Embrapa promove curso de produção sustentável de hortaliças para africanos

Nos próximos dias, 21 africanos desembarcam no Brasil para participar do módulo presencial do Curso Internacional sobre Produção Sustentável de Hortaliças, que integra o Programa de Treinamento para Terceiro Países – TCTP. Vindo de quatro países africanos de língua portuguesa (PALOP) – Moçambique, Angola, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe, o grupo é composto majoritariamente por extensionistas com interesse em práticas agrícolas sustentáveis.

Entre os dias 24 de setembro e 19 de outubro, os participantes irão frequentar a Embrapa Hortaliças (Brasília/DF) para uma série de palestras e visitas técnicas que visam ofertar uma capacitação completa em horticultura. “Além do corpo técnico da Embrapa Hortaliças, parceiros de outras Unidades da empresa, do setor produtivo, de órgãos de assistência técnica e de organizações não governamentais também vão contribuir com o conteúdo programático”, informa o pesquisador Ítalo M. R. Guedes, coordenador do curso. De acordo com ele, a inclusão de especialistas de outras instituições contribui para a qualidade do curso e satisfaz os múltiplos interesses dos extensionistas em áreas diversas como extensão e comercialização.

A imersão no conteúdo de maneira completa e integrada é garantida pelas visitas técnicas que vislumbram o aprendizado in loco. “Como os multiplicadores são responsáveis por promover entre os agricultores a aplicação das tecnologias desenvolvidas pela pesquisa, as visitas ao campo facilitam a absorção do conhecimento por meio da experiência sensorial. Não há como multiplicar sem ver ou manusear”, assinala Guedes.

Entre os tópicos da programação do curso estão: aspectos socioeconômicos da produção de hortaliças; conceitos relacionados ao manejo de água e solo, incluindo adubação verde, manejo racional de fertilizantes minerais e experiências de irrigação no semiárido; sistemas de produção de hortaliças, desde a qualidade de semente e produção de mudas até produção integrada, cultivo protegido e produção orgânica; aspectos fitossanitários como manejo de pragas, nematoides e doenças; e pós-colheita e comercialização de hortaliças.

Projeto
O grupo que integra o módulo presencial do curso foi selecionado a partir dos resultados obtidos no módulo de ensino a distância (EaD), no qual cada participante teve que desenvolver um relatório com a caracterização da produção de hortaliças no seu país e propor um pré-projeto para melhoria das práticas olerícolas na região em que atua como extensionista.

Para a engenheira agrônoma Débora Albernaz, uma das tutoras do módulo EaD, durante a etapa presencial os participantes poderão aperfeiçoar o pré-projeto a partir dos conhecimentos adquiridos na palestras e nas visitas técnicas e, ao final do curso, apresentar um projeto substancioso que tenha aplicabilidade e viabilidade em seu país de origem. “Os participantes terão todo apoio técnico da Embrapa para o preparo do projeto”, pontua a agrônoma.

Na opinião do pesquisador Warley Nascimento, chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia da Embrapa Hortaliças, além da projeção no cenário internacional, a contribuição da empresa aos países-irmãos tem fundamental importância, uma vez que as condições edafoclimáticas brasileiras assemelham-se às condições dos países africanos e facilitam a transferência do conhecimento. “Há familiaridades entre o pequeno produtor brasileiro e africano, geralmente pouco tecnificados e, por vezes, iletrados. Essas similaridades permitem que as tecnologias nacionais sejam facilmente transmitidas e adaptadas ao contexto africano”, analisa.

TCTP Hortaliças
Realizado desde 1994, o curso é coordenado pela Embrapa Hortaliças (Brasília-DF) e conta com a cooperação da Agência Japonesa de Cooperação Internacional (JICA) e a Agência Brasileira de Cooperação (ABC), braço internacional do Ministério das Relações Exteriores. As iniciativas de capacitação de recursos humanos e de intercâmbio de conhecimentos focadas na olericultura já beneficiaram diretamente 200 técnicos africanos e também latino-americanos.

Desde o início, o TCTP Hortaliças focou a produção de hortaliças e, a partir de 2005, adquiriu a abordagem sustentável, com destaque para práticas agrícolas sustentáveis. Para o período entre 2011 e 2015, o programa passou por uma reformulação pedagógica, com o acréscimo de um módulo de educação à distância (EaD) com tópicos sobre sustentabilidade, que precede o módulo presencial sobre produção sustentável de hortaliças, realizado no Brasil.

Para o desenvolvimento dos conteúdos e plataformas de EaD, o VI Curso Internacional sobre Produção Sustentável de Hortaliças recebeu a colaboração da Embrapa Estudos e Capacitação (Brasília-DF).

Paula Rodrigues (MTB 61.403/SP)
Assessoria de Imprensa
Núcleo de Comunicação Organizacional (NCO)
Embrapa Hortaliças

Combater a fome na África ensinando os africanos a plantar

No tempo em que o forró era um gênero musical realmente representativo da cultura popular e não uma coleção vulgar de obscenidades, era ainda possível ouvir pérolas de verdade da boca de um Luiz Gonzaga, bonitamente declamando que “uma esmola para um homem que é são ou lhe mata de vergonha ou vicia o cidadão”.
Em um breve artigo publicado na edição de hoje da Nature, o agrônomo e cientista do solo Pedro Sanchez, pesquisador sênior do Earth Institute da Columbia University defende ser muito mais barato aos países desenvolvidos financiarem a assistência técnica e a adoção de tecnologias agrícolas mais avançadas por parte de agricultores pobres africanos do que enviar comida para os mesmos. Trocando em miúdos, é mais barato ensinar a pescar do que dar o peixe. Segundo Sanchez, enquanto se gasta US$812,00 para comprar, embarcar e distribuir uma tonelada de milho africano em África, doar aos fazendeiros africanos os fertilizantes, as sementes e prover a assistência técnica para que produzissem sua própria tonelada de milho custaria aos cofres americanos US$135,00, cerca de seis vezes menos! A adoção adequada de tecnologia agrícola moderna, acompanhada de assistência técnica, traria ainda aos agricultores e países africanos assolados pela fome a tão desejada auto-suficiência alimentar, livrando-as, pelo menos parcialmente, da incômoda dependência de outros países. Sanchez apresenta dados de locais onde se disponibilizou sementes melhoradas, fertilizandes e apoio técnico em que a produtividade do milho pulou de 1,7 tonelada por hectare para 4,1 toneladas por hectare, mais que o dobro – exatamente o que comentamos neste outro post. Mas os argumentos econômicos por si talvez não sejam suficientes para convencer os americanos de que a opção mais lógica e econômica seja a melhor: os já bastante subsidiados agricultores americanos perderiam um certamente lucrativo mercado.
Mas nem todos os americanos pensam igualmente. Fale-se o que se quiser de Bill Gates, não há como não o admirar. A Fundação Bill e Melinda Gates recentemente contactou a Embrapa buscando “alternativas para contribuir com o aumento da produtividade agrícola em até 11 países da África subsaariana“. A fundaçao deseja até o final do ano estar desenvolvendo atividades na África em parceria com a Embrapa. O objetivo maior é a transferência de tecnologia agrícola brasileira e capacitação de agricultores africanos. Nada mais lógico que o Brasil participe de uma tal ação: os solos da África tropical são em grande parte semelhantes aos solos brasileiros predominantes, os Latossolos, internacionalmente conhecidos como Oxisols. O conhecimento gerado no Brasil pela Embrapa e universidades públicas de aproveitamento agrícola dos solos do cerrado pode ser tranquilamente transplantado para regiões do continente africano onde seja cabível, o que representa uma grande parcela da África ao sul do Saara. É necessário ensinar a plantar.

Categorias

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM