100 trilhões “delas” em nós – parte II

No episódio anterior vimos que…

  1. A proporção entre microrganismos e células humanas é de cerca de 10:1.
  2. A essa coleção de microrganismos damos o nome de “microbiota” ou de “comensais”.
  3. A microbiota exerce uma série de funções benéficas para seu hospedeiro.
  4. Muitos microrganismos transitam no continuum mutualismo-patogenicidade

…episódio de hoje.

Somos cerca de 7 bilhões de humanos vivendo na Terra. Juntos, representamos um reservatório intestinal de cerca de 1024 células microbianas. Esse número é 105vezes menor do que a magnitude de microrganismos que se estima para os oceanos (1029).

.

Os números são impressionantes, não?! Mas… de onde vem os membros da nossa microbiota? De vários lugares… afinal, os microrganismos são ubíquos – ou seja, eles são encontrados nos mais variados ambientes.

.

É importante saber que antes do nascimento não temos microrganismos habitando nosso corpo – mas isso muda rapidamente após o parto. O primeiro contato com esses seres microscópicos acontece, geralmente, durante o parto normal – quando o bebê entra em contato com a microbiota vaginal da mãe. Mas nem todos os micróbios vêm dali – inclusive, se fosse assim, os bebês que nascem via cesariana continuariam a ser isentos de germes até a idade adulta. O que acontece é que estes bebês possuem o processo de colonização mais lento e o processo de sucessão (a ordem das espécies que colonizam o hospedeiro) é um pouco diferente. Além do parto, o processo de colonização é influenciado pelo ambiente (particularmente o materno) e outros fatores aleatórios.

.

Um fato muito curioso é que a microbiota residente de uma espécie consiste em tipos relativamente fixos de microrganismos. Ou seja, a maior parte da minha microbiota é extremamente semelhante à sua. Por outro lado, possuímos em menor quantidade alguns microrganismos que muitas vezes passam um período (horas, dias ou semanas) no nosso corpo e depois são eliminados; essa é a microbiota transitória e, essa sim, varia muito entre os indivíduos.

.

A microbiota sofre alterações devido à idade, à distribuição geográfica, à dieta, ao estresse, às mudanças hormonais, ao comportamento sexual e por aí vai. Porém, de todos esses fatores, os antibióticos são os responsáveis pelas mudanças mais rápidas e drásticas na microbiota normal. Além disso, a utilização excessiva e inadequada de antibióticos é também associada com a ocorrência cada vez maior de multirresistência nos microrganismos patogênicos.

.

Pode parecer que a vida seria impossível sem esses minúsculos organismos que como já vimos desempenham diversas funções. Porém, não é isso que mostram diversos estudos. Nesses estudos são utilizados animais isentos de germes (chamamos de germ-free). Para isso, esses animais são mantidos em uma condição especial, no qual o ar é filtrado, a comida e a água são esterilizados. Eles vivem dentro de bolhas plásticas – e completamente isolados do contato com o mundo externo.

Isolador do Biotério de Gnotobiologia da UFMG. A foto é antiga (1997), mas os isoladores atuais são bem parecidos com estes. Observe na frente do isolador as luvas pretas utilizadas para a manipulação dos animais e materiais. Dentro do isolador, vemos 3 gaiolas brancas, uma garrafinha com água e um saquinho - provavelmente com ração. Do lado de fora, tem uma mangueira azul que é responsável pelo fluxo de ar que é enviado ao filtro, o cilindro marrom. (Foto: Beatriz Dantas)

Isolador sendo manipulado. (Foto retirada da "The desk encyclopedia of microbiology" (2004), de M. Schaechter (ed.)

**Saiba Mais

Hooper LV (2009) Do symbiotic bacteria subvert host immunity? Nature Reviews Microbiology 7:367-374.  doi:10.1038/nrmicro2114
Nicoli JR, Vieira LQ (2000) Probióticos, prebióticos e simbióticos: moduladores do sistema imune. Ciência Hoje 28:34-38
Rambaud JC, Buts JP, Corthier G, Flourié B (Eds.) (2006) Gut Microflora: Digestive physiology and pathology. John Libbey Eurotext, Montrouge, 247 p.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 4 comentários

  1. Olá Samir, tudo bom? Ótimo o texto! Haverá uma continuação? Pergunto porque há muito tempo fiz uma matéria sobre a importância dos microorganismos e de algumas proteínas para a memória imunológica do organismo. Seria legal falar de como é o sistema imune dos camundongos do biotério.

    Abraços,

    • Samir Elian disse:

      Por agora eu só estou com 1 post programado p/ microbiota que é sobre a influencia do cafezinho… Também estou com um post pronto sobre metabolismo microbiano. Depois estava pensando em iniciar uma serie sobre resistência à antibióticos… Sobre imunidade eu estou com um artigo bem legal sobre imunidade e microbiota (e mais um monte que tb parecem legais). Mas gostei da dica – só nao devo emendar direto com esses posts pq eu vou ficar meio apertado nessas próximas semanas – mas a sugestão tá anotada ^^”

  2. Tranquilo! Fiquei bem animada com o post sobre o cafezinho. Sou quase uma viciada, com crise de abstinência e tudo.

  3. […] Sarkis Mazmanian, o paper consiste na comparação da susceptibilidade de camundongos isentos de germes (germ-free, GF) e livres de patógenos específicos (specific pathogen free, SPF) a duas doenças […]

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM