Cometa ISON

Entre o fim do ano passado e começo desse ano surgiram várias notícias sobre o C/2012 S1, popularmente conhecido como Cometa ISON. Ele foi descoberto pelos Astrônomos Artyom Novichonok e Vitali Nevski mas leva o nome do programa que o telescópio deles faz parte, o International Scientific Optical Network.

As notícias falavam em “cometa do século”, “tão brilhante quando a Lua”, e coisas assim. Eu imaginava que as pessoas iriam se decepcionar quando a hora chegasse e elas percebessem que a coisa não é bem assim pra quem quer observar a olho nú. Mas a verdade é que as pessoas não lembram de notícias antigas…

Se por um lado o ISON não vai parecer tão brilhante quanto a Lua e a humanidade ainda terá uns 80 anos pra outros cometas do século, por outro, ainda pode ser uma boa oportunidade de ver (ou tentar ver) um cometa. É importante entender as condições que permitem que seja possível (ou não) vê-lo.

O brilho das coisas no céu, vistas da Terra, é medido pela magnitude aparente. Menor o número, mais brilhante o objeto. Os humanos conseguem ver coisas de magnitude aparente menor que 6.

ison_lightcurve

Essa figura aí mostra um gráfico com a magnitude do ISON durante alguns dias. A regra é clara. O cometa está se aproximando do Sol, com isso, o seu brilho aumenta.

Quem olha aqui da Terra vê o cometa se aproximando do Sol, e isso é um problema, porque o brilho do Sol ofusca o brilho do cometa. Sem chances de vê-lo de dia. E aqui um lembrete: você NUNCA deve olhar para o Sol.

A poluição luminosa também afeta muito. Lembra do limite de 6 de magnitude aparente que os humanos conseguem ver? Em cidades esse número diminui. É possível que em regiões centrais de grandes cidades você não consiga ver nada com magnitude maior que 3.

Outra situação que vai dificultar uma possível observação é a altura dele no céu. Ele ficará cada dia mais próximo do Sol, e com isso, cada vez mais próximo do horizonte nos momentos que antecedem o nascer do Sol. Ver coisas próximas do horizonte é um problema por causa de fenômenos como o espalhamento da luz e a extinção atmosférica.

Sabendo das dificuldades, o que você tem que fazer é acordar cedo ou ir dormir tarde. Alguns momentos antes do nascer do Sol é uma boa hora pra tentar ver o ISON, porque o Sol ainda não vai ter nascido e porque o cometa já vai ter ganhado um pouco de altitude no céu.

Olhe pra direção que o Sol nasce. As estrelas da constelação de Virgem e Marte podem ser alguns pontos de referência pra ajudar a encontrar o ISON. Na figura da pra ver onde o cometa estará em relação a esses pontos. Segunda ou Terça ainda podem ser bons dias pra tentar olhar. E dificilmente será possível ver alguma coisa depois do fim da semana.

ison2

Binóculos ajudam bastante. Lunetas e pequenos telescópios também. Se você tem algo melhor que isso, provavelmente já sabe o que fazer. 😉

Boa sorte.

ison

Foto: John Nassr – Stardust Observatory (Lente: N16 f/4.5 Câmera: D7000 iso6400 Exposição: 5 minutos)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 1 comentário

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM