Como esse exemplar empalhado de T. osimensis, o cromossomo Y pode tornar-se peça de museu no futuro.

Está cada vez mais complicado definir o que é ser macho. Agora não basta ter o cromossomo Y.

No princípio, todo mamífero é fêmea: os embriões só se tornam masculinos se tiverem o cromossomo Y. Isso acontece porque gene que determina o sexo, conhecido como SRY, está presente no cromossomo Y. Ao ser ativado, o SRY induz outros genes regulatórios a interromper a diferenciação feminina. Quando o feto é desprovido desse Y, continua a se desenvolver como fêmea, certo? Errado. Pesquisadores japoneses descobriram um mamífero cujos machos são desprovidos do cromossomo Y.

O nome do curioso animal é Tokudaia osimensis ou rato-ouriço-das-Léquias, murídeo endêmico da Ilha Amami Oshima, no sul do arquipélago japonês. Esse ratinho de pelos espetados tem um cariótipo literalmente ímpar, com 25 cromossomos. Se não tem o cromossomo Y nem o gene SRY, como surgem os machos desse roedor?

Tomofumi Otake e Asako Kuroiwa, ambos da Universidade de Hokkaido (Japão) fizeram um mapeamento genético para determinar a localização cromossômica dos genes relativos ao sexo do T. osimensis. Depois, os pesquisadores compararam os nucleotídeos e aminoácidos localizados com os de outros roedores. Também foram feitas culturas de células para estudar como os genes sexuais encontrados eram regulados.

AMH

Cromossomos de um T. osimensis macho coloridos com dois materiais fluorescentes diferentes. As setas nos cromossomos avermelhados indicam a localização do gene AMH. [figura do artigo citado em referência]

A determinação sexual não é tão simples como pode parecer. O gene SRY, já bem estudado, não trabalha sozinho e depende do auxílio de outros reguladores, como o Sox9 e o AMH. Os resultados das experiências de Otake e Kuroiwa, publicados em 09/09 na Scientific Reports, indicam que os genes regulatórios da diferenciação sexual estão presentes e funcionam no rato-ouriço japonês. De fato, funcionam da mesma forma que em outros mamíferos placentários. Mas então esses genes secundários seguem a ordem de quem?

“Nós especulamos que existe um gene desconhecido que atua como substituto do SRY no T. osimensis”, explica Kuroiwa em comunicado divulgado pelo ScienceDaily. Segundo o professor japonês, o cromossomo Y está encolhendo por meio de processos evolucionários e há quem diga que em algum ponto ele vai sumir completamente. Por isso, essa pesquisa pode abrir portas para compreender mecanismos de determinação sexual independentes do cromossomo Y e seus aspectos (r)evolucionários.

Referência

rb2_large_gray25Tomofumi Otake, Asato Kuroiwa. Molecular mechanism of male differentiation is conserved in the SRY-absent mammal, Tokudaia osimensis [Mecanismo de diferenciação masculina é conservado no Tokudaia osimensis, mamífero sem SRY]. Scientific Reports, 2016; 6: 32874 DOI: 10.1038/srep32874

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...