Escolha uma Página
Imagem good vibe com frase polêmica. Ou com a triste realidade.

Imagem good vibe com frase polêmica. Ou com a triste realidade.

Doutores em áreas biológicas tem a menor taxa de emprego formal de todas as áreas do conhecimento e essa taxa só se aproxima da média das outras áreas depois de 10 anos da defesa do doutorado

Sempre me falaram que quando você tem uma notícia ruim é melhor falar ela primeiro. Bem, tentei fazer isso aqui. O fato relatado por mim aparece de forma clara no livro “Mestres e doutores 2015 – Estudos da demografia da base técnico-científica brasileira”, que foi lançado na última reunião da SBPC em julho e está disponível de forma gratuita aqui. Aparentemente a mídia resolveu discutir esse importante estudo apenas de forma genérica, falando de aumento no número de doutores e com uma visão mais positiva sobre os dados (aqui, aqui e aqui). Como a empregabilidade de doutores é um tema recorrente aqui no blog, resolvi olhar um pouco mais a fundo esses dados. E acabei achando algo que é para deixar qualquer profissional da área de biológicas um pouco preocupado, principalmente para quem ainda está na academia.

O primeiro dado interessante sobre empregabilidade de doutores está na comparação entre áreas. Os dados de taxa de emprego foram obtidos por cruzamentos feitos com o CPF dos doutores e a Relação Anual de Informações Sociais (Rais) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Então foi contabilizado desde empregos na área acadêmica (professor) até empresas, desde que seja formal. Tendo como base todos os doutores titulados no Brasil a partir de 1996, temos que em 2014 os doutores de áreas biológicas apresentam, de longe, a pior taxa de emprego formal, quase 10% menor do que a média de todas as áreas como podemos ver no gráfico abaixo.

grafico-taxadeemprego-porarea

Esse dado já é triste por si só, mas como tudo na ciência sempre é bom olharmos com mais cuidado os dados e as tendências. O gráfico anterior representa uma fotografia da taxa de emprego em 2014. Se tivéssemos acesso a dados anteriores poderíamos tentar entender se existe uma tendência de aumento ou de queda nessa taxa. Por exemplo, o dado de 2014 é que 66,1% dos doutores em áreas biológicas encontravam-se empregados. Se antes disso a taxa fosse ainda menor poderíamos (talvez) ter uma tendência de aumento. Claro que com apenas dois dados é difícil ver uma tendência, mas é melhor do que apenas um. No gráfico a seguir temos essa noção, comparando os dados de 2009 com os de 2014. E qual a informação que temos? Sim, em 5 anos a taxa de emprego praticamente estagnou, tendendo para baixo. Outras áreas como Exatas e da terra e multidisciplinar tiveram o comportamento oposto.

grafico-taxadeemprego-porarea-2009

Depois desses dois gráficos o leitor da área de ciências biológicas deve estar se perguntando: “Por que não fiz medicina?”. E pior que ele não está longe da verdade. Dentre todas as área do conhecimento a medicina foi a que apresentou maior taxa de doutores empregados em 2014. Na verdade o caso das ciências biológicas foi tão discrepante das demais áreas que os autores do estudo resolveram tentar entender o caso de forma mais profunda. Segundo os autores, “É preciso entender as razões que levam os doutores titulados nas ciências biológicas a demorarem mais tempo para se inserirem no mercado de trabalho formal que os doutores de outras grandes áreas“. Isso foi feito através de separação da taxa de emprego por tempo após a defesa do doutorado. Olhando essa taxa, apenas após 10 anos da defesa que temos doutores em áreas biológicas com taxa de emprego comparável (mais ainda mais baixa) que outras áreas, como podemos ver no gráfico abaixo. A média da taxa de emprego de doutores de outras áreas após 10 anos da defesa é de 79,1%.

grafico-taxadeemprego-portempo

Sim meus amigos e amigas. Após 10 anos da defesa doutores das áreas biológicas continuam com uma taxa de emprego menor do que a média de doutores de outras áreas. Isso significa dependência do sistema de bolsas por mais tempo (algo totalmente inseguro, principalmente na situação política atual). Mas a questão principal é a seguinte: por que isso acontece com doutores das áreas biológicas? Será que a qualidade dos doutores formados em áreas biológicas é mais “baixa”? Bem, aparentemente não. Na verdade existe uma relação inversa entre a “qualidade” dos programas de doutorado (medida em nota na avaliação da CAPES) e a taxa de emprego dos doutores, como podemos ver no próximo gráfico. Quanto maior a nota da CAPES, mais qualidade teria o programa. Interessante registrar que depois de 10 anos da defesa do doutorado essa relação deixa de ser relevante.

emprego-capes

Essa relação inversa entre qualidade do programa medida pela avaliação da CAPES (que mede méritos acadêmicos, principalmente) me faz acreditar que o pedido que eu fiz em um post antigo sobre o tema seja relevante. Há quase 2 anos atrás no post “Existe vida fora da academia?” eu defendi que os professores universitários deveriam ser mais transparentes com os alunos de pós-graduação, indicando que a vida acadêmica não era o único caminho e que existem áreas aplicadas que podem ser importantes na absorção de pós-graduados. Doutores formados em uma pós-graduação com nota alta na avaliação da CAPES terem menores taxas de emprego formal pode ser um sinal que esses programas induzem menos seus formandos ao mercado de trabalho. Mas também pode apenas indicar que os doutores desses programas apresentam maior perfil acadêmico e como as vagas de emprego nessa área são mais limitadas acabam naturalmente demorando mais tempo para serem empregados. Será que um desses fatore sé preponderante? Ambos? Nenhum deles? Não tenho a resposta e precisamos de mais estudos para chegar a uma conclusão.

Independente dos motivos o fato é que se você quer fazer doutorado em área de ciências biológicas tem todo o direito de olhar os dados relacionados a taxa de emprego e tomar sua decisão. Tendo como base os recentes indicativos de corte em verbas ligadas a ciência e tecnologia os dados apresentados aqui podem se tornar ainda mais relevantes na sua escolha pessoal pela possível diminuição de vagas para cargos nas universidades. Como eu já tinha afirmado no post sobre vida fora da academia, o importante é pensar muito bem sobre o que você deseja para sua vida acadêmica sem nunca deixar de olhar para fora da janela do laboratório.

 

PS1.: No livro e neste post é considerado como “áreas biológicas” as seguintes subáreas: Biologia geral, Genética, Morfologia, Fisiologia, Bioquímica, Biofísica, Farmacologia, Imunologia, Microbiologia, Parasitologia, Ecologia, Oceanografia, Botânica e Zoologia.

PS2.: Vários outros dados interessantes eu não citei aqui no texto por motivos de clareza, mas a taxa de emprego também é analisada em relação ao estados da federação, por região do emprego, dentro outros. Existe também uma grande variação dentro das subáreas biológicas, por isso eu tratei sempre da média aqui.

PS3.: Além do livro estar disponibilizado de forma gratuita nesse link, lá você também vai encontrar os dados originais em formato de excel. Então dá para candidatos e doutores brincarem a vontade com a base de dados.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...