Dados do Debate da Band

Aviso: Esse post é resultado de algo que fiz como divertimento, no meu tempo livre, o que explica a demora e, principalmente, o caráter não científico. Esses dados não tem a intenção de aprovar, desaprovar, apoiar ou criticar qualquer um dos candidatos.

No dia 26 de Agosto os principais candidatos à Presidência do Brasil se reuniram para o primeiro Debate televisivo das Eleições desse ano. Organizado pela Band, com mediação do Jornalista Ricardo Boechat, os seguintes candidatos estiveram presentes:

aecioneves

dilma

eduardojorge

levyfidelix

lucianagenro

marinasilva

pastoreveraldo

O debate, com duração de cerca de quase três horas foi dividido em 6 blocos, com uma pergunta única no começo, uma primeira rodada de perguntas entre os candidatos, uma rodada de perguntas dos jornalistas do Grupo Bandeirantes, mais uma rodada de perguntas entre os candidatos, uma segunda rodada de perguntas dos jornalistas, e finalmente, as considerações finais.

A primeira análise realizada foi a quantidade de palavras dita por cada candidato, e o tempo utilizado durante suas falas. Todas as palavras foram contabilizadas (artigos, preposições, pronomes…), e o tempo começa a contar a partir da primeira palavra dita pelo candidato e é parado no final da última palavra dita pelo candidato naquela fase do debate.

dados_debate_band

Os candidatos considerados principais são mais vezes escolhidos para responder perguntas, o que explica que Aécio Neves (mais palavras), Dilma (maior tempo) e Marina sejam aqueles com maior tempo e palavras usadas. Luciana Genro se destaca como sendo a candidata com melhor média de palavras por segundo, e Levy Fidélix aparece como o candidato que menos participou do debate.

A segunda análise realizada foi contabilizar quais as palavras mais ditas pelos candidatos. Aqui, se excluíram firulas gramaticais como artigos e preposições, por exemplo. Os valores foram normalizados para a mesma escala de tamanho de fonte para todos os candidatos.

m_pal_debate_band

Percebe-se que alguns candidatos realmente utilizaram predominantemente as palavras que o associam ao senso comum, como os “bilhões” do candidato Levy Fidélix, o “capital financeiro” da candidata Luciana Genro, e a “iniciativa privada” do Pastor Everaldo.

Partiremos, então, para a análise de como as palavras se repetem nas falas dos candidatos. Foi usada uma adaptação de modelo de Bag of Words, onde as palavras são vistas como elementos de um vetor. Cria-se um vetor “dicionário” e a partir dele é feito um vetor de palavras para cada candidato. Medindo a distância dos vetores dos candidatos é possível descobrir o quanto o conjunto de palavras usadas por um certo candidato é distante (ou diferente) do conjunto de palavras usado por outro candidato.

Nos gráficos, quanto mais próximos do centro do alvo, mais o candidato tem palavras em comum com o candidato que está no centro do alvo, quanto mais distante, menos palavras em comum. Os resultados foram normalizados para que o candidato mais em comum ficasse, necessariamente, no arco mais próximo e o candidato menos em comum, necessariamente, no arco mais externo.

alvo_aecio alvo_dilma alvo_everaldo alvo_genro alvo_jorge alvo_levy alvo_marina

O fato dessa análise levar em conta apenas a comparação das palavras usadas é interessante para comparar o quanto os candidatos falaram sobre um mesmo assunto, ou o quanto variam em vocabulário, mas pode gerar estranheza nas situações em que candidatos que reconhecidamente possuam divergência sobre um assunto apareçam próximos. Se o candidato A é contra X e o candidato B é a favor de X, o sistema os coloca próximos, já que ambos mencionaram X.

O próximo passo é, então, colocar “pesos” nas comparações das palavras, para que quando A e B digam X, o sistema os coloque mais separados do que próximos.

Mas isso fica para um próximo post, quando analisaremos os dados do Debate na Globo.

Até! 😉

*Infelizmente não pude terminar a tempo as outras analises. Foi mal, galera. 🙁

Seus jogos desbancando os conspiracionistas

as11-40-5868

Pra quem não está familiarizado (existe alguém?) com a Teoria de Conspiração do Falso Pouso do Homem na Lua, essa foto é frequentemente usada para alegar a fraude porque como a Lua não tem atmosfera, segundo os conspiracionistas a luz não se espalharia e não seria possível ver Aldrin na sombra do Módulo Lunar. E, claro, porque não vemos estrelas na foto.

A explicação é a de que a luz do Sol chega até Aldrin pela reflexão com o solo lunar e outros objetos na superfície da Lua. Para as estrelas, a explicação é que devido a luminosidade na Lua, as máquinas precisavam usar um tempo de exposição baixo, o que não permitia detectar a luz das estrelas. Explicações honestas que satisfazem a grande parcela das pessoas sensatas.

Pra quem não está familiarizado (existe alguém?) com as unidades de processamento gráfico, a NVIDIA está lançando a nova geração de placas de vídeo com uma arquitetura de hardware que eles convenientemente chamaram de Maxwell, onde uma das novidades é o suporte para um algoritmo de Iluminação Global.

É complicado modelar a luz. No mundo real um objeto não é somente iluminado diretamente. A luz refletida de outros objetos ao redor também tem algum efeito. E é isso que os modelos de Iluminação Global tentam reproduzir. A promessa é de levar os jogos a uma nova geração de gráficos, graças ao nível de realismo que uma simulação mais precisa dos fenômenos da luz pode trazer.

Iluminação Local (esq.) X Iluminação Global

Iluminação Local (esq.) X Iluminação Global

Para provar o potencial de suas novas unidades gráficas, a NVIDIA resolveu simular a famosa foto do ínicio do post. Como, de fato, a luz se comportaria na Lua, naquela situação.

O cenário lunar foi virtualmente construído, do solo ao Buzz Aldrin nas escadas do módulo. Mas o desafio aqui era utilizar o suporte de iluminação global da placa e não somente recriar o cenário da foto. Pra funcionar era necessário utilizar uma única fonte de luz, simulando o Sol e seu reflexo nos elementos do cenário de forma apropriada. Foi necessário pesquisar os tipos de materiais usados no módulo, o quanto a Lua reflete a luz e até mesmo qual a luminosidade emitida pelo Sol.

O primeiro resultado mostrou que havia luz suficiente em Aldrin para que ele pudesse ser visto, mas ainda não era exatamente como na foto.

Foi então que o pessoal da NVIDIA percebeu que estavam esquecendo de alguém. O fotógrafo oficial do Mar da Tranquilidade, ele mesmo, o primeiro, Neil Armstrong.

Vestindo uma roupa que reflete 80% da luz incidente, Armstrong é praticamente uma segunda fonte de luz. Dez por cento da luz que incide em Aldrin vem do reflexo de Armstrong.

Simulação (esq.) X Realidade

Simulação (esq.) X Realidade

Com o modelo, agora, funcionando, a alegação das estrelas também foi testada. Aumentaram o tempo de exposição da câmera e conforme o que já se esperava: até se vê as estrelas, mas a luminosidade da superfície da Lua fica tão intensa que é possível ver apenas um grande clarão.

A NVIDIA demonstrou a capacidade de seu equipamento, e ainda nos deu mais uma dica de como as coisas aconteceram. Provavelmente nenhum conspiracionista mudará sua opinião por conta disso, mas talvez aprendam sobre o comportamento da luz enquanto estiverem jogando.

Confira com mais detalhes todo o processo no vídeo (em inglês):

Referências:

– http://www.geforce.com/whats-new/articles/maxwells-voxel-global-illumination-technology-introduces-gamers-to-the-next-generation-of-graphics

– http://game24.nvidia.com/maxwell/

Um dos maiores mistérios da humanidade foi solucionado e a resposta é melhor que aquela que todo mundo imaginava

Separando a região dos famosos e a dos casinos, entre a Califórnia e Nevada, está o Death Valley National Park. Além de preservar as espécies do oeste americano também preservava um dos maiores mistérios da humanidade (segundo as listas de “maiores mistérios da humanidade”, da lista de “melhores listas”).

Numa região de 7 km² do Death Valley, chamda de Racetrack Playa, pedras caminham.

deathstones2

O cenário é o seguinte: um lago seco, pedras, e rastros. Nenhuma evidência de interferência de humano ou animal. As pedras se movem sozinhas.

Especularam que as pedras deslizavam sobre pedaços de gelo. Especularam que fossem fortes ventos, e até calcularam qual seria a velocidade necessária pra movimentar as pedras. E, claro, especularam a atividade de seres extraterrestres.

São as especulações que alimentam os mitos, mas também são elas que não deixam sossegar os curiosos.

chapolinpedravenus

No começo do ano, a equipe do pesquisador Chuck Richard Norris conseguiu pela primeira vez na história observar as pedras se movimentando. Spoiler: não são extraterrestres empurrando.

Trivial até para um padre, cada GPS colocado nas pedras foi preparado para automaticamente registrar qualquer movimento. Câmeras em time lapse porque pics or didn’t happen. E uma estação meteorológica, pra cruzar os dados dos movimentos com os dados das condições do local.

Disseram que ele estava na pior seria o experimento mais chato de todos os tempos. Norris esperava ver resultados em 5 ou 10 anos, mas com apenas 2 anos de observação, seu grupo conseguiu ser o primeiro a observar as pedras se movimentando.

Melhor que isso. Eles estavam lá quando aconteceu!

Os dados mostraram que algumas pedras se movimentaram por até 16 minutos e algumas chegaram a percorrer até 65 metros. A velocidade das pedras ficou em torno de 2 a 5 metros por minuto. Bastante difícil de ser percebida sem algum ponto de referência, o que pode explicar porque ninguém havia visto antes.

barrichello

No dia 21 de Dezembro de 2013, perto do meio dia, o barulho do gelo se quebrando tomou conta do ambiente. Richard olhou para Jim, que além de co-autor é seu sobrinho (ou é seu sobrinho além de co-autor…), e disse: “É isso!”

Chove, e um lago com cerca de 10 cm de profundidade se forma. Com a noite fria, uma fina camada de gelo é criada. Na manhã seguinte, o gelo começa a derreter e se quebrar em placas com espessura de poucos milímetros. O vento e o fluxo da água empurram as placas de gelo, eeeee as placas de gelo empurram as pedras, que acabam deixando um rastro no solo úmido. Quando o lago seca, sobram as pedras e, agora não mais misteriosos, rastros.

É interessante notar que a velocidade do vento é inferior a necessária para mover sozinho as pedras, e que a placa de gelo é muito fina para que uma pedras pudesse deslizar sobre ela. É o conjunto de fatores que torna o evento possível, e também raro.

Diferente dos casos de OVNI’s, a sequência de fotos mostra uma das pedras se movendo. Veja:

Link para o artigo aqui, e para o comunicado de imprensa aqui.

pedras

 

 

 

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM