Escolha uma Página


consenso

con.sen.so
sm (lat consensu) 1 Anuência, consentimento. 2 Acordo.

ResearchBlogging.orgPara mim, a união das palavras “consenso” e “ciência” é muito difícil. Concordo com o João, do Crônica da Ciência, que um consenso científico seria “(..) um conjunto de teorias ou teoria que a maioria de cientistas de uma determinada área suporta como sendo as melhores nessa mesma área, num dado momento”. O problema neste caso, está relacionado a como este “consenso” é transmitido para o público geral. Sendo assim, toda e qualquer notícia relacionada a estudos científicos deve ser encarada não como uma verdade absoluta, mas como um argumento, uma idéia, que pode ser mais ou menos plausível, dependendo do caso.

Como já falei aqui no blog, um pesquisador grego revelou este ano que um terço de estudos publicados em periódicos como Science e Nature foram refutados por outros estudos em uma pequena escala de tempo. Notícia bombástica? Não. Apenas uma mensuração de como o “consenso” científico é algo mutável. A menos de duas semanas atrás, o periódico de grande prestígio PNAS publicou um artigo que coloca esta discussão em um novo patamar. Umas das mais importantes premissas do IPCC foi questionada, mostrando que nem um dos maiores “consensos científicos” atuais pode ficar isento de críticas.

“Um papel para o CO2 atmosférico em uma forçante climática pré-industrial”. Fonte: PNAS

Este artigo mostra dados baseados em análise de freqüência estomatal em fósseis de plantas. Há uma relação inversa entre número de estômatos presentes nas folhas em fase de crescimento e a concentração de CO2 atmosférico da época em que elas estavam vivas. Segundo os autores, a variação da concentração de CO2 na atmosfera no último milênio apresentou uma variação significativa (34 ppm), três vezes maior do que o último relatório do IPCC de 2007 defendia (12 ppm). Como foi uma variação que ocorreu em um período pré-industrial, esse valor ser significativo seria um indício que mudanças consideradas “naturais” poderiam ser relevantes na concentração de CO2 atmosférica. O último relatório do IPCC argumentava que esta variação era muito pequena, portanto não significativa. O artigo na PNAS argumenta que a emissão de CO2 causada por fatores considerados “naturais” podem equivaler a 30% do aumento na concentração de CO2 causado por seres humanos, fato que está longe de ser não significativo.
Quebra de paradigma? Ainda não sabemos. O IPCC baseia grande parte de seus dados de concentração de CO2 em registros de cores de gelo, sendo uma metodologia bem diferente do artigo na PNAS. Esta é parte emocionante da ciência. Nem Darwin está imune à críticas, como diria Carl Woese.

Referência:

van Hoof, T., Wagner-Cremer, F., Kurschner, W., & Visscher, H. (2008). A role for atmospheric CO2 in preindustrial climate forcing Proceedings of the National Academy of Sciences, 105 (41), 15815-15818 DOI: 10.1073/pnas.0807624105

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...