Reduza e compense – Santander Brasil* #eucompenso

* Este é um publieditorial.

Se você quiser compensar sua pegada de carbono você sabe como fazer? Sabe quem ou qual órgão procurar para fazer isso? Ou ainda de uma maneira bem caseira, você saberia quantas árvores deve plantar para compensar suas emissões durante o período de um ano? Tenho certeza que a maioria das pessoas não tem essa resposta e para ajudá-lo nessa empreitada o Santander lançou ano passado uma plataforma chamada Reduza e Compense.

Essa plataforma ajuda a calcular as suas emissões de carbono com transporte terrestre e aéreo e as suas emissões na sua residência com resíduos, aquecimento e eletricidade. Depois de calculado quantas toneladas de carbono você emitiu eles calculam o valor disso em R$ para que você possa comprar créditos de carbono e compensar a sua emissão. Esses créditos de carbono são originados de 3 projetos no Brasil: uma cerâmica do Oeste Paulista (Irmãos Fredi) que substituiu a madeira originária do desmatamento do cerrado por bagaço de cana-de-açúcar e serragem como combustível para seus fornos; uma outra cerâmica, essa na Amazônia (Cerâmica Menegalli) que deixou de usar lenha nativa em sua produção e passou a alimentar seus fornos com caroços de açaí e resíduos industriais e por fim um grupo de 3 cerâmicas do interior do Rio de Janeiro (Guaraí, Itabira e Santa Izabel) que substituiu o uso de combustíveis fósseis por resíduos industriais. Você pode escolher de qual projeto você quer comprar seus créditos e ai comprar por eles na própria plataforma. Por exemplo eu compensei todas as minha viagens aéreas de 2014, foram 0,93 toneladas, num total de R$14,88 e escolhi usar os créditos de carbono da cerâmica Irmãos Fredi (escolhi essa pois é aqui no Estado de SP). Segue o certificado que eu recebi depois do pagamento (clique na imagem para ver maior).

certificado_21012-page-001

Mas aí você me pergunta: “Claudia, isso não é tão 2010? Pegada de carbono, compensação de emissões, crédito de carbono? Faz tanto tempo que não se fala nisso que achei que isso nem era mais problema…” É [email protected] colega isso deixou de ser assunto porque o Protocolo de Kioto expirou e ninguém mais tem obrigação de compensar nada, nem tem metas nem nada, como ninguém manda e não tem mais “incentivo” dos governos parece até que o problema de emissões de carbono da humanidade está resolvido, né? Só que não! As emissões continuam aumentando (veja também esse infográfico), o clima continua mudando, mas os países continuam acreditando num milagre. Se você quer fazer a sua parte e não acredita que um milagre vai acontecer nos próximos anos, considerar compensar suas emissões de carbono pode ser uma boa ideia, se o governo ou a ONU não incentivam, você pode incentivar empresas a serem mais eficientes e emitirem menos carbono comprando os créditos de carbono delas.

Para estimular as pessoas a pensarem mais sobre o assunto o Santander resolveu compensar as emissões de carbono de  100 bilhões posts em redes sociais, até dezembro de 2015 (o que vier primeiro), basta usar a hashtag #eucompenso em posts públicos de qualquer rede social que esse post terá sua emissão de carbono compensada! Participe, é só usar a hashtag nas suas publicações!

COP-20 – Peru, Lima

Só hoje me dei conta que tem 2 anos que o protocolo de Kioto expirou e simplesmente não há mais metas para redução de emissões de carbono. Bom, não que essas metas algum dia de fato fizeram muita diferença no mundo (já que o principal emissor não tinha meta nenhuma), mas pelo menos existia um compromisso assinado, né? Agora ninguém tem…

cop20

Abertura da COP-20 Foto: https://www.flickr.com/photos/[email protected]/15736749298/in/set-72157649549283121

E dezembro chegou e mais uma COP começa, dessa vez aqui na América do Sul, em Lima no Peru. E as poucas notícias que li dizem que desse encontro sai um rascunho de acordo e que provavelmente será assinado no ano quem vem na COP-21 em Paris para então entrar em vigor só em 2020.

Ai você como eu se pergunta: mas por que isso demora tanto? Ensaio de acordo pra ser assinado daqui um ano para entrar em vigor daqui 6 anos? O que essa gente espera que aconteça até lá? Aliás, o que essa gente tá esperando desde 2012 quando o protocolo de Kioto expirou? Um milagre! Literalmente um milagre! Sério gente é isso que eles pensam… Vamos empurrando o problema até que uma tecnologia barata e simples surja, vamos administrando as emissões aqui e ali até que os cientistas encontrem a solução para o problema. Simples assim.

Só eu mesmo na minha santa ingenuidade acreditava que eles queriam salvar o clima do planeta! Olha, eles talvez até queiram, mas não querem gastar nenhum dinheiro com isso (de preferência querem ganhar muito dinheiro com isso) e não querem mudar nada. Mudar matriz energética? Poxa, trabalhão, hein? (leia-se quanto custo!) Diminuir consumo? Pirou? Como ganhar dinheiro sem mais consumo? É aquela velha história: tudo deve mudar para que tudo permaneça como está.

Claudia Chow, tentando entender conferências do clima desde a COP-15.

Rio 2016

Semana passada fui convidada pelo comitê Olímpico Organizador das Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 para participar da coletiva de imprensa de lançamento do relatório da pegada de cabono dos jogos e depois um tour pela sede com direito à conversa com ex atleta vencedor de medalha olímpica e almoço especial.

30.10.2014.Relatório Carbono. Blog

Influenciadores que participaram da visita.

Na parte da manhã foi apresentado pela Gerente de Sustentabilidade do Comitê Organizador, Tânia Braga, o Relatório de Gestão da Pegada de Carbono dos Jogos Rio 2016. No total do evento serão emitidas 3,6 milhões de CO2, da organização do evento eles serão responsáveis por 724 mil toneladas. A maneira que eles vão gerir todas essas emissões segue a a seguinte estratégia:

cabono_rio

Uma vez que eles já estimaram as emissões (as 724 mil toneladas) a ideia agora é tentar diminui-las, seja evitando, reduzindo ou substituindo-as e a meta deles é chegar as 600 mil toneladas e ai sim mitigar e compensar essas restantes. Uma das formas que eles vão utilizar para compensar essas emissões será o que eles chamam de mitigação tecnológica em parceria com a Dow, que oferece várias técnicas de mitigação de carbono como promoção de práticas agrícolas que melhorem a produtividade e reduzam emissões, novas embalagens e tecnologias de conservação de alimentos, visando reduzir a quantidade de desperdícios ao longo da cadeia produtiva, medidas de aumento da eficiência energética em operações, processos industriais e materiais, projetos que melhorem a eficiência energética na construção civil e disseminem soluções de baixo-carbono no setor de infraestrutura.

Na parte da tarde tivemos algumas experiencias bem legais, conhecemos o medalhista olímpico Ricardo Prado, que é Presidente do Conselho de Esportes do Rio 2016, ele contou um pouco da história e um pouco do que faz hoje na organização dos jogos.

DSC_0165

Com o atleta Ricardo Prado.

Depois tivemos um almoço super especial, não tanto pela comida em si, mas pela experiência de comê-la usando vendas e conversando com o Marcos, um dos funcionários do comitê que é cego desde criança. Essa foi uma das experiências mais legais da minha vida, não só o fato de não ter muita certeza do que estava comendo e ir tentando descobrir, mas a experiência de conversar com um cego sem enxergá-lo e criar toda uma expectativa de vê-lo, a sensação que eu tive é que até a direção da conversa e perguntas feitas foram um pouco diferentes se todo estivéssemos sem as vendas.

DSC_0172

O almoço vendados.

DSC_0193

DSC_0202

Foto com o Marcos num dos painéis do encontrados pelo corredor da sede.

Outra coisa que gostei muito foi o prédio sede, todo o planejamento dele pensando na acessibilidade das pessoas, nos murais inspiradores espalhados por todo o local e no conceito e planejamento de ser um prédio modular (contruído com containers) e que vai crescendo e diminuindo conforme a demanda, no início do comitê eram 30 pessoas trabalhando, hoje são entorno de 2mil. E o mais importante, ao fim dos jogos, o prédio não irá existir mais, os módulos serão retirados e provavelmente reutilizados e o terreno poderá novamente ser usado.

É possível perceber  que planejamento está presente nas ações do Comitê que nada é feito sem uma razão de ser muito clara e bem pensada e nesse caso a sustentabilidade entra com muita força, o diretor de communicação chegou a afirmar que sustentabilidade é uma obssessão para eles e não apenas discurso.

2014-10-30 14.38.35

Eu e o logo 3D dos Jogos Olímpicos.

Adorei saber de tudo isso e ver transparência e planejamento nas atitudes deles. Mas vale lembrar que esse é o comitê organizador do evento, eles não são responsáveis por exemplo pelas obras de melhoria no transporte público da cidade ou mesmo na construção dos aparelhos esportivos, isso é reponsabilidade do Governo e acho que devemos cobrar o mesmo profissionalismo deles, a falta de transparência das atividades do governo podem acabar comprometendo um trabalho bonito e bem feito que tem sido feito pelo comitê organizador.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM