Urólito: Xixi de Dinossauro

Você sabia que também se preservaram icnofósseis de xixi dos dinossauros? Você sabia que um dos primeiros encontrados foi no interior de São Paulo?

Nesse episódio 13 de BoneCasts, saiba como foi formado um urólito paulista de mais de 130 milhões de anos, apresentado por um de seus descobridores, o paleontólogo Marcelo Fernandes.

Inscreva-se em nosso canal do YouTube e receba nossos vídeos semanais em seu celular antes de todo mundo!

Kit Embed Colecionadores 13

BoneCast #12 – PaleoDeserto Botucatu: Nas Areias do Tempo

No episódio #12 de Bonecasts, o paleontólogo Marcelo Adorna Fernandes (UFSCar) fala sobre as pegadas fósseis da Formação Botucatu (Bacia do Paraná). Muitas das quais podem hoje ser encontradas nos calçamentos de cidades como Ararquara e São Carlos, interior de São Paulo. Mas como isso é possível?!

Conheça mais sobre o gigantesco paleodeserto que cobriu o sul e sudeste do Brasil durante o final do Jurássico e início do Cretáceo, há mais de 120 milhões de anos, quando os dinossauros dominavam o planeta. Que criaturas caminharam sobre essas areias?! Como um imenso deserto simplesmente desapareceu?

Veja tudo isso aqui (você será redirecionado para o Youtube):

 Kit Embed Colecionadores 12

Jurassic World, seus monstros e o conceito de espécie

Nosso querido colega Rafael Souza inicia a sua participação aqui no blog com uma discussão biológica que vai dar um nó na cabeça de muita gente! Entenda porque mesmo que os dinos de ‘Jurassic Park’ e ‘Jurassic World’ tivessem seu DNA 100% puro, eles ainda não seriam dinossauros.

Só para os fortes!

JURASSIC WORLD E SEUS MONSTROS DINOSSAURIANOS

Por Rafael Souza (Museu Nacional/UFRJ)

É inegável o sucesso gerado pelo livro ‘Jurassic Park’ e todos os filmes subsequentes baseados nessa obra. Afinal, quem não se admira e espanta quando monstros tão formidáveis e tão familiares aos dinossauros, saem por ai devorando pessoas e destruindo coisas? Pois é, note que não os chamei de Dinossauros.

19th_century_science_ruined_dinosaurs_by_osmatar-d81jxfcRecentemente no filme ‘Jurassic World’ os autores fizeram questão de ressaltar que os animais que eles criavam não eram dinossauros e sim monstros modificados geneticamente, baseados em moléculas de DNA “fossilizadas” de Dinossauros. Uma ótima justificativa para os inúmeros erros anatômicos demonstrados pelos monstrinhos ao longo dos quatro filmes produzidos e do próprio livro, e não estou falando apenas das polêmicas penas!

RaptorFeather_FEAT

No entanto, um embate ainda existe, mesmo após tal justificativa. Se tais animais geneticamente construídos pelo homem não são dinossauros, por que eles receberam nomes de espécies fósseis formalmente reconhecidas pela ciência? Por que não os nomearam com nomes inéditos e “assustadores” como o “Indominus rex”? A resposta se deve ao PODER da divulgação e atração gerada por nomes como: Tyrannosarus rex, Velociraptor, Triceratops… e tantos outros.

da2N498lMas vamos lá, abriremos espaço para uma perspicaz discussão usando tal introdução. Vamos começar fazendo duas suposições: 1) que o DNA desses animais tenha sido reconstruído com sucesso, ou seja, mesmo utilizando partes de DNA de outros animais, suponhamos que os cientistas da InGen conseguiram recriar tais animais com uma incrível veracidade biológica, portando as mesmas seqüências de DNA nos respectivos  dinossauros; e/ou, 2) que os elementos ósseos desses animais sejam idênticos aos encontrados pelos paleontólogos ao longo desses séculos de escavações e pesquisas, ou seja, idêntico aos espécimes referidos as espécies citadas no filme.

Baseando em tais pressupostos, vamos discutir como verdadeiros sistematas qual a melhor forma de nomear os animais da franquia Jurassic Park/World com base nos nossos conhecimentos científicos acerca dos conceitos de espécie (sim no plural, sim são muitos!). Vamos deixar de lado o fato de serem animais híbridos e artificiais e nos atermos apenas ao fato de serem ou não dinossauros. Além disso, deixemos as discussões sobre as vantagens e desvantagens entre os diferentes conceitos de espécies para outro momento.

oofqbwTodo biólogo que queira nomear, descrever ou até mesmo trabalhar direta ou indiretamente com uma espécie deveria ler e se inteirar das informações contidas no Código Internacional de Nomenclatura Zoológica (ICZN). Tal código busca regulamentar e padronizar o processo de nomeação, sinonímia e qualquer outro assunto pertinente a nomenclatura zoológica.

A forma mais comum de se identificar e designar um individuo a uma espécie, seja ela nova ou não, é analisando suas características morfológicas (Nelson & Platnick, 1981; Cracraft, 1983; Nixon & Wheeler, 1990; Grismer, 1999, 2001), sejam essas externas ou internas ao corpo do animal, principalmente características tidas como únicas aos espécimes de uma determinada espécie (autapomorfia). De tal forma, quando uma hipótese de espécie é proposta, uma diagnose é feita e um holótipo eleito, portando o nome e as referidas características e possibilitando que outros espécimes possam ser incluídos na mesma hipótese de espécies. Sendo assim, valendo-se do pressuposto 2, que comentamos anteriormente, não seria incorreto designar as formas apresentadas nos filmes/livros como sendo dinossauros e receber os mesmos nomes que suas formas fósseis. Pois tais critérios visam apenas nossa capacidade de diferenciar espécimes e os agrupa-los em conjuntos ideologicamente não-naturais que chamamos de espécies.

1374644032_tumblr_lxarxioCe31ql8i93o1_500-1434065053Ao se assumir o pressuposto 1, em que os cientistas da franquia ‘Jurassic Park’ conseguiram recriar a mesma seqüência gênica dos extintos dinossauros, nos permitiriam categorizar tais animais como Dinossauros. Essa categorização seria baseada em propostas acerca do compartilhamento de características moleculares (e.g. DNA, RNA; Baum & Shaw, 1995; Avise & Ball, 1990), propostas essas que sustentaram a origem do Barcode, a categorização dos seres vivos por meio de uma seqüência molecular compartilhada por todos os seres vivos, mas suficientemente variável para categorizá-las (Hebert et al., 2003). No entanto, vale ressaltar que se assumindo o pressuposto 1, estaríamos inferindo a priori que o DNA produzido seria idêntico ao dos dinossauros, coisa que muito dificilmente será comprovado.

Baseando-se puramente nas diagnoses criadas pelos conceitos de espécies discutidos acima e assumindo os pressupostos 1 e/ou 2 podemos sim chamar as criaturas da franquia ‘Jurassic Park’ de Dinossauros e, portanto, incluí-los nas espécies já existentes. De Queiroz (2007) argumenta sobre o conceito unificado de espécie, que seria o fator em comum apresentado por todos os conceitos até então propostos, e, segundo ele, o fator em comum entre todas elas seria a existência de uma linhagem comum independente. Sendo assim, todos os outros “detalhes” contidos nos conceitos prévios seriam formas de se delimitar as espécies, ressaltando que quanto mais “testes” a espécie “passar” mais bem suportada ela será.

984Com as proposições de De Queiroz (2007) em mente, seriamos capazes de realizar diversos “testes” delimitantes nos indivíduos criados na história, e se os pressupostos 1 e 2 forem validos, estaríamos corretos em propor que tais seres sejam de fato dinossauros. No entanto, o próprio autor reconhece que para se estabelecer uma linhagem evolutiva independente o isolamento geográfico seria uma força poderosa e de fácil detecção. Então, o que dizer da barreira criada pelo tempo? Se os animais criados forem de fato dinossauros teríamos o maior “Táxon Lázaro” (táxons que “desapareceram” e subsequentemente reaparecem em períodos geológicos mais recentes) já descrito. Baseando-se nas proposições de De Queiroz (2007) poderíamos dizer, ao reconhecermos que tais animais sejam dinossauros, que eles não deveriam pertencer as espécies já descritas e sim a um novo conjunto de espécies, simplesmente pelo fato de representarem uma nova linhagem evolutiva completamente independente de seus extintos “ancestrais”.

Outra linha de pensamento acerca dos conceitos de espécie foi proposta por Fitzhugh (2006), onde, no desígnio de uma espécie, não estamos simplesmente agrupando indivíduos e sim referenciando um nome a uma hipótese explanatória acerca da origem e fixação de determinadas características presentes em um grupo de espécimes de uma determinada população. Com base nisso, as teorias e demais evidências que nos levam a nomear um grupo de indivíduos fósseis numa determinada espécie de dinossauro são de imediato diferente das teorias e demais evidências que possibilitaram a origem e fixação dessas características, mesmo que idênticas. Portanto, apesar de “idênticas”, se os pressupostos 1 e 2 forem acatados, os caracteres diagnósticos compartilhados por elas seriam um caso de homoplasia (quando você precisa de uma hipótese ad hoc para explicar a origem e fixação de uma determinada característica) e portanto não seriam dinossauros de fato.

Como podem ver, além da polêmica discussão sobre ser ou não ser um dinossauro, na ciência temos uma frutífera e produtiva discussão sobre conceitos e metodologias para a designação mais “natural” de o que seria uma espécie e como seria possível identifica-la.

Ainda nesse assunto poderíamos levantar uma interessante questão, tão polêmica ou mais, que é o fato de uma vida ter sido criada artificialmente (criada por influência humana; “não natural”) deve ser tratada como um ser vivo? Merece um sistema de classificação próprio, ou deve ser incluída junto aos demais animais/plantas? O que é vida e quando ela deixa de ser natural?

Jurassic-Park-Meme

Mas deixemos essas perguntas para uma futura discussão!

Grande abraço a todos e ótimas pesquisas!

206762_521403024559726_620681216_n

Rafael Gomes de Souza é graduado em licenciatura e bacharelado pela Universidade Federal de Uberlândia e tem mestrado em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ. Desenvolve pesquisas na área de sistemática e paleontologia, principalmente com crocodilianos fósseis e aspectos filosóficos da sistemática.

.

.

Referências:

Avise, J. C., and R. M. Ball, Jr. 1990. Principles of genealogical concordance in species concepts and biological taxonomy. Oxf. Surv. Evol. Biol. 7:45–67.

Baum, D. A., and K. L. Shaw. 1995. Genealogical perspectives on the species problem. Pages 289–303 in Experimental and molecular approaches to plant biosystematics (P. C. Hoch, and A. G. Stephenson, eds.). Missouri Botanical Garden, St. Louis.

Cracraft, J. 1983. Species concepts and speciation analysis. Curr. Ornithol. 1:159–187.

De Queiroz, K. 2007. Species Concepts and Species Delimitation. Systematic Biology, 56(6): 879-886.

Fitzhugh, K. 2006. The philosophical basis of character coding for the inference of phylogenetic hypotheses. Zoologica Scripta, 35: 261-286.

Grismer, L. L. 1999. An evolutionary classification of reptiles on islands in the Gulf of California, Mexico. Herpetologica 55:446–469.

Grismer, L. L. 2001. An evolutionary classification and checklist of amphibians and reptiles on the Pacific islands of Baja California, Mexico. Bull. South. Calif. Acad. Sci. 100:12–23.

Hebert, P.D.N., Cywinska, A., Ball, S.L., deWaard, J.R., 2003. Biological identifications through DNA barcodes. Proc. R. Soc. Lond. Ser. B 270, 313–321.

ICZN: http://iczn.org/code.

Nelson, G., and N. I. Platnick. 1981. Systematics and biogeography. Columbia University Press, New York.

Nixon, K. C., and Q. D. Wheeler. 1990. An amplification of the phylogenetic species concept. Cladistics 6:211–223.

BoneCast #11 – Preparação de Fósseis com Pedro H. Moraes

Procurar, encontrar, escavar. Mas o que fazer depois?

Depois que um fóssil é encontrado, ele é levado para preparação no laboratório. Muitas vezes a preparação é longa e pode levar anos, dependendo do material. Você já teve curiosidade de saber como é o trabalho de preparação de fósseis?

No episódio #11 de BoneCast, Pedro H. Moraes (UFTM) fala sobre a preparação de fósseis em laboratório. Essa foi uma parte do minicurso de preparação de fósseis oferecido durante o III Simpósio da Liga Acadêmica de Evolução, realizado no Complexo Cultural e Científico de Peirópolis, Uberaba (MG), em junho de 2015. Descubra o básico de como preparar fósseis e deixá-los prontos para a pesquisa.

Você pode aprender mais sobre como é feita a coleta e preparação de fósseis no livro “Paleontologia” v.2, Segunda edição, Capítulo 3: “Fósseis: Coleta e Métodos de Estudo”, Editora Interciência, Editor: Ismar de Souza Carvalho, pp.28-42 – Veja um pedaço deste capítulo aqui: http://www.igeo.ufrj.br/~ismar/1/1_27.pdf

Clique aqui e assista ao BoneCast #11 (link externo para o YouTube).

Kit Embed Colecionadores11

 

BoneCast # 10 – PaleoArte com Rodolfo Nogueira

No episódio #10 de BoneCast, Rodolfo Nogueira, paleoartista profissional, graduado em Desenho Industrial pela Universidade Estadual Paulista, fala um pouco sobre a arte de ilustrar o mundo pré-histórico: o que é, quais são os seus fundamentos, o retorno para a sociedade e dicas para os futuros paleoartistas.

Acesse o portfólio de Rodolfo Nogueira: http://rodolfonogueira.daportfolio.com/gallery/101276

Saiba mais sobre paleoarte e conheça as obras de outros paleoartistas brasileiros: http://brazilianpaleoart.colecionadoresdeossos.com/

Assista ao BoneCast #10 aqui (link externo para o youtube):

Kit Embed Colecionadores#10

BoneCast #9 – Paleohistologia: escavando “dentro dos ossos”

Nesse episódio 9 de BoneCasts, convidamos a paleontóloga Juliana Sayão para explicar uma das áreas de estudo mais sofisticadas da Paleontologia moderna. Por quase dois séculos dessa ciência, como disse o pesquisador Jack Horner, os paleontólogos têm escavado fósseis, mas somente algumas décadas atrás têm “escavado dentro dos ossos”, para desvendar detalhes dos tecidos preservados. A poderosa ferramenta da Paleohistologia têm nos possibilitado obter diversas informações sobre os seres exintos.

Assista ao BoneCast #9 aqui (link externo para o youtube):

Kit Embed Colecionadores#9

 

Jurassic Park: a ficção que está inspirando a realidade

A molécula de DNA é relativamente estável, mas não é resistente há dezenas de milhões de anos. Até onde se sabe, é impossível encontrar DNA de dinossauros mesozoicos preservado em ossos fossilizados ou no estômago de mosquitos aprisionados em âmbar. Porém, um grupo de pesquisadores dos Estados Unidos, inspirados pela ficção de “Jurassic Park”, afirmam: ainda assim é possível realizar a façanha de se recriar dinossauros.

creepy-new-jurassic-world-tv-spot-teases-the-indominus-rex-hatching

ff_chickensaurus2_f

Jack Horner

Inspirado por “Jurassic Park” e movido pelo desejo de ver um dinossauro vivo, com dentes, desde criança, o paleontólogo John Horner tem dedicado grande parte de sua carreira nas últimas décadas a tornar o seu sonho realidade. Horner e sua equipe de pesquisadores têm trabalhado duro no campo da Genética e Biologia do Desenvolvimento. A ideia deles é produzir um dinossauro, não por meio de DNA preservado em âmbar ou fósseis, mas por meio de manipulação genética do DNA de aves atuais. Especificamente, galinhas.

Sinosauropteryx , um dino com penas

Sinosauropteryx , um dino com penas

Não é mais uma novidade que as aves são descendentes dos dinossauros. Paleontólogos vêm estudando as semelhanças desses organismos há anos e cada vez mais aprendemos o quão parecidos os dinossauros terópodes eram das aves. Inclusive com o corpo coberto de penas.

De acordo com Jack Horner, estudar o DNA das aves pode não só nos ajudar a entender muitos aspectos evolutivos dos dinossauros, como também guardar o segredo para recriá-los. Bastaria ativar os genes corretos no momento certo do desenvolvimento do animal.

Embrião de galinha

Embrião de galinha

Muitos estudos têm avançado nessa direção. Recentemente foi publicado um artigo sobre a evolução do bico nas aves, em que cientistas modificaram proteínas produzidas durante o desenvolvimento embrionário de uma galinha e conseguiram criar um embrião com “focinho” reptiliano. O animal não tinha dentes, mas apresentava o rostro arredondado como o de um jacaré. Uma implicação da pesquisa é que mudanças simples podem ter causado grandes mudanças anatômicas nos primeiros dino-aves. A intenção desses pesquisadores não era incubar o animal e nem criar um dinossauro, mas eles definitivamente deram um grande passo nessa direção, como destacou o próprio John Horner.

Embrião de galinha, embrião experimental e embrião de jacaré.

Embrião de galinha, embrião experimental e embrião de jacaré.

Botelho_Figura_01

Clique para ampliar e entender a evolução do “dígito opositor” nas aves.

Outro estudo recente abordou a evolução dos dígitos nas aves, em especial o dígito opositor que as auxilia a empoleirarem (o hallux). Alguns pesquisadores chilenos conseguiram reverter esse caráter em embriões e puderam compreender como a capacidade de “agarrar com os pés” desenvolveu-se nos dinossauros (entenda mais AQUI).

De acordo com Horner, os outros passos em direção a se criar um dinossauro seriam conseguir desenvolver dentes, mãos com garras e uma cauda longa nos embriões. Sua equipe já conseguiu recriar dentes, mas infelizmente as aves perderam o gene responsável pela produção do esmalte dentário. Nesse caso, de acordo com o pesquisador, seria necessário inserir o gene artificialmente nesses organismos por um processo conhecido como transgenia (inserir genes de outros organismos no genoma da galinha).

Recriar as mãos seria o mais “fácil”, ainda de acordo com o pesquisador, já que todas as peças estão presentes nas aves, bastando descobrir como reorganizá-las. O que será realmente difícil, será a cauda. As aves desenvolveram uma estrutura bastante complexa, com vértebras fundidas, chamada pigostilo. Será necessário primeiramente descobrir como o pigostilo evoluiu, para então, revertê-lo.

Depois que todas essas modificações forem alcançadas, um último grande passo ainda será necessário: descobrir uma forma de deixar os embriões desenvolverem-se. O resultado disso tudo seria algo semelhante a um pequeno dinossauro terópode, que Horner apelidou de “Chickensaurus”. (Observação: por esse método seria difícil, para não dizer realmente impossível, criar um dinossauro saurópode ou um ornitísquio).

6a0105351bb26c970c01b7c72ae316970b-800wi

Esqueleto de galinha e esqueleto fictício de “Chickensaurus”

Críticos do trabalho de Horner apontam que, assim como em ‘Jurassic Park’, criaturas geradas dessa maneira não seriam dinossauros “de verdade”, mas sim “monstros” geneticamente modificados. Além disso ressaltam: Qual seria a razão de se recriar “dinossauros”? Para entretenimento? Aonde eles se encaixariam: como animais ou produtos? Quem seria responsável por eles? Aonde seriam mantidos? Teriam eles direitos? Que problemas eles trariam para os organismos viventes e ecossistemas naturais caso fugissem de controle?

Essas são muitas questões também abordadas por “Jurassic Park”, a ficção criada por Michael Crichton no início da década de 1990. O personagem “Ian Malcom” é particularmente inquisitivo em relação a isso e tanto no livro quanto na série de filmes a “teoria do caos” é bastante enfatizada por ele.

Horner diz que “Chickensaurus” não seria criado apenas para ser um “pet”, mas que o que aprenderíamos com ele poderia promover grandes avanços na indústria médica.

A vida inspira a arte, mas a arte também pode inspirar a vida. Qual a sua opinião sobre tudo isso?

Assista a palestra de John Horner, aonde ele fala sobre a criação de “Chickensaurus”:

Curtiu? Que tal acompanhar também a nossa página no Facebook? Visite, curta e acompanhe as últimas novidades no universo da Paleontologia: https://www.facebook.com/colecionadoresdeossos

LEIA TAMBÉM: “E se o DNA dos dinos de Jurassic World fosse 100% puro?

E se o DNA dos dinos de Jurassic World fosse 100% puro?

Já sabemos que recriar dinossauros a partir de sequências de DNA recuperadas do sangue preservado no ‘estômago’ de mosquitos pré-históricos é impossível. O mesmo é válido para “recuperar sequências de DNA a partir de fósseis excepcionalmente bem preservados”. MAS, e se acreditássemos na ficção de ‘Jurassic Park’ e realmente pudéssemos recriar dinossauros? Com o quê eles se pareceriam, de verdade?

—- SPOILER ALERT —-

Se você ainda não assistiu o filme “Jurassic World”, não continue lendo a postagem!

Nos filmes, apesar de o genoma dos dinossauros (e outras criaturas pré-históricas, como pterossauros e o mosassauro) ser muito bem conhecido, ele ainda é incompleto. Para solucionar esse problema, os geneticistas da “InGen” completaram as sequências de DNA dos dinossauros com o DNA de algumas espécies vivas nos dias atuais, como rãs e um tipo de sépia – que é um parente das lulas. Como ficou bem claro ao longo da série, isso gerou alguns problemas, como a troca de sexo nos animais (primeiro filme) e a capacidade de se camuflar e controlar a temperatura corporal (no novo filme). Aparentemente, os cientistas também manipularam o genoma dos bichos com a finalidade de cativar mais o público, com dinossauros “maiores e mais assustadores”.

Agora, se os cientistas tivessem conseguido recuperar 100% do genoma desses animais e de fato os tivessem recriado “100% puros”. Com o que eles se pareceriam?

Abaixo fizemos uma listagem das espécies que aparecem no filme ‘Jurassic World’ (não só os dinossauros) e destacamos, a partir dos mais recentes conhecimentos científicos na área, com o que esses animais realmente teriam se parecido:

Gallimimus versão JPxJW

Gallimimus versão JPxJW

Gallimimus: Os Gallimimus teriam o corpo coberto de penas e inclusive deveriam ter penas longas nos braços. Evidências disso foram encontradas em animais bem proximamente relacionados a essa espécie, os Ornithomimus. A propósito, os braços dos Gallimimus seriam um pouco mais longos do que como é mostrado nos filmes.

Considerando a arte desses bichos, em ‘Jurassic Park’, o primeiro filme, os bichos têm uma anatomia muito melhor do que em ‘Jurassic World’. Em ‘Jurassic World’ eles não parecem tão naturais pois têm os braços inseridos no lugar errado do corpo. Além disso, é importante lembrar, que esses bichos não tinham dentes na boca: se você observar com cuidado, pode ver que alguns deles aparecem com pequenos dentes no novo filme da série.

Os punhos também estão errados, e isso se repete para todos os outros dinossauros terópodes dos filmes. Ao invés de dobrarem-se “para frente”, como é retratado, as mãos dobravam-se para a lateral, como nas aves.  Por isso, aos olhos de um paleontólogo, quase todos os dinossauros de ‘Jurassic Park’ parecem ter os punhos quebrados. Essa questão da posição dos punhos somente foi melhor entendida – cientificamente falando – depois da produção dos três primeiros filmes da série.

Acima: como retratado nos filmes. Abaixo: como realmente era.

Acima: como retratado nos filmes. Abaixo: como realmente era.

Por fim, os Gallimimus tinham entre 6 a 8 metros de comprimento. Quando completamente adultos deveriam ser um pouco maiores do que como são retratados nos filmes.

Um ponto positivo foi que mandaram bem na questão dos bandos. É possível que esses animais se organizassem dessa forma, principalmente quando jovens. Há sítios fossilíferos na China que indicam essa estruturação para animais do mesmo agrupamento  filogenético.

Gallimimus by ZeWq

Gallimimus by ZeWq, Deviantart

Dilophosaurus: Em ‘Jurassic World’, o Dilophosaurus aparece somente como um holograma no ‘centro de visitantes’.  A questão da gola coriácea, como observada no lagarto vivente Chlamydosaurus kingii, é muito difícil ser comprovada, pois, até o momento, nenhuma evidência semelhante foi encontrada em qualquer dinossauro. Já a questão de cuspir veneno é quase 100% furada. O único dinossauro encontrado até hoje, que, por meio dos fósseis, permite dizer que seria ‘venenoso’, é o Sinornithosaurus, devido a presença de pequenos canais em seus dentes (semelhantes à canais de veneno). Porém, isso também é apenas uma inferência, já que não temos como ter 100% de certeza sobre qual era a verdadeira função dessas estruturas nos dentes desses animais.

É difícil dizer se o Dilophosaurus possuía penas. Há algum tempo, sugeriu-se que haveriam evidências de penas em uma impressão de repouso atribuída a esses animais. Porém, a má qualidade de preservação do fóssil não permitiu que essa hipótese fosse confirmada. É altamente provável que esse animal tivesse o corpo coberto por filamentos simples, pelo menos. Proto-penas e estruturas semelhantes a penas estão presentes em diferentes grupos de dinossauros, o que indica que essa é uma característica basal do grupo, ou seja, que estava presente desde os primeiros dinossauros. No grupo dos terópodes (o qual inclui o dilofossauro) essa característica é bastante comum em diferentes ramos filogenéticos.

Um Dilophosaurus adulto teria cerca de 2m de altura e aproximadamente 7m de comprimento.

dilophosaurus_by_stasiuk-d4r0ih2

Dilophosaurus, por stasiuk, em Deviantart.

Pachycephalosaurus: Estes animais chegavam a ter 4,5m de comprimento e pesar até 450kg. Apesar de aparecer bem rápido em ‘Jurassic World’, o Pachycephalosaurs aí retratado parece um pouco grande demais. O resto parece ok.

Apatosaurus: As narinas foram bem colocadas e o tamanho do animal parece estar mais ou menos dentro do esperado. Talvez um pouco maior, apenas, do que esse bicho era na realidade (em média eles teriam 22m de comprimento). A posição do pescoço também está ok. No todo, a anatomia animal está bem próximo do real. A cabeça pode estar um pouco grande proporcionalmente, mas o que faltou mesmo foram as escamas. No filme, o bicho parece ter pele elefante. Temos evidências de impressões de pele de saurópode e eles tinham escamas grandes e arredondadas, alguns, até mesmo osteodermos no dorso (como os titanossauros).

Fora isso, a minha opinião particular é que eles podiam ter usado um pouco mais de cores nesses saurópodes, como listras na cauda ou no pescoço, o que, observando os mamíferos modernos, ajudaria a confundir os predadores. Mas ainda assim está ok!

Pata da frente de um Triceratops

Pata da frente de um Triceratops

Triceratops: Os bebês Triceratops estão mais ou menos corretos, com os chifres apontando para cima, como observado nos fósseis de juvenis desses animais. O ‘closeup’ do pé da frente do bicho, todavia, mostra uma anatomia errada. O mais correto seria como a ilustração ao lado, com o pé mais esparramado, não compacto como o de um elefante.

Os Triceratops adultos, fora talvez alguns detalhes no formado de partes do crânio, também estão com uma anatomia relativamente bem convincente. Todavia, há evidências de impressão de pele para esses animais e eles tinham escamas grandes e mais ou menos hexagonais, não “pele enrugada de elefante (de novo)”.

Devido a alguns fósseis de Ceratopsia basais apresentarem “bristles” na anca (Psittacosaurus), alguns pesquisadores acreditam que é possível que formas derivadas, como os Ceratopsidae (incluindo Triceratops), também apresentassem tais estruturas. É provável, filogeneticamente falando, mas ainda são necessárias melhores evidências.

jurassic-world-tv

Cena de ‘Jurassic World’

 

Ontogenia de Triceratops.

Ontogenia de Triceratops.

Impressão de pele de Triceratops.

Impressão de pele de Triceratops.

Triceratops com "bristles"

Triceratops com “bristles”, arte de Aaron Doyle

bloggif_55830d185f4baStegosaurus: Estegossauros definitivamente não arrastavam a cauda no chão e nem próximo ao chão. Eles tinham a cabeça *bem* pequena e seriam INCAPAZES de galopar, como retratado no filme. As placas nas costas deveriam ser mais coloridas já que aparentemente, elas têm forte relação com extravagância sexual e comunicação desses bichos.

Impressões de pele desses animais mostram pequenas escamas pentagonais e uma ‘armadura gular’.

'Armadura gular'

‘Armadura gular’

Os Stegosaurus  de ‘The Lost World: Jurassic Park’ são muito mais acurados, cientificamente falando, do que os do novo filme. Os estegossauros que aparecem próximos ao rio em ‘Jurassic World’, também parecem mais acurados do que aqueles que aparecem pastando e galopando nas planícies.

Algumas estimativas indicam que Stegosaurus armatus poderia alcançar até 9m de comprimento. S. ungulatus S. stenops eram bem menores.

Stegosaurus, por John Conway

Stegosaurus, por John Conway

 

Velociraptor mongoliensos, por John Conway

Velociraptor mongoliensos, por John Conway

Velociraptor: Como todo mundo já deve saber, velociraptores não eram tão grandes como retratados no filme. Os verdadeiros Velociraptor tinham cerca de 60cm de altura e até 2m de comprimento. Além disso, tinham o corpo coberto de penas e evidências da presença de penas de haste longa nos braços, como as aves atuais.

O problema dos punhos é o mesmo do Gallimimus.

Existiram raptores maiores que o Velociraptor, como o Deinonychus e o Utahraptor. No início dos anos 1990, o pesquisador  Gregory Paul chegou a propor que o gênero Deinonychus (espécie que chega a ter 3,4m de comprimento e é encontrada na América do Norte) poderia ser, na verdade, um sinônimo para Velociraptor (espécie asiática). Essa proposta foi considerada inválida, mas isso pode ter gerado a confusão de tamanho observada no livro de Michael Crichton e nos filmes, já que tal hipótese coincide com a época de publicação e estreia dos mesmos.

Estudos com Deinonychus indicam que estes animais utilizariam a “garra terrível” principalmente para escalar, e, secundariamente para abater suas presas.

Os raptores, de fato, eram animais muito inteligentes e poderiam se organizar em grupos. Esqueletos de Utahraptor já foram encontrados em associação.

Ankylosaurus: Eles não tinham espinhos laterais tão pronunciados quanto os que aparecem no filme. O resto parece mais ou menos ok.

Parasaurolophus: Podiam ter colocado mais cores nesses bichos e como bem observado pelo paleontólogo Thomas Holtz, eles aparecem mastigando errado. Parasaurolophus walkeri alcançavam até 9,5m de comprimento.

jurassic_world__parasaurolophus_by_sonichedgehog2-d8qgyf7

Parasaurolophus, por Julius Csotonyi

Tyrannosaurus rex: A anatomia e o tamanho estão relativamente bem aceitáveis nos filmes. Atualmente acredita-se na possibilidade de eles terem apresentado cerdas ou plumas espalhadas pelo corpo como o seu parente próximo Yutyrannus. Mesmo que essas estruturas se perdessem no adulto, é altamente provável que estivessem presentes em bebês, juvenis e até mesmo jovens adultos.

ornito_by_haghani-d5u8afl

Mosasaurus, por Andrey Atuchin

Mosasaurus, por Andrey Atuchin

Mosasaurus: No filme reinou a regra do quanto maior melhor. Mosassauros definitivamente não alcançavam esse tamanho. Os maiores espécimes de Mosasaurus hoffmanni encontrados até agora apresentam no máximo 18m de comprimento e eles deveriam levar dezenas de anos para alcançar esse tamanho. Eles tinham os tais dentes palatais, como mostrados no filme, mas provavelmente tinham a língua bifurcada, como muitas cobras e lagartos nos dias atuais.

Pterossauros: Primeiramente, eles seriam muito mais coloridos. Em segundo lugar, a maioria das espécies de pterossauro, mesmo algumas bem grandes, como o Pteranodon, retratado no filme, não seriam capazes de levantar uma pessoa no ar. Eles eram relativamente frágeis e um soco bem dado seria capaz de esmigalhar o seu crânio, principalmente o de um Dimorphodon.

Dimorphodon tinha cerca de 1m de comprimento, no máximo, incluindo a cauda, e até 1,5m de envergadura alar. Seu crânio era mais estreito do que como foi apresentado no filme.

Pteranodon não tinham dentes (no filme ‘Jurassic Park III’ eles são retratados com dentes) e alcançavam até 5,5m de envergadura alar.

Por meio de diversos fósseis de pterossauros muito bem preservados, hoje sabemos que essas criaturas tinham o corpo coberto por estruturas semelhantes a pelos (o que, pelo menos para mim, os torna ainda mais assustadores).

Dimorphodon, por Mark Witton

Dimorphodon, por Mark Witton

É sempre bom aproveitar um filme que a gente gosta para falar um pouco de ciência. Não se chateie muito com as matérias sensacionalistas entrevistando paleontólogos, que acabaram criticando negativamente o filme por aí. Todo mundo sabe que toda série ‘Jurassic Park’ é uma ficção moldada pra o entretenimento. A questão é que os paleontólogos foram os nerds que deram um passo além ;)… E, não se pode deixar de dizer, que em respeito da mídia: uma polêmica vende muito mais do que um elogio.

A série ‘Jurassic Park’ continua sendo uma inspiração para muitos futuros cientistas.

Fique ligado na nossa próxima postagem: “Jurassic Park: a ficção que está inspirando a realidade”.

BoneCast #8 – Review de Jurassic World

Com a maior bilheteria de estreia de todos os tempos, o filme “Jurassic World”, ou “Mundo dos Dinossauros” – como foi traduzido para o português no Brasil -, têm produzido furor entre os fãs e a fúria de alguns paleontólogos pelo mundo.

Resolvemos nos reunir, como paleontólogos *e* fãs e fazer uma review do filme. E aí, qual você acha que foi a nossa opinião?!

ALERTA “SPOILER”!!!

Você foi avisado…

Clique para assistir (você será redirecionado para o YouTube):

Kit Embed Colecionadores 8

BoneCast #7 – Mesa Redonda sobre os livros “Jurassic Park” e o “Mundo Perdido”

O sétimo episódio de BoneCasts é um especial de 30 minutos com uma gravação ao vivo de uma mesa redonda sobre os livros da série, de autoria de Michael Crichton. A discussão fez parte dos eventos da Terceiro Simpósio da Liga Acadêmica de Evolução e da Semana Jurassic Park, ocorrido no Centro Paleontológico de Peirópolis, em Minas Gerais.

A discussão, transmitida ao vivo no dia do lançamento de “Jurassic World”, conta com a presença de Aline Ghilardi, Tito Aureliano, Thiago Marinho, Rodolfo Nogueira e Julian Cristian. Dentre os temas obordados está a desextinção, suas questões éticas e o quanto que a ciência moderna real se relaciona com o que é apresentado em “Jurassic Park”.

Assista ao BoneCast #7 aqui (link externo para o YouTube):

Kit Embed Colecionadores#7

Categorias

Imagem ao fundo

By Tito Aureliano, 2010. Afloramentos Cretácicos (Fm. Alcântara), Ilha do Cajual, Maranhão, Brasil. Reservo direitos de uso sobre essa fotografia. Sua cópia não está autorizada.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM