Pero Vaz de Caminha, a Heterose, a Evolução e a Raça Brasileira: Um Ensaio

Por Elton Luiz Valente
Senhores, isto não é uma hipótese, muito menos uma tese, nem contestação, talvez uma constatação e apenas um ensaio, uma digressão para aproveitar o restinho das férias.
Nestes tempos politicamente corretos, mas de idéias vazias e interesses torpes, uma expressão que traz a palavra “raça”, no que se refere às populações humanas, deve causar algum frisson, tanto entre os bem intencionados quanto entre os hipócritas. Digo já! Sou contrário às “cotas raciais” ou qualquer outra coisa do gênero. Na sua tentativa de juntar pela força da lei, as cotas segregam e eu sou a favor da mistura livre, da beleza da miscigenação. Nesse quesito, a História Brasileira é quase uma fábula, e nem é necessário citar Darcy Ribeiro, Gilberto Freyre ou Sérgio Buarque de Holanda, renomados estudiosos da Brasilidade. Mas sobre a fábula, o médico, antropólogo, etnólogo, professor, ensaísta, poeta e primeiro radialista do Brasil, Roquette-Pinto, disse certa vez: “Martius demonstrou que a história do Brasil seria fábula ou romance se lhe faltassem as bases da etnografia regional, e da etnografia geral“.
Então vamos à História e aos fatos. Aqueles europeus caucasianos, ou judeus, ou outros quaisquer, segregacionistas, endogâmicos, principalmente os mais ricos, os da “nobreza”, da Europa, Estados Unidos, África do Sul (do apartheid calvinista), Austrália e etc., que por razões segregacionistas diversas como econômicas, religiosas ou de puro preconceito, praticavam e ainda praticam a endogamia, produziram como resultado aquela gente com muito peito e pouca bunda, para ficar só no fenótipo.
Por outro lado, aquele europeu que veio para o Brasil, sem pendor ou pudor segregacionista e com muita necessidade, e se deslumbrou com nossas índias nuas e com as pretinhas africanas cheias de charme, produziu no seu afã um choque genético racial, uma heterose, um vigor híbrido, um verdadeiro avanço no sentido da evolução humana, tanto Darwinista quanto sócio-cultural ou etnogenética, em todos os sentidos. Eis a Mulher Brasileira, com peito, bunda, brilho, inteligência e etc. Ou alguém aí não conhece a Juliana Paes?
Estes europeus, dados à miscigenação, vieram já no primeiro contingente da Esquadra de Cabral que aportou nestas terras. Aqueles dois grumetes que fugiram e os dois degredados que aqui foram deixados certamente estão entre eles e, de quebra, inauguraram a raça brasileira. Mas o ilustre da Esquadra é outro, chama-se Pero Vaz de Caminha. Há um trecho de sua famosa Carta – que a hipocrisia da Igreja Católica cortou de nossos livros de história – em que ele descreve, com maestria e deslumbramento, a anatomia pubiana de nossas índias. Vou transcrevê-lo daqui a pouco. Salomão, quando comparado a Pero Vaz de Caminha, perde de longe com o seu pretenso Cântico dos Cânticos. O poema de Salomão é uma tentativa de sedução fracassada de um bode velho. O trecho da carta de Caminha é o deslumbramento de um artista diante do novo, do inusitado e do belo.
E não sejamos machistas. A coisa aconteceu também, ou principalmente, do ponto de vista das mulheres. Muitas das Damas da Corte e muitas das mulheres dos senhores de engenho, barões e coronéis se deixaram seduzir pelos índios e pelos negros africanos.
Vide o caso (com trocadilho e em todos os sentidos) de Ceci e Peri – a nobre portuguesa e o índio guarani – Ficção? José de Alencar sabia das coisas! E tem mais. As índias e africanas também se deixaram seduzir por aqueles branquelas europeus. Na região leste de Minas Gerais tem uma história emblemática, em que a filha do Cacique de uma tribo dos Aymorés, Lorena, se apaixonou por um colonizador português. Diante da proibição veemente do Cacique, que era contra o romance, ela pulou de um despenhadeiro, na face escarpada de um paredão de granito que hoje recebe seu nome, Pedra Lorena, na cidade mineira de Aimorés. Triste e sublime amor. Qualquer semelhança com Romeu e Julieta ou Ceci e Peri, ou Iracema, terá sido mera coincidência.
Mas para a felicidade geral da nação, são muitas as histórias menos trágicas e mais libertadoras, como o famoso casamento de João Ramalho com Bartyra, filha do Cacique Tibiriçá, para horror de Padre Anchieta e seu séqüito de jesuítas do Planalto de Piratininga (São Paulo), pois João Ramalho, além de ter muitos filhos com outras índias, era um homem casado, cuja família ficara em Portugal.
Ainda no século XVI, os calvinistas (intolerantes e radicais extremados), cujas aventuras fracassaram por aqui, espalharam boatos de toda sorte na Europa, principalmente na França, apimentando-os com a nudez de nossas índias, para detratar o ilustre Nicolas Durand de Villegagnon, famoso Cavaleiro de Malta, Diplomata e Almirante francês que fundou a lendária França Antártica no Brasil. A França Antártica foi uma colônia francesa instalada no Rio de Janeiro por Villegagnon entre 1555 e 1567, e teve até uma capital na Baía de Guanabara, denominada Henriville em homenagem a Henrique III da França. Consta que a confusão armada pelos calvinistas envolveu até a belíssima Jacy, filha do temido e respeitado Cacique Cunhambebe, da tribo Tupinambá, amigo e colaborador de Villegagnon, com o qual redigiu um dicionário Tupi-Francês. E a França Antártica se perdeu, mais por conflitos internos e desentendimentos entre os próprios calvinistas, que aqui estiveram a convite Villegagnon, do que propriamente pela resistência portuguesa. Ou seja, fracassaram porque não souberam lidar com a liberdade que a natureza lhes proporcionava aqui.
E não vamos nos esquecer de Chica da Silva (ou Xica da Silva, como queiram), que é em si o resultado da preta no branco, e que encantou de forma arrebatadora o famoso contratador João Fernandes de Oliveira, nada menos do que o então mais poderoso e mais rico cidadão destas plagas. E a mulata se tornou A Rainha de Diamantina (Arraial do Tijuco) no século XVIII.
Se estas são as histórias dos famosos, dos nobres e as filhas dos caciques que, portanto, foram dignas de registros históricos, imagine-se o que não fez a peãozada, a plebe, e as não menos graciosas índias, negras e mulatas menos famosas, ou seja, o povão, principalmente os que aqui chegaram nos primeiros anos da colonização, como aqueles dois grumetes foragidos da Esquadra de Cabral, dos quais nem se sabe o nome, mas que escaparam de uma existência de horror e sevícias (sendo eles os seviciados) para viver a liberdade plena sob a glória e sobre as filhas de Tupã.
Então, para finalizar, voltemos à Carta de Caminha, onde ele descreve as índias de Pindorama. Este trecho da Carta deveria fazer parte da letra do Hino Nacional Brasileiro, de tão revelador que é. Primeiro porque Caminha demonstra conhecer bem o assunto, quando compara a anatomia feminina entre nossas índias e as damas de Portugal. Segundo, por sua segurança em tratar deste assunto com o Rei de Portugal e ainda dizer que as daqui são mais formosas do que as de lá. Terceiro, se Caminha com todo o domínio da matéria ficou deslumbrado com nossas índias, imagine quem ainda não tinha visto uma mulher completamente nua, ao vivo, e se deparou com uma Cunhã-Porã nas praias brasileiras. É impossível não misturar as raças.
Eis o trecho da Carta:
“…Ali andavam entre eles três ou quatro moças, bem novinhas e gentis, com cabelos muito pretos e compridos pelas costas; e suas vergonhas, tão altas e tão cerradinhas e tão limpas de cabeleiras que, de as nós muito bem olharmos, não se envergonhavam.” “…E uma daquelas moças era tão tingida de baixo a cima, e certo era tão bem feita e tão redondinha, e sua vergonha tão graciosa que a muitas mulheres de nossa terra, vendo-lhe tais feições envergonhara, por não terem as suas como ela…
E fim de papo!

Metais Pesados em Solos: Ocorrência

Os metais pesados têm origem natural como componentes de rochas, sendo que, nessa situação, apresentam menores riscos aos seres vivos (Costa et al., 2004).
A ocorrência natural de metais pesados em solos depende, principalmente, do material de origem sobre o qual o solo se formou e dos seus processos de formação. Consequentemente, os teores de metais pesados em solos e sedimentos depende, basicamente, da composição e proporção dos componentes de sua fase sólida.
A relação do solo com o material de origem é bastante evidenciada quando o primeiro é formado “in situ” sobre a rocha, tornando-se menos expressiva nos solos originados sobre materiais previamente intemperizados (Tiller, 1989).
Tiller (1989) cita que os solos originados diretamente sobre rochas básicas, apresentam-se mais ricos em metais pesados do que aqueles formados sobre rochas ácidas ou sedimentares.
À medida que o intemperismo atua, os solos guardam menos características de suas rochas de origem, dessa forma, solos muito intemperizados tendem a apresentar teores menores de metais pesados que aqueles com intemperismo incipiente.
Stevenson & Cole (1999) destacam que o ferro é o principal metal pesado associado às rochas ígneas. Isso, por motivos óbvios de riqueza em minerais ferromagnesianos nessas rochas. Os sulfetos também são constituintes importantes de tais rochas. Como os minerais sulfetados apresentam-se geoquimicamente afins de alguns metais como zinco, cobre e molibidênio, esses podem ser encontrados em teores significativos. Zinco, manganês e cobre também ocorrem em minerais ferromagnesianos, onde eles substituem isomorficamente o ferro e o magnésio na estrutura do mineral. Já o boro é encontrado largamente na turmalina, que é um borossilicato. Ferro, zinco, manganês e cobre são, sobretudo, mais abundantes no basalto, enquanto que boro e molibidênio são mais concentrados nos granitos
Esses autores também citam que é possível que rochas sedimentares possam conter metais pesados. Isso acontece porque elas são compostas por sedimentos provenientes de várias fontes cujos metais podem estar presentes, por exemplo, adsorvidos às argilas. Elas podem conter todos os metais existentes nas rochas primárias, embora não necessariamente nas mesmas proporções. De modo geral rochas compostas por sedimentos finos apresentam-se enriquecidas com zinco, cobre, cobalto, boro e molibidênio. Rochas metassedimentares como alguns xistos com elevados teores de matéria orgânica podem conter cobre e molibidênio.
Alloway (1990), Costa et al. (2004), Penkov (1991) citam que aumentos nos teores naturais de metais pesados podem ocorrer em áreas próximas de complexos industriais, urbanos e, também, nas áreas rurais de agricultura altamente tecnificada. É constatado em tais áreas aumento nos teores de Zn, Pb, Ni, Cd, Cu, Hg, As, entre outros. Feam (2003 e Penkov (1991) ainda revelam que as principais fontes de contaminação por metais pesados são indústrias, transportes e agricultura (irrigação e inundação com águas poluídas, tratamento de solos com pesticidas, herbicidas, corretivos e fertilizantes contendo metais pesados), deposição atmosférica, entre outras. A atividade mineradora também pode ser considerada como um importante mecanismo de disponibilização destes elementos. Isto acontece uma vez que estes metais, outrora numa situação estável, acabam expostos a fatores externos muitas vezes suficientes para torná-los biodisponíveis. Um exemplo de tal liberação de metais pesados é citado por Nilsson (1991). Segundo esse autor, algumas minas de carvão mineral podem gerar a chamada drenagem ácida graças à oxidação de materiais sulfetados, especialmente da Pirita e da Arsenopirita. A acidificação da solução em contato com as rochas gera a solubilização de metais pesados, tornando-os disponíveis.
Nilsson (1991) ainda afirma que os teores geralmente encontrados em solos contaminados, principalmente por atividades agropecuárias, são baixos. Porém, tomando-se uma perspectiva a longo prazo podem ser encontrados teores elevados provenientes de um acúmulo ao longo de anos de utilização desse compartimento ambiental. Esse mesmo autor também cita a possibilidade de contaminação de solos e aqüíferos por meio de aterros industriais e sanitários. A massa de resíduos sólidos podem conter metais pesados que, por sua vez, podem ser lixiviados graças à acidificação provocada pela decomposição da matéria orgânica combinado com a existência de materiais metálicos aterrados.
Refletindo-se agora a respeito da disposição de resíduos diretamente no solo, pode-se concluir que o contato direto de sua massa, através dos métodos de disposição final, permite antever a existência de um potencial de contaminação desse compartimento ambiental. Esse potencial é maior quando a massa de resíduos é disposta de forma inadequada ou quando em sua composição estão presentes substâncias nocivas ao ambiente ou à saúde dos seres vivos. Além disso, a disposição inadequada também representa riscos de emissão de gases tóxicos ou contaminação de corpos d’água em função da degradação desses resíduos, que geram ácidos orgânicos na fase da acidogênese e que, quando lixiviados pela massa de resíduos, podem solubilizar elementos tais como metais pesados presentes carreando-os para o solo ou para as água (subterrâneas ou superficiais) (Pereira Neto, 1996 e Bidone e Povinelli, 1999).
Ramalho et al. (2000) e Penkov (1991) descrevem a contaminação do solo por uma larga gama de metais pesados presentes como contaminantes ou como princípio ativo de uma série de agroquímicos. Além disso, metais pesados também podem chegar ao solo por meio de irrigação com águas contaminadas ou da fertirrigação. Feam (2003) cita que tais metais ocorrem como contaminantes de fertilizantes e corretivos e como princípio ativo de pesticidas e herbicidas.Costa et al. (2004) mostra que resíduos sólidos urbanos são fontes potenciais de Cd, Cu, Pb e Zn. Já os resíduos industriais, ainda segundo esses autores, podem ser fontes de Cr, Cd, Ni, Cr e Ba.

DN no. 116 – Nova Legislação em Vigor para Minas Gerais

Enfim, conscientes de que as atividades humanas têm intensificado de maneira significativa as mudanças globais ocorridas nas diferentes “esperas” do planeta, geosfera, atmosfera, hidrosfera e biosfera, orgãos governamentais responsáveis pela execusão de políticas de segurança ambiental estão estabelencendo uma séria de regulamentações para dificultar e, ao mesmo tempo, restringir que tais atividades (por exemplo, mineração e indústrias de bens e serviço) continuem causando, por negligência, passivos ambientais muitas das vezes irreversíveis ao meio ambiente.

Neste contexto, já esta vigorando desde o dia 28 de junho de 2008, para o estado de Minas Gerais, a Deliberação Normativa (DN) No. 116. O ponto chave desta DN é o fato de que todos os responsáveis por áreas suspeitas de contaminação (introdução no meio ambiente de organismos patogênicos, substâncias tóxicas ou outros elementos, em concentrações que possam afetar a saúde humana, meio ambiente ou a outro bem a proteger. Um caso particular de poluição) e contaminadas por substâncias químicas ficam convocados a apresentar à FEAM (Fundação Estadual do Meio Ambiente) até 31 de março de 2009 um Formulário de Cadastro de Áreas Suspeitas de Contaminação e Contaminadas por Substâncias Químicas. Em curtas palavras, uma autodeclaração de culpa por parte das empresas. A partir desta DN, o COPAM (Conselho Estadual de Política Ambiental) pretende cadastrar as empresas ou empreendimentos com potencial causador de passivo ambiental, na espectativas de gerar um banco de dados e de traçar estratégias de monitoramento destas empresas junto a FEAM.

Diante desta situação, pode-se vislumbrar inúmeras oportunidades tanto para pesquisa quanto para futuras fontes de emprego no estado, tendo em vista que, uma vez que o orgão ambiental é sabedor das potenciais fontes de contaminação, o trabalho de fiscalização pode ser mais atuante. Assim, as empresas deveram intensificar ou iniciar trabalhos de monitoramento ambiental não somente da sua área de atuação, mas das áreas de entorno.
No campo das pesquisas científicas, para que as empresas e orgãos ambientais possam atribuir que determinado local apresente padrões anômalos, por exemplo de elementos traço (metal pesado), é necessário o conhecimento de propriedades e, ou, características de áreas não antropisadas (áreas que apresentam características naturais, como áreas de matas nativa) que possam servir de referência. Dai a possibilidade de desenvolver diversos trabalhos direcionados para a obtenção de padrões de referências de “qualidade”, pesquisas estas incipientes e muito carentes no Brasil.

Metais Pesados em solos: Conceito Geral

Caros leitores,
Esse post tem como objetivo apenas a conceituação desse que é um dos maiores e mais importantes grupos de poluentes existentes. A partir de agora iniciarei uma série de outros posts visando esclarecer alguns aspectos importantes sobre os mesmos.
O termo metais pesados é de definição ambígua, mas vem sendo intensamente utilizado na literatura científica como referência a um grupo de elementos amplamente associados à poluição, contaminação e toxicidade (Amaral Sobrinho, 1993).
Conceitualmente metais pesados são definidos como elementos que possuem densidade superior a 6 g/cm3 ou raio atômico maior que 20. Essa definição é abrangente e inclui, inclusive, alguns ametais ou semi-metais, como As e Se (Alloway, 1990 e Meurer, 2004).
Alguns metais pesados são micronutrientes essenciais aos seres vivos como Cu, Zn, Mn, Co, Mo e Se e outros não essenciais como Pb, Cd, Hg, As, Ti e U. Para esses últimos talvez o termo metais tóxicos cairia melhor (Amaral Sobrinho, 1993).
Segundo Sevenson & Cole (1999) existem metais traços essenciais para plantas como ferro (Fe), zinco (Zn), manganês (Mn), cobre (Cu), boro (B), molibdênio (Mo) e níquel (Ni). Já o cobalto (Co), crômio (Cr), selênio (Se) e estanho (Sn), não são requeridos pelas plantas, mas são essenciais para animais.
Já outros como arsênio (As), cádmio (Cd), mercúrio (Hg) e chumbo (Pb), não são requeridos nem por plantas, nem por animais, porém foram estudados extensivamente por serem potencialmente perigosos para plantas, animais e microrganismos (Alloway, 1990).

Categorias

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM