Dados do Debate da Band

Aviso: Esse post é resultado de algo que fiz como divertimento, no meu tempo livre, o que explica a demora e, principalmente, o caráter não científico. Esses dados não tem a intenção de aprovar, desaprovar, apoiar ou criticar qualquer um dos candidatos.

No dia 26 de Agosto os principais candidatos à Presidência do Brasil se reuniram para o primeiro Debate televisivo das Eleições desse ano. Organizado pela Band, com mediação do Jornalista Ricardo Boechat, os seguintes candidatos estiveram presentes:

aecioneves

dilma

eduardojorge

levyfidelix

lucianagenro

marinasilva

pastoreveraldo

O debate, com duração de cerca de quase três horas foi dividido em 6 blocos, com uma pergunta única no começo, uma primeira rodada de perguntas entre os candidatos, uma rodada de perguntas dos jornalistas do Grupo Bandeirantes, mais uma rodada de perguntas entre os candidatos, uma segunda rodada de perguntas dos jornalistas, e finalmente, as considerações finais.

A primeira análise realizada foi a quantidade de palavras dita por cada candidato, e o tempo utilizado durante suas falas. Todas as palavras foram contabilizadas (artigos, preposições, pronomes…), e o tempo começa a contar a partir da primeira palavra dita pelo candidato e é parado no final da última palavra dita pelo candidato naquela fase do debate.

dados_debate_band

Os candidatos considerados principais são mais vezes escolhidos para responder perguntas, o que explica que Aécio Neves (mais palavras), Dilma (maior tempo) e Marina sejam aqueles com maior tempo e palavras usadas. Luciana Genro se destaca como sendo a candidata com melhor média de palavras por segundo, e Levy Fidélix aparece como o candidato que menos participou do debate.

A segunda análise realizada foi contabilizar quais as palavras mais ditas pelos candidatos. Aqui, se excluíram firulas gramaticais como artigos e preposições, por exemplo. Os valores foram normalizados para a mesma escala de tamanho de fonte para todos os candidatos.

m_pal_debate_band

Percebe-se que alguns candidatos realmente utilizaram predominantemente as palavras que o associam ao senso comum, como os “bilhões” do candidato Levy Fidélix, o “capital financeiro” da candidata Luciana Genro, e a “iniciativa privada” do Pastor Everaldo.

Partiremos, então, para a análise de como as palavras se repetem nas falas dos candidatos. Foi usada uma adaptação de modelo de Bag of Words, onde as palavras são vistas como elementos de um vetor. Cria-se um vetor “dicionário” e a partir dele é feito um vetor de palavras para cada candidato. Medindo a distância dos vetores dos candidatos é possível descobrir o quanto o conjunto de palavras usadas por um certo candidato é distante (ou diferente) do conjunto de palavras usado por outro candidato.

Nos gráficos, quanto mais próximos do centro do alvo, mais o candidato tem palavras em comum com o candidato que está no centro do alvo, quanto mais distante, menos palavras em comum. Os resultados foram normalizados para que o candidato mais em comum ficasse, necessariamente, no arco mais próximo e o candidato menos em comum, necessariamente, no arco mais externo.

alvo_aecio alvo_dilma alvo_everaldo alvo_genro alvo_jorge alvo_levy alvo_marina

O fato dessa análise levar em conta apenas a comparação das palavras usadas é interessante para comparar o quanto os candidatos falaram sobre um mesmo assunto, ou o quanto variam em vocabulário, mas pode gerar estranheza nas situações em que candidatos que reconhecidamente possuam divergência sobre um assunto apareçam próximos. Se o candidato A é contra X e o candidato B é a favor de X, o sistema os coloca próximos, já que ambos mencionaram X.

O próximo passo é, então, colocar “pesos” nas comparações das palavras, para que quando A e B digam X, o sistema os coloque mais separados do que próximos.

Mas isso fica para um próximo post, quando analisaremos os dados do Debate na Globo.

Até! 😉

*Infelizmente não pude terminar a tempo as outras analises. Foi mal, galera. 🙁

Tudo que você precisa saber sobre meteoros HOJE

russiameteor

Aparentemente, na madrugada de hoje (horário do Brasil) um meteorito caiu na região de Chelyabinsk, Rússia, cerca de 1500 km distante de Moscou. Há relatos de ferimentos causados principalmente por cacos de vidros das janelas quebradas por causa da onda de choque.

Os registros são impressionantes.

Esse é um tipo de evento em que uma onda de desinformação é uma merda um problema. Então, aqui está uma lista de respostas para perguntas que possivelmente alguém deve estar se fazendo agora.

Ainda há risco?

Para ter relação com o evento russo seria necessário algumas condições, como esse meteorito estar acompanhado de outros fragmentos. A principio não é o que aconteceu. Entretanto, o risco sempre existe.

Vi que um asteroide passará perto da Terra nessa sexta. Tem algo a ver com o meteorito russo?

É possível estimar uma possibilidade de órbita do meteorito russo baseado nas posições que as filmagens mostram. Essa seria um orbita diferente do asteroide próximo da Terra (chamado 2012 DA14). Também há uma diferença de tempo entre o horário do choque do meteorito, com a máxima aproximação do asteroide. Isso são indícios de que um não tem nada a ver com o outro.

Qual a diferença entre asteroide, meteorito e meteoro?

Semântica. Asteroide é uma pedra vagando pelo espaço. Meteoro é o efeito visual causado pelo contato dessa pedra com a atmosfera terrestre, e meteorito é o nome dado para a pedra depois que há o choque com o solo. Tomando o caso russo como exemplo, ele foi as três coisas. Um asteroide que entrou na atmosfera da Terra, foi filmado como meteoro, e agora é um meteorito.

Não são pedras, são aerolitos.

E cometas?

Cometas são parecidos com asteroides, mas compostos basicamente de gelo, o que faz com que ganhem a famosa cauda ao se aproximar do sol.

Qual era o tamanho dessa pedra? Desculpe, aerolito…

Isso ainda precisa ser calculado. Baseado em alguma possível cratera ou mesmo restos do meteorito.

Atualização: As estimativas da NASA são de 17 metros de diâmetro e massa de 10 mil toneladas.

Do que ela é feita?

Não dá pra saber sem ver ele primeiro. Mas asteroides em geral são divididos em grupos de composição, sendo a maior parte do tipo condrito. Rochas de silicatos.

Ataualização: Confirmando as estatísticas, o meteorito russo é do tipo condrito ordinário.

Por que ninguém avisou que ele iria cair?

Asteroides são pequenos. Existem dois problemas para achar esse tipo de objeto. Eles refletem pouca luz e ocupam uma área pequena no céu. Os telescópios que procuram por esse tipo de objeto precisam varrer uma área grande, e isso (por questões de ótica) dificulta ver coisas pequenas que estejam longe.

Mas avisaram do asteroide… 

O asteroide é provavelmente maior que o meteorito russo. Talvez tenha ainda um “golpe de sorte” dele ter passado pela área de varredura de um dos nossos telescópios. Mesmo assim, não faz nem um ano da sua descoberta.

Quem busca esse tipo de coisa?

Existem alguns programas ao redor do mundo que fazem a varredura do céu e mapeiam objetos próximos da Terra. Lincoln Near-Earth Asteroid Research, Catalina Sky Survey e Siding Spring Sky Survey  são os programas de maior sucesso. São números que no total passam da casa dos 200 mil objetos. O Catalina, por exemplo, atinge uma taxa de aproximadamente 500 objetos próximos da Terra por ano.

E o Brasil?

O Brasil também possuí um programa de varredura de asteroides. É o IMPACTON.

Você pode garantir que o asteroide não cairá?

Eu, particularmente, não. Mas os cálculos mostram isso, e podemos confiar neles.

Qual a frequência desse tipo de evento?

Asteroides pequenos caem todos os dias. A atmosfera acaba consumindo eles completamente antes que atinjam o solo. São as chamadas estrelas cadentes.

Asteroides de 4 metros caem em média uma vez por ano. Conforme o tamanho aumenta, mais raro de acontecer. Grandes asteroides muitas vezes associados com eventos de extinção em massa costumam aparecer em intervalos de milhões de anos.

Você pode me falar de algum caso recente?

Um caso recente e interessante é o meteorito 2008 TC3 que caiu no Sudão em 2008. Foi o primeiro que foi rastreado desde a determinação de sua orbita, até o local de queda. Os astrônomos puderam acompanhar seu trajeto passo a passo. Estimado em 80 toneladas e cerca de 5 metros de diâmetro o meteoro se desfragmentou durante a queda, resultando em cerca de 600 pedaços somando algo em torno de 10 kg.

Fragmento do meteorito 2008 TC3

Fragmento do meteorito 2008 TC3

Governos escondem informações a respeito de eventos astronômicos que podem por em risco a população?

Não que eu tenha como saber. Mas a maior parte desses dados são públicos, além de astrônomos amadores ao redor do mundo. Eventos como esses costumam se dividir entre aqueles que não temos como prever e aqueles que não temos como esconder. Governos talvez estejam interessados em saber de um potencial asteroide que destruirá a Terra, mas não penso que essa informação não fosse divulgada por alguém.

Esse evento tem algo a ver com a renúncia do Papa?

Não.

Esse evento tem algo a ver com alguma mensagem divina?

Não.

Esse evento tem algo a ver com Aliens?

Err…

NO

—————–

Para outras dúvidas, usem os comentários. 😉
ATUALIZAÇÃO

Alguns leitores querem saber de onde o asteroide que passará perto da Terra poderá ser visível.

De que lugar do mundo é possível ver o asteroide?

O mapa abaixo mostra (em tons de verde) de onde o asteroide será “visível”. Visível aqui quer dizer que ele estará ‘acima do horizonte’, já que o asteroide não pode ser visto sem auxilio de binóculos ou telescópios.

2012da14vis

Gráfico de autoria de Geert Barentsen.

Fim do Mundo: Aquilo que “Eles” não querem que você saiba

Blogagem coletiva Fim do Mundo

O mundo será destruído para a construção de uma nova via expressa espacial. Isso, todo mundo sabe. Quando vai acontecer (se já não aconteceu) ainda é um pouco duvidoso. Os golfinhos ainda estão por aqui, mas as baleias já estão se preparando.

A destruição total do mundo só é divertida se você tem um amigo de Betelgeuse para lhe ajudar com uma carona. Divertido mesmo, é a destruição parcial do mundo e todas as aventuras da pesada com uma turminha do barulho que só a vida em um ambiente pós apocalíptico pode proporcionar. Documentários como Mad Max e Waterworld estão aí e não me deixam mentir.

Um cenário pós apocalíptico aceitável requer alguns requisitos:

Escala global: Pode parecer óbvio, mas qualquer apocalipse só faz sentido se afetar o mundo inteiro. Se existir alguma região sem o efeito do evento apocalíptico, ou as pessoas afetadas pelo evento fogem, ou recebem ajuda. É importante perceber que eventos biológicos podem começar localmente e então se espalhar até atingir o status de evento apocalíptico, mas o mesmo não acontece com outros tipos de  cenários, como os casos de desastres naturais.

Isolamento: A comunicação precisa ser precária. Os sobreviventes irão se reunir em pequenos grupos. Se for um apocalipse nuclear ou cósmico, provavelmente as pessoas estarão em alguma espécie de bunker. A propósito, se você tem um bunker, muito cuidado com as pessoas que vai escolher para sobreviverem com você. Principalmente, se vocês forem os responsáveis por repovoar a Terra depois do fim do mundo. Fica a Dica.

Risco constante: Um cenário pós apocalíptico é chamado assim por um único motivo. O Apocalipse já aconteceu e mais cedo o mais tarde será o fim para o seu grupo de sobreviventes também. O grupo precisa estar constantemente em risco, seja pelo perigo direto gerado pelo apocalipse, seja pelos seus efeitos colaterais, ou ainda, por motivos externos, como o combate com outros grupos de sobreviventes em busca de recursos, e o mais importante de todos, um tirano querendo dominar todos os sobreviventes.

Dois Homens entram, um Homem sai...

No meio de toda a escatologia em torno de 2012, há um grupo de pessoas que trabalham todos os dias para garantir que o nosso mundo pós apocalíptico terá todas as fases aqui descritas. Eles fazem parte das Sociedades Secretas. Aquelas que de tão secretas, todo mundo conhece. Eles.

Apocalipse Conspiracionista para 2012 [risada maléfica]

Como toda boa conspiração, as informações devem ser ocultadas das pessoas comuns. É por isso que ninguém jamais viu Nibiru. Um planeta gigantesco (quatro vezes maior que Júpiter, dizem alguns), habitado, que vai passar próximo da Terra em 2012 (se chocar, dizem alguns), já deveria estar sendo visto há muito tempo. Pior, teria efeitos seus efeitos gravitacionais percebidos por qualquer Astrônomo. O fato de não existir qualquer evidência da presença de Nibiru, a ponto de se considera-lo inexistente, só prova uma coisa: As Sociedades Secretas são muito boas em esconder as coisas.

Um Filósofo um dia disse: “Se fosse para mandar um idiota fazer, eu mesmo teria feito”. Por que esperar o Fim do Mundo vir de fora, se você mesmo pode causa-lo? É exatamente por isso que foi criado a Incrível Máquina do Fim do Mundo. A mais terrível Doomsday Machine desde que os projetos originais foram roubados do Nikola Tesla. Disfarçada de experimento científico, (péssimo disfarce, todo mundo sabe que cientista é evil por natureza) e não estou falando do LHC, mas do perigoso HAARP.

Uma série de antenas, supostamente usadas para o estudo da ionosfera terrestre, mas que na verdade servem para controlar o clima e causar terremotos. É tão bem construída, que causa enchentes em lugares onde sempre houve enchentes e terremotos em lugares onde sempre houve terremotos. Estatisticamente não faz diferença nenhuma a existência da máquina. Tampouco existe algum fundamento na alegação de que a potência ou frequência em que as antenas operam poderiam causar os terremotos. Perfeito, dessa forma, nunca será possível ligar os eventos catastróficos aos verdadeiros criadores e o segredo está mantido seguro mais uma vez.

Eles sempre pensam em tudo. É tranquilizador saber que o Fim do Mundo está em boas mãos.

Terrível máquina do Fim do Mundo

E se por acaso o mundo não acabar em 2012, não entre em pânico. Outras datas de fim de mundo já estão previstas para você aproveitar.

Em 2060, o Fim do Mundo previsto por Isaac Newton. Alguns anos antes, em 2036 o asteroide 99942 Apophis passará próximo da Terra, o quanto próximo, ou o quanto perigoso, ainda é discutível, mas o nome não engana, 999 é 666 ao contrário e 42, bom, é 42 e não preciso dizer mais nada.

Especial – Conspirações do 11 de Setembro – WTC

 

No ultimo artigo da Série Especial sobre as Conspirações envolvendo os Atentados de 11 de Setembro, vamos tratar do mais impressionante acontecimento daquela Terça.

Milhares de pessoas ao redor do mundo assistiram ao vivo o choque do segundo avião, e a queda das torres.

Deixamos o no plane de lado, e vamos analisar as principais alegações conspiracionistas.

Todo o raciocínio de conspiração está baseado na ideia de que as Torres foram implodidas, e que o choque não dos aviões, e suas consequências, não seriam suficientes para derrubá-las.

O NIST (The National Institute of Standards and Technology) realizou um aprofundado estudo sobre as causas do desabamento dos três prédios do complexo do WTC. Nesse estudo é explicado que o impacto dos aviões retirou a camada de proteção das vigas de aço, deixando-as exposta aos calor do incêndio. O aço perdeu sua capacidade de resistência, e os andares inferiores não conseguiram suportar a carga dos andares superiores. [1]

Por mais que os conspiracionistas tentem afirmar o contrário, a queda das torres não possuí características de demolição controlada.

Em demolições controladas costuma-se demolir as colunas de sustentação principais para que a gravidade faça o resto do trabalho. Vemos a construção caindo como um todo, a partir da parte de baixo. No WTC, a queda acontece no ponto de impacto dos aviões. [2][3]

Há ainda o fato de não se escutar qualquer barulho de explosivos, algo totalmente contrário ao cenário de uma implosão.

Outra alegação de evidência de explosivos usada pelos conspiracionistas são os “jatos” vistos saindo pelas janelas do WTC no momento da queda. Mas que nada mais são do que ar sendo jogado para fora quando o andar de cima cai sobre o andar de baixo. [4]

Sabendo que ainda há muito assunto para ser discutido, encerro aqui essa série de postagens especiais sobre as Conspirações envolvendo os Atentados de 11 de Setembro. Os canais de contato estão abertos para aqueles que desejarem realizar seus comentários, e em breve pretendo escrever outros artigos sobre essa e outras conspirações.

—————————–
Referências:

1- http://www.nist.gov/el/disasterstudies/wtc/
2- http://projetoockham.org/figuras/911/torresul.jpg
3- http://projetoockham.org/historia_911_3.html
4- http://www.popularmechanics.com/technology/military/news/debunking-911-myths-world-trade-center

Especial – Conspirações do 11 de Setembro – Voo 93

 

Único dos quatro aviões sequestrados em 11 de Setembro que não atingiu seu alvo (provavelmente o Capitólio, em Washington). Ás Dez horas e três minutos,  em Somerset County, próximo de Shanksville, Pennsylvania, o Boeing 757 da United Airlines mergulhou violentamente contra o solo.

A vasta documentação a respeito desse voo (como as ligações telefônicas dos passageiros e as conversas dos terroristas na cabine), mostrando a iniciativa dos passageiros em enfrentar os terroristas que haviam sequestrado a aeronave, rendeu duas obras cinematográficas. [1][2]

Mas para os conspiracionistas, esse voo não existiu.

Assim como no caso do Pentágono, a principal corrente conspiracionista defende a ideia “no plane” para o voo 93, ou seja, nenhum avião foi sequestrado ou mesmo jogado contra o solo naquele 11 de Setembro.

As alegações de que não há  destroços do avião é logo refutada no momento em que os destroços do avião é apresentado. [3][4][5][6]

Outra alegação conspiracionista está nas ligações telefônicas dos passageiros. A conspiração dita que não é possível realizar ligações através de telefones celulares a partir de aeronaves, entretanto ignora o fato de que essas ligações foram realizadas a partir dos aparelhos do próprio avião, também conhecidos como Air Phones. [7]

Há ainda uma outra versão conspiratória que afirma que o avião foi derrubado pelo Governo dos Estados Unidos da América com a intenção de impedir que o avião atingisse seu alvo. Mas isso não será abordado por essa série.

No próximo post: O WTC foi implodido?
——————-
Referências:
1- http://en.wikipedia.org/wiki/United_93_(film)
2- http://en.wikipedia.org/wiki/Flight_93_(TV_film)
3- http://www.vaed.uscourts.gov/notablecases/moussaoui/exhibits/prosecution/P200060.html
4- http://www.vaed.uscourts.gov/notablecases/moussaoui/exhibits/prosecution/P200061.html
5- http://www.vaed.uscourts.gov/notablecases/moussaoui/exhibits/prosecution/P200063.html
6- http://www.vaed.uscourts.gov/notablecases/moussaoui/exhibits/prosecution/P200066.html
7- http://www.911myths.com/images/f/f8/Moussaoui_Trial_Transcript_April_11_2006.pdf p.77

Especial – Conspirações do 11 de Setembro – Pentágono

 

Cerca de meia hora após a decolagem do voo 77 da American Airlines, na manhã do dia 11 de Setembro de 2001,  Hani Hanjour toma o controle da aeronave e a conduz para o choque fatal contra uma das laterais do complexo militar americano conhecido como Pentágono.

Para algumas pessoas, isso nunca aconteceu.
“No plane” é o nome usado para designar as teorias conspiratórias do 11 de Setembro que envolvem a ideia de que o Boeing 757 não se chocou contra o Pentágono. As alternativas utilizadas pelos conspiracionistas incluem um avião menor, um míssil, ou até mesmo apenas explosivos plantados no local.
A teoria conspiratória “no plane” foi amplamente difundida pelo famoso vídeo Pentagon Strike[1] feito por Darren Williams e produzido pela Sings o the Times[2]. As alegações contidas nesse vídeo são reproduzidas até hoje pelos conspiracionistas, embora o vídeo contenha uma série de mentiras ou informações incoerentes.
Vamos ver algumas delas.
A principal alegação: “não há qualquer vestígio de um Boeing na cena do suposto ataque”.
Essa é uma alegação simplesmente mentirosa.
Vários destroços compatíveis com um Boeing 757 são vistos nas imagens de momentos após o ataque, incluindo partes do trem de pouso[3] e do motor[4].
Allyn E. Kilsheimer foi o primeiro Engenheiro a chegar ao local, e declarou com total convicção estar diante de um acidente com uma aeronave, descrevendo não somente ter visto os destroços do avião, como também os restos mortais dos tripulantes[5].
Imagens oficiais dos destroços do avião também foram exibidas durante o julgamento de Zacarias Moussaoui  (condenado pelo 11 de Setembro), e estão disponíveis publicamente para consulta.[6]
Outra alegação muito comum, é a de que “o FBI confiscou imagens de estabelecimentos próximos que confirmariam a inexistência do avião.
Essa alegação já foi quase verdade.
Na época do surgimento do Pentagon Strike, de fato os vídeos referentes às câmeras de dois estabelecimentos próximos ao Pentágono (um posto de gasolina e um hotel), estavam sob posse do FBI. Porém em 2006, através do FOIA (do Inglês, Ato de Liberdade de Informação) a organização Judicial Watch conseguiu que os vídeos fossem publicamente divulgados[7]. Entretanto, as imagens dos vídeos são compatíveis com a versão do voo 77 da American Airlines se chocando contra o Pentágono.
No próximo post:  UA 93, da conspiração ao cinema.
————————————-
Referências:

Especial – Conspirações do 11 de Setembro

 

Em 11 de Setembro de 2001, uma organização terrorista sequestrou quatro aviões em solo americano. Dois deles foram jogados contra as Torres Gêmeas do Wolrd Trade Center em Nova York. Outro foi jogado contra o Pentágono, em Washington. O último, caiu nos arredores de Shanksville, sem atingir seu alvo original.

Dez anos mais tarde, essa ainda é a história que todos conhecemos. Mas ela não é unanime.

Conspirar é preciso[1]. Não é impossível pensar que mesmo alguém próximo do “Ground Zero” no dia 11 de Setembro de 2001 chegou a pensar que tudo aquilo não passava de um “trabalho interno”. Talvez, até você tenha pensado…

Os grupos de conspiracionistas a cerca do 11 de Setembro começaram a se organizar. “Pentagon Strike”[2] (Um vídeo de alguns minutos que continha algumas alegações de que o choque de um avião contra o Pentágono era uma mentira, e que na verdade, um míssil havia atingido o complexo militar dos Estados Unidos) foi, em 2002, o primeiro contato que eu tive com a Teoria de Conspiração. Ele teve uma boa repercussão na Internet, e por esses fatores, é considerado por mim como o marco do surgimento oficial da “Teoria de Conspiração do 11 de Setembro”.

Desde então, os grupos conspirarionistas ganharam corpo. Associações de pilotos, engenheiros e arquitetos foram criadas. Diversos documentários lançados explorando o tema. Livros e revistas. O “Truth Movement”[3] reúne hoje algumas dessas associações tornando a atividade conspiracionista não apenas uma “busca pela verdade”, mas também um grande negócio.

Na semana em que os Atentados de 11 de Setembro completam uma década, vamos explorar os principais argumentos conspiracionistas em uma série de postagens, conforme os acontecimentos daquela manhã de Terça-Feira. Teria um míssil atingido o Pentágono? As torres foram implodidas por explosivos plantados dias antes? O avião que caiu na Pensilvânia nunca existiu?

Essas e outras perguntas começa a ser respondidas a partir do próximo post da série, que irá tratar do ataque ao Pentágono.

Até lá.

1- http://www.ceticismoaberto.com/fortianismo/6282/teorias-de-conspirao-so-naturais
2- http://www.pentagonstrike.co.uk/
3- http://www.911truth.org/

————————————–
Links para as postagens da série:

Conspirações do 11 de Setembro – Pentágono
Conspirações do 11 de Setembro – Voo 93
Conspirações do 11 de Setembro – WTC

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM