>

Essa boa pergunta começou como uma experiência de pensamento no Reddit.com quando um usuário chamado The_Quiet_Earth postou a seguinte questão: “Eu poderia destruir o Império Romano inteiro durante o reinado de Augusto [circa 23 A.E.C.] se eu viajasse no tempo com um moderno batalhão de infantaria da Marinha dos Estados Unidos ou uma MEU?” Pouco depois, o usuário fez alguns esclarecimentos e apresentou um cenário mais preciso:

Digamos que a gente volte no tempo com uma MEU [Marine Expeditionary Unit ou Unidade Expedicionária de Fuzileiros-Navais]… poderíamos destruir todas as legiões de Augusto?
Estaríamos contra mais ou menos 330.000 homens, uma vez que cada legião era composta por 11.000 homens. Esses homens eram tipicamente equipados com armaduras para os braços e o tronco, feitas de metal e como armas eles usavam espadas, lanças, arcos e outros implementos de apunhalamento. Nós também encontraríamos armas de cerco como catapultas e toscas armas incendiárias.
Nós teríamos um total de cerca de 2.000 membros, do qual metade participaria de operações de ataque terrestre. Nós poderíamos usar nossos veículos mecanizados (60 Humvees, 16 veículos blindados, etc), mas não poderíamos usar nosso reforço aéreo. Aeronaves seriam apenas para transporte.
Nós teríamos médicos conosco, além de moderno equipamento médico e drogas, mas não teríamos mais uma linha de suprimento mágica através do tempo (nós tínhamos, mas os timelords desprezaram-nas, infelizmente!) que nos alimentaria com toda a munição, equipamento e sustento que precisaríamos para sobreviver. Nós teríamos que prosseguir com as coisas que trouxemos conosco.
Assim, seríamos nós vitoriosos?
A pergunta, obviamente, causou um frenesi de discussões e argumentações. Outro usuário, James Erwin escreveu um conto, Rome Sweet Rome, imaginando como as batalhas se desenrolariam sob tais condições.  Não demorou muito para se formar uma comunidade em torno do conto, de onde surgiram diversos traillers no Youtube baseados na história de James Erwin. A coisa foi tão louca que a Warner Bros. já comprou os direitos cinematográficos sobre o conto (Erwin deve desenvolver o conto em um livro, a ser publicado até o fim do ano que vem). 
Agora, porém, são os historiadores profissionais que estão se debruçando sobre essa questão. Expert sobre o Exército Romano, o historiador Adrian Goldsworthy foi entrevistado pela Popular Mechanics. Eis o que ele pensa sobre esse cenário:

Obviamente, haveria uma diferença brutal de poder de fogo. A armadura romana seria não só inútil contra um rifle — muito menos contra um lança-granadas ou uma metralhadora .50 —, ela provavelmente distorceria os projéteis, tornando as feridas mais profundas.

Mas Mr. Goldsworthy lembra que há um porém:

No curto prazo e em campo aberto, a infantaria moderna poderia massacrar qualquer soldado da antiguidade com um risco mínimo  de baixas. Mas você não poderia sustentar essa infantaria moderna. Assim, com todas essas armas e veículos você poderia fazer uma aparição breve, dramática e até mesmo devastadora, mas que rapidamente se tornaria inútil. Provavelmente em questão de dias… Os marines são os melhores guerreiros já treinados. Mas eles não podem lutar contra uma onda interminável de soldados. Ninguém pode.

Essa limitação logístico-temporal acabaria com qualquer poder moderno. Os veículos não tardariam a ficar sem combustíveis (ainda mais sendo beberrões como são os veículos militares). As munições também se esgotariam rapidamente. Por outro lado, nossos soldados do século XXI certamente poderiam se virar em termos de alimentação. Só que, sem qualquer poder de fogo, nossos dois mil homens seriam inúteis contra as 30 legiões de Augusto, ainda que conseguissem destruir algumas delas enquanto tivessem poder de fogo. No entanto, todas essa legiões não estariam reunidas na Itália — ou, provavelmente, não deveriam estar —, o que obrigaria a uma caçada através de toda a Europa e Oriente Médio para aniquilá-las.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...