“Do Tamanduatey ao Pinheiros” ou “O que fizemos com o rio?”

Rio, que rio? Tudo o que sinto é o cheiro, principalmente nos dias quentes.

Esta é uma frase fictícia. Porém não irreal. Todos os dias olho pela janela do trem, o rio Pinheiros. E todos os dias fico imaginando o que seria do rio se ele fosse diferente. Se ele fosse um rio, a bem dizer. Se ele tivesse um fluxo. Se ele tivesse cor de rio. Se ele tivesse curvas (como um rio).

Mas a história do rio é outra. E é triste. Tudo tem relação com uma cidadezinha, de aproximadamente 20 mil habitantes, que, em duzentos anos, passou a ter 11 milhões. E os habitantes precisavam de energia! E pra gerar energia que os problemas do Tamanduatey começaram.

Começaram quando uma certa companhia canadense, resolveu se aproveitar de uma lei e de uma enchente. E, em 1929, em plena quebra da bolsa de New York, que a The São Paulo Railway Light and Power se aproveitou das grandes chuvas que assolavam São Paulo para, numa manobra “absolutamente legal” se apossar de quilômetros e quilômetros de várzea. E se aproveitaram do rio para inverter seu fluxo e bombear água para a represa Billings, e de lá para a usina hidrelétrica Borden, em Cubatão.

A preocupação da cidade com o rio nunca foi de abastecimento de água. Foi de geração de energia. E aos poucos, com o crescimento da economia e a chegada das indústrias, o rio foi ficando mais e mais poluído. E não é a toa que o que vejo todos os dias do trem é um imenso córrego de água preta e parada. Por isso, nadadores, remadores e lavadeiras tiveram que deixar o rio.

Conta que os trilhos do bonde chegavam até o rio, transportando areia… era um bonde de carga. Do rio Pinheiros tiravam areia usada nas construções. Tinha cachoeira. A água era uma maravilha… um compadre tinha um barco, às vezes me levava para passear… o rio foi retificado e transformou-se num esgoto a céu aberto. Esse pedaço daqui ainda era limpo, mas logo ali na frente a gente via o esgoto caindo no rio. Celeste, 89 anos.

E por que o rio não fica limpo? Por que não há programas públicos? Pra falar a verdade programas até existem. O projeto POMAR busca um dos desafios, que, para mim, é o maior de todos. Trazer as pessoas para perto do rio. Fazê-las reconhecer que o córrego preto é um rio. É um “exercício ambiental de resgate da cidadania” não do rio, mas das milhares de pessoas que passam por ele todos os dias, sem notar que ele existe (a não ser quando ele fede).

Perceber o rio, sentir que ele faz parte da cidade, olhá-lo e observá-lo são tarefas que as pessoas que passam pelo Pinheiros têm de fazer. O envolvimento das pessoas, as ações pessoais, as pressões para políticas públicas eficientes são de fundamental importância para que o Pinheiros volte a ser um rio.
_____________________________________________________________
Este texto foi escrito para a Blogagem Coletiva Blogueiro Repórter. Caso você tenha gostado do texto, por favor, vote nele no Dihitt.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 2 comentários

  1. Oi Cláudia,
    Que bom que gostou!

  2. Claudia disse:

    Olha q bonita sua nova casinha!! 🙂
    Parabéns!! 🙂

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM