Os Pastorzinhos e o Código de Ética: um a(u)to de homofobia

Os digníssimos deputados federais João Campos (Pastor, Delegado de Polícia, Técnico Contábil e presidente da Frente Parlamentar Evangélica) e Roberto de Lucena (Conferencista, Escritor, Pastor Evangélico e relator da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados) resolveram que, além de suas habilidades como legisladores, eles agora também têm estatura moral e repertório científico suficientes para legislar sobre a Ciência e a profissão dos outros. No caso, a minha. Então, segura Berenice…

Resumindo a ópera (ou, o Auto de Natal), os dois pastores apresentaram um projeto de decreto legislativo que “susta a aplicação do que estabelece normas de atuação para os psicólogos em relação à questão da orientação sexual.” Ou seja, eles pretendem tornar inválida a resolução do Conselho Federal de Psicologia que estabelece normas de atuação para os psicólogos sobre questões que envolvem a orientação sexual dos seus clientes. O nosso Código de Ética diz que:

RESOLUÇÃO CFP N° 001/99 DE 22 DE MARÇO DE 1999:

Art. 3° – Os psicólogos não exercerão qualquer ação que favoreça a patologização de comportamentos ou práticas homoeróticas, nem adotarão ação coercitiva tendente a orientar homossexuais para tratamentos não solicitados.

Parágrafo único – Os psicólogos não colaborarão com eventos e serviços que proponham tratamento e cura das homossexualidades.

Art. 4° – Os psicólogos não se pronunciarão, nem participarão de pronunciamentos públicos, nos meios de comunicação de massa, de modo a reforçar os preconceitos sociais existentes em relação aos homossexuais como portadores de qualquer desordem psíquica.

 

Vai daí que, para qualquer leitor com um mínimo de boa vontade em interpretação de texto, em nenhum momento o CFP proíbe o psicólogo de intervir clinicamente se um cliente o procura porque não aceita ser gay, ou porque está em crise ou em sofrimento por algum motivo ligado à sua orientação sexual. O que o Conselho (e a APA, e a OMS) proíbem é que se dê status de doença e de transtorno mental a uma condição sexual normal do ser humano.

Entre outras atrocidades cometidas ao longo do texto dos pastorzinhos tanto contra o bom senso quanto contra as evidências científicas e as técnicas psicológicas (a definição deles de orientação sexual egodistônica é uma fofura), os legisladores-em-causa-própria gastaram várias páginas para defender o indefensável baseados em premissas completamente falsas. Por exemplo:

“O Conselho Federal de Psicologia, no intuito de se posicionar contra
uma visão da atração sexual por pessoas do mesmo sexo enquanto uma patologia, extrapolou seus poderes.”

 

O projeto TODO é baseado nesse argumento. Que está errado em vários sentidos. Primeiro, não é o CFP que se posiciona contra a patologização da homossexualidade, é a OMS. O Conselho segue a OMS, assim como todo o sistema de saúde pública do país. Depois, o CFP tem poderes de regular a profissão, e se resolverem que de hoje em diante todos os psicólogos têm que usar uma melancia no pescoço enquanto estiverem no exercício da profissão de psicólogo, eles têm esse poder e todo mundo vai ter que providenciar a melancia se quiser se identificar como “Psicólogo”.

O CFP não impede que ninguém seja imbecil, se o cara quiser ir na Igreja ou no Country Clube fazer palestra sobre como os gays vão queimar no inferno e/ou sobre como o casamento gay vai manchar a sagrada instituição da família e destruir as bases da sociedade civilizada, esse fulano pode fazer isso à vontade (infelizmente, no Brasil homofobia não é crime tipificado). O que ele NÃO pode fazer é usar o título de psicólogo para avalizar essas asneiras. Os profissionais de Psicologia deveriam saber (é, eu sei… eu sei…) a diferença entre suas convicções pessoais e aquilo que sua ciência estabelece, entre o que é opinião e o que é baseado em evidência.

Mais um, como bem lembrou a Pri Grisante, a queixa do cliente pode ser “eu não quero ser homossexual”, mas o trabalho do psicólogo é descobrir POR QUE o sujeito está em sofrimento e em que sua orientação sexual contribui para esse quadro. Não precisa nem ser um gênio pra descobrir isso… A intervenção deveria ser no sentido de aumentar o repertório do cliente para lidar com o ambiente aversivo, coisa que ele não só pode como deve ser capaz de fazer, e NÃO intervir para “mudar” a orientação sexual do cara, mesmo porque já está muito evidente que essa orientação, uma vez estabelecida, não vai mudar. Qual o problema em enxergar o óbvio? Oh, wait…

Há vários outros pontos do projeto que são facilmente rebatidos, mas essa gente me dá uma preguiça. Leia o texto dos pastores na íntegra e tire suas próprias conclusões. Sério, vale a pena, é uma obra de arte. Só que não.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 18 comentários

  1. Dei-me o trabalho de ler o texto dos pastores. Chega a ser cômico como tentam manipular o discurso e induzir ao erro, mas falham terrivelmente.
    O Deputado Roberto de Lucena perde muito tempo elogiando o autor do projeto e insiste em apontar “erros” do CFP que em nada se referem ao projeto.
    Só faltou dizer que o CFP se recusou a participar do debate por invejinha/recalque/despeito.

  2. André Canuto disse:

    Fico com a opinião dos “Pastorzinhos”, porque tem fundamento Bíblico, que a palavra de Deus escrita para dirigir a vida humana, e está acima de tudo e de todas as opiniões falhas que vem da mente e da ciência humana!
    Deus ama tanto os gays e derivados deste século, que se fosse noutros tempos assim como em Sodoma e Gomorra, ele já teria queimado todos!

    • Aninha Arantes disse:

      E eu fico com a “opinião” de que “fundamento Bíblico” é para quem acredita nisso, na esfera pessoal e doméstica. Não estamos numa teocracia, e opiniões religiosas não devem ser impostas na esfera pública.

      (Além, é claro, do óbvio absurdo da crença em uma “palavra” de Deus.)

    • Claudio disse:

      Tenho certeza André Canuto que Deus me ama incondicionalmente, assim também como eu o amo!
      Minha vida é abençoada! Tenho um ótimo trabalho que me proporciona uma renda muito boa e posso viver dignamente, tenho um companheiro que me ama e junto somos muito felizes – muito mais do que alguns casais heteros que tenho visto, inclusive na minha Igreja – minha vida é pautada no respeito, dignidade, amor ao próximo, compreensão – inclusive para ler atrocidades como essa que você escreveu – ou seja, uma vida realmente correta. Tenho certeza de que se Deus não me amasse eu não teria uma vida tão abençoada assim, não acha? E a sua vida? Como hetero e por tanto muito mais amado por Deus do que eu, deve ser muito melhor que a minha não???

  3. Felipe Mendes disse:

    Olha, realmente esse texto induz ao erro; como forma de aderência a uma tese que é rebatida por si só pelo conselho de psicologia. O que os pastores querem é uma forma falsa de camuflar “justiça” e liberdade de expressão por outra, que é a patologia da homossexualidade, amplamente negada tanto pela OMS como pelo CFP. Enoja ver conservadores rebatendo de uma forma rasteira como essa. Mas o mais importante está ai, q é a democracia. Temas devem ser discutido e analisados sim, por mais absurdos q sejam.

    • Vanderson disse:

      A questão é que o gay pode chegar no consultório para ser ajudado a ser gay, mas se quiser chegar la para deixar seus comportamentos feminados o psicologo se recusará ou fugirá da responsabilidade. Pq tudo agora é homofobia

      • Aninha Arantes disse:

        Caro Vanderson,

        Como você deve ter LIDO O TEXTO INTEIRO, e não só o título, eu sugiro que:

        Let’s do the Time Warp again
        It’s just a jump to the left!
        And then a step to the right!
        With your hand on your hips!

        You bring your knees in tight
        But it’s the pelvic thrust
        They really drive you insane!
        Let’s do the Time Warp again…

        Aheim. Lá pelo penúltimo parágrafo está claramente afirmado que: “…o trabalho do psicólogo é descobrir POR QUÊ o sujeito está em sofrimento e em que sua orientação sexual contribui para esse quadro.”

        Pense assim, se uma mulher chega no consultório de um cirurgião plástico e pede que o médico lhe coloque próteses de silicone de 2L em cada seio, o cirurgião tem a obrigação ética de se recusar a fazer o trabalho. Porque ele sabe que há inúmeras contra-indicações e efeitos colaterais, e não porque quer “fugir da responsabilidade”. Há médicos que irão fazer o serviço? Sim. Mas nesse caso, o médico será considerado anti-ético, anti-profissional e incompetente. O mesmo raciocínio deve ser aplicado a um psicólogo que escolhe, apesar de todo o corpo científico da sua área apontar na direção oposta, tentar “curar a homossexualidade”.

  4. JCCabral disse:

    Muito bom o texto. Parabéns!

  5. Ana,

    Boa noite. A OMS age por pressão política. Não há como negar isso. Há uma presença dominante de gays e simpatizantes de gays, no mundo acadêmico ( sobretudo científico ) e jornalístico e claro, na psicologia, ciências humanas e isso reflete no mundo político, onde tudo se viabiliza. Vai me dizer que o clima pós 68 nada tem a ver com isso ? Ou simplesmente a partir da “era de aquário” a humanidade abriu os olhos, queimou soutiens, rasgou Bíblias e agora sim, encontrou a verdade e definiu novos dogmas ? Ora, temos uns 10% ou 20% de ativistas, mais ou menos identificados com essa “modernidade” liberal e outro tanto de uns 10% ou 20% daqueles chamados “conservadores”, que os modernos sabem “são caso perdido”, por que eles sabem se fundamentar. Sobram de 60% a 80% na zona da pasmaceira, que concordam com tudo e com nada ao mesmo tempo ( sim, exatamente assim ), mas que na prática, engordam as fileiras dos modernos, pois é fácil de engolir o discurso pós 68, ainda que nem saibam do que se trata. A Rede Globo com suas novelas porcas, faz bem feito a sua parte. O mau gosto pela leitura ( ou a ausência dela ) e por filmes de péssima qualidade, reforça a falta de senso critico nas horas vagas. As campanhas “educativas” de ONGS s e governos a partir dos anos 90, dão um tom oficial e uma pressão de natureza jurídica. Agora, a educação nas escolas são um desfecho macabro e bestial. Evidentemente a OMS, tem para você, mais autoridade que o Vaticano, não é? E se OMS contasse nos seus quadros com gente independente ? Ah esqueci ! “beatos de sacristia”, não são independentes na sua opinião….Tem que ter respaldo cientifico…E os mais 24 prêmios nobel do Vaticano ? . Por acaso você conhece o LEXICON, do Pontifício conselho para a Família ? nesse longo estudo, a sexualidade e o movimento feminista é exaustivamente tratado por….cientistas…Se você me disse que esse trabalho não tem autoridade nem independência, eu digo que A OMS é que não tem, pois ela a OMS, é que é refém de grupos ativistas gays e feministas, pois os governos que a mantém, igualmente o são. UMA PESSOA TOTALMENTE ALHEIA a essa discussão, diria então: então fica no ZERO A ZERO. Ou fica refém dos religiosos, ou fica refém dos gays e feministas !!!! Essa é uma posição quase que sensata…mas eu ofereço um desempate : O homossexualismo não tem respaldo com a natureza humana. Se vamos chamar isso de doença ou ou descaminho, ou escândalo, ou pecado, ou possessão, podemos discutir depois…mas dizer que é algo normal, é tapar o sol com a peneira.

    Abraços

    Eduardo

    • Aninha Arantes disse:

      “Há uma presença dominante de gays e simpatizantes de gays,(sic) no mundo acadêmico ( sobretudo científico ) e jornalístico…” ==> Quanto maior o grau de escolaridade mais os meios tendem a ser tolerantes com as diversidades. É de se pensar, né?

      “Evidentemente a OMS, tem para você, mais autoridade que o Vaticano, não é?” ==> Taí um cidadão que sabe ler e entender um texto!!! Oh, wait…

      “O homossexualismo (sic) não tem respaldo com a natureza humana. Se vamos chamar isso de doença ou ou descaminho, ou escândalo, ou pecado, ou possessão, podemos discutir depois…mas dizer que é algo normal, é tapar o sol com a peneira.” ==> 1.) HomossexualiDADE, obrigada; e 2.) ah, filhinho… vai te catá. Estuda um pouco. Nem dói, eu prometo. Aí quem sabe se você aumentar o seu grau de escolaridade você passe a ser mais tolerante.

      • Você me rebateu com frases de efeito. Não fundamentou nada e me pede para estudar mais. Eu te peço. Pense: não dói nada. Não é intolerância. É BIOLOGIA. E mais: Há uma parcela gigantesca de acadêmicos seja na biologia, seja nas humanidades, inclusive psicologia, que vê imensos furos no seu discurso que é feito de frases prontas. Ocorre que a banda marxista, feminista, gay detém o poder político. Só isso. assim, sendo, um acadêmico de qualquer área se não reza a cartilha do marxismo cultural, tem maior dificuldade de projeção. Como isso ocorreu, falarei depois…MAS É UMA FALÁCIA AFIRMAR QUE QUANTO MAIS ESTUDO, MENOS CATÓLICO. O colunista ateu Hélio Shwartzman da Folha de São Paulo, afirmou um dia, que se surpreende com o número de gente inteligente e sensata que acredita nos ensinamentos religiosos. Segura essa…ou esse ateu perdeu pontos com você ? Os seus argumentos são fracos. São uma tentativa flácida e gelatinosa de aparar com frases de efeitos, maquiada de intelectualidade, que não passa de desculpa para justificar intintos desordenados e anti-naturais…

    • RL Barros disse:

      Ok, ok, ok… Eu li isso mesmo? Depois de amados, adorados e inspiradores minutos lendo o post que deu inicio a essa discussão AQUI eu realmente LI ISSO?! Estou chocada. Acabei de transformar meus 7 minutos felizes do dia em anos de desgraças para as minhas córneas… Ok, dramatizei. Mas é por aí.
      Eu não tenho costume de responder coisas como isso que você chama de comentário/resposta ou o que quer que você chame, porque normalmente não me revolta tanto, eu só penso: Ele vai crescer mentalmente e se tornar alguém decente e ver que está errado por conta própria, humilhação na internet NÃO sera necessária… Mas teve um pedaço (Sim, foi só um pedaço) que eu ri bastante e tive vontade de comentar… Segue ele:
      “A Rede Globo com suas novelas porcas, faz bem feito a sua parte. O mau gosto pela leitura ( ou a ausência dela ) e por filmes de péssima qualidade, reforça a falta de senso critico nas horas vagas.” ► First of all, eu não assisto Rede Globo, eu mal ligo a televisão, eu diria que mal gosto de produções brasileiras. O filme pode ser um espetáculo eu. Não. Gosto. Se tiver passando qualquer produção brasileira eu mudo de canal, e são RARAS, muito RARAS as exceções.
      Ok, next: MAU GOSTO PELA LEITURA? OU ainda a AUSÊNCIA?! Me sinto ofendida, totalmente, eu leio pelo menos 2 livros por mês, recentemente nem tanto, mas aí se for explicar porque entrarei em detalhes particulares que não lhe dizem respeito, ou à internet. E antes que diga que tenho mau gosto por leitura, mesmo lendo muito, pelo menos um dos dois a cada mês tem uma recomendação, uma boa crítica e coisas relacionadas…
      NEXT: Filmes… De… Péssima qualidade?! Eu não assisto filmes nacionais (Como já citei acima), então as chances diminuem drasticamente, e só preciso de um exemplo para deixar claro que não, eu NÃO, assisto filmes de péssima qualidade: Elena Undone (Sim eu acabo de lhe falar um nome de um filme sobre romance lésbico, bite me)
      que por acaso é melhor que muitos dos filmes mal feitos e sempre iguais onde a partir do começo você já sabe o que vai acontecer. Chega um momento até que parece que o que acontece no final não vai acontecer… E eu fiquei tipo WHAT THE FUCK, HOW NOT?! Ok, minha crítica de filme não lhe diz respeito. NEXT!
      Falta de senso crítico… Falta… Se eu não tivesse senso crítico eu não estaria criticando sua postagem (yeah, suck it bitch), se eu não tivesse senso crítico provavelmente nem teria lido essa postagem e a anterior que me trouxe até essa postagem (Falando nisso parabéns por ter dado um tapa na Globo sobre autismo, apesar de eu não saber de qual novela é a personagem), eu simplesmente teria ignorado MAIS uma compartilhada no Face enquanto navegava pela internet morrendo de tédio… Yeah, yeah… Acho que é isso… E eu querendo fazer algo pequeno.
      Então, continue aí, não suba os finos pelos dos coelhos para tentar entender e se encantar com o mundo, continue ai confortável, enquanto pessoas como nós subimos e tentamos lhe contar a verdade sobre o que há na ponta dos pelos (E eu acabei de falar algo sobre um livro muito bom). Agora excuse me, eu vou fazer algo que acrescente algo culturalmente e que possuam pessoas com mais… Cultura que você… (E eu até pensei em citar

