Esse post é parte da Blogagem Coletiva de comemoração aos 10 anos do ScienceBlogs Brasil. O tema dessa semana é Os blogs morreram? Quem escreve hoje é a Erica Mariosa Moreira Carneiro, do Blogs de Ciência da Unicamp.

Se você quiser participar acesse: http://bit.ly/SBBr10anos

os blogs morreram2

It’s Alive” – Frankenstein (1931)

 

O prognóstico de morte dos blogs já foi anunciado por diversas vezes na mídia, contudo muitas iniciativas continuam insistindo nessa plataforma e conseguindo resultados interessantes e promissores! Tais como  nos seguintes casos, Science Blogs – que está comemorando 10 anos com essa blogagem coletiva -, Ciência Informativa, Gene Repórter, Blogs da Ciência, Mural Científico e nós, do Blogs de Ciência da Unicamp, que desde 2015 promovemos divulgação científica escrita e produzida por pesquisadores, docentes e alunos da Unicamp.

Os blogs surgiram, de acordo com Malini (2008) e Paquet (2002), há mais de duas décadas. O objetivo principal era ser um espaço virtual para, por meio de textos, expressar ideias, informar e opinar sobre assuntos variados. Diferentemente das comunicações em massa, como televisão e rádio, os blogs ganharam notoriedade devido à possibilidade de liberdade de expressão e interação com os leitores.

O nome “blog” vem de web-log, ou diário de rede e foi usado inicialmente pelo norte americano Jorn Barger para se referir ao seu jornal online Robot Wisdom que, na época, tinha a intenção de ser uma ferramenta que indicava páginas através de links, de acordo com a importância que o próprio autor do conteúdo as atribuia.

Com a evolução da tecnologia, do acesso e da maior disponibilidade de ferramentas, os blogs foram sofrendo mudanças. Primeiramente em seu tamanho, depois ao agregar funções, como inclusão de imagens, áudios, vídeos, etc. O Blogs de Ciência da Unicamp surgiu em 2015 em meio a essas mudanças, com o propósito de ser um portal de blogs de divulgação científica com conteúdo exclusivo e inédito produzidos por cientistas. Atualmente o projeto conta com 31 blogs ativos e 25 em fase de construção.

Dos anos noventa até os dias de hoje muita tecnologia “nasceu” e “morreu” e outras se reinventaram para se manterem competitivas. Neste contexto, arautos do apocalipse sugeriram por diversas vezes como “os blogs perderam sua força”, já que  “as pessoas não lêem mais”.

OS BLOGS PERDERAM SUA FORÇA:

Enquanto surgiam iniciativas de blogs no Brasil, o mundo da tecnologia apresentava novos formatos de comunicação que chamavam a atenção dos blogueiros e de seu público, sendo assim, muitos blogs foram abandonados ou migraram para outras plataformas.

Esse fenômeno motivou um extenso debate no canal de Blogs Gene Repórter, do divulgador científico Roberto Takata, com o título “Há uma crise nos blogues brazucas de ciências?”, rendendo 7 postagens de 2013 à 2015. Dentre as diversas colaborações, Takata destaca que mesmo sem ter dados precisos, é possível perceber a diminuição das postagens em canais que acompanha. Percepção essa que se concretiza com a pesquisas a seguir:

  • Realizada em 2015 pela agência Grumft e divulgada pela Agência Adnews conclui-se que a blogosfera brasileira possuía 200 milhões de blogs ativos.
  • Em 2017 a empresa BigData Corp atualizou os dados da blogosfera brasileira, constatando que existem mais de 5,5 milhões de blogs no Brasil. Sendo que mais de 90% dos blogs aliam a sua exposição a redes sociais e outras plataformas, 48,53% utilizam Facebook, 48,21% o Youtube e 33,97% Twitter.

Com uma redução de 97% de blogs ativos no Brasil em dois anos de atuação é possível admitir que os blogs de fato perderam sua força, principalmente quando comparados a iniciativas de divulgação científica em outras plataformas, como o YouTube que possui uma audiência de 95% da população online brasileira – de acordo com os dados fornecidos pelo Youtube Insights 2017.

AS PESSOAS NÃO LÊEM MAIS:

Guimarães (2018) comenta que a última pesquisa sobre análise de comportamento de leitura foi aplicada em 2015, pelo Ibope Inteligência sob encomenda do Instituto Pró-Livro para o projeto Retratos da Leitura no Brasil[1], verificou-se que 56% da população brasileira é leitora, contudo o brasileiro lê poucos livros, uma média de 4 livros por ano, sendo que 2 dos livros não são terminados.

Entretanto, nessa análise precisamos também considerar o leitor virtual, ou seja, aquele que utiliza de blogs, e-books e redes sociais para ler. De acordo com o Instituto Reuters de Oxford[2] em 2016, 91% dos brasileiros usam a internet para se informar, sendo 72% desses, leitores de notícias.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE[3] em sua última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, em seu suplemento de Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) referente a 2016, concluiu que 64,7% da população brasileira está conectada a internet, desse montante, 71% usam a internet para educação e aprendizado e 68,6% para comunicação com outras pessoas. A partir dessas pesquisas, observa-se que o público leitor mantém-se “vivo” e utilizando cada vez mais o meio digital.

E o Blogs de Ciência da Unicamp, como se insere nesta discussão? Será que tem visto diferença, em seu público, desde seu lançamento nestes 2 anos e meio?

O BLOGS DE CIÊNCIA DA UNICAMP

Como o próprio nome já sugere, essa plataforma de blogs realiza divulgação científica a partir do conteúdo gerado pela Unicamp, sendo que as estratégias de divulgação de conteúdo para a sociedade acontece apenas de forma orgânica[4], em quatro redes sociais oficiais e quatro redes sociais em fase de teste.

Publicando ao menos uma postagem inédita ao dia direcionada ao seu público de interesse previamente identificado, realiza-se também sugestões de pauta para veículos de mídia, entre outras estratégias.

O projeto acaba de realizar sua 9a Integração com futuros blogueiros/cientistas da Unicamp. Desde o início do projeto, foram integrados 382 pesquisadores, dentre os quais 97 continuam ativos e 25 ainda estão em fase de desenvolvimento e preparação de seus blogs. A maioria dos participantes é formada por pós-graduandos (35% de doutorandos e 6% de pós doutorandos para 24% de docentes e) e mulheres (55%).

A administração do projeto é realizada por uma equipe de voluntários, divididos de acordo com suas atribuições e expertises pessoais, sendo 2 docentes, 1 doutor, 4 doutorandos, 1 mestre, 1 mestrando e 2 graduandos, desses são 7 mulheres e 4 homens.

Os resultados do projeto são medidos através dos analytics (oferecidos pelas mídias sociais, google e piwik). De 2015 até 2 de julho de 2018, segundo dados apresentados pelo Google Analytics, tivemos 75.851 leitores nas postagens do portal, destes 66% são de novos visitantes e 33% de visitantes que retornaram, 59,87% são mulheres e 40,13% são homens.

erica1

Figura 1 – Visualizações no portal principal coletadas no Google Analytics

O Blogs de Ciência da Unicamp teve um aumento expressivo de leitores ao longo de 2 anos e meio de atuação, principalmente se considerarmos que não houve nenhum tipo de investimento financeiro em divulgação no projeto. Isso mostra que, apesar de novas tecnologias surgirem todos os dias, e a comunicação estar sempre se renovando, este tipo de mídia continua tendo um público cativo e crescente, que procura, se interessa e divulga seu conteúdo.

Talvez as iniciativas de divulgação científica que optem por esse formato não atinjam milhões de seguidores e algumas classes sociais rapidamente, como faz o YouTube, por exemplo. Contudo a função da divulgação científica escrita, o Blogs de Ciência da Unicamp tem se realizado satisfatoriamente.

É fundamental acrescentar que a dinâmica de acesso e o consumo do conteúdo escrito é diferente do conteúdo em vídeo ou áudio. Tal suporte não deve ser descartado por mera justificativa de procura de aumento de audiência, tendo seu nicho específico e, muitas vezes, complementar a outras plataformas e produções. É importante que conteúdos escritos de divulgação científica continuem sendo disponibilizados, já que a relação do leitor com o texto é diferente daquele que assiste com o vídeo. O ideal seria que os formatos se combinassem de forma complementar, com uma introdução mais simples em vídeo e seu aprofundamento por meio de um conteúdo textual.

Também é preciso dizer que o blog é uma opção acessível ao cientista que opta por realizar divulgação científica independente dos canais de comunicação de seus institutos e universidades, pois esse tipo de plataforma não exige uma  infraestrutura cara, como câmeras, editor de vídeo ou áudio, por exemplo. Também se destaca a relativa independência do divulgador científico, que usa a escrita como meio, em função de outras plataformas exigirem mais pessoas envolvidas (e com qualificações diferentes) na produção de conteúdo e/ou maior desenvoltura do divulgador – o que pode gerar um dispêndio de tempo e custo maior também. Contudo, embora a escrita seja um modo de divulgação mais individualizado, não torna simples ou fácil ao pesquisador. O futuro divulgador científico deve se esforçar em utilizar uma linguagem acessível por qualquer público que possa vir a seguir o seu canal, sempre primando pela qualidade da informação.

Quanto a pergunta inicial desta postagem…

NÃO, OS BLOGS NÃO MORRERAM!

Mas a divulgação científica, independente do formato escolhido, ainda precisa de um maior reconhecimento, investimento e engajamento para continuar se desenvolvendo. Há muito chão pela frente! Que tal caminharmos juntos?

 Agradecimento especial a toda a equipe Blogs de Ciência da Unicamp que participa, escreve e contribui voluntariamente para que o projeto se mantenha vivo e operante.

erica

Erica Mariosa Moreira Carneiro – Administradora do Blogs de Ciência da Unicamp. Graduação em Comunicação Social em Relações Públicas – PUCCampinas. Pós Graduação em Jornalismo Científico – Labjor/Unicamp. Mestranda em Divulgação Científica e Cultural – Labjor/Unicamp. Experiência em Divulgação em Mídias Sociais com Práticas Não Onerosas.

Colaborações: André Garcia, Ana de Medeiros Arnt e Cássio Riedo

BIBLIOGRAFIA

FRANKENSTEIN: The movie. Direção de James Whale e Produção de Carl Laemmle Jr. Estados Unidos: James Whale, 1931. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=J8KHc3ipm-0>. Acesso em: 03. jul. 2018.

MALINI, F. Por uma genealogia da Blogosfera: considerações históricas (1997 a 2001), 2008. Disponível em: <http://www.cp2.g12.br/ojs/index.php/lcvt/article/view/35> Acesso em: 28 mar. 2017.

PAQUET, S. Personal knowledge publishing and its uses in research. 2002. Disponível em : <http://radio.weblogs.com/0110772/stories/2002/10/03/ personal Know ledgePublishingAndItsUsesInResearch.html>. Acesso em: 25 mar. 2017.

GUIMARÃES, P. Retratos da Leitura – Perfil do Leitor. 2017. Disponível em: <https://www.institutoguimaraes.com.br/single-post/2017/07/27/Retratos-da-Leitura-%E2%80%93-Perfil-do-Leitor>. Acesso em: 03 jul. 2018.

SANTOS, I. Manuel Castells: um país educado com internet progride; um país sem educação usa a internet para fazer estupidez. 2017. Disponível em: <https://www.fronteiras.com/entrevistas/manuel-castells-um-pais-educado-com-internet-progride>. Acesso em: 03 jul. 2018.

[1] Foram entrevistadas 5.012 pessoas de 5 anos ou mais, alfabetizadas, ou não, e foram considerados leitores aqueles que leram algum livro nos três meses anteriores à entrevista.

[2] Pesquisa Completa: https://www.poder360.com.br/wp-content/uploads/2016/12/Pesquisa-instituto-Reuters.pdf

[3] pesquisa completa: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/acessoainternet2015/default.shtm

[4] Divulgação feita com estratégias de comunicação sem a geração de custo para o projeto.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...