Um cinco-estrelas na Antártida

cópia de ferrazproj

COMEÇOU ONTEM em Brasília algo que pode ser descrito sem exagero como a maior reunião de condomínio do mundo: os 61 países que administram os 13 milhões de quilômetros quadrados do continente antártico, única porção de terras no mundo ocupada sem derramamento de sangue (humano), juntaram-se para uma conferência de dez dias. Nesse período, diplomatas, burocratas de governo, militares e cientistas debaterão questões que vão de normas de preservação ambiental até o impacto do crescente turismo antártico sobre os pinguins.

É a primeira vez que Brasília sedia uma reunião do ATCM (sigla em inglês para Conselho Consultivo do Tratado da Antártida) desde a criação do secretariado do tratado, no começo da década passada. Sem muito o que exibir à guisa de cartão de visitas, o Brasil apostou no futuro: está tentando convencer os vizinhos do prédio de como ficará sensacional a reforma que está fazendo no seu apartamento. No caso, de como ficará linda a nova Estação Antártica Comandante Ferraz, principal instalação brasileira no continente, prevista para entrar em operação em 2016.

A Marinha, responsável pela logística do Programa Antártico Brasileiro, tratou de organizar um showroom da nova estação. E showroom é a palavra: uma exibição no saguão do Centro de Convenções Brasil-21 (o mesmo que recebeu Barack Obama), com direito a modeletes de tailleur guiando os (rarefeitos) visitantes e a uma visita virtual à nova estação, numa projeção em várias telas na qual o espectador se sente realmente no local. Um desavisado realmente poderia achar que está numa propaganda para investidores de um projeto de novo hotel cinco estrelas em fase de captação de recursos.

No Autocad, a Ferraz do futuro é de fato um espetáculo: módulos compridos assentados sobre pilotis imensos, 15 saídas independentes para facilitar a evacuação em caso de incêndio, geradores eólicos fornecendo energia. Me incomodou o fato de a visita virtual começar pelo refeitório e terminar pelos laboratórios – afinal, é um programa científico, ou não? Mas isso sou eu. O projeto, feito por um grupo de jovens arquitetos de Curitiba, é classe mundial e teve pitacos à vontade da comunidade científica, que costuma queixar-se de nunca ser ouvida pelo pessoal da Marinha. Se houve um saldo positivo no trágico incêndio que destruiu a estação em fevereiro de 2012 e matou duas pessoas, este foi a mobilização criada no Programa Antártico em torno da reconstrução. A retomada uniu as duas culturas que convivem em sobreposição de estados no Proantar sem nunca se misturarem de verdade, os acadêmicos e os militares. Foi bonito de ver.

Acontece que uma série de dúvidas começaram a pairar sobre o futuro da estação. A mais imediata é se o calendário será cumprido ou se Ferraz está destinada ser construção e já ruína, a exemplo do Veículo Lançador de Satélites. As obras deveriam começar no próximo verão, mas a licitação de R$ 145 milhões aberta pela Marinha terminou sem interessados, como revelou em fevereiro Giuliana Miranda na Folha de S.Paulo. Fontes ligadas ao projeto me apontaram em março que a razão alegada pelas empresas foi o preço baixo do metro quadrado, US$ 12 mil. Projetos na Antártida, devido aos riscos logísticos, costumam custar bem mais do que isso — até US$ 20 mil o metro quadrado. Uma nova licitação, internacional, deverá ser aberta pela Secretaria da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar, que pilota o Proantar. O custo estimado do novo projeto passa da R$ 175 milhões. Por mais que os militares sejam organizados, eles terão de comer um dobrado para vencer o cipoal burocrático brasileiro e botar a licitação na rua (com todos os quilos de certidões e traduções de certidões que um processo desse tipo exige) até junho. Depois disso, como é ano eleitoral, o governo fica proibido de celebrar contratos. E aí leia mais em 2015.

Mas espere um minuto: R$ 175 milhões, você disse? E haverá dinheiro? Outra dúvida fundamental. Ano que vem, como sabemos, será ano de ajuste fiscal, e do brabo. Não é difícil imaginar uma situação na qual programas científicos e de defesa sejam mantidos respirando por aparelhos. O Programa Antártico pertence a essas duas infelizes categorias que costumam ser alvejadas pelo Planejamento no primeiro corte. Veja o caso do VLS-1, que também passou por um incêndio (muito maior e muito mais custoso em vidas que o de Ferraz) em 2003 e até hoje, uma década depois, não foi finalizado. Nesse ínterim, o design do foguete ficou obsoleto e o Ministério da Ciência e Tecnologia tentou bypassar a Aeronáutica, que desenvolvia o VLS, apostando suas fichas (e sua grana) num desastrado projeto de cooperação com a Ucrânia, aquela província rebelde da Rússia que está para ser reincorporada. O VLS, programa de importância estratégica inquestionável, é construção e já ruína, como diria Caetano. Ferraz corre o mesmo risco?

Diante disso, alguns membros do Proantar já começam a se perguntar se não seria melhor baixar a bola da nova estação. Uma ideia seria manter no sítio de Ferraz uma estação-puxadinho, na forma dos Módulos Antárticos Emergenciais (MAE), produzidos pela empresa canadense Weatherhaven. Os MAE são contêineres mobiliados montados no verão de 2013 e que começaram neste verão a receber pesquisadores. Hoje eles estão montados no antigo heliponto de Ferraz, que sobreviveu ao incêndio. Eu dormi uma noite neles em março, a convite do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Eles são assim:

maefrente

E são razoavelmente decentes por dentro também:

maesdentro

Considerando que algo entre 70% e 90% dos projetos de pesquisa do Proantar acontecem fora da estação, em navios, acampamentos ou nos módulos Criosfera instalados no interior do continente, em tese seria possível manter a pesquisa funcionando nos MAE indefinidamente. A ciência polar brasileira ficou muito maior que Ferraz. Os módulos foram feitos para durar cinco anos, mas a engenheira Nathália Guimarães, da Weatherhaven, que esteve comigo na estação em março, disse que a experiência tem demonstrado que eles duram o dobro. O programa polar canadense mantém uma estação no Ártico feita de módulos Weatherheaven sem a menor crise. Será que nós precisamos de um cinco-estrelas quando os puxadinhos resolvem? Não seria mais sábio usar essa grana, ou o pedaço dela que vier, para reformar navios, comprar aviões novos (os Hércules da FAB estão pedindo penico) ou até montar uma segunda base em outro lugar?

Se o Proantar fosse um programa 100% civil e Ferraz fosse uma estação na qual meia dúzia de cientistas passassem três meses por ano e fossem embora depois, definitivamente não haveria necessidade de gastar tanto por tão pouca ciência. Acontece que a natureza do programa brasileiro demanda que dez militares passem o ano inteiro vivendo ali. E, companheiro, um ano com banheiros de cortina de lona e sem espaços privados deve ser dureza. A Marinha também acha que qualquer coisa menor que uma base permanente “de alvenaria” em Ferraz fragilizaria o Brasil geopoliticamente diante dos demais membros do Tratado da Antártida. O argumento faz sentido, mas acho que vergonha maior seria bater o bumbo que estamos batendo no ATCM e não conseguirmos cumprir a promessa da nova estação depois. O que será que os contribuintes têm a dizer a esse respeito?

Salvamos mesmo as baleias?

 

"Kujira", em breve num supermercado perto de você?

“Kujira”, em breve num supermercado perto de você?

 

A NOTÍCIA DO ANO na área ambiental veio ontem de Haia: a Corte Internacional de Justiça deu ganho de causa à Austrália numa ação movida em 2010 que visava proibir a caça “científica” de baleias que o Japão pratica anualmente nos mares antárticos. A decisão, publicada ontem no site da corte, determina a suspensão imediata das atividades baleeiras japonesas no Oceano Austral. É um documento de 22 páginas de juridiquês denso, que diz basicamente que os resultados da tal ciência letal são xexelentos demais para justificar a morte de centenas de baleias por ano. Um dos argumentos dos magistrados é matador. Poderia ser resumido assim: “Ô, seu Japão, se vocês estão só fazendo pesquisa, por que mesmo levam um navio-fábrica para picar e embalar as baleias no próprio local dos ‘estudos’ e deixá-las prontinhas para o comércio?” Perdeu, mermão. A demanda australiana foi considerada procedente por 12 votos a 4. O primeiro juiz a apresentar voto contrário foi um tal Hisashi Owada. Mera coincidência.

Como não são malucos de descumprir decisões judiciais, os japoneses baixaram a cabeça e disseram que vão parar o programa, que em 18 anos já matou 6.700 baleias minke, mais um monte de baleias-fin, jubartes e cachalotes num lugar que, tecnicamente, é um santuário para baleias.

Então é isso? Enfim salvamos as baleias? Podemos agora por favor discutir coisas mais importantes, como a guerra na Síria, a ocupação da Ucrânia e a CPI da Petrobras? Os australianos podem ser elevados à categoria de heróis do meio ambiente por sua coragem de processar os japas malvados e acabar com uma das violações mais hipócritas do direito internacional de que se tem notícia?

Não necessariamente. Primeiro, porque a Austrália não entrou na CIJ contra o Japão porque gosta de baleias, mas sim porque há grossos interesses nacionais envolvidos, como lembra meu amigo Reinaldo José Lopes numa boa análise hoje na Folha de S.Paulo. Um deles é a clamada soberania nacional australiana sobre parte do Oceano Austral. A Austrália acha (mas só ela) que aquele pedaço de mar é sua zona econômica exclusiva, embora todas as pretensões territoriais sobre a Antártida estejam congeladas (doh!) até 2048 por um tratado internacional. Também importante é a conservação de estoques de jubartes que mantêm o turismo de observação na Austrália e que usam o Oceano Austral todo ano como zona de alimentação. E o ganho de poder e prestígio da Comissão Internacional da Baleia (CIB), que se reúne em setembro na Eslovênia.

Depois, porque o fim da caça científica pode produzir o efeito oposto do que os países conservacionistas desejam: ela pode ser o gatilho que faltava para a retomada da caça comercial de baleias, suspensa por uma moratória decretada pela comissão em 1986.

A CIB é dividida entre países caçadores (Japão, Noruega, Islândia e quem mais eles conseguem cooptar) e conservacionistas (basicamente o resto do mundo, mas com forte liderança de EUA, Austrália e Nova Zelândia). Seu objetivo primário inicialmente nunca foi proteger baleias, mas evitar o cenário de “free for all” da caça comercial que levou esse grupo de cetáceos quase à extinção — o que iria contra os interesses dos próprios caçadores. A moratória foi criada para permitir aos estoques se recuperarem para uma eventual reabertura, em moldes “sustentáveis”. Para isso criou-se um instrumento legal chamado RMS, ou esquema de manejo revisado, que permite a caça, dentro de limites e com uma série de salvaguardas.

Hoje a caça comercial só é praticada abertamente pela Noruega e pela Islândia. Esses países se reservaram o direito de ignorar a moratória em suas águas territoriais. Indígenas do Ártico têm cotas anuais de caça na Rússia, no Alasca, no Canadá e na Groenlândia, por exemplo. A única caça praticada internacionalmente e em larga escala era justamente a japonesa na Antártida, sob a (agora é oficial) desculpinha barata de “pesquisa científica”.

Os conservacionistas sempre exigiram como precondição para a reabertura da caça a aprovação do RMS (a que o Japão sempre se opôs, porque não queria ser regulado nem monitorado) e a suspensão da caça científica japonesa. Em 2010, a CIB chegou a debater uma proposta de reabertura, com cotas menores para o Japão e a vedação de qualquer atividade baleeira nos santuários do Pacífico Sul, do Índico e do Oceano Austral. Com a decisão da corte de Haia, acaba o argumento. E o Japão certamente levará essa cartada às negociações em setembro. Para o Brasil, que tenta desde o começo da década passada emplacar um santuário no Altântico Sul, isso pode significar novo adiamento nos planos.

O fim forçado do programa “científico”, por contraditório que pareça, é uma boa notícia para o governo japonês, que vem subsidiando há anos uma política impopular, desgastante em termos de imagem e sujeita a chuvas e trovoadas (por “chuvas” leia-se Greenpeace e por “trovoadas” leia-se Sea Shepherd) que frequentemente impedem o cumprimento das cotas, aumentando o preju. Para o público interno, o governo nipônico pode pagar de vítima do “Ocidente preconceituoso”; para o externo, pode trucar exigindo o fim da moratória.

A saída para o impasse só virá com o tempo, quando os japoneses se derem conta de que comer baleia é uma tradição que fossilizou, um hábito que não faz mais sentido no século 21. É o que está acontecendo na Noruega, país onde o consumo de carne de baleia despencou entre os jovens. E é o que provavelmente já está acontecendo também na terra do Sol Nascente, onde os estoques de carne de baleia têm encalhado (com a vênia do trocadilho) ano após ano.

A indústria baleeira já perdeu uma vez para a tecnologia, com a invenção da lâmpada a petróleo. Perderá mais uma vez, para a ética. Está condenada ao rol das más ideias extintas do capitalismo, juntamente com a escravidão, o fumo em lugares públicos e as lâmpadas incandescentes. É bom que seja assim. A questão é quantas baleias ainda virarão sashimi enquanto isso não acontece.

Perdido na tradução

TRADUÇÕES VAGABUNDAS são irritantes. Mais ainda quando são feitas por mim. Mais ainda quando são feitas por mim diante de uma plateia altamente qualificada, se insone, numa manhã de sábado, na minha fala de encerramento do V Congresso Brasileiro de Jornalismo Ambiental, em Brasília, no último dia 19. Tentei traduzir, ali no calor da palestra, o célebre primeiro parágrafo de Um Conto de Duas Cidades, de Dickens. Deu tão errado que o distinto público não percebeu que eu havia encerrado ali minha, ahan, conferência.

Ontem, o grande Luiz da Motta, em seu bom blógue Evergreen Forests, postou uma foto do encerramento com uma tradução de Dickens caçada na internet e quase tão ruim quanto a minha. Deixe-me, aqui, me redimir por nós dois e apensar a tradução correta, feita por Sandra Luzia Couto na edição do clássico dickensiano da Abril Cultural:

Aquele foi o melhor dos tempos, foi o pior dos tempos; aquela foi a idade da sabedoria, foi a idade da insensatez, foi a época da crença, foi a época da descrença, foi a estação da Luz, a estação das Trevas, a primavera da esperança, o inverno do desespero; tínhamos tudo diante de nós tínhamos nada diante de nós, íamos todos direto para o Paraíso, íamos direto no sentido contrário — em suma, o período era em tal medida semelhante ao presente que algumas de suas ais ruidosas autoridades insistiram em seu recebimento, para o bem ou para o mal, apenas no grau superlativo de comparação.

Mais água na fervura

gotas

O VALOR ECONÔMICO publicou na última sexta-feira no suplemento Eu& Fim de Semana uma cascata de minha lavra sobre as razões pelas quais o IPCC está pronto para decretar, no fim deste mês, que a previsão de aumento do nível do mar no fim do século será maior do que o painel havia estimado em 2007.

O texto é fechado para não assinantes, portanto vou me eximir de reproduzi-lo aqui. Mas, como na internet ninguém e de ninguém, um amigo encontrou um bootleg governamental nesta página. Você vai descobrir, entre outras coisas, por que os esquimós não estão nem um pouco preocupados com a elevação do oceano.

A matéria vem ilustrada com algumas fotos que eu fiz com a Xereta que peguei emprestada da minha filha e uma linda imagem aérea feita pelo fotógrafo, caçador de fim de semana e professor aposentado groenlandês Finn Pedersen.

corrente1

Corrente de gelo de Upernavik, glaciar do tamanho de Sergipe e que hoje é um dos maiores contribuintes individuais para o aumento do nível do mar no planeta. As rochas no primeiro plano estavam cobertas por gelo sete anos atrás.

O geofísico paquistanês Abbas Khan verifica uma das estações de GPS que usa para medir a aceleração da geleira de Upernavik

O geofísico paquistanês Abbas Khan verifica uma das estações de GPS que usa para medir a aceleração da geleira de Upernavik

Frente da geleira de Upernavik, onde o glaciar encontra o oceano. Os cientistas acham que a água mais quente do Atlântico é responsável pelo colapso acelerado de diversas geleiras na Groenlândia nos últimos 15 anos (Foto Finn Pedersen)

Frente da geleira de Upernavik, onde o glaciar encontra o oceano. Os cientistas acham que a água mais quente do Atlântico é responsável pelo colapso acelerado de diversas geleiras na Groenlândia nos últimos 15 anos (Foto Finn Pedersen)

 

Quem tem pacu tem medo

UM ESPECTRO ronda a Europa: o pacu. O pânico do verão europeu deste ano tem sido esse peixão amazônico, primo mais carnudo e não muito mais saboroso da piranha. Nas últimas semanas, a imprensa europeia tem noticiado, alarmada, que pacus foram encontrados no rio Sena e no canal de Oresund, entre a Dinamarca e a Suécia. Não que ele tenha o apetite por sangue de suas parentas menores, nem o hábito de nadar em bandos. O medo decorre do aparente hábito do bicho de morder testículos.

No Reino Unido, ele foi apelidado de “peixe comedor de testículos”. Na França, banhistas no Sena tem sido advertidos a nadar de roupa (fala sério, quem nada no Sena?). Na Suécia, o alerta é para ninguém nadar pelado (quem nada pelado naquele frio?). O pacu é um peixe de hábitos vegetarianos e insetívoros, portanto ele não ataca seres humanos deliberadamente. Ocorre que seus dentes e mandíbulas são adaptados a quebrar castanhas, que caem das árvores nas matas de igapó. E bagos podem ser confundidos com bagas . E aí já viu.

Quando tomei conhecimento do caso, por obra e graça da impagável Alexandra Moraes, juro que achei que fosse piada ou algum erro de tradução. Afinal, a palavra em inglês para castanhas, “nuts”, é a mesma para culhões. Aí resolvi consultar um especialista: Fernando Meyer Pelicice, da Universidade Federal do Tocantins. Fiquei surpreso com a resposta.

“É real esse lance do pacu”, conta o ecólogo. Segundo ele, incidentes foram registrados em Papua Nova Guiné. Os nossos peixes aparentemente andaram atacando as partes baixas e machucando homens por lá. Ganharam até um episódio do documentário na NatGeo (ou um outro canal desses) “Monstros do Rio”. “Nesse caso identificaram a espécie como Piaractus brachypomus, amazônico”, diz Pelicice.

Os europeus, porém, podem ficar tranquilos, afirma o pesquisador. “Espécies amazônicas não suportam frio. Ou seja, esses peixes não devem suportar o próximo inverno. Por isso imagino que o problema não se sustente, ao menos nos países nórdicos. Deve se considerar também que pacus têm exigências ambientais restritas para reprodução (e.g. alguns migram, precisam de várzeas para os jovens, etc), o que pode atrapalhar a colonização de alguns locais.”

Isso, claro, até algum engraçadinho resolver soltar candirus nos rios europeus.

A matemática da má-fé

MEU FILHO MAIS VELHO usa uma expressão peculiar para expressar ceticismo diante de proposições evidentemente absurdas. Sempre que tento passar-lhe uma balela como fato, ele olha para mim com uma cara de desprezo e fuzila: “Serião?”

Não dá para reagir de outro jeito ao ler a enormidade publicada na edição desta semana de Época pelo filósofo gaúcho Denis Rosenfield sobre o ritmo de demarcação de terras indígenas e unidades de conservação no país. Resgatando uma conta apresentada dias atrás pela companheira de lutas Kátia Abreu, o professor Rosenfield afirma que, mantido o ritmo de criação de áreas protegidas e terras indígenas dos governos Lula e THC FHC, o país chegaria a 2031 com 236 milhões de hectares demarcados, ou “100% da área agropecuária” (não explica se as terras indígenas e os parques tomariam as terras dos produtores ou apenas ocupariam o equivalente em área). Em 2043, nesse mesmo batidão, estariam nas mãos dos silvícolas e das capivaras 855 milhões de hectares, ou todo o território nacional. Serião?

Meus amigos engenheiros sempre me advertiram do perigo de deixar esse pessoal de humanas mexer com números. Mas também não perdiam a oportunidade de fazer troça deles próprios, com uma piada que vem a calhar neste caso: um engenheiro certa vez plotou num gráfico a curva de crescimento de sua filha de um ano de idade. Extrapolando a tendência, concluiu que aos 18 anos a menina estaria com três metros de altura e pesaria meia tonelada.

Olha, eu tenho uma extrema simpatia por esse pessoal de direita. Acho um charme, tá na moda, eles têm senso de humor e tudo o mais. Mas é difícil imaginar que alguém que bote na mesa os números apresentados por Kátia Abreu, por sua vez compilados por um tal “Observatório da Segurança Jurídica” (sempre que um ruralista pronuncia essa expressão, Deus derruba uma castanheira centenária) esteja fazendo-o por convicção na solidez de seu raciocínio. Não, minha gente, o ritmo de criação de unidades de conservação no país jamais será igual ao de FHC e Lula, por causa de leis elementares da física. Hoje só existem na Amazônia (onde ainda é possível criar áreas protegidas de dimensões que arrepiam os ruralistas) cerca de 25 milhões de hectares de florestas públicas em área devoluta. O resto já tem destinação. Mesmo que, digamos, Marina Silva (que é uma espécie de encarnação do capeta para essa gente) assumisse a Presidência com poderes ditatoriais e resolvesse expropriar áreas produtivas para fazer parques — o que aparentemente é o subtexto da argumentação de Rosenfield e da CNA –, dificilmente quereria criar reservas biológicas nos pastos de Alta Floresta ou nos campos de soja do Blairo Maggi.

Não se cria uma unidade de conservação por capricho ou por amor ao subdesenvolvimento; cria-se para proteger algo relevante em termos de biodiversidade, água (para garantir inclusive a produção agropecuária, não custa lembrar) ou paisagens. Felizmente, a proporção dessas áreas sob proteção oficial hoje no Brasil é maior do que quando FHC assumiu o poder. Portanto, há menos a salvaguardar no futuro, porque o Estado fez o seu papel nos 16 anos de FHC e Lula. Dilma Rousseff, ao submeter a criação de áreas protegidas ao crivo político de seus cupinchas no setor minerário e energético, subverteu as razões de Estado para estabelecer essas áreas. É ela que não está cumprindo seu papel.

Raciocínio análogo vale para as terras indígenas. Este blog, outras publicações e o bom senso já desmontaram o argumento safado do “muita terra para pouco índio” repisado por Rosenfield na Época. De novo, terras indígenas (em geral) não são criadas por amor ao subdesenvolvimento ou por tara de antropólogo; elas são o reconhecimento do Estado (daí o artigo 231 da Constituição delegar sua declaração ao Poder Executivo) a um direito que já está garantido aos índios. As grandes terras indígenas do país já foram todas criadas, e estão em geral no fiofó da Amazônia, onde só a imaginação fértil de alguns membros da bancada ruralista imaginaria que elas possam competir por terras com o agronegócio produtivo (noves fora os arrozeiros de Roraima). O que há para criar ou ampliar hoje é relativamente marginal e, salvo exceções como o sul de Mato Grosso do Sul, não há disputa com propriedades legítimas de não índios. O fuzuê que o ruralismo tem feito em cima dessa questão, aproveitando o atabalhoamento geral reinante no Planalto, visa usar a exceção para mudar a regra — mesmíssimo expediente utilizado com sucesso para mudar o Código Florestal. Pressionada, a ministra Gleisi Hoffmann saiu-se com uma solução mágica destinada ao mesmo sucesso dos cinco pactos rousseffianos: botar a Embrapa para apitar nas demarcações. Serião?

A explicação benevolente para o novo surto midiático do “setor produtivo” é que esse povo só quer dinheiro: radicaliza-se para obter indenizações por desapropriações que, de resto, são frequentemente justas. Como eu já vi esse filme antes, prefiro achar que a turma da motosserra está mais uma vez dando um empurrãozinho só para ver se a porta abre. O butim é a PEC-215 e outras medidas que na prática acabam com terras indígenas e áreas protegidas no país. Da outra vez deu certo; vai que desta também cola.

A não-notícia do século: Obama salvou o planeta

Obama toma sua primeira medida concreta contra o aquecimento global.  (Foto Charles Dharapak, AP)

Obama toma sua primeira medida concreta contra o aquecimento global.
(Foto Charles Dharapak, AP)

 

O que faz um político quando está cheio de problemas, premido por uma crise econômica, acusado de jogar sujo contra opositores e que acaba de ser pego com a boca na botija mandando espionar os cidadãos de seu próprio país? Muito simples: salva a humanidade e revoluciona o panorama energético do planeta. Isso se esse político cheio de problemas se chamar Barack Hussein Obama.

Em um discurso de cerca de 40 minutos ontem, estrategicamente feito a uma plateia amigável de estudantes universitários de Washington DC, o presidente dos EUA anunciou seu aguardado plano para combater a mudança climática. Para os ambientalistas e a comunidade científica, que esperam um movimento de liderança dos EUA no assunto desde o fim da década de 1990, foi uma fala histórica, recheada de referências à ciência do clima e ao papel da inovação como propulsora de novas indústrias, que geram valor e empregos enquanto cortam a poluição. Obama não tergiversou nem mesmo sobre nomes: chamou os negacionistas do clima de “sociedade da Terra plana” e as areias betuminosas do Canadá de “tar sands”, esquecendo o nome que o marketing fóssil inventou para essa fonte altamente poluente de petróleo – “oil sands”. Arrancou aplausos da moçadinha presente ao convescote, mas também da União Americana de Geofísica, da imprensa britânica, de cientistas do clima que vêm sofrendo bullying dos céticos e de jornalistas americanos como Andrew Revkin, do New York Times. (Post Scriptum: leia aqui a análise de Michael Levi, do Council on Foreign Relations, sobre o que está nas entrelinhas do plano de Obama).

O anúncio feito pelo presidente tem três eixos, mas um principal: o Executivo não vai esperar pelo Congresso e decidiu impor limites de emissão de CO2 a todas as usinas termelétricas a carvão dos Estados Unidos. São mais de 1.600 plantas, que geram hoje 40% da energia do país. Elas serão reguladas por um ato da EPA, o Ministério do Meio Ambiente americano, seguindo uma determinação da Suprema Corte de seis anos atrás. Isso mesmo: o presidente dos EUA poderia ter tomado essa decisão há seis anos, mas só Obama desperdiçou quatro em seu primeiro mandato na esperança de que o Congresso, dominado pelo lobby fóssil, aprovasse uma lei baixando esses limites.

Obama também anunciou um pacote de estímulo às energias renováveis, aquelas que a nossa presidenta aqui embaixo gosta de chamar de “fantasia”. O americano quer dobrar a capacidade instalada de eólica e solar do país, produzindo energia renovável para 6 milhões de lares até 2020 e determinando ao Departamento de Defesa – o maior consumidor de energia dos EUA – que instale 3 mil megawatts (mais ou menos uma usina de Jirau) em renováveis em suas bases. “Eu quero que a América ganhe essa corrida, mas não dá para ganhar se não entrarmos nela.” Aplausos.

O discurso foi tão bom, e Obama é um orador tão cativante, que alguns comentaristas americanos entraram na torcida e se esqueceram de algumas coisinhas básicas. Primeiro, que o presidente não estava “preocupado com seu legado” ou “com os filhos dos nossos filhos”, como ele disse estar. Estava cumprindo uma promessa de campanha que havia feito não agora, mas em 2008. Portanto, o plano infalível da Casa Branca para salvar o mundo chega com cinco anos de atraso.

Depois, tem o diabo daquela frase que os americanos adoram: too little, too late. Embora o plano de Obama de fato ponha os EUA no rumo de cumprir a “meta” anunciada em Copenhague de cortar 17% das emissões do país em relação aos níveis de 2005, tal meta é menor do que o compromisso assumido e depois desassumido pelo Tio Sam no finado Protocolo de Kyoto Parte 1. Nunca é demais lembrar que, se quisermos ter pelo menos 50% de chance de limitar o aquecimento global a 2oC neste século, precisamos chegar a 2020 emitindo 44 bilhões de toneladas de CO2 equivalente; o cumprimento à risca de todas as metas de Copenhague (não só as americanas) deixar-nos-ia 5 bilhões de toneladas acima desse limite, e no rumo de um aquecimento de 3oC. O esperado imposto sobre o carbono nos EUA, que poderia afetar toda a economia do país, passou longe desta vez.

Por último, mas não menos importante, não vi muita gente por aí comentando o óbvio: Obama só se comprometeu com tudo isso porque seu país está montado no maior jackpot de combustíveis fósseis da história da humanidade: o tight oil, que tornará os EUA o maior produtor de óleo do mundo em 2020, e o gás de folhelho (xisto), que começará a ser exportado, de tão abundante, e que nos últimos cinco anos já transformou a matriz energética americana. Mais barato e menos poluente, o shale gas já tem entrado pesadamente no lugar do carvão nas novas térmicas, e foi corresponsável pela derrubada das emissões do país em 2012. O carvão tem amigos poderosos no Congresso dos EUA, mas é um cachorro agonizante. Está tão em desuso nos EUA que vem sendo exportado a preço de banana (quer dizer, pelo menos ao preço que a banana tinha antes do Mantega) para a Europa. Obama não respondeu onde vai enfiar o petróleo, mas enfatizou mais uma vez que o shale gas é uma fonte energética “de transição”. Com tanta energia pronta para ser extraída de seu subsolo, nosso Nobel da Paz afronegão pôde chutar o saco dos carvoeiros com relativa segurança.

Mas é claro que ninguém aqui, nem eu mesmo, na minha inocência, achava que Obama pudesse sozinho resolver a crise do clima. O diabo é que, em política, o gesto vale mais que o conteúdo. E o gesto do presidente terá provavelmente um efeito redentor sobre as desacreditadas negociações internacionais do clima na ONU, que têm um acordo marcado para 2015. Os EUA foram além de não atrapalhar: estão tomando a liderança do processo agora. Pegaram o bonde andando e já invadiram a cabine do motorneiro, como todo mundo achou que eles fariam quando tivessem o ferramental tecnológico certo. Uma passagem absolutamente genial do discurso de Obama de ontem foi um tremendo ovo de serpente lançado sobre a comunidade internacional: o americano pediu “livre comércio para as tecnologias limpas”. Em português claro, te cuida, China, porque nós vamos começar a fabricar essas traquitanas aqui e inundar o mundo com elas sem barreiras tarifárias. Cada vez mais, o fórum onde as questões ambientais mais importantes do mundo serão decididas deixará de ser a convenção do clima e passará a ser a OMC. É bom que seja assim.

Um pequeno colchete

[É tentador comparar o discurso de Obama com o de Dilma Rousseff, também feito ontem – titubeante, improvisado, autoritário e, como se viu, errado – em resposta igualmente a um clamor da população e a um Congresso que se descolou da sociedade. Dilma prometeu resolver o problema dos transportes urbanos dando R$ 50 bilhões para o PR (ex-faxinado), e sua proposta sobre o dinheiro do pré-sal terminou de matar o Fundo Clima, que poderia bancar o desenvolvimento de energias renováveis no Brasil. Mais uma vez, o patropi viu uma oportunidade real de desenvolvimento industrial real passar na frente e não agarrou. Em breve seremos clientes de tecnologias energéticas norte-americanas. A menos que o tema entre na pauta da próxima manifestação.]

 

 

Esquimós na pindaíba

Vitus Nielsen, ex-caçador que precisou passar a viver do anzol depois que o gelo diminuiu

Vitus Nielsen, ex-caçador que precisou passar a viver do anzol depois que o gelo diminuiu

Finn Pedersen mudou-se para a Groenlândia em 1985, para dar aulas de inglês e dinamarquês numa aldeia de 150 pessoas. Aposentado há um ano e casado com uma nativa, não pensa em voltar mais para a Dinamarca. “Tenho a melhor vista do mundo aqui.”

O “aqui” ao qual ele se refere é Upernavik, uma cidade de 2.500 almas construída num rochedo e cercada de centenas de quilômetros de nada. É o penúltimo aglomerado urbano antes do polo Norte e o último que merece tal designação (para os padrões groenlandeses de aglomerado urbano, claro). Viver aqui é uma operação logística complexa: não existe água encanada, não há hotéis nem restaurantes e tudo o que se come precisa ser caçado, pescado ou importado da Europa por navios cargueiros que às vezes ficam seis meses sem atracar por causa do gelo marinho (mas cuja frequência tem aumentado na mesma proporção em que o gelo diminui). Uma vez a cidade calculou mal seu estoque de papel higiênico. Em poucas semanas, acabou o filtro de café no supermercado. Em mais algumas, as pessoas pararam de devolver os livros para a biblioteca.

Até dez anos atrás, só se chegava a Upernavik de helicóptero, um Sikorsky S-61 N de 20 lugares que serviu na guerra do Vietnã. “Era uma aeronave muito sensível, barulhenta e insegura”, resume Pedersen. Frequentemente o mau tempo – uma constante nas altas latitudes – impedia o bicho de pousar na ilha de Upernavik e forçava os passageiros a voltar à origem do voo. Hoje existe um aeroporto no alto do morro e a Air Greenland consegue fazer voos mais ou menos regulares no verão, três vezes por semana, com duas escalas e a um preço que me impede de sentar para contar. Turistas, só de vez em nunca, a bordo de navios de cruzeiro.

Esta cidade é um dos lugares do planeta mais diretamente afetados pela mudança climática. E isso não é necessariamente ruim para seus moradores: os efeitos são mistos, com ganhos de um lado compensando perdas de outro. Pedersen conta que, nos últimos dez a 15 anos, muitas famílias que viviam da caça precisaram mudar de ramo e começar a pescar. Como o gelo tem ficado muito fino e instável, não é mais possível usar trenós puxados por cachorros durante boa parte do ano para avançar pelo mar congelado e caçar focas e baleias. O resultado é que manter os cães ficou caro demais para pouco retorno com a caça. Quem era caçador deu os cachorros e virou pescador, como Vitus Nielsen, um senhor simpático a quem Pedersen me apresenta num pequeno ancoradouro da ilha. O próprio Pedersen foi obrigado a dar seus cinco cachorros. Comprou um quadriciclo, que usa para andar pela cidade.

A pesca, em compensação, vai muito bem. A estatal Royal Greenland, que é praticamente dona do PIB da Groenlândia (o país ainda vive da pesca, sobretudo de camarão), comprou recentemente uma start-up, a Upernavik Seafood, e hoje opera em duopólio com uma cooperativa de pescadores local. Há processadoras industriais de pescado em vários assentamentos inuítes nos arredores, e o peixe chega em Upernavik pronto para ser embarcado para a Dinamarca. O halibute, estrela da economia local, continua sendo capturado no fiorde. Mas agora ele não está mais sozinho: o bacalhau, que prefere águas um tiquinho menos frias a sul de Upernavik, anda aparecendo em abundância no pedaço. E um salmonete chamado pelos locais de  “ammasit”, exclusividade do sul da Groenlândia, já deu as caras por aqui. “Há dez ou 15 anos você não encontrava ammasit nestas águas”, afirma o professor.

Não foram só eles. Começaram a aparecer jubartes, provavelmente nadando para o norte atrás de suas presas, e baleias-piloto, um tipo de golfinho preto conhecido por encalhar às dezenas no Pacífico. “O pessoal ficou feliz, porque, como era um animal novo, não tinha cota de caça”, lembra Pedersen.

Num lugar isolado como Upernavik, onde uma cebola custa R$ 3 (eu paguei) e a única agricultura é praticada por alguns moradores em vasos dentro de casa, a caça é indispensável para suprir vitaminas no inverno. E os groenlandeses atiram em tudo o que cruza seu caminho, inclusive ursos polares. “A carne é muito boa”, elogia o esquimó convertido. O petisco favorito é o mattaq, um toucinho de baleia comido cru e rico em vitaminas. Porém, a dieta local está cada vez mais dependente dos navios cargueiros, por conta de um segundo fator: o governo. Vitus Nielsen reclama de que várias restrições foram baixadas à caça de belugas (fala sério, você mataria uma fofura daquelas?) e narvais, e o preço da pele de foca despencou no mercado por causa dos limites à venda depois do embargo à pele canadense. Hoje um caçador recebe 250 coroas por pele, dinheiro que não paga duas garrafas de vinho vagabundo.

Antes de lamentar a sorte dos groenlandeses, cabe considerar que, até a 2a Guerra Mundial, os habitantes do país viviam praticamente na Idade da Pedra. Nos últimos 70 anos, eles tornaram-se perfeitos ocidentais, com as ressalvas ao ambiente onde vivem. Moram em casas confortáveis, não em iglus, e andam em barcos a motor, não em caiaques. Os groenlandeses já estão se adaptando às mudanças ambientais à sua volta. A crise econômica que arrebentou a Europa teve provavelmente um impacto muito mais sério sobre os empregos locais do que o sumiço do gelo marinho. Quanto a isso, a solução pode estar ironicamente na própria mudança climática. “No ano passado tivemos 20 navios de prospecção de petróleo por aqui”, diz Finn Pedersen. “Muita gente que ficou desempregada com a crise espera poder trabalhar nas plataformas. O governo esta pagando cursos para formar mão de obra qualificada.”

 

Cobras e lagartos

paulo_vanzolini

TIVE APENAS duas conversas brevíssimas com Paulo Emílio Vanzolini, e saí de ambas amaldiçoando o velho zoólogo. A primeira foi no começo da década passada, quando tive a imperícia de perguntar a Vanzo se ele já havia batizado alguma espécie que descobrira com um nome engraçado. “Quem é sério tem perfil baixo”, disparou o cientista. A entrevista durou dois minutos e meio. A segunda vez foi há alguns meses, durante um show de sua mulher, a cantora Ana Bernardo, no Bar do Alemão, na Pompeia. Fui cumprimentá-lo. Ele me estendeu a mão e virou a cara, como se dissesse “OK, agora desinfeta daqui e deixa eu terminar meu chope”, sob olhar constrangido da mulher (Ana seria vitimada pela indiferença do marido várias vezes durante o show).

Fato é que Vanzolini nunca gostou de perder tempo com bobagens. Essa intolerância se acentuou na velhice, fase da vida em que a gente mais pode se dar o luxo da sinceridade e que o herpetólogo paulista, morto ontem aos 89 anos, soube aproveitar muito bem (para azar de quem, como eu, estava na extremidade errada de sua metralhadora). A quem lhe perguntasse sobre sua carreira de compositor, um hobby que rendeu clássicos da MPB como Volta por Cima, Praça Clóvis e Ronda, Vanzo rosnava logo que nunca foi músico, mas sim especialista “em cobras e lagartos”.

Um amigo que estudou com uma das filhas do herpetólogo/sambista costumava contar, às risadas, que cada entrevista de Vanzo criava uma crise na família. Falava mal de todo mundo, e com gosto especial dos baianos Gilberto Gil (“insignificante”), Caetano Veloso e Maria Bethânia, sua mais famosa intérprete (“não é uma cantora, é uma declamadora”). Parecia, porém, reservar elogios à improvável Ivete Sangalo. Numa de suas últimas entrevistas longas, a Eduardo Geraque na Folha de S.Paulo, em 2008, disparou contra Marina Silva (“muito ruim”), João Paulo Capobianco (“o pior que tem”) e o então diretor do Museu de Zoologia da USP, Carlos Brandão (“é até meu sobrinho, mas é um imbecil completo”). Sobre Ronda, seu mais popular clássico, disse certa vez estar perplexo com o fato de o samba ter ficado entre os três finalistas num concurso para escolher a canção-símbolo de São Paulo. “Não entendo como uma música sobre uma prostituta que mata seu cafetão pode ser hino de São Paulo”, disparou. Não poupava nem Ernst Mayr, seu professor em Harvard e um dos biólogos mais influentes da história: costumava contar como Mayr havia vetado sua participação num congresso científico por Vanzolini ter deixado de citar os trabalhos do alemão num paper.

Filho de um professor da Escola Politécnica da USP, Paulo Emílio Vanzolini nasceu em São Paulo em 25 de abril de 1924. Aos dez anos ganhou uma bicicleta e fez sua primeira visita ao Instituto Butantã. Apaixonou-se por répteis. Quis seguir carreira em zoologia. Porém, aconselhado pelo biólogo André Dreyfuss, fundador do Instituto de Biologia da USP e amigo de seu pai, acabou se matriculando na Faculdade de Medicina da USP. “Se você quiser fazer zoologia de vertebrados, vá para a Faculdade de Medicina onde vai estudar anatomia, histologia, embriologia e fisiologia num curso básico de primeiro nível. O resto você rola com a barriga”, disse-lhe Dreyfuss, conforme o próprio Vanzolini relatou a Dráuzio Varella numa de suas entrevistas mais completas, republicada pela Folha em 2000. “Foi o que eu fiz e foi um conselho tão bom que, quando cheguei para fazer pós-graduação nos Estados Unidos, fui dispensado de vários créditos.” De fato, admitiu, empurrou o curso com a barriga. Nunca apareceu nas aulas de clínica médica nem no hospital.

Aos 24 anos, contra a vontade do pai, foi para os EUA, fazer pós-graduação em herpetologia no Museu de Zoologia de Harvard, então dirigido por Mayr, o “Darwin do Século XX”. “Fui para Harvard me achando o fino”, contou. “Tive um choque cultural tão violento ao descobrir o que era a zoologia moderna que quase desisti do projeto.”

Foi também na juventude que ele começou a compor. Nunca soube tocar nenhum instrumento e não tinha vergonha de admitir-se um desafinado total. Imaginava os sambas na cabeça e cantarolava-os a amigos músicos, como Luís Carlos Paraná. A paixão pelo boteco, da qual os sambas eram não mais do que um complemento, acabou tomando dimensões inesperadas e Vanzolini terminaria mais conhecido do público por seu hobby do que pela sua carreira real (evidência disso foi que sua morte hoje foi noticiada pelos cadernos de cultura, não de ciência). Em algumas ocasiões, unia os dois mundos, como quando recolheu a linda moda “Cuitelinho” numa expedição pelo interior paulista.

Sua maior contribuição à ciência seria dada nos anos 1960, num trabalho em colaboração com o geomorfólogo Aziz Ab’Sáber, o “Turco”, morto em 2011, e com o americano Ernest Williams. Encafifado com o processo de especiação de um lagarto do gênero Anolis, Vanzolini intuiu, com a ajuda de Ab’ Sáber, que as mudanças climáticas no Pleistoceno, que alternaram períodos de seca e de umidade na Amazônia, provocaram ora a expansão do cerrado para áreas que hoje são floresta, ora o contrário. Em ambas as situações, ilhas da vegetação retraída se mantinham no novo ambiente, deixando espécies isoladas. A barreira geográfica criada por esses refúgios, como ficaram conhecidos, facilitava a diferenciação das espécies. Isso explicaria o alto grau de endemismo, ou seja, de espécies só encontradas numa determinada região e em nenhum outro lugar, verificado hoje na Amazônia e no cerrado.

Em 1969, antes de publicar seu trabalho, o paulista recebeu da revista Science um trabalho para revisar. Era do alemão Jürgen Haffer, que estudara o processo de especiação de várias aves na Amazônia — e chegara exatamente à mesma conclusão de Vanzo e Williams. “Passaram a perna na gente”, disse Vanzolini a seu coautor americano. Haffer tinha a documentação mais completa. Mas ambos acabaram entrando em acordo (Haffer veio ao Brasil discutir os dados com Vanzolini) e publicando simultaneamente, no ano seguinte, a Teoria dos Refúgios.

Nos anos 1980, a teoria começou a cair em descrédito. Um dos tiros veio do pesquisador Paul Colinvaux, do Laboratório de Biologia Marinha dos EUA. Estudando amostras da paleoflora amazônica em sedimentos, ele e seus colegas concluíram que a Amazônia sempre esteve coberta por florestas — o avanço do cerrado na Era do Gelo não teria existido, pelo menos não na escala necessária aos refúgios. Outro ponto contrário à teoria veio do avanço da biologia molecular: as sequências genéticas de várias espécies da Amazônia faziam supor uma especiação muito anterior ao Pleistoceno. Haffer e Vanzolini nunca deixaram de defender a teoria, o primeiro admitindo, porém, que as mudanças climáticas responsáveis pela especiação podem ter ocorrido antes, no final do Terciário. Em 2008, um grupo da Unesp publicou no periódico PLoS One um estudo sobre especiação de saúvas que confirmava, em essência, a ideia dos refúgios, embora de forma um tanto diferente da teoria original.

Vanzolini andava desgostoso com o samba, devido à morte de vários de seus parceiros ao longo dos anos e às úlceras que lhe mandaram por quase dois mese à UTI em uma ocasião e lhe roubaram o prazer da cachaça. Mas também perdera nos últimos tempos colaboradores importantes na ciência, como Ab’Sáber. De certa forma, Vanzo sobreviveu também à morte de sua disciplina, a biologia evolutiva de organismos, sepultada pela biologia molecular. Era o maior representante no Brasil de uma geração de zoólogos de “unhas sujas”, como costumava dizer, de gente que andava no mato caçando, abrindo e empalhando bichos para descrevê-los (numa ocasião, quando o Greenpeace buscava uma foto de um macaco descrito por ele para uma campanha sobre a Amazônia, Vanzo apresentou imagens do bicho taxidermizado e xingou os ambientalistas quando declinaram sua oferta). Pouca gente quer seguir carreira em zoologia no país que detém a maior biodiversidade do mundo e que carece de sistematas para dar conta de conhecer essas espécies antes que o agronegócio, as hidrelétricas e a mineração levem-nas embora. A profissão de zoólogo foi, além de tudo, instrumentalizada pela indústria do EIA-Rima, frequentemente para dizer aos empreendedores o que eles querem ouvir — que não, não há espécies raras, endêmicas ou ameaçadas no caminho da estrada ou da barragem. Vanzo era símbolo de uma geração de cientistas que olhava a floresta para tentar entendê-la como fim, não como meio. Em meio à maior crise da biodiversidade desde o Pleistoceno, profissionais como ele farão falta.

Brasil, potência antártica em 2018?

Módulo Criosfera-1, instalado por cientistas brasileiros no interior do continente: só o começo? (UFRGS)

Módulo Criosfera-1, instalado por cientistas brasileiros no interior do continente: só o começo? (UFRGS)

TRINTA ANOS DEPOIS da viagem inaugural do Barão de Teffé, o Brasil começa a falar sério sobre a Antártida. Pela primeira vez, um plano de ação para a pesquisa científica no continente é elaborado por cientistas e recebe a bênção da burocracia estatal. Ele está desde quarta-feira em consulta pública no site do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, que o encomendara a um grupo de líderes da pesquisa polar como revisão do Proantar, o Programa Antártico Brasileiro. O plano traça um conjunto de objetivos a serem atingidos nos próximos dez anos em cinco áreas do conhecimento, aponta novos campos de investigação para os quais o Brasil deveria olhar e traz uma visão ambiciosa: tornar o Proantar um programa de excelência internacional até 2018, garantindo ao Brasil o reconhecimento como “um dos líderes nas investigações sobre o papel dos processos polares no hemisfério Sul”.

A relevância de um programa antártico robusto para o Brasil deveria dispensar comentários. Como gosta de dizer o glaciologista Jefferson Simões, da UFRGS, relator do plano de ação, a Antártida controla 50% do clima do país. Tem papel direto, para falar a língua que nossos governantes entendem, no PIB do agronegócio. É chave para a compreensão do efeito das mudanças climáticas no resto do planeta e na América do Sul em particular. Nações emergentes, como a Coreia do Sul e a China, têm também usado seus programas antárticos ao mesmo tempo como indutores e “showcases” de seu desenvolvimento tecnológico. O Brasil, para variar, está atrasado em se lançar candidato a potência científica polar (como em tudo o mais que se refere ao papel estratégico da ciência nas decisões de governo), mas antes tarde do que nunca.

A revisão da parte científica do Proantar havia sido pedida já em 2011 pelo secretário de Políticas de Pesquisa do MCTI, Carlos Nobre, mas o processo foi atropelado, ironicamente, pela tragédia do incêndio na Estação Antártica Comandante Ferraz, em fevereiro de 2012, que matou duas pessoas.

O novo plano incorpora basicamente toda a ciência feita hoje sob o guarda-chuva dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia que investigam a Antártida, um liderado por Simões no Rio Grande do Sul e outro por Yocie Valentim no Rio de Janeiro. Porém, traz uma clivagem fundamental em relação à tônica do Proantar: os projetos de balcão desaparecem. Toda a pesquisa passa a ser organizada em torno de cinco eixos ou programas:

1 – Interações gelo-atmosfera: o papel da criosfera no sistema terrestre e o registro de mudanças ambientais (um jeito elegante de dizer “glaciologia);

2 – Efeitos das Mudanças Climáticas na Biocomplexidade dos Ecossistemas Antárticos e suas Conexões com a América do Sul (um jeito elegante de dizer “biologia”);

3 – Mudanças e Vulnerabilidade Climática no Oceano Austral (um jeito elegante de dizer “oceanografia física”);

4 – O papel da Antártica na evolução e ruptura do Gondwana e na evolução do Atlântico Sul (um jeito elegante de dizer “geologia”);

5 – Dinâmica da alta atmosfera na Antártica, interações com o geoespaço e conexões com a América do Sul (um jeito elegante de dizer “meteorologia”).

Pesquisa induzida por eixos não é exatamente novidade no Proantar: aconteceu em 2002, quando o dinheiro do CNPq desapareceu e o programa foi salvo pelo Ministério do Meio Ambiente, que formou duas redes temáticas; e durante o Ano Polar Internacional, em 2007/2009, no qual 11 linhas de pesquisa foram contempladas com verba. Se o novo plano colar e decolar (e é um grande “se”), essa democracia excessiva que pulverizava verbas escassas em projetos muitas vezes inúteis (ou de qualidade questionável) vai acabar. Demorô.

O plano de ação aponta, ainda, novas áreas de investigação, como lagos subglaciais (tema quentíssimo que o Brasil não tem sequer ferramentas para investigar), micróbios patogênicos (o papel de aves migratórias e pinguins na gestação, por exemplo, de cepas novas de gripe) e psicologia de grupos humanos sob pressão extrema estão entre as indicações. Conexões com o Ártico e formação de professores em ciências antárticas completam a lista de desejos.

A visão delineada no plano, porém, precisa de dois recheios importantes. Primeiro, de “benchmark”: como saberemos se chegamos a potência antártica em 2018? Como medir essa excelência? Depois, falta aquilo que os diplomatas chamam de “meios de implementação”: bufunfa. Quanto será necessário? Em quanto tempo? De onde o dinheiro virá? Essa informação precisa surgir no fim da consulta pública, sob pena de o plano não ser nem ao menos apreciado no Palácio do Planalto.

Por fim, é preciso lembrar que o Proantar não é feito só por cientistas. Metade do programa, e a metade onde está o dinheiro grosso, é de logística, a cargo da Marinha. E a Marinha do Brasil tem um problema fundamental com a Antártida, que é a falta de quadros específicos para o Proantar. Meios operativos são muitas vezes subutilizados por conta da falta de experiência dos militares, que fazem rodízio a cada três anos na região. Operações polares dependem de conhecimento acumulado, algo que não existe na estrutura logística brasileira. Um comandante que não quer arriscar navegar num campo de gelo fino mesmo sabendo que seu navio foi projetado para isso pode pôr uma pesquisa a perder. A Marinha sempre se achou dona do programa, não sem razão: são os militares que garantem o funcionamento das coisas mesmo em tempo de vacas magras para a ciência. A tomada das rédeas pelo MCTI, que ora se ensaia, pode criar conflitos sérios com a Defesa, mas esta é uma briga que precisa acontecer há muito tempo para que as coisas possam avançar num patamar diferente.

Outra oportunidade está nas operações aéreas. Hoje o Brasil usa dois aviões Hércules C-130 para levar passageiros e carga até a ilha Rei George, onde o Chile tem uma base aérea. Se quisesse, a FAB poderia treinar seus pilotos com os chilenos e os argentinos para pousar no gelo, o que daria ao Brasil mobilidade para operar no interior do continente (os cientistas que fazem isso hoje contratam empresas de transporte polar). Isso nunca foi feito, entre outras razões porque a frota é limitada e não pode ficar dedicada ao polo Sul. Mas essa situação pode mudar: os Hércules estão se aposentando, e o avião que os substituirá, o KC-390, está sendo feito pela Embraer. “É nosso sonho”, diz Simões sobre a nova aeronave e a perspectiva de seu uso na Antártida (que de resto seria um belo marketing para a empresa). Só falta combinar com a Defesa.

Categorias

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM