Liderança e cognição

gold_chesspieceQuando eu trabalhei na antiga Telemig Celular (hoje Vivo), o meu chefe imediato era uma pessoa brilhante e eu aprendi muito com ele. Luiz Henrique Neves era o nome dele. Lembro uma vez que ele me pediu um relatório de vendas de algumas lojas credenciadas e me pediu para incluir projeções de venda até o final do mês. A minha reação foi: “Incluir proje.. o que? Não sei o que é isso“. A resposta dele foi simples: “Projeções. Eu sei que você não sabe. Mas sei que pode aprender. Sexta-feira, ok? Obrigado“. Fiz o tal do relatório. Obviamente, tudo errado. Ele viu, identificou comigo onde estavam os problemas e disse pra eu refazer. Fiz de novo. Ficou bom. Quando ele entregou o relatório para o superior dele (outro líder brilhante, por sinal), não deixou de me dar o crédito pelo relatório bem feito. Hoje eu sei bem como fazer relatórios com projeções.

Toda grande empresa tem pelo menos um grande líder. Mas afinal de contas, quais são as principais características de um grande líder. O que um grande líder tem que nós não temos? Estamos o tempo todo tomando decisões. Algumas simples, como por exemplo “será que devo continuar lendo esse texto?” e outras mais complexas, tipo “devo ou não demitir funcionário X?” Bons líderes são aqueles capazes de tomar qualquer tipo de decisão, seja ela simples ou complexa, de uma maneira efetiva e que funcione. Mas como fazer isso? Existem algumas características importantes que líderes devem ter e que irão facilitar na hora de tomar as decisões certas.

Um bom líder deve ser uma pessoa extrovertida. Não precisa ser o tipo centro das atenções, mas precisa ser alguém visível e com boas qualidades comunicativas. Essa visibilidade é vantajosa. Pessoas extrovertidas são implicitamente vistas como mais confiantes e seguras, que são características importantes de um bom líder. Além disso, uma pessoa extrovertida é geralmente mais capaz de ‘defender’ o time que lidera, podendo conseguir vantagens internas que um líder mais introvertido talvez não conseguiria com a mesma facilidade. Além disso, confiança gera motivação.

Apesar de gostarmos de pessoas agradáveis, pesquisas mostram que bons líderes nem sempre são pessoas 100% agradáveis. Uma característica comum de pessoas agradáveis é que elas tendem a ter problemas para expressar suas críticas de maneira direta. Bons líderes precisam ser diretos nas críticas para promover melhorias mais objetivas. Quando o Luiz Henrique me disse que o meu relatório não estava correto, não foi uma situação muito agradável. No entanto, o fato de ele ter sido objetivo e direto com relação ao que estava errado deixou claro pra mim onde estavam as lacunas do meu conhecimento sobre projeção de vendas.

Um bom líder deve ser uma pessoa organizada e disposta a seguir regras. A organização é importante para visualização de possíveis cenários de decisões a serem tomadas. Seguir regras é importante para demonstrar uma abordagem ética no processo de tomada de decisão. No entanto, o líder deve ser capaz de pensar fora da caixa, e não só seguir um conjunto de regras de maneira cega e descontextualizada. Muitos problemas que grandes empresas enfrentam no dia-a-dia exigem soluções criativas. E soluções criativas geralmente surgem quando olhamos fora do domínio do problema. Por isso que um bom líder não é aquele que é de “humanas” ou “exatas” ou “biológicas”, e sim aquele que é multi-disciplinar na maneira de abordar os problemas.

Uma das características que eu julgo mais importante em um líder é a estabilidade emocional. Nossa mente gosta de coisas previsíveis. Nos sentimos mais confortáveis quando sabemos o que esperar de alguém. Um líder emocionalmente estável é aquele que os integrantes do time já sabem como ele irá reagir a uma boa ou má notícia. Se o líder é instável emocionalmente, os integrantes do seu time podem não confiar nele o suficiente para trazer problemas importantes que precisam ser resolvidos em equipe. Estabilidade emocional contribui também na busca de soluções criativas, uma vez que estabilidade emocional é uma característica comum de pessoas que têm o que chamamos de mente-aberta.

No final das contas, um líder não é necessariamente aquele que sabe mais ou que tem mais títulos, mas sim aquele que se utiliza de todas essas características que mencionei antes para potencializar a capacidades daqueles que integram o seu time. Esse é o líder que as empresas devem procurar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

About André L. Souza

Assistant Professor Department of Psychology The University of Alabama www.andreluizsouza.com
This entry was posted in Psicologia Cognitiva. Bookmark the permalink.

4 Responses to Liderança e cognição

  1. Jonathan Zanella says:

    Concordo que líderes extrovertidos são melhores, mas eles precisam saber lidar com pessoas introvertidas.

    Já conheci líderes que por serem extrovertidos não conseguiam se colocar no lugar das pessoas introvertidas e lidarem com elas de um jeito que elas não se sintam “acuadas”.

    Antes de extroversão, diria que a característica mais importante de um líder é empatia.

  2. Julio Godoi says:

    Complementaria o comentário do Jonathan Zanella dizendo que a empatia em medida equilibrada é uma das características mais necessárias na personalidade do líder. Quando em excesso, a dificuldade em expor uma cobrança ou avaliação de forma direta tende a ser interpretada (e muitas vezes de forma correta) como falta de confiança, e isso implica diretamente no respeito da equipe liderada. Quando a medida é insuficiente, não é difícil interpretar como egoísmo, intolerância ou crueldade.
    Mas qual é a medida certa de empatia? Depende de varios fatores, como por exemplo o perfil social e cultural da equipe e a posição hierárquica deste líder na organização. Os degraus na hierarquia corporativa são importantes para gradualmente aproximar as concepções do patrão (topo da pirâmide de Maslow) com as do empregado que execulta a mão de obra (em geral, base da pirâmide). Seguindo ainda o conceito da pirâmide de Maslow, podemos interpretá-la não só como um diagrama socioeconômico, mas ideológico ou cultural. Aos muitos líderes dessa pirâmide ideológica cabe falar duas linguas: a dos subordinados e a dos superiores, sendo a fluência em ambas necessária para manter o equilíbrio da corporação.
    Um bom líder, na prática, conduz a equipe ao cumprimento da meta estabelecida pelo empregador, e evita custos desnecessários como desperdício de mão de obra, tempo, materia prima, turnover, etc… A substituição de um colaborador gera além custo financeiro, um desperdício de tempo no treinamento do substituto, e para esse novo custo ascender ao status de um bom investimento, a triagem dos candidatos deve ser feita com conhecimeto do conjunto de características necessárias para a composição do time, e essas caracteristicas, quando se trata de uma operação dinâmica e com multiplas tarefas e atribuições, devem ser de cunho individual, vista a incapacidade de um colaborador em compor todas as características técnicas ou facetas de personalidade necessárias na composição de um bom time. Uma boa analogia é o time de futebol com várias posições ou tarefas distintas e variedade de personalidades que podem ser agregadoras ou não ao resultado (cabe ao técnico administrar ambos aspectos). Outra analogia válida é a de um mecânico / técnico de manutenção que emprega para cada tarefa uma ferramenta expecífica que melhor cumprirá o objetivo. Pode-se interpretar que nem sempre se tem à mão a ferramenta ideal para a função, mas a beleza da sabedoria na arte de improvisar está em fazê-lo com a cautela de não desgastar a ferramenta e torná-la inutilizável até mesmo para seu propósito original. Também cabe a este técnico / mecânico a incubência de talhar / ajustar ou até substituir suas ferramentas de acordo com a necessidade.
    A distância entre o líder e sua equipe tem que ser curta o bastante para que a equipe tenha confiança na representação perante as níveis de gestão mais altos, e longa o suficiente para que laços pessoais não interfiram em uma decisão difícil como um desligamento.
    Minha ultima consideração sobre o assunto: Um líder nunca deve se considerar pronto, mas em eterno desenvolvimento.

  3. Luciana says:

    Muito bom. Realmente um líder precisa agregar habilidades técnicas e também habilidades humanas. O desenvolvimento pessoal é tão importante quanto o desenvolvimento profissional, e muitas empresas já estão percebendo isso.

  4. Tri Legal says:

    Excelente Artigo ! Estou adorando visitar este blog, sempre tem artigos interessantes, sempre estou visitando e lendo os artigos, sempre tem artigos de qualidade como este, muito bom.

    Parabéns !

Leave a Reply

Your email address will not be published.