      Parabéns Ana pelos dois posts (Esse e o sobre autismo) muito bem feitos, eu poderia ficar lendo por dias e até compartilharia no Face, mas não estou no meu agora e também não gosto de ficar compartilhando ou curtindo páginas, quando quero que alguém veja eu envio para ele/ela por inbox (E eu farei isso para suas duas postagens com pessoas que sei que se interessarão, ou que precisam ler o que escreveu). Beijos e… Keep going like that, you will win the world.

      • RL Barros…foi uma postagem e não um ensaio, ok ? Teria sido melhor escrever : leituras de mal gosto : No passado: Sidney Sheldon e assemelhados, hoje: Paulo Coelho, Leonardo Boff. “Cinquenta tons de cinza” é só a cereja do bolo. Ah…mas existe a leitura de “alto nível”, que deforma as consciências, como Saramago. Você não vê filmes de “baixa qualidade”, tenho certeza de que está dizendo a verdade, mas como riu de mim, deve tentar me argumentar assim: “…..não vejo novelas, nem big brother, nem livros descartáveis ou filmes idem, e mesmo assim, não penso como você…” Mas RL Barros: esse “produto cultural”, não foi feito para você, e sim, paras os 60 a 80% da “zona da pasmaceira”. Quem são aquelas pessoas que mesmo não entendendo muito o que você está falando, achou digerível, caiu bem no estômago. O “mainstream” jornalistico/acadêmico/cultural, tem um discurso e um lexico para cada segmento. Você não está me humilhando de forma alguma e tenho certeza que não deseja isso, nem eu para você, mas do outro lado da pasmaceira, ( que também não é o seu território ) existem famílias, homens e mulheres, crianças e jovens, muito bem formados, inteligentes e felizes e antes que você diga “preconceituosos”, eu lhe respondo: Há gente que não tem preconceito nenhum, por absoluta falta de conceitos. Mas se não têm conceito, vão se basear em quê? Em ideologia. Na verdade, aqueles que vão na televisão dizer “odeio preconceito”, são os verdadeiros preconceituosos, porque nada tem além de ideias prontas…

  6. Rafael disse:

    Eduardo Pereira, boa noite.

    Vou tratar aqui de dois pontos do seu comentário que eu desconfio que estejam enganados.

    O primeiro, sobre a OMS: “A OMS age por pressão política. Não há como negar isso. Há uma presença dominante de gays e simpatizantes de gays, no mundo acadêmico” => Desculpe, mas eu não concordo. É bem verdade que o ambiente acadêmico tornou-se altamente tolerante com homossexuais, mas dizer que é dominado por gays é um absurdo. Como isso poderia ser? Por acaso eles só admitem que gays lecionem? Ou por acaso gays são mais bem instruídos e por isso só eles se tornam professores? Ora, por favor, isso é um disparate. E pare de usar de argumentos de autoridade, afinal o seu tão odiado Saramago também foi Prêmio Nobel e não vejo você batendo palmas para sua literatura. Agora vai me dizer que o Prêmio Nobel também é político? De repente todos os prêmios do Vaticano perderam o valor… Enfim, isso é contar centavos. O que quero dizer é que seus argumentos parecem tentar tecer uma ‘rede de conspiração internacional’ de gays e simpatizantes, tudo para não encarar a dura realidade, minorias que finalmente estão conseguindo reconhecimento e respeito de instituições internacionais, e deixando de serem marginalizadas e segregadas como sempre foram. Quero que preste atenção, gays são uma minoria historicamente discriminada. Assim como são negros, mulheres, indígenas, etc. Foram, durante séculos, assassinados, executados, esfolados e mortos aos milhares. Com o avanço tecnológico e intelectual finalmente a humanidade está se dando conta de seus erros, e tentado reparar alguns deles. É por isso que comunidades e ONG’s dão tanta força e apoio para esses segmentos da sociedade. Assim como o fazem para países pobres ou que sofreram catástrofes. Precisam de ajuda, e quem precisa de ajuda meu caro, não está em condições de mandar em nada.

    ‘refém de grupos ativistas gays e feministas’ – Caro Eduardo, realmente espero que você tenha a compreensão do porque essa frase não poderia ser mais equivocada ao meu ver. Quantas pessoas são mortas por serem heterossexuais? Quantos homens são vítimas de estupro e violência doméstica? Quantos grupos negros de perseguição a brancos por ‘pureza racial’ já existiram? Esses dados não existem por pura falta de relevância estatística ou porque eu só sei de tudo isso porque o sistema educacional, político e midiático são corruptos e tudo o que eu sei é uma mentira? Conseguem entender o porque para mim isso parece ‘teoria da conspiração Iluminati’?

    O segundo ponto que eu desconfio que esteja enganado: “O homossexualismo não tem respaldo com a natureza humana. (…)mas dizer que é algo normal, é tapar o sol com a peneira.”

    Fico muito feliz que não precisemos entrar na esfera da tão citada biologia e eu tenho que procurar novamente da internet os milhares de exemplares de outras espécimes que mantém relações homoafetivas duradouras, sem contar plantas, que mantém hábitos sexuais muito singulares. Enfim, vamos a esfera Humana. Não vou relativizar com o famoso “Afinal, o que é ser normal?”, quero buscar o seu argumento. Você acredita que os gays se tornam gays? Ou eles nascem assim? Sigo pelo pressuposto que você acredita que eles se tornem, ok? Vou por este caminho porque é o estereótipo conservador. Mas então, porque existem casos de gêmeos idênticos, com criações bastante similares, em que um é gay e o outro não? Um já nasceu com o “mal” dentro de si? Então o seu argumento é moral? Ou religioso? Se o seu argumento é religioso, você acredita que isso deveria ser levado ao âmbito político, em um ambiente altamente multicultural e religioso?

    Sim eu sei, gosto mais de perguntas do que de respostas.
    Mas não suporto “teorias da conspiração”. Por favor, como se não houvessem Nobels na OMS…

    Att,

    Rafael

  7. marinez frança disse:

    Muito bom… Só uma dica Aninha, mesmo que a pessoa tenha opinião diferente (e preconceituosa), se refira a essa pelo nome, porque fica com ar de que vc coloca a pessoa como seu inferior. Assim, quando se refere “pastorsinho”.
    Sabe, na minha opinião acho que devemos respeitar o outro, mesmo que o outro seja mal educado com vc.
    Parabéns! Adorei.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM