Um exemplo de comportamento aprendido pela depravação que passa na TV Serengueti.

Foi impossível não tomar conhecimento (e não me indignar) de uma grande exposição de opinião preconceituosa e ignorante contra homossexuais veiculada recentemente. O cerne da discussão foi a noção de que homossexualidade é um comportamento adquirido, e não herdado, e como tal poderia ser evitado ou prevenido. Como se isso fizesse alguma diferença ou, pior ainda, como se isso dissesse respeito a alguém que não os homossexuais. Mas vamos aos fatos.

Homossexualidade é natural e comum, e pode ser favorecida pela evolução

Homossexualidade é um comportamento com forte influências genéticas, que parece ser herdável, e é encontrado em diversos outros animais. Como já discuti em 2009 no Papo de Homem, diversos outros animais praticam sexo homossexual, em uma parte ou durante toda sua vida. E as evidências de como o cérebro de homossexuais funciona apontam para diferenças fisiológicas no interesse por indivíduos do mesmo sexo e do sexo oposto.

Quem discute bem isso e aponta diversos estudos combatendo cada argumento ignorante é o Eli Vieira, biólogo e autor do Bule Voador, do Evolucionismo e da Liga Humanista.

Quanto à implicação do parágrafo anterior e do vídeo, como a evolução favorece ou mantém na natureza um comportamento que diminui as chances de reprodução, recomendo novamente o texto no Papo de Homem, em especial o seguinte trecho:

Supondo que exista um gene que determine a orientação gay (mais adiante discuto as chances disso ser verdade), ele deve beneficiar alguém para que seja passado adiante. Uma situação pode ser o valor do heterozigoto, ou seja, a vantagem está no portador de apenas um alelo da característica, e o portador de dois alelos é prejudicado – de novo, em termos evolutivos.

Como recebemos material genético do pai e da mãe, seria o caso de um homem portador do gene “gay” de apenas um dos pais ser beneficiado, enquanto o homem que herda o gene de ambos sai em desvantagem. Outra pode ser o benefício para apenas um dos sexos, uma competição de interesses. Se for uma característica presente no cromossomo X por exemplo, ela pode trazer vantagens para mulheres, que portam duas cópias do cromossomo (XX), enquanto nos homens , que portam uma só (XY) é desvantajosa.

Se a homossexualidade é natural ou não, isso não lhe diz respeito

Estava pensando em escrever sobre o direito dos homossexuais, das implicações do comportamento ser natural ou não. Mas não tenho por que falar disso. Por um simples motivo. Isso não me diz respeito. Não diz respeito ao pastor também. E não diz respeito a quem opina ou legisla contra o direito de homossexuais se casarem. Isso só diz respeito aos homossexuais.

Discutir se homossexuais podem ou não exercer sua orientação é a mesma coisa que discutir se humanos tem ou não direito de serem humanos. Se duas pessoas querem estar juntas, consensualmente, dois adultos responsáveis, por exemplo, isso diz respeito só a eles. Eu não tenho o direito de permitir ou não que eles se casem ou se beijem, assim como eles não tem o direito de acabar com o meu casamento. Isso não é um direito que precisaria ser adquirido. Nas palavras (fortes) de Louis C. K.:

A noção de que homossexualidade é algo errado ou condenável é extremamente nociva. Não só por abrir espaço para que a homofobia cresça e crimes como o espancamento de jovem que “parecem gays” seja visto como algo aceitável. É nociva por dizer a crianças e adolescentes que estão crescendo e se descobrindo homossexuais que aquilo é errado, que é pecado e deveria ser evitado. O caminho para uma vida deprimida e miserável, tentando evitar sua natureza.

Nesse sentido, acho o vídeo do Eli especialmente importante. Não por rebater uma entidade que se alimenta da ignorância e da miséria humana, material farto no Brasil. Mas por mostrar para quem busca uma orientação que existe sim uma base natural para o que sentem, que aquilo é comum, aceitável, e não há nada de errado nisso. Quem argumenta que homossexualidade é um comportamento aprendido, e por isso cada vez mais comum, não entende que isso na verdade é um reflexo do aumento de nossa tolerância, e de que as pessoas finalmente estão podendo expressar sua preferência.

Gosto muito da noção compartilhada por Steven Pinker em seu livro The Better Angels of Our Nature: Why Violence Has Declined, de que estamos mudando como sociedade para uma postura mais humanista, onde estendemos [brigado, Diego!] os direitos para todos à nossa volta. Não toleramos mais violência como antes (vide os desenhos e filmes da década de 80), respeitamos muito mais o direito dos animais e nosso círculo de empatia se estende cada vez mais. Até máquinas podem despertar nossa compaixão, mesmo quando elas são grossas.

Então, quem sabe, como diz o Izzy Nobre, esse grito preconceituoso e desesperado por atenção não se cala nos próximos anos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...