentos. Nem sempre os leões são os reis da savana tal como os dinossáurios não eram os senhores absolutos do Mesozóico!
Outras mudanças importantes no conhecimento científico da História da Vida no obrigaram a rever conceitos anteriormente estabelecidos. É o caso da descoberta do Celacanto na década de 40 do século passado. Até esse momento pensava-se que este peixe estava extinto, limitando-se os investigadores a analisarem o seu registo fóssil. O Celacanto é considerado actualmente um fóssil vivo pois, ao longo dos últimos milhões de anos, não apresenta diferenças anatómicas significativas com os seus parentes actuais.
Um outro caso de como os conceitos científicos são alterados diz respeito aos dinossáurios saurópodes. Estes animais de enorme tamanho e peso, com caudas grandes, foram, nos primórdios da Paleontologia, descritos como animais que necessitariam viver semi-imersos em ambientes aquáticos (um pouco à semelhança dos hipopótamos). Este facto era devido à sua enorme massa corporal que, segundo os cientistas do início do século passado, os impediria de viver em terra firme. Hoje em dia, graças aos estudos de biomecânica e de análise das suas pegadas, sabemos que eram animais dinâmicos e activos, deslocando-se um pouco como os actuais elefantes e não estando confinados a viverem mergulhados na água
A Paleontologia, tal como outros campos da Ciência, é feita de revisões, de avanços e mudanças de rumo, de olharmos a mesma coisa com olhos diferentes ou com os mesmos olhos olharmos novas coisas.
(Publicado no jornal O Primeiro de Janeiro a 24/01/2005)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 0 comentários

Participe e envie seu comentário abaixo.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Categorias

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM