A Cientista que Curou seu Próprio Cérebro

Eu estava um dia com meu pai em um avião indo para São Paulo onde em seguida pegaríamos outro vôo para o Rio de Janeiro. Neste avião ele encontrou um amigo que faria o mesmo trajeto que a gente, mas não pegou o segundo vôo: ele tinha voltado para casa porque sua mulher, que tinha passado o dia sentindo tonturas, tinha acabado de sofrer um derrame cerebral. Dois meses depois recebi da Ediouro o livro “A cientista que curou seu próprio cérebro”, livro escrito por uma neurocientista que, além de ser especialista em derrames, teve um em seu próprio cérebro e se recuperou para contar a história.
Recomendaria este livro a todos profissionais da área da saúde, ou pelo menos as primeiras partes dele: achei absolutamente incríveis as descrições da autora sobre as sensações no início do derrame (e ela as descreve de uma maneira tão sensacional que confesso que fiquei com vontade de passar pela mesma experiência – mas só essa parte).
Mas o que o livro tem mesmo de mais rico vem depois: embora ela tenha ficado quase completamente paralisada, ela permaneceu consciente dos acontecimentos ao seu redor e relata no livro a diferença entre um bom e um mau tratamento e seus resultados consequentes – o que nos faz pensar em como está nossa própria postura profissional.
Eu como psicólogo adorei ler as estratégias usadas para reconstruir seu repertório comportamental: ela lutou muito para reaprender a pensar logicamente e, junto com sua mãe, treinaram novos comportamentos pouco a pouco, como se levantar, descer escadas, segurar talheres, correr, ler, e muitos outros. Engraçado que muitas destas técnicas e estratégias estão muito de acordo com as propostas da psicologia comportamental, embora ela não cite isso (e nem deve saber também). Me fez pensar sobre o espaço do psicólogo comportamental na reabilitação deste tipo de pacientes: será que existe? E funciona?
Mas nem todo o livro me agradou. Achei a história dela sensacional, mas em seguida o foco do livro passa para as reflexões dela após o acidente e então o livro de repente vira algo entre auto-ajuda e “O Segredo”, um tipo de leitura que não me agrada nem um pouco. Além disso, os behavioristas que lerem o livro poderão se sentir incomodados (como eu) com a linguagem extremamente mentalista e de senso comum que a autora utiliza, principalmente nestas partes do livro (por exemplo, muitas vezes ela está falando sobre o lado direito e esquerdo do cérebro e de repente lados esquerdo e direito da mente).
No final das contas, a história dela é super interessante, e até recomendo o livro, seja para profissionais de saúde ou não. Pelo que vi nas lojas o livro é barato então compensa a leitura, mesmo excluindo a parte de auto-ajuda.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 2 comentários

  1. Debora Machado disse:

    Olha, no começo do ano comprei este livro pra minha mãe, que aos 44 sofreu um avc e ficou com algumas sequelas que interferiram nas coisas que ela mais amava. E só em ela ler o livro já existiu superação, considerando que ela perdeu boa parte da visão periférica.
    Comprei pra que ela pudesse entender a coisa e ver que não é desistindo que a gente melhora. Foi ótimo. Os exercícios (principalmente na parte da memória) influenciaram muito a minha mãe a ter mais força de vontade e ver que existe vida pós avc.
    Os relatos “auto-ajuda” dela também foram essenciais pra tocar o cérebro prostrado da minha “nova” mãe. Além disso, a parte que diz respeito à forma de a família cuidar de quem teve o avc virou reza entre a família, todos sabiam todas as “regras” e aplicavam, porque no caso da minha mãe muito funcionaram.
    Eu ainda não tinha visto ninguém comentando este livro e gostei muito da tua abordagem. Parabéns pelo site.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

.

.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM