Painéis, como se comportar na sua primeira produção científica?

Painéis em congressos são a porta de entrada para o mundo da produção científica (Imagem: Dennis Schroeder)

Para a maioria de nós pesquisadores, a primeira produção científica da vida é um painel num congresso. Essa porta de entrada pode ser um importante passo, portanto ela merece alguma atenção e vamos dar aqui cinco sugestões importantes para começar sua produção com o pé direito.

1- Painel é coisa séria

Nossa primeira dica é que o painel de congresso é uma coisa séria. Ela pelo menos deveria ser. Dizemos isso porque é super comum ver nos eventos painéis sem o menor cuidado de diagramação ou, pior ainda, de conteúdo. Falaremos sobre a diagramação do painel num próximo post, mas quanto ao conteúdo, o problema mais comum é encontrar painéis sobre estudos muito mal elaborados, com um péssimo desenho experimental, ou com uma amostragem absolutamente não representativa, painéis sobre dados muito preliminares (ou até sobre projetos que nunca foram implementados). Painéis que dão a entender que só foram feitos para justificar o auxílio viagem solicitado pelo aluno. Não faça isso! Lembre-se que o que você mostrar será a imagem que passará. Você quer passar a imagem de quem sai divulgando resultados pouco confiáveis ou a imagem de um pesquisador jovem, porém sério? Talvez valha a pena deixar para apresentar aquele estudo no futuro e ir ao evento só como audiência.

2- Respeite sua personalidade, mas faça sua apresentação ser lembrada

A realidade da maioria dos congressos é que a sessão de painéis será um mar de pôsteres competindo pela atenção de congressistas já cansados e perdidos em meio a tanta informação. Como é que o seu trabalho irá sobressair em meio a tantos outros? Já vimos apresentadores irem fantasiados apresentar o painel, já vimos pessoas oferecendo comida em frente ao seu trabalho, já vimos painéis com vídeos. Tudo isso, conectado ao seu conteúdo, é válido. Em todo caso, não estamos propondo que você transforme o painel num stand-up comedy se for uma pessoa tímida. Seja espontâneo, mas pense em algo para atrair seu público e para ficar na memória.

 

3- Não espere passivamente

Talvez devêssemos aprender uma coisinha ou duas com os vendedores. Eles (pelo menos os bons vendedores) aprendem a ler o interesse do cliente e se adiantam em oferecer algo a mais. Se seu painel for bem diagramado, usar bem as imagens e usar fontes grandes, só o fato de alguém se deter por mais do que o tempo necessário para ler o título já é indicativo de interesse. Faça esse exercício, cronometre quanto tempo se leva para ler o título e toda vez que alguém no evento passar mais do que esse tempo olhando seu painel tome a iniciativa. Pergunte com que a pessoa trabalha, de onde é. Quem for abordado assim dificilmente virará as costas e te ignorará, desde que você não seja inconveniente. Então não fique apenas plantado ao lado do seu trabalho sem tomar a iniciativa de interagir. Se o painel fosse um processo passivo você não precisaria estar ali.

4- Prepare-se para ter pouca atenção, mas muita também

Certo, então um passante se interessou pelo seu trabalho e veio conversar. Ao redor há centenas de outros estudos interessantes, portanto não conte que seu ouvinte terá toda a vida para te escutar. Ofereça inicialmente uma versão de 30 segundos do seu estudo. Mais um exercício válido, treine apresentar o principal do seu trabalho em apenas meio minuto. Assim, se você encontrar com um louco como o Rafael Bento no evento, já estará preparado. Fez sua fala de 30 segundos e a pessoa continua lá? Parabéns, você acaba de comprar o interesse de seu ouvinte, então aprofunde sua explicação, entre em detalhes metodológicos, explore melhor seus resultados e o contexto científico que te levou àquela pesquisa. Ouça também. Pergunte qual o interesse do visitante, escute (e até anote) suas críticas ao trabalho.

5- Guarde as devidas proporções

A sessão vai chegando ao final, as pessoas estão indo embora e você recebeu seu certificado para engordar o Lattes. Muito legal! Mas não se esqueça que um painel de congresso, apesar de um excelente começo, é só o começo. Uma pesquisa científica não é considerada parte do corpo de conhecimento humano enquanto não for publicada, não num livro de resumos, mas numa revista científica. Os comitês científicos de congresso têm muito menos conteúdo para avaliar o painel (um título e um resumo) e têm o interesse de aprovar seu trabalho para que você se inscreva no evento, por isso eles são muito menos exigentes do que revisores de periódicos. Não dá para construir um currículo só com resumos em congressos, mas eles podem ser uma vitrine interessante para ver quão atraente é sua pesquisa.

Boa sorte em seu primeiro painel e em todos os seguintes também. Você verá que com o tempo eles melhorarão consideravelmente.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 2 comentários

  1. Gabriel disse:

    Vale lembrar que muitos projetos como o Pic Junior já são ótimas formas de iniciar o aprendizado sobre construções de painéis.

  2. […] de maneira bem prática à construção de painéis para congressos científicos. Como falamos no post anterior, o painel é provavelmente a sua primeira produção científica, então seria interessante […]

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM