hiddenhearing

A má notícia é que, mesmo ouvindo bem, você pode ter um tipo de surdez sem saber. A boa notícia é que uma das causas para isso acaba de ser identificada, o que pode levar ao tratamento da surdez oculta.

O cenário é um ambiente urbano qualquer — um restaurante cheio, uma estação de metrô, o interior de um ônibus. O personagem é alguém aparentemente normal, com audição tecnicamente boa mas incapaz de acompanhar a conversa dos amigos nesse cenário.

Preocupada, essa pessoa faz uma audiometria — um exame que mede a capacidade auditiva — e o resultado é normal, mas ela continua tento dificuldades de comunicação no dia-a-dia. Esse é um caso típico de surdez oculta, uma condição que passou batida por tanto tempo que só foi descrita pela medicina há cerca de seis anos.

Desde então já se sabe que a exposição constante a ruídos elevados, algo comum nas grandes metrópoles é uma das causas da surdez oculta. Mas qual é o mecanismo dessa perda auditiva seletiva? Sabemos que o ouvido interno é um aparelho bem delicado. Uma das causas de seu mau funcionamento pode ser a perda de ligações nervosas entre esse órgão e o cérebro. Entre outras coisas, isso pode ser causado pela sobrecarga dos ruídos excessivos. Desgastados, os nervos auditivos perdem sinapses, o que dificulta a identificação de sons, especialmente os da fala humana.

Esse desgaste sutil explica como é possível ter um bom resultado num exame e ouvir mal no dia-a-dia. Em meio ao silêncio de uma cabine de audiometria, precisamos de poucas sinapses para capturar os sons. Não importa se você tem sinapses normais ou reduzidas pela barulheira urbana, a audiometria vai ser boa. Na prática, porém, ninguém vive numa cabine de exame dentro de um consultório ou laboratório. Assim, um bom resultado no papel não se reflete na vida real.

Essa é a explicação do Dr. Gabriel Corfas, diretor do Instituto Kresge de Pesquisa Audiológica do Departamento de Otorrinolaringologia da Universidade de Michigan [1]. Em colaboração com Guoqiang Wan, da Universidade de Nanjing, Corfas fez um estudo que identificou outra causa da surdez oculta. Trabalhando com ratos de laboratório, eles descobriram que lesões nas células de Schwann também causam perda auditiva.

ncomms14487-f1

Figura 1 de Wan et. al. (2017)

As células se Schwann são importantes por fabricar a mielina, o revestimento isolante das células nervosas — como os nervos que ligam o sistema auditivo ao cérebro. A descoberta explica os déficits auditivos observados em doenças desmielinantes, como a síndrome de Guillain-Barré, que pode ser causada pelo Zika vírus.

Por meio de modificações genéticas, Corfas e Wan induziram perda auditiva por redução de mielina em ratos, criando um modelo animal de Guillain-Barré. Embora a mielina tenha se regenerado após algumas semanas, os ratos mantiveram a perda auditiva. O problema é que a perda de mielina, mesmo temporária, foi o bastante para danificar uma estrutura nervosa chamada heminó. Os dois cientistas descrevem o resultado de seus experimentos em paper publicado em 17/02 na revista Nature Communications.

Para os pesquisadores, a demielinização e o dano no heminó também poderiam acontecer em pessoas expostas a ruídos excessivos. “Ambas as formas de perda auditiva, a exposição a ruído e a perda de mielina, podem acontecer na mesma pessoa com um efeito aditivo”, explica Corfas em comunicado publicado no MedicalXpress.

Essa descoberta veio meio por acaso. O grupo de Corfas já havia conseguido regenerar sinapses em ratos com perda auditiva oculta por ruído. Ao aprofundar esse trabalho, Corfas e seus colegas começaram a investigar outras células do sistema auditivo e tropeçaram nas células de Schwann e no processo de mielinização.

Ao distinguir mais uma causa para a surdez oculta, será possível criar novas formas de diagnosticar essa condição – a audiometria em si, como vimos, não é tão confiável nesses casos. Não existem tratamentos para a perda auditiva oculta, mas à medida que avançam pesquisas como a de Corfas, também abre-se a perspectiva de desenvolver drogas ou outros mecanismos de recuperação ou controle desse tipo discreto e quase desconhecido de surdez. Uma possibilidade já existente é a própria terapia regenerativa que Corfas já havia identificado. Enquanto isso não sai dos laboratórios, é melhor prestar bem a atenção ao que você ouve e principalmente ao que não ouve no dia-a-dia.

Nota

[1] Já notaram que as instituições dedicadas à pesquisa otorrinolaringológica costuma ter nomes tão quilométricos quanto o nome da especialidade? Infelizmente, sei disso por experiência própria.

Referência

Guoqiang Wan et al. Transient auditory nerve demyelination as a new mechanism for hidden hearing loss [Demielinização transitória do nervo auditivo como novo mecanismo para a perda de audição oculta]. Nature Communications (2017). DOI: 10.1038/ncomms14487

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...