A frustração do descarte

Eu não tenho outra definição para o meu sentimento no momento: frustração, impotência, indignação.

Smartphones-reciclagem-720x432

Pra uma pessoa que está aqui há 11 anos falando de meio ambiente, sustentabilidade, lixo, novas formas de economia e etc isso é um tapa na cara. Mas a única coisa que eu posso fazer é manifestar esse sentimento, né? Pois bem, aqui está:

A China e o meio ambiente

Foto: Clay Gilliland (CC BY-SA 2.0)

Foto: Clay Gilliland (CC BY-SA 2.0)

Em 2007, ano de início desse blog, escrevi um post falando sobre a China e um pouco da realidade ambiental daquele país, usando como referência histórias de conhecidos e notícias da imprensa. Passados exatos 11 anos, o que mudou? Olha, pode ser um longo tempo, mas fico contente que a China tem olhado para o meio ambiente com um pouco mais de preocupação, toda semana recebo pela imprensa alguma notícia, de certa forma, empolgante sobre o assunto.

Semana passada Ronaldo Lemos me trouxe a informação que a poluição está na agenda da ciência para ser nada mais nada menos que eliminada e que “o próximo ciclo de desenvolvimento chinês prevê a transformação do país em uma economia verde.” Pra quem há 11 anos leu que durante uma semana inteira a poluição impedia que os habitantes de Pequim não vissem o céu por conta da espessa camada de poluição isso é um avanço considerável.

Hoje (atrasada diga-se de passagem) li que a China investiu entre 1999-2013 algo em torno de R$60 bilhões em projetos de reflorestamento e que eles tem apresentado resultados positivos.

O anúncio do país ano passado em investir US$360 bilhões em energia renovável até 2020 tem me deixado otimista quanto aos rumos que a China tem dado na sua preocupação ambiental. Parece mesmo que o meio ambiente é uma assunto que está na pauta para eles. E se eles são um dos poucos exemplos de tecnocracia no mundo, se não o único, não é preciso ser nenhum gênio para entender essa mudança de direção.

Mas como uma pessimista inveterada não posso deixar de ver como o ser humano ainda tem muito a melhorar e repito de certa forma aqui parte do meu discurso quando escrevi o texto aqui no blog em 2007. A China pode estar no caminho de acertar o rumo, mas precisava perceber isso depois do estrago feito? Parece que a humanidade tem um certo apreço por repetir erros, né? Ou simplesmente ignora os erros e só depois que o estrago tá feito é que se dá conta. Bom, pelo menos a China está tentando acertar a direção. E o que podemos dizer do Brasil? Essa reportagem nos dá uma pequena amostra de como as florestas brasileiras tem sido tratadas, por onde a preferência por combustível fóssil tem nos levado entre tantos outros exemplos e não tem me parecido um acerto de rumo na melhor direção, tanto para os brasileiros, como para a humanidade como um todo.

É, China, antes tarde do que nunca…

Jogo para salvar animais em extinção?

Sabe aquela ideia que você fala por que eu não pensei nisso antes? Quando descobri esse aplicativo foi o que eu pensei. Mas ao mesmo tempo também pensei: ainda bem que tem gente mais criativa que eu no mundo! hehehe

A Internet of Elephants resolveu juntar jogo, realidade aumentada, educação ambiental e conservação de animais e criou um jogo para celular chamado Safari Central, ainda em sua fase inicial, mas que tem uma ideia muito boa que é trazer animais selvagens para o dia-a-dia das pessoas e estimulá-las a fazer micro doações dentro do jogo para projetos que protejam a onça pintada no Brasil, elefantes ou rinocerontes no Quênia, lêmures no Madagascar, pangolins no deserto do Kalahari e uma ursa-cinzenta nos EUA.

Essa versão inicial apenas te dá a opção de 5 fotos com o animal a sua escolha. Se você quiser mais fotos é só fazer uma doação para a organização responsável pela preservação desses animais que você poderá fazer mais fotos. No Brasil você ajuda a WWF e o Instituto Pró-Carnívoros com a Onça Atiaia.

Veja aqui uma amostra do que o app já faz:

Ano passado com o lançamento dessa prévia eles fizeram um concurso de fotografias cujo prêmio era um safari para África do Sul pelo deserto do Kalahari.

Mas a ideia mesmo é entregar um jogo até o fim de 2018, o que eles já chamam de Pokémon Go Ecológico e usa dados dos animais reais para reproduzir o comportamento e características deles.

A indústria dos games no mundo gerou em 2017 US$108,9 bilhões, no Brasil foram US$1,3 bilhões, imagina uma pequena parte desse dinheiro indo para projetos de conservação de animais com perigo de desaparecer na Terra?

Além disso a ideia do jogo é também criar mais envolvimento das pessoas com relação à vida selvagem, pelo menos é o que o fundador da Internet of Elephants pretende. Esse ano a empresa foi listada pela Fast Company como uma das empresas mais inovadoras.

Acho lindo quando encontro coisas que gosto juntas, nesse caso conservação ambiental e tecnologia.

Eu já fiz minha fotinho com a Lola, a rinoceronte órfã que vive no Quênia. 😉

Lola e a Claudia fazendo selfie.

Lola e a Claudia fazendo uma selfie.

A culpa é sua

mundo saco

Saiu um estudo na Science of The Total Environment que mostra dados de monitoramento de lixo no assoalho oceânico dos mares do noroeste da Europa (mais precisamente mares em torno do Reino Unido). Esse estudo mostra dados do período de 1992-2017 com redes espalhadas pelos mares que coletam o lixo. Confesso que não li o artigo original inteiro, mas na reportagem que fala desse estudo no The Guardian eles apontam que há uma queda no número de sacolas plásticas encontradas nessas redes de monitoramento. A reportagem fala em aproximadamente 30% de queda a partir de 2010 em áreas próximas da Noruega e Alemanha até a nordeste da França e oeste da Irlanda.

Desde 2003 países como Irlanda e Dinamarca tem cobrado taxas sobre as sacolas plásticas. Será apenas coincidência que o número de sacolas plásticas no mar diminuiu desde então? Ou o fato de cobrar taxas sobre as sacolas fez com que as pessoas as usassem com mais parcimônia e consequentemente menos dessas sacolas foram parar nos mares? Eu não acho que isso é apenas coincidência e o próprio autor do paper, Thomas Maes, diz na reportagem: “Quanto menos sacolas usamos, menos nós descartamos, menos nós as colocamos no ambiente”.

Esse tipo de política funciona tanto que o governo do Reino Unido vem estudando a possibilidade de que essa taxa seja aplicada também às garrafas e latas.

Eu não faria um post só para contar isso, mas por conta de uma resposta de um twitt meu a essa reportagem eu tive que vir aqui e escrever, na verdade é quase que uma continuidade do meu último post quando achava covardia das empresas colocar no cidadão comum a responsabilidade de serem melhores.

Ai eu recebo isso de resposta:

Esse perfil que me respondeu não apenas empurra para o cidadão a responsabilidade de reciclar um produto como sem nenhum pudor estimula e incentiva o uso sem qualquer problema.

Então tá, a culpa é da população que não sabe reciclar. E você acha que estimular o consumo é que vai ensiná-las a cuidar do seu lixo, né?

Tá bom, indústria do plástico, por favor seja melhor do que empurrar a responsabilidade de reciclar o lixo para o consumidor. Ensinar as pessoas das 1001 utilidades do plástico (que é o que vocês propõem no perfil de vocês) é meio que chover no molhado, todo mundo já sabe das benesses e utilidades do plástico, isso num tem nada de novidade para ninguém. Isso também não colabora em nada com o problema do mal descarte do plástico.

Me conta, produtores de plástico, de todo plástico que vocês já produziram na vida, qual a porcentagem dele de fato foi reciclado? Já que a grande (e parece que única) solução que vocês apontam é o descarte correto dos resíduos. Tá vou ser legal, não precisa ser de todo o plástico já produzido na vida, pode ser a taxa de reciclagem dos últimos 5 anos.

Se o cidadão mora numa cidade que não tem reciclagem do lixo como ele faz? (realidade de 69.6% das cidades brasileiras) Você vai lá buscar as sacolinhas infinitas que ele pegou no supermercado para reciclá-las para ele? Ah, claro que não, afinal o cidadão que tem que ter conscientização. Então, caro cidadão a minha dica é: se a sua cidade não tem coleta seletiva de lixo, use menos sacolas plásticas, ok? O ambiente agradece e as tartarugas mandam um beijo!

tataruga

Se todas as sacolas produzidas por vocês de fato virassem sacos de lixo e fossem para aterros sanitários, por que será que ainda tem tanta sacola plástica encontrada no estômago de tartaruga ou nas redes de monitoramento dos pesquisadores?

Cara indústria do plástico, não é continuando com os mesmos hábitos de consumo que vamos conseguir diminuir a poluição de plástico ou qualquer problema ambiental que temos. Conscientizar as pessoas sobre descarte do lixo é parte da solução, mas diminuir o consumo também é, uma coisa não elimina a outra. Aliás a diminuição do consumo resolve muitos problemas além da poluição dos mares, pode ter certeza.

Pelo visto o interesse de vocês não é ser uma indústria correta, preservar o meio ambiente ou conscientizar as pessoas a darem um destino correto para seus resíduos. O objetivo de vocês é que as pessoas continuem a usar sacolas plásticas sem nenhum pensamento crítico sobre o assunto, como foi durante muito tempo. Mas o meu consolo é que se o mundo está um lugar mais poluído, com menor biodiversidade e sujo, esse mundo não será usufruído só por mim, mas por vocês e seus descendentes também e saibam que vocês foram os grandes colaboradores dessa sujeira toda.

Empresas, melhorem

poder

Outro dia fui num evento da GV-CES chamado: “Análise econômico-financeira em projetos de sustentabilidade”, o objetivo do evento era apresentar 2 estudos de caso em que análises econômico-financeiras foram incorporadas em projetos de sustentabilidade.

Confesso que fiquei frustrada. Se isso tivesse sido apresentado há 10 anos eu teria ficado bastante empolgada, mas usar ferramentas de um sistema falho e cheio de problemas para mensurar algo como serviços ecossistêmicos só me mostra a perpetuação do erro, mas ok se é o que convence esse povo eu posso até engolir, mas por que demoraram tanto para isso? Ou será que resolveram mostrar só agora para as pessoas que sustentabilidade pode ser mensurada em valores econômicos?

Mas além dessa frustração teve outra coisa que me irritou um pouco. Acabei fazendo o comentário lá que considerar o uso de análises econômico-financeiras para projetos de sustentabilidade algo inovador é um tanto atrasado na minha opinião, afinal o planeta, os serviços ecossistêmicos prestados por ele e etc, serem considerados apenas recentemente como peça fundamental na estratégia de uma empresa é algo que deixa muito a desejar e que acaba gerando uma angustia em mim, pois eu sempre espero mais das empresas. Sem contar do que levantei ali em cima, usar como solução parte do problema não vai trazer resultados muito diferentes ou inovadores.

Ouvir como resposta desse comentário de que vivemos num sistema complexo e que as coisas não acontecem na velocidade que gostaríamos é algo que aceito, mas usar o argumento de que a pressão para que isso mude tem que vir do consumidor é algo que me dá certa tristeza e acho uma covardia sem tamanho. É quase que colocar a responsabilidade das empresas de serem corretas no colo das pessoas comuns. Se o consumidor fosse de fato ouvido ou levado em consideração não existiria montadora burlando os sistemas de controle de emissão de poluição de carros nos testes de emissões, não teríamos comida sem nenhum valor nutricional sendo vendida ou sequer existiria a obsolescência programada. A pressão social pode até ter sua importância, mas acredito que apenas em alguns casos pontuais, a força da pressão social é muito superestimada quando o assunto é o poder das grandes empresas. Esse papo de que os consumidores, a sociedade, os cidadãos, etc, devem se mobilizar e fazer pressão soa para mim só uma desculpa para justificar a inércia das empresas.

Investimentos sustentáveis

money-2724241_1920(1)

Eis que conversando com uma amiga:

_ Vendi minhas ações da Sadia.

Eu: _ Ah, é, tão em alta?

Ela: _ Não. Vendi pois num dá pra ser vegetariana e ter dinheiro numa empresa que vende carne, né?

Pois bem, se você tem um dinheiro guardado e quer investir em empresas, negócios ou fundos de forma mais sustentável, você vai encontrar dificuldade.

Se você quer investir na Bolsa de Valores temos por exemplo o índice de sustentabilidade da Bovespa, mas se você é vegetariano e não quer investir em empresas de carne como minha amiga, a BRFoods (grupo da Sadia) faz parte desse índice, ou a Embraer, empresa que produz aviões de guerra também tá listada nesse grupo de empresas. Esse índice segue alguns critérios éticos, não necessariamente sustentáveis, costumo dizer que essas empresas são tão sustentáveis quanto o capitalismo consegue ser, pra mim não é o suficiente.

Pra quem prefere fundo de investimentos em ações tem o Fundo Ethical do Santander que usa outra metodologia para selecionar algumas empresas da Bovespa, nesse por exemplo a Embraer não entra.

Pra mim sinceramente investir em ações é investir num mercado especulativo que produz poucos benefícios reais para sociedade e apoia grandes multinacionais que sempre tem alguma atitude questionável. Não é para mim.

O Banco do Brasil tem um fundo de renda fixa de remuneração atrelada à variação da taxa de juros do CDI e que contribui para programas sociais. Esse fundo destina 50% da taxa de administração para Fundação Banco do Brasil investir em programas sociais, como exemplo projetos de educação e geração de emprego e renda. Taxa de administração: 2,6%, ou seja, metade disso vai para a Fundação Banco Brasil. De certa forma você está doando uma parte dos seus rendimentos para a Fundação, isso pra mim é caridade, não investimento.

Um amigo que trabalha na Sitawi, uma OSCIP que trabalha com Finanças Sociais e Finanças Sustentáveis, me disse que as opções para pessoa física nesse setor são limitadas, ele me falou desses fundos dos bancos de varejo que citei antes. E citou que debentures verdes por exemplo só existem pra quem tem alguns milhões para investir, ou seja, reles mortais como eu não entram. Ele chegou a exemplificar alguns títulos verdes que poderiam ter chego a alguma corretora, não achei nas 2 corretoras que tenho acesso.

Descobri um amigo que trabalha numa venture capital de impacto social, a Positive Venture, nem sei exatamente o que seria uma venture capital, mas essa em especial investe dinheiro em negócios inspiradores. Eles estão no início e os investimentos que eles mostram no site são em um rede de restaurantes veganos, uma empresa que trabalha com reciclagem e numa empresa de neurociências e tecnologia. Os investidores não devem ser pessoas comuns, leia-se com poucos caraminguás como eu, esses investimentos são de alto risco e não tenho tanto dinheiro assim para arriscar perdê-lo.

Esse mesmo amigo me mostrou também a Broota. Essa empresa é como se fosse uma bolsa de valores, mas para micro e pequenas empresas, mas os investidores devem ter R$300mil em ativos financeiros, não é para qualquer um.

Pensando nas opções de investimento que já existem o meu sonho de consumo em investimentos seria um LCA (Letra de crédito do agronegócio) que fosse específico para produção orgânica ou pequeno agricultor. Afinal, quem confia no agronegócio brasileiro como um setor confiável quando o assunto é ética e meio ambiente? Eu queria saber se os bancos que emprestam dinheiro para o agronegócio garantem que não estão financiando desmatamento na Amazônia e no Cerrado seja pra plantar soja ou pra criar boi. Desafio as instituições financeiras a me provarem que não emprestam dinheiro para quem desmata.

Enquanto um investimento mais verde não vem eu continuo emprestando dinheiro pra banco ou pro governo… Se você tem uma solução mais sustentável para investimentos, por favor me indique!

Sustainable Brands 2017

SB17SP_3

E finalmente o Sustainable Brands veio a São Paulo, pela primeira vez desde 2014 o evento aconteceu na capital paulista semana passada. Tive a oportunidade de assistir algumas palestras no primeiro dia do evento e no segundo trabalhei como voluntária. Depois de 6 meses fora do Brasil foi interessante ver como anda a sustentabilidade para as marcas.

A primeira apresentação que eu assisti foi a que mais me empolgou, foi um workshop que falava de modelos de negócio de regeneração. Foi nessa apresentação que descobri a Guayaki Yerba Mate.

A Guayaki é uma empresa de erva mate cuja missão é restaurar 200.000 hacres de mata atlântica na América do Sul e gerar mais de 1000 empregos até 2020 usando o modelo de negócios de regeneração. O principal produto deles é a lata de chá de erva mate que é vendido no Whole Foods nos EUA. Mas eles também vendem a erva em pacotes. Todos os produtos são orgânicos, livre de transgênicos e produzido pelos princípios de comércio justo, além de serem uma empresa B. Fiquei encantada com o trabalho deles me deu esperança que empresas podem ter objetivos maiores que além de dar lucro para seus acionistas. Eles conseguiram criar um ciclo virtuoso em que quanto mais mata atlântica eles restaurarem mais eles podem produzir, uma vez que a erva mate precisa da sombra da mata atlântica para crescer e se desenvolver.

Também conheci a Boomera (antiga Wisewaste) que faz um trabalho bem interessante com grandes marcas com relação aos resíduos. Eles desenvolveram solução de reciclagem para cápsulas de café, embalagens de refresco e lixo plástico de uma lagoa no Rio de Janeiro. E ainda estão trabalhando com reciclagem de fraldas descartáveis. O único porém é que nem sempre essas práticas viram parte da vida útil do produto, por exemplo as embalagens de refrescos foi apenas um projeto e que terminou, ou seja, eles transformaram as embalagens em instrumentos musicais durante o tempo da campanha e agora acabou, a empresa não recicla mais suas embalagens. Outra coisa também é que a empresa geralmente não participa do planejamento inicial dos produtos, as marcas só lembram de procurar uma solução para o resíduo quando o problema já está instalado e não no momento do desenvolvimento do produto. Depois as marcas querem que eu acredite que a sustentabilidade já é parte da realidade da sociedade, tá, sei.

Agora o que me deixou realmente irritada foi ouvir o CEO da Pepsico. Eu tenho uma posição bem radical quando o assunto são alimentos ultraprocessados, principalmente quando eles são basicamente salgadinhos sem nenhum ou quase nenhum valor nutricional.

Pensando sobre isso pensei num post para a minha série Futuro: “Pepsico resolver encerrar sua produção até 2050 e investir em projetos sobre educação alimentar.” hahaha Será que viraliza como fakenews?

Agradeço à organização do evento pela oportunidade como participante e voluntária do evento.

Para aprender mais sobre a Amazônia

Se você ainda não entende a importância da preservação da Floresta Amazônica ou qual a relação que isso tem com a sua vida, por favor, assista esses vídeos, são produzidos pelo Google e tem um dedo do Fernando Meirelles, são curtinhos.


Aliás, essa experiência imersiva do Google chamada de Eu sou Amazônia tá incrível. Você pode ver os 15 videos curtos no Youtube que lembram, ensinam e demonstram a importância dessa floresta para o mundo.

O site que usa o Google Earth como plataforma tem a localização de várias histórias incríveis da Amazônia, você pode escolher temas como água, alimento, inovação, mudança, etc, cada um desses temas é localizado geograficamente na floresta com várias informações como vídeos, descrições, fatos históricos, notícias, reprodução 3D, tudo relacionados ao local e ao tema.

amz_landingpage_pt

Eu sou Amazônia no Google Earth.

Sério, minha cabeça explodiu e me fez lembrar do tempo que eu dizia que ferramentas de GIS (sistema de informação geográfica) eram pra dominar o mundo. Até agora foi o melhor uso que já vi para GIS de forma pública, grátis e como ferramenta de ensino e informação.

Tenho críticas infinitas a gigantes multinacionais como o Google, mas quando eles fazem coisas desse tipo eu quase tenho esperança de que eles podem ser melhores do que realmente são.

Fica a dica: para aquele trabalho de escola sobre a Amazônia? Ou pra ser menos ignorante sobre esse lugar distante chamado Amazônia, explore essa experiência.

Esse NÃO é um post patrocionado.

Sobre cápsulas de café

Eu realmente estou com preguiça de escrever qualquer julgamento de valor diante do ocorrido, vou apenas descrever e você leitor e consumidor pensa o que quiser a respeito.

Foto: Reprodução / Thomas Guignard / Flickr

Foto: Reprodução / Thomas Guignard / Flickr

De vez em quando eu recebo releases de uma empresa de comida. Um dos últimos que recebi foi sobre a reciclagem das cápsulas de café que a empresa tem feito, nesse caso ela contava que por conta da reciclagem das cápsulas a empresa doaria 1,6 milhão de tubetes de mudas de café para agricultores de café que fazem parte do um certo programa deles. (Eu poderia reproduzir o release aqui, mas você pode encontrá-lo nesse link)

Ai, eu enviei as seguintes perguntas para o remetente do mail:

Esses 1.6 milhão de tubetes que serão doados representam qtas cápsulas recicladas? Mais um dado importante que não encontrei: qual a porcentagem das cápsulas produzidas no Brasil pela Nestlé são recicladas? Uma vez que vcs não possuem pontos de coleta no Brasil todo creio que apenas uma parte é reciclada, gostaria de saber qual esse valor.

Infelizmente no site que vc indicou no release não encontrei mais informações sobre o processo de reciclagem das cápsulas, na verdade gostaria de saber mais sobre as empresas que recebem essa cápsulas: elas já existiam e fazem reciclagem de outros produtos ou foram criadas especificamente para reciclar as capsulas? Foi feito algum investimento da Nestlé para o desenvolvimento do processo de reciclagem das cápsulas?

Vc teria fotos do processo de reciclagem das cápsulas?

A resposta demorou e tive que me esforçar para obtê-la. Primeiro, sempre recebi esses emails sem solicitá-los, ai qdo veio mais um release sem ter nenhuma resposta do anterior eu reclamei e falei para não me enviarem mais uma vez que não estava rolando uma comunicação. A assessora pediu desculpas, falou para eu reenviar o mail e 2 dias depois veio a seguinte resposta:
Por questões estratégicas a Nestlé não divulga a quantidade de cápsulas comercializadas, coletadas e recicladas.
 
As cápsulas coletadas são processadas pela marca em parceria com a Boomera, que tem unidades industriais em Itapevi (SP) e em Cambé (PR).
 
Baseado no conceito de economia circular, onde os resíduos se transformam em insumos pra produção de novos produtos, as cápsulas descartadas pelos consumidores nos pontos de coleta passam por um processo de extrusão e são transformadas em uma resina plástica. Essa resina se transforma em matéria prima para produção de novos produtos, sendo o porta-cápsulas Renove o primeiro produto de Nescafé Dolce Gusto feito com materiais 100% reciclados (15% de cápsulas pós uso).
Olha, por uma questão estratégica eu não vou comentar essa resposta. Você leitor querido que me acompanha aqui deve saber o que estou pensando a respeito, aliás, a caixa de comentários está aberta para seus comentários. Eu prefiro evitar a fadiga dessa vez.

Pecados ambientais

em 2008 eu fiz uma confissão dos meus pecados ambientais. Já está mais do que na hora de rever essa lista, quase 10 anos e será q alguma coisa mudou? Vamos ver…

Imagem "roubada" daqui: http://www.forumdaconstrucao.com.br/conteudo.php?a=23&Cod=1471

Imagem “roubada” daqui: http://www.forumdaconstrucao.com.br/conteudo.php?a=23&Cod=1471

  1. não sou vegetariana; (continuo não sendo vegetariana, apesar de ter voltado pro Schumacher College e a comida por aqui ser vegetariana)
  2. meu apartamento não tem água individualizada; (desde os fins de janeiro não estou mais nesse apartamento, mas é lá que eu chamo de casa, então continua tudo igual e sem muitas perspectivas de mudanças)
  3. uso sacos plásticos (não biodegradáveis) para colocar meu lixo; (aqui no Schumacher eu sei que alguns desses sacos são biodegradáveis, mas não todos, mas fato é que aqui uso menos sacos plásticos para dispor lixo)
  4. uso absorvente descartáveis; Agora uso o MoonCup (sim, esse item pode sair da lista pois continuo usando o coletor)
  5. às vezes deixo a TV do meu quarto em stand by; (no momento tô sem tv no quarto, mas no Brasil tinha e ficava na tomada todo o tempo depois do advento da smart tv)
  6. como em restaurantes todos os dias e por isso… (nesse momento não é mais assim)
  7. não faço idéia de onde vem a carne/ vegetais/ frutas que como; (aqui a maior parte da comida é local e tudo orgânico)
  8. compro revistas em papel que algumas vezes poderia ler on-line; (hoje em dia cada vez mais raro eu comprar revistas)
  9. compro produtos chineses, alguns legais, outros não; (disso não consigo fugir muito, é invevitável, mas quando tem opção eu escolho a que julgo menos impactante)
  10. só ás vezes fecho o chuveiro para me ensaboar enquanto tomo banho, no inverno sem chances, não faço isso mesmo; (aqui na Inglaterra sem chances…)
  11. Apesar de usarmos sabão em pedra feito de óleo de cozinha para lavar a louça todos os outros produtos de limpeza da casa não são nada ecológicos. (aqui todos os produtos de limpeza são ecológicos, pelo menos é isso que eles prometem nos rótulos)
  12. nenhuma das minhas roupas são feitas de algodão orgânico; (continua igual e tenho alguns produtos de grandes marcas como Nike, Columbia, Adidas, etc)
  13. descobri que a empresa que fabrica meu creme dental faz teste em animais, mas a pasta que eu compro doa uma parte do lucro para o SOS Mata Atlântica, não muda nada, eu sei…(a pasta que doava dinheiro pra SOS Mata Atlântica num vi mais pra vender, portanto não comprei mais. Na verdade esse item vai mudar para: nem todos os meus cosméticos e produtos de higiene pessoal são orgânicos e naturais)

Adicionando novos itens:

  • Não consigo não ligar o aquecedor aqui toda noite, detesto passar frio sabendo que tem aquecimento na casa;
  • Não me preocupo com as emissões de carbono quando escolho uma viagem, escolho a que for mais conveniente, tipo mais rápido, mais barato ou mais confortável;
  • Não são todas as minhas viagens aéreas que eu compenso as emissões de carbono.

Na verdade acho que vou parar com essa lista, vou tentar mudar o lado da equação. Ao invés de ficar olhando para os meus pecados e defeitos vou fazer a lista de coisas que eu faço para ter menos impacto no ambiente, talvez sim essa lista ajude alguém a se inspirar e a mudar um pouco também.

Prometo fazer essa lista e publicá-la em breve.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM