Crimes Animais: o caso Jacques Ferron

MULA

No caso de Jacques Ferron, que foi pego em flagrante no ato do coito com uma mula em Vanvres, em 1750, ele foi, após o devido processo legal, condenado à morte. O animal foi absolvido com base no fato de que ela fora vítima de violência e não havia participado, de livre e espontânea vontade, no crime de seu proprietário. O prior do convento local, que também exercia o cargo que pároco da comunidade, e os principais habitantes da comuna de Vanvres assinaram um certificado no qual afirmavam que conheciam a dita mula há quatro anos; que ela sempre havia se mostrado virtuosa e bem-comportada, nunca dando ocasião de escândalo e que, portanto, “eles se prontificam a testemunhar que ela é, em palavras e atos e em todos os hábitos de sua vida, uma criatura das mais honestas.” Esse documento, dado em Vanvres em 19 de setembro de 1750 e assinado por “Pintuel Prior Curé”, dentre outros, foi produzido durante o processo e teve uma influência decisiva sobre o julgamento da corte. Como peça de evidência exculpatória, deve ser considerada única nos anais dos processos criminais [de animais]. — EVANS, Edward Payson. The Criminal Prosecution and Capital Punishment of Animals [O Processo Criminal e Punição Capital de Animais], Londres: William Heinemann, 1906. p. 150

As cores, os truques e o (complexo) genoma da “serragem marinha”

Trichodesmium_microscope_400px

Quando começaram a sequenciar genomas no século passado, os cientistas descobriram que nem todas as letrinhas do DNA viram proteína. De fato, em muitos organismos superiores, a maior parte do material genético aparentemente não servia pra nada e acabou sendo chamada de “DNA lixo”. Só recentemente começamos a entender que essa lixeira genética guarda muitas funções importantes — como as instruções para organização embrionária dos animais. Bactérias não têm embriões, mas um gênero de cianobactérias peludinhas que dá cor a diversos mares tem uma boa dose de material não-codificante. Continue lendo…

Em uma palavra [224]

farrusco (far.rus.co)
adj.
sujo de carvão ou fuligem; enfarruscado, escuro, negro: “Ao sair dos escombros pela chaminé, o menino estava completamente farrusco.” [var. de ferrusco = enferrujado, coberto de ferrugem]

Nanofiltro de carvão: sanduíche de grafeno e gelo quadrado

Ice-square

Nada mais banal que um cubo de gelo, certo? Embora seja tentador chamá-lo de água quadrada, o termo não seria muito exato em nível molecular. Quando congeladas, as moléculas de H2O formam um arranjo cristalino que geralmente não é muito regular. No entanto, é possível ter gelo com cristais cúbicos: basta amassar uma gotícula de água entre duas placas de grafeno. Continue lendo…

O louco das bolhas de sabão

bubbles

[Soup Bubbles, by Pierre Filloeul. gravura, c. 1739. National Gallery of Art, Washington.]

Quando Sir Isaac Newton mudou sua residência para a Leicester Place, sua vizinha era uma jovem viúva que logo ficou intrigada com o pouco que observava do filósofo. Um dia, um dos Fellows da Royal Society passou pela casa dela e ouviu, entre outras notícias mais domésticas, ela dizer que tinha certeza que aquele pobre gentleman era louco pois, segundo ela, “ele se diverte das maneiras mais esquisitas que se pode imaginar. Toda manhã, quando o sol brilha tão forte que nos obriga a fechar as cortinas, ele traz sua cadeira e a coloca em frente a uma banheira cheia de sabão e espuma, ocupando-se por horas a soprar bolhas de sabão com um cachimbo e depois fica observando-as até o estouro.” E concluiu, acrescentando: “Aliás, ele deve estar entretido assim agora. Venha ver comigo”. O gentleman seguiu-a escada acima e, depois de olhar pela janela para o outro lado do quintal, explicou: “Minha cara madame, a pessoa em quem tu vês não mais que um pobre lunático é ninguém menos que o grande Sir Isaac Newton, estudando a refração da luz em superfícies tênues, um fenômeno lindamente exibido pela superfície de uma bolha de sabão comum.”  — KEDDIE, William (ed.). Cyclopaedia of Literary and Scientific Anecdote; illustrative of characters, habits and conversation of men of letter ans science [Enciclopédia de Anedotas Científicas e Literárias: ilustrações do caráter, hábitos e conversas dos homens de letras e ciências]. Londres & Glasgow: Richard Griffin and Company, 1854. p. 6

Em uma palavra [223]

tope (tô.pe)
s.m. 1.
pião que, posto no solo, serve de alvo aos outros; pancada de um pião em outro. 2. por extensão, batida de dois corpos; encontrão, choque, topada: “No pátio, ouvia-se o tec-tec do tope das bolas de gude”. 3. laia, espécie: “bolinhas de gude, piões e brinquedos do mesmo tope”. 4. topo, cimo, cume. [deverbal de topar]

Em uma palavra [222]

toxofilita (to.xo.fi.li.ta)
adj. praticante da arte do arco-e-flecha; admirador dessa arte; arqueiro amador; flecheiro. toxofilia, s.f. paixão pela prática esportiva dos tiros de arco-e-flecha. [do grego toxon = arco-e-flecha, flecha + philos = amante, amador; através do inglês Toxophilite, nome de um clube de arqueiros datado do século XVIII]

Um derivado mais conhecido de toxon é tóxico — através do latim toxicum —, cujo sentido original era “envenenado por flecha”.

Em uma palavra [221]

roqueira (ro.quei.ra)
s.f.
antigo tipo de canhão, feito de ferro e usado para disparar pedras. roqueirada, s.f. tiro de roqueira. [deriv. de roca = rocha, pedra]

Novas sobre uma velha Nova

Heveliusnovaof1670

A Nova de Hevelius: destacada em vermelho, essa estrela foi a primeira nova da astronomia moderna

Naquela noite de 25 de julho de 1670, um dos mais importantes astrônomos da Europa estava bastante ocupado. Uma nova estrela aparecera nos céus e era preciso registrar o acontecimento. Na Polônia, Johannes Hevelius (1611-1689) notou uma intrusa na constelação do Cisne. Mais de três séculos depois, o fenômeno está finalmente explicado. Continue lendo…

Em uma palavra [220]

divaricação (di.va.ri.ca.ção)
s.f. 1.
separação em dois (dois galhos, dois caminhos, etc.); bifurcação, entroncamento: “trem descarrila na divaricação”. 2. divergência extrema de opiniões; cisma, racha: “trinta anos após a redemocratização, acentua-se a divaricação na política brasileira”. [do lat. divaricatio = divisão de caminho; cp. com prevaricatio = prevaricação, desvio do caminho]

Categorias

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM