O peso da primeira vez: Esperar um pouco pode ser um bom negócio.

Ser adolescente tem suas vantagens! Uma delas é o início da vida sexual. Para um adolescente, não tem nada melhor do que fazer sexo! E é tão bom que uma das coisas que observamos atualmente é que os adolescentes começam cada vez mais cedo a ter uma vida sexual ativa. Antigamente, ser virgem com 19 anos era comum. Hoje em dia, se você é virgem com 15 anos, alguma coisa está errada.

Mas afinal de contas, qual é a consequência de se começar a vida sexual muito cedo? Existem várias pesquisas que mostram uma correlação muito grande entre o início precoce da vida sexual e medidas tais como (1) alto índice de co-habitação sem casamento, (2) alto índice de gravidez sem casamento, (3) um índice alto de divórcio, etc. Sem contar que o início precoce da vida sexual está também fortemente relacionado com baixo nível de escolaridade, menos preocupação com a busca de uma carreira profissional e, consequentemente, uma menor estabilidade financeira. Existe pesquisa mostrando que sexo na adolescência reduz até mesmo o comprometimento religioso de alguns adoslescentes. Mas será que o início precoce da vida sexual têm alguma seqüela na vida da pessoa anos mais tarde?

A pesquisadora K. Paige Harden, do Departamento de Psicologia da Universidade do Texas em Austin, tentou responder essa pergunta em um estudo que será publicado na revista Psychological Science. Paige Harden acompanhou longitudinalmente mais de 1500 pessoas (pares de irmãos) desde quando eles tinham aproximadamente 15 anos até quando eles completaram 29-30 anos.

Durante esse tempo, ela coletou várias medidas com essas pessoas, entre elas (1) quando foi a primeira relação sexual — ela classificou as pessoas em três categorias: as que começaram cedo (antes dos 15 anos), as que começaram na hora certa (entre 15-19 anos) e as que começaram tarde (depois de 19 anos); (2) o tipo de união quando adulto (casado ou “juntado”); (3) o número de parceiros (não necessariamente parceiros sexuais) e, para os casados (4) o nível de insatisfação no casamento.

Paige Harden encontrou que o momento em que ocorre a primeira relação durante a adolescência (cedo, na hora certa ou tarde) foi um forte preditor da qualidade e do tipo de relacionamento na vida adulta, ou seja, aqueles que começaram a vida sexual mais tarde tiveram uma tendência menor de se envolverem em qualquer tipo de relacionamento e tiveram uma tendência a ter menos parceiros. Dentre os que começaram tarde e se casaram, eles apresentaram uma tendência bem menor de apresentar qualquer tipo de insatisfação com o casamento.

Mas alguém pode pensar que esse fatores têm a ver com o contexto familiar mais do que com a primeira vez em que o sexo acontece. No entanto, o mais interessante foi que esse efeito se manteve forte mesmo quando ela comparou irmãos de uma mesma família que tiveram diferentes “primeira-vez”. Em algumas análises, ela ainda mostrou que esse efeito não tem a ver com religião, escolaridade e ou classe sócio-econômica. Para se ter uma idéia, o momento da primeira vez foi um preditor de satisfação no casamento muito mais importante do que um aumento na renda familiar de $10.000 dólares por ano.

Obviamente ninguém deve interpretar os resultados de maneira determinística: “se fizer sexo cedo, vai se ferrar!“. Não. Mas é importante entender que essas coisas se relacionam de maneira interessante e, saber de possíveis fatores que podem influenciar a sua vida, é muito confortante. Mesmo que isso signifique que venha tenha que segurar o tesão e esperar um pouco mais! :)

E enquanto espera, acompanhe o Cognando pelo Twitter, Facebook e Google+

K. Paige Harden é diretora do Developmental Behavior Genetics Lab na Universidade do Texas em Austin e uma das fundadoras do Projeto Twin, que já rendeu vários estudos interessantes (veja aqui).

 

Referência: 

K. Paige Harden (2012). True Love Waits? A Sibling Comparison Study of Age at First Sexual Intercourse and Romantic Relationship in Young Adulthood Psychological Science

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

About André L. Souza

Assistant Professor Department of Psychology The University of Alabama www.andreluizsouza.com
This entry was posted in Psicologia Cognitiva. Bookmark the permalink.

2 Responses to O peso da primeira vez: Esperar um pouco pode ser um bom negócio.

  1. A precocidade e contato com situações em que o sexo está envolvido pode ser fator desencadeador de puberdade precoce?

    Leu algo sobre?
    Obrigado.

  2. Oi Guilherme, imagino que por “precocidade” você esteja se referindo à uma “precocidade mental/cognitiva”. E sua pergunta é se essa “precocidade cognitiva” juntamente com uma exposição maior ao sexo pode desencadear “puberdade precoce”.

    Bom, nunca li nenhum estudo que tentasse responder à essa pergunta especificamente. No entanto, essas duas “precocidades” não são independentes, de maneira que se há uma precocidade cognitiva, as chances de haver uma puberdade precocidade existe independente da exposição ao sexo. Porém, uma maior maturidade cognitiva pode, de alguma forma, se relacionar com fatores ligados à exposição precoce à sexo.

    Uma pergunta interessante seria: na ausência dessa precocidade cognitiva, seria a exposição ao sexo — de maneira forçada, por exemplo — um desencadeador de processos que levariam à uma puberdade precoce? Não conheço nenhuma pesquisa que tenha investigado essa questão, mas conheço pesquisas mostrando que a exposição precoce à sexualização (e não sexualidade) tem impactos sérios no desenvolvimento infantil. Dê uma olhada no trabalho que Becky Biggler e Sarah McKinney fazem com relação à isso (http://scienceblogs.com.br/cognando/2011/09/sexualidade-na-infancia-uma-entrevista-com-sarah-mckenney/)

    Valeu pela visita!!!

    A.

Leave a Reply

Your email address will not be published.