Evolução à Vista na Exposição Darwin Tocorimé

De volta à ativa e recuperado, apresento aqui no MARCO EVOLUTIVO uma das exposições sobre evolução mais interessantes e arrojadas que já vi. Começa essa semana no Rio de Janeiro na onda da Rio +20 a Exposição Darwin Tocorimé.

 

Trata-se de uma exposição científica e interativa sobre a vida e obra de Charles Darwin, sua viagem e descobertas evolutivas. Tudo feito a bordo do barco Tocorimé Pamatojari, simplesmente o maior veleiro de madeira do Brasil.

O veleiro Tocorimé já é uma famosa plataforma marítima de educação e cultura e com a Exposição Darwin Tocorimé a bordo tem a meta de velejar a costa brasileira tal qual Charles Darwin a bordo do HMS divulgando e ensinando evolução e respeito sobre a biodiversidade.

A Exposição Darwin Tocorimé também conta com um seminário sobre “Sustentabilidade em Evolução”. Serão 6 palestras sobre o tema contando com Profª Maria Isabel Landim (Museu de Zoologia da USP), curadora da exposição “Darwin no Tocorimé” e Markus Lehmann (Diretor Executivo da A4 Mares e Capitão do Tocorimé Pamatojari) no dia 15 de junho.
Dan Garrison (NASA – Diretor do Departamento de Desenvolvimento, Investigação e Aplicações Científicas) e Matthew Shirts (Editor da National Geografic Brasil e Consultor do Planeta Sustentável – Editora Abril) no dia 18 de junho.

E Frederico Brandini (Instituto Oceanográfico da USP) e Carlos Henrique Painel (Diretor da Cúpula dos Povos) no dia 19 de junho. Todas as palestras serão as 17 horas com entrada gratuita mediante a solicitação de convite pelo email [email protected]

A embarcação contando a Exposição Darwin Tocorimé ficará na Marina da Glória na cidade do Rio. Com inauguração no dia 15 de junho só para convidados, a exposição será aberta ao público nos dias 16 e 17 de junho das 9hs às 16hs e dia 19 das 14hs às 16hs.
Não perca essa oportunidade evolutiva e divulgue para seus amigos. Fique com o vídeo sobre a história do veleiro Tocorimé.

Fim do Mundo na Cabeça

O fim do mundo não foi inventado pelos Maias, Astecas, Profetas ou cometas. Ele sempre existiu e mora dentro de nossas mentes. Trata-se da manifestação mais genuína de nosso pluralismo de estratégias comportamentais contingentes à disponibilidade de fatores sócio-ambientais. Explico, dá-se mais valor imediato para o recurso mais raro, nossa mente está sempre alerta à disponibilidade de recursos, logo se falta o amanhã todo recurso estocado deve ser consumido agora. E tem-se a euforia do último dia.

Quanto mais pessoas acharem que o mundo vai acabar dessa vez, mais óbvio ele passa a ser e mais pistas se tem para ajustar a estratégia de alocação de recursos imediatista. Então, sendo assim a questão não passa mais a ser quando ou como o mundo vai acabar, mais sim quais conseqüências o fim do mundo trará. Todo fim do mundo, como sempre, levanta questões: reprodutivas, competitivas, paliativas e contemplativas. Basicamente o eixo condutor é o do dilema entre estratégias ‘rápido e rasteiro’ e ‘calmo e certeiro’. Seres vivos que se reproduzem cedo, vivem pouco e tem prole grande devotando pouco cuidado parental são estrategistas r de ‘rápidos’, enquanto aqueles que tardam a se reproduzir, vivem muito, tem prole pouco numerosa e devotam muito cuidado parental são os estrategistas k de ‘kalmos’.

Nós humanos só tememos o fim do mundo porque temos medo da morte. A morte só surgiu quando do aparecimento do sexo, pois seres de reprodução assexuada não morrem nunca. Logo, um fim do mundo sem sexo é a morte só pra quem se reproduz sexuadamente. Muitos seres vivos na hora H dos finalmentes, ao final da ‘saideira’ da vida só pensam e fazem uma coisa, sexo. No final do mundo para os salmões a palavra de ordem é ficar vermelhão e se acasalar. Alguns insetos já fecundados só pensam em botar os ovos no momento da morte. Daí que percebemos que não se trata de sobrevivência dos mais adaptados, mas sim de reprodução diferencial.

A depleção de recursos é um ponto alto da histeria de massas. Sempre de um desastre natural há um frenezi pelos últimos valiosos recursos. Então temos um contexto para competição, manipulação e violência. A competitividade aparece sempre em que se investe mais em acasalar agora do que se poupar para investir na prole. É claro que a competição por parceiros e recursos não é um fim em si, mas sim um meio para alcançar melhores condições e oportunidades reprodutivas.

É claro que no fim das contas há sempre um arrependimento e uma nostalgia. No leito de morte a maioria das pessoas acha que devia ter trabalhado menos, ser e fazer aquilo que sempre quis, gostar mais e passar mais tempo com os parentes e amigos, perdoado mais as pessoas. Então, do fim surge possibilidades de releituras e recomeços alternativos. Pena que no caso da espécie humana a coisa esteja ficando tarde demais para um arrependimento e um recomeço mais sustentável.

Sabendo que somos os descendentes dos sobreviventes de 5 grandes extinções em massa, das quais boa parte da biodiversidade da Terra sumiu do mapa, podemos nos sentir com sorte. Entretanto, a sorte a posteriori é uma ilusão, assim como extraterrestres, gnomos, deuses e democracia. Mas ainda assim existe beleza em ver tanta gente ganhando dinheiro com o desespero alheio, e tudo o mais acontecendo conforme as previsões comportamentais, ao sermos tão frágeis enquanto sociedade autodestrutiva.

Então, não deixe que essa nova onda de datas do fim do mundo te acerte em cheio na sua propensão cognitiva para o imediatismo e aproveite o momento para rever seus conceitos. Vida longa ao fim do mundo.

Este post fez parte nos últimos minutos do término da blogagem coletiva, “2012: O Último Carnaval?” e espero contribua para a discussão.

Blogagem coletiva Fim do Mundo

Feliz Dia de Darwin 2012

Simplesmente são 203 anos para o aniversariante mais célebre de hoje, Charles Darwin. Todo dia 12 de fevereiro, comemoramos no mundo todo o Darwin Day, uma celebração sobre Evolução, Ciência e Humanismo. Também comemoramos no Brasil o Dia do Orgulho Ateu. Como podem imaginar, não se trata de tietagem vazia, mas sim de uma homenagem mais que merecida para o cientista que em sua vida e obra levantou temas e posturas muito avançadas, abrangentes e revolucionárias.

Darwin hoje representa para nós acima de tudo Coragem. Valentia para se questionar e mudar, evoluir no pensamento. De caçador de animais e degustador de animais exóticos, passou a defender o respeito para com os animais e condenar as práticas de crueldade. Já que não faz muito sentido ser contrário ao trabalho escravo, o que ainda acontece em muitos lugares do Brasil e do mundo, e não se questionar sobre como tratamos os animais. De religioso e estudante para ser pastor anglicano, virou pesquisador em História Natural e abandonou a crença em deus. Não faz muito sentido acreditar num papai noel, mesmo depois de descobrir que não existe mágica, apenas truques, efeito placebo, auto-engano e tribalismo.

Sem essa coragem para abandonar esse nosso antropocentrismo terrorista nunca conseguiremos construir uma realidade mais universalmente justa e respeitosa. O antropocentrismo terrorista, que ao pregar que o ‘homem’ é o ápice, quase divino e, por tanto, está autorizado a usar e abusar das outras culturas, etnias, espécies e ecossistemas, está, não só está destruindo a si mesmo, mas levando tudo o mais junto para o buraco.

Tenha a coragem de aceitar o desafio proposto por Darwin. Veja a si mesmo como tão especial quanto qualquer outra espécie seja bonita e fofinha ou feia e venenosa, sinta-se conectado a todas elas, pois todos somos parentes e, então veja a beleza de se orgulhar de suas bactérias da flora intestinal. Não tenha medo de cultivar dúvidas, despir a curiosidade de tabus e dogmas, experimente beber do experimentar e testar possibilidades alternativas. E então permita que as reflexões nesse dia de Darwin evoluam em você.

Nesse vídeo veremos uma mensagem do idealizador da celebração mundial do Darwin Day, Robert Stephens.

Despertai para a Causa Ambiental

Por conta em parte da internet, celulares e das mídias socias, uma nova onda de redemocratização, sem precedentes, está acontecendo no mundo.

O que eram milhões de pessoas em isolado descontentes com os rumos da política, economia e suas implicações sociais e ambientais, se tornou uma massa de manifestações muito poderozas, capazes de mudanças reais.

Da Primavera Árabe à Marcha Contra a Corrupção, passando pelo Ocupai Wall Street e manifestações semelhantes na Europa, uma coisa ficou claro: precisamos engrossar mais o caldo para conseguirmos que o atual modelo econômico e de democracia, em que as decisões do mundo estão na mão de grandes corporações, evolua.

A importância da politização dos jovens é vital nesse cenário. No Brasil milhões de jovens ainda acham mais importante ir no Rock in Rio e em marchas religiosas, por exemplo. A alienação é amiga da corrupção e destruição ambiental e inimiga da revolução. Passe a reservar momentos do seu dia para extravasar sua indignação em formas que possam contagiar outras pessoas e apoiar causas social e ambientalmente relevantes.

Essa semana ocorreu o a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, uma iniciativa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Terminando amanhã dia 23 ela reuniu mais de 15 mil eventos distribuídos pelo país inteiro, tiveram como foco Mudanças Climáticas Desastres Naturais, e Prevenção de Riscos. O maior evento sobre ciência do Brasil, ao focar a questão Ambiental, ajuda e muito na missão de acordar o brasileiro apático para a urgência e importância da causa.

Brasil, o país, que sediou a Eco 92, e sediará a Rio + 20 é o mesmo em que se gasta mais em estádios de futebol do que unidades de conservação, estrutura e fiscalização.

É o mesmo que quer perdoar desmatatores e desmantelar o atual código florestal, mesmo contra a opinião pública.

É o mesmo que constroi hidroelétricas na Amazônia a toque a caixa, desfigurando áreas ricas em biodiversidade e com povos indígenas, ignorando a opinião pública.

É o mesmo dá incentivo fiscal à fábricas e montadoras de carros, canaliza rios, asfalta áreas de várzea, cria mais estradas sendo que trem faria tudo mais fácil, poluindo menos e causando menos enchentes.

Não dá mais para ficarmos apáticos frente a causa Ambiental. Espero que até a Rio + 20 percebamos que sem tolerância zero para o pouco caso frente ao Meio Ambiente estaremos dando um tiro no próprio pé e destruindo nossa própria casa.

Segue abaixo a série Home, 9 vídeos legendados para o português, que ilustra bem a necessidade de agirmos para mudarmos nossas atitudes e o sistema econômico exploratório que está acabando com nossa casa, o mundo.









África no Ambiente de Adaptabilidade Evolutiva

A espécie humana é africana. E nessa Blogagem Coletiva estamos escrevendo sobre a África, onde evoluímos, onde diversas pressões seletivas locais agindo em conjunto moldaram nossa mente. E nossa mente é um conjunto de mecanismos para processamento de informação que foram moldados pelo processo evolutivo para a resolução de problemas enfrentados em nosso ambiente ancestral.
O Ambiente de Adaptação Evolutiva não é necessariamente um lugar específico, como a África, ou um hábitat específico, como a savana, mesmo que lugares ou habitats possam eventualmente fazer parte dele. O Ambiente de Adaptação Evolutiva é uma composição de propriedades adaptativas relevantes que atuaram para cada espécie.
Funciona como um ambiente hipotético onde todas as propriedades que geraram as principais pressões evolutivas em nossos ancestrais estivessem presentes. Se caracterizarmos bem esse ambiente, podemos avaliar qual eram os dilemas evolutivos que mais pressionaram os membros das populações ancestrais, há cinco mil ou dez mil gerações atrás.
Seguindo a perspectiva do Ambiente de Adaptação Evolutiva, nossas características funcionais mentais seriam aquelas adaptadas a um ambiente social caracterizado por uma estrutura de sociedade caçador-coletor nômade existente no período Pleistoceno de 200 mil a 12 mil anos antes do presente. Os grupos humanos ancestrais apresentavam baixa densidade populacional, caracterizados por agrupamentos baseados no parentesco atingindo cerca de 200 pessoas. Os grupos apresentavam uma tecnologia simples, alta mortalidade infantil e baixa expectativa de vida. Alta vulnerabilidade ambiental e poucas opções de estilos de vida.
Os principais problemas adaptativos que nossos ancestrais enfrentaram foram: Problemas de sobrevivência e crescimento, caracterizado pelos desafios existentes até se chegar ao momento da reprodução, como detecção de animais perigosos; preferência alimentar e a detecção de alimentos contaminados entre outros. Problemas de acasalamento, ou seja, selecionar, atrair e reter um parceiro amoroso e executar o comportamento sexual requerido para o sucesso da reprodução. Problemas de parentais, ou seja, fazer com que a prole sobreviva e cresça até o momento da reprodução. E por fim existiam os Problema da ajuda à parentes caracterizado pelas ajudas na reprodução dos parentes e filhos de parentes.
Aqui estamos nós, uma espécie com uma mente calibrada para um ambiente caçador-coletor ancestral que se auto-introduziu em vários outros ambientes do mundo. E sempre que uma espécie é introduzida muito desequilíbrio ecológico ocorre, seja por ela não estar adaptada aos novos desafios seja pelo desbalanço nas relações ecológicas existentes. Boa sorte ao nossos descendentes.

Lyre Bird e a Canção do Fim das Florestas

A seleção sexual é muito subestimada. Sempre que pensamos em problemas ancestrais pensamos na sobrevivência, quase nunca na reprodução. A nossa sorte é que ainda temos aves – nossos queridos dinossaurinhos – no planeta Terra para nos mostrar os poderes da seleção sexual.
Por si mesma a seleção sexual já nos surpreende demais, porém mais surpreendente é o que os indivíduos podem fazer com as adaptações evolutivamente moldadas pela seleção sexual. E não estou falando sobre belas penas colorias mas sim de sons maravilhosos.

Os seres humanos não são os únicos que imitam os sons dos outros animais, muitos pássaros o fazem. Todos estão carecas de saber dos papagaios e suas habilidades para imitar vozes humanas, latidos, miados, assovios, etc.

Os pássaros imitadores possuem um ouvido musical fenomenal e um aparato vocal bem complexo com ressoadores desenvolvidos que, juntos com mecanismos cognitivos de aprendizagem sonora e memória, os permitem reproduzir com perfeição quase qualquer som no ambiente.

É fácil pensar na imitação solucionando problemas de sobrevivência. Os pássaros podem aprender o canto de um predador de seus competidores e imitá-lo sempre que encontrar uma boa fonte de alimento, afugentando os outros e ficando assim com tudo para si. E isso realmente acontece. Mas é no canto de corte que o repertório fica rico, complexo e variado. Os cantos de corte são sempre mais trabalhados do que os outros sinais sonoros cotidianos.

Um pássaro que levou isso ao extremo é o Lyre Bird ou pássaro lira, graças ao formato de lira de sua plumagem caudal. Ele vive na Austrália e é um dos melhores imitadores dentre os pássaros. Ele é capaz de imitar cantos de cerca de 20 espécies diferentes fora muitos sons que vem aparecendo nas florestas.
Sir David Attenborough, famoso apresentador de programas sobre natureza e seres vivos e um forte defensor destes, esteve na Austrália e nos conta tudo de mais belo na habilidade do Lyre bird e tudo de mais preocupante.
É lindo ver em ação toda a habilidade de imitação do Lyre bird, mas seu canto é flagrante sobre a situação deplorável do desmatamento nas florestas, quiçá no planeta todo. É triste ver o Lyre bird imitando o som da destruição de seu próprio habitat. Vem do comportamento animal na própria floresta a canção do fim das florestas. Veja o vídeo.

Arquivos

Categorias

.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM