Ovo ou a Galinha?

Um dos mais antigos e populares enigmas da humanidade. Um questionamento profundo, contínuo e insolúvel ou uma pérola da reflexão granjeira? Uma omelete entre e filosofia e a reprodução! São muitas as formas de manifestamos nossa perplexidade frente à questão do ovo e da galinha. Minha posição é que não se resolve a questão simplesmente apontando um ou outro como vencedor, mas sim esmiuçando e afastando as concepções pré-evolucionistas subentendidas no questionamento.

Na maioria das vezes a questão é apresentada de duas formas diferentes: “Quem veio primeiro, o ovo ou a galinha?” ou então “Quem nasceu primeiro, o ovo ou a galinha?”. Note que a primeira vista esta é apenas uma simples questão sobre origem. Mas a primeira forma não especifica o nível de explicação do “vir primeiro”, enquanto a segunda foca no nível do desenvolvimento individual. E isso já dá margem pra entendimentos diferentes, por mais que a grande maioria das pessoas ache que o único modo de se responder a perguntas sobre origem é recorrer ao nascimento, o que é muito pré-evolucionista. Pergunte a uma criança se nós viemos dos macacos, ela vai dizer que não porque veio da barriga da mãe dela. (lembrete: a criança está certa por motivos errados, não viemos dos macacos somos macacos!).

Existem duas formas de responder a questões sobre a origem dependendo da escala de tempo que você estiver em mente. Numa escala mais proximal está o nível ontogenético – o do desenvolvimento individual – o foco é a concepção ou o nascimento. Numa escala de tempo mais distal está o nível filogenético – o das espécies ancestrais – e o foco são os fósseis, a especiação e a comparação com as espécies mais próximas. Note que o debate sobre as células-tronco tropeçou nessa questão: quando aparece a vida? Qual vida, a do indivíduo ou a das espécies? Então fique sempre ligado no nível de explicação e explicite em qual nível você está pensando.

Outra questão pré-evolucionista escondida é o essencialismo ou fixismo. Pense comigo é possível nascer um mico leão dourado de um lobo guará? Ou um tamanduá bandeira de um peixe boi? Não porque cada uma desses animais só nasce partir de um da sua espécie. Mas então da onde veio o primeiro mico leão ou o primeiro peixe boi? Pensando assim de forma essencialista só é possível concluir que eles sempre foram assim. Você já notou que nos museus todos os tatus de uma espécie são representados por um indivíduo? Darwin introduziu o conceito de biopopulações que é um conjunto de seres iguais no geral, mas diferentes nos detalhes. Não existe o primeiro ovo nem a primeira galinha porque o indivíduo não evolui, é a população que evolui. Existiram populações de ancestrais de galinhas botadores de ovos que evoluíram como um todo gradualmente, e não de uma geração pra outra de um ovo macromutante.

Quando se pensa em ovo daí você pode retroceder para antes dos peixes, plantas e fungos, no início da reprodução sexuada quando gametas se juntaram pra formar um ovo. Quando se pensa na vida da galinha todas começam como um ovo, porque o ovo é do pintinho e não da galinha que o botou. Cada galinha só tem um ovo: aquele da qual se originou, pois depois de adulta os ovos botados são dos futuros pintinhos. Mas como todos sabem que galinhas (e todas as aves) são dinossauros então a reposta para a questão de quem veio primeiro quando se pensa na linhagem das galinhas é o dinossauro.

Este texto faz parte (um pouco atrasado) da Blogagem Coletiva Caça-paraquedista (conheça mais sobre essa iniciativa). Se você entrou aqui pelo Google, seja bem-vindo e aproveite para conhecer um pouco mais sobre o blog e ciência!

Revolução Genômica e Lei de Biossegurança

Separados por menos de uma semana estão os dois acontecimentos nacionais em que as temáticas Ciências Biológicas, Biotecnologia, Biossegurança, Genômica e Células-Tronco estarão em foco e que, com certeza, vão mexer com a vida de muitos cientistas e não-cientistas.
Na quinta feira passada dia 28/02 foi o coquetel oficial de abertura da Exposição REVOLUÇÂO GENÔMICA . Essa Exposição tem um ancestral comum com a Exposição DARWIN que está no Rio, pois ambas vieram via Instituto Sangari do Museu Americano de História Natural. Nessa exposição são abordados principalmente biodiversidade brasileira, célula, DNA, células-tronco, clonagem e transgênicos. O discurso da exposição está acessível para várias idades e vários níveis de intimidade com o tema, além disso, existem educadores para esclarecer dúvidas e mediar o entendimento para todos.
A Revolução Genômica ficará no parque do Ibirapuera em São Paulo até o dia 13 de julho e espera alcançar 500 mil visitações. Depois ela rodará o Brasil por mais 10 cidades assim como está fazendo a exposição DARWIN. Todos os últimos domingos de cada mês serão de graça e em todos os finais de semana de hora em hora os visitantes poderão acompanhar no laboratório da exposição uma extração de DNA do morango. Escolas ou qualquer grupo de pelo menos 24 pessoas podem ligar para (11) 3468 7400 no horário comercial e agendar uma visita monitorada por toda a exposição passando até pela extração do DNA. Com isso espera-se que o brasileiro tome mais conhecimento sobre sua biodiversidade e sobre as possibilidades biotecnológicas da clonagem, dos transgênicos e principalmente das células-tronco.

E são as próprias células-tronco o tema da votação na próxima quarta feira dia 05/03. A Lei de Biossegurança, que autoriza a pesquisa científica com células tronco embrionárias, foi aprovada pelo Congresso há três anos. Mas foi questionada pelo então procurador-geral da República, Cláudio Fontelles, que entrou com uma ação direta de inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal. Nesta quarta estará nas mãos dos 11 ministros católicos do supremo decidir sobre o futuro dessas pesquisas no Brasil, em uma sala que ostenta um grande crucifixo na parede.
Basicamente, aqueles contra a lei têm por base questões religiosas, enquanto aqueles a favor têm por base as possibilidades médicas que poderão se tornar reais na posse do conhecimento adequado do funcionamento das células-tronco embrionárias – as únicas totipotentes. Muitos grupos se manifestaram a favor, e com razão já que impedir a pesquisa por motivos místicos seria um retrocesso quase medieval. Mas infelizmente podemos flagrar o dedinho divino movendo a ação de inconstitucionalidade da Lei de Biossegurança, como deixa claro o site RNAm no texto Células-tronco: votação, bastidores e conspiração.
Essa votação e a ação religiosa me remetem às votações das leis eugênicas em países europeus e americanos durante o começo do século XX. As leis eugênicas eram coercivas, xenofóbicas e preconceituosas, pois estabeleciam que “a multiplicação dos débeis mentais era um perigo terrível para a raça” então todos aqueles minimamente enquadrados como mentalmente incapacitados eram esterilizados. Tais leis foram aprovadas primeiramente nos EUA e depois Suécia, Canadá, Noruega, Finlândia Estônia, Islândia e Alemanha também aprovaram. No entanto, em países onde a influência da igreja católica romana era forte não houve leis eugênicas.

As narrativas modernas da história da eugenia apresentam-na como um exemplo dos perigos de se deixar a ciência, especialmente a genética sem controle. Mas trata-se na realidade muito mais de um exemplo do perigo de se deixar o governo sem controle. Pois, apesar de todo cientista moderno reconhecer a eugenia como uma pseudociência, muito do que está errado com a eugenia não é ciência, mas coerção do Estado.
Quanto olhamos para essa votação da Lei de Biossegurança vemos novamente o catolicismo via CNBB (Congregação Nacional dos Bispos do Brasil) tentando impedir que os cientistas desalmados cometam atrocidades. Entretanto, agora a história é bem diferente, serão feitas pesquisas em culturas de células embrionárias para entendermos quais os processos ocorrem na diferenciação dessas células em todas as células especializadas do nosso corpo.

E ainda a professora de bioética da UnB, Débora Diniz, lembra que seriam usados apenas embriões inviáveis e com autorização dos doadores. E “embriões inviáveis são aqueles que mesmo que transferidos para o útero de uma mulher eles não tem capacidade de desenvolvimento pra gerar uma futura criança. São embriões que o único destino é o congelamento permanente ou o descarte,” explica ela.
Fica aí a indicação para nos informarmos bem e ficarmos atentos a esses dois eventos importantíssimos.

Arquivos

Categorias

.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM