Ajudando jovens brasileiros a fazer ciência, sem sair de casa

Michelangelos David

Davi, de Michelangelo. Se a arte pode ser comissionada, porque não a ciência?

Em um mundo onde cada vez mais a população cobra dos políticos para onde vai o dinheiro dos seus impostos, a ciência não poderia ficar de fora. Mesmo muitas vezes sendo esquecido pelos professores e alunos de pós graduação, a maior parte do dinheiro que financia a pesquisa cientifica no Brasil é público. Quer dizer, vem dos impostos que todos nós pagamos. Sendo assim a população em geral pode e deve saber onde e como foi investido o dinheiro que foi cobrado pelo governo. Com um país do tamanho do nosso isso muitas vezes se torna complexo, ainda mais se tratando de ciência. Se tratando de iniciativas privadas, existe uma maneira de conseguirmos saber exatamente como o nosso dinheiro foi investido e ainda ganhar até recompensas por isso.

 

Crowd-o-quê?

Uma iniciativa que faz muito sucesso no exterior e que cada vez ganha mais adeptos no Brasil é o crowdfunding. Em português alguns traduzem para um termo questionável: “vaquinha virtual”. Para mim esse é um termo errado, pois o crowdfunding vai muito além disso. Em um portal que pode ser geral ou temático (já existe um até específico para ciência, o Petridish), pessoas comuns podem descrever uma ideia, uma proposta ou até um projeto já iniciado mas que precisa de $$ para acontecer. As propostas vão desde quadrinhos, documentários, gravação de CD, videoclipes e até ciência! Ano passado um colega nosso de Science Blogs Brasil ficou até famoso com o financiamento de um projeto sobre biologia sintética. O potencial do crowdfunding pode ser muito grande, principalmente por quebrar o sistema de financiamento tradicional de projetos que envolve alguns pré requisitos, como já ter dinheiro, contatos ou algum trabalho publicado (no caso cultural) ou mesmo uma estrutura de laboratório e carimbo de professor (no caso científico).

47762_518884854811061_1241879986_n

Este ano um grupo de três jovens do interior de Santa Catarina resolveu tentar a sorte no crowdfunding científico, com o nome de Programa ALEXA de Radioexploração Espacial. Um deles chamado Tulio Baars escreveu um projeto para a NASA para estudar o Sol, já que ele vive em uma das melhores regiões do mundo para fazer este tipo de estudo. Algum tempo depois ele recebeu uma resposta da NASA dizendo que gostaria de apoiar o projeto, enviando um radiotelescópio. Ele também recebeu apoio da Universidade de Stanford, que enviou direto para o interior de Santa Catarina mais dois radio telescópios. Como o governo brasileiro não poderia ficar parado, tratou logo de fazer sua parte, cobrando quase R$800 de impostos dos garotos. A ideia do Tulio foi pedir doação para ajudar a pagar os impostos e montar uma estrutura básica para coleta e envio dos dados para a NASA e para quem quiser saber mais sobre o Sol e como ele afeta a Terra. Isso mesmo que você leu. Ciência aberta, feita por jovens brasileiros sem precisar ganhar nota na prova.

 

Como posso ajudar?

Ao doar você se torna um verdadeiro mecena, mesmo fazendo a doação mínima pedida para o projeto específico (a doação mínima com recompensa é de R$ 15 no caso do ALEXA). Isso porque diferente da Idade Média onde projetos culturais eram financiados por apenas algumas pessoas com muito dinheiro, hoje projetos podem sair do papel com a ajuda de centenas ou até milhares de pobres mortais que resolvem ajudar contando suas moedinhas. Normalmente os projetos apresentam recompensas que variam de acordo com a doação e o ALEXA não poderia ficar de fora. As recompensas podem ser desde o envio de um adesivo, agradecimentos e o envio em PDF das primeiras medições até o patrocínio efetivo do projeto, com direito a logo da sua empresa em camisa e materiais de divulgação.

Felizmente as doações já passaram a meta inicial e ainda falta mais de um mês para serem encerradas. Então você ainda pode ajudar para que o ALEXA consiga atingir as próximas metas, que incluem montagem de laboratório móvel, kit de células fotoelétricas e um sistema meteorológico. No site do projeto no Catarse você pode ver fotos dos radio telescópios, um vídeo sobre o projeto e até foto dos comprovantes de pagamento dos impostos.

Então se você está cansado da burocracia do sistema acadêmico e gostaria de contribuir com uma ciência de raiz visite o site do ALEXA, doe e acompanhe o trabalho desses garotos de Santa Catarina. Eu já doei e mal posso esperar pelo primeiro relatório.

 

Links:

Onde você pode doar: Catarse da campanha.

Facebook e twitter do ALEXA

Twitter do Tulio Baars

Posts do Meio Bit, Jovem Nerd e do Bule Voador sobre o projeto.

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 3 comentários

  1. […] Ecologia – Science Blogs Brasil: “Ajudando jovens brasileiros a fazer ciência, sem sair de casa“. […]

  2. Olá Luiz!

    Adorei saber que as pessoas estão apoiando projetos científicos aqui no Brasil!!! Pensei que isso ainda estava mais restrito à América do Norte e Europa.
    Eu estou começando a fazer um blog de divulgação científica e o meu primeiro post tem bastante a ver com o que você escreveu –> http://polimerasedemesa.blogspot.com.br/2013/02/breaking-bad-e-diy-bio.html
    Eu falei de crowfunding como um meio para fazer laboratórios abertos de biologia, iniciativa que não tem mtos adeptos no Brasil (ainda!).

    Parabéns pelo post!
    Mariana

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM