Resenha: Prós e contras da globalização

A coisa que acredito ser a mais difícil nessa história toda de tentar “viver verde” é buscar o local em detrimento do global. Dessa maneira, pregar sobre consumir e produzir localmente em um mundo globalizado é uma tarefa árdua, mas não impossível. E não é só isso. Governo, instituições públicas e privadas, pessoas como nós, deveríamos, em termos ambientais, pensar cada vez mais em melhorar nosso local invés de incentivar a busca insana de empregos, produtos, estilos de vida no exterior. Maluco? Impossível?

Recusar que vivemos em um mundo globalizado é negar o óbvio. Temos cada vez mais os poderes dos países, a cultura, a economia, o meio ambiente, todos eles moldados por fluxos de  ideias originadas nos mais diversos cantos do planeta, vindos das mais inesperadas fontes. Regional ou globalmente, todos tem voz, através de mídias sociais, TV, sites, rádio e órgãos oficiais dos governos, como ONU, UNFCCC, UE, G-20, OMC, ANSA, FRANSA, entre outros grupos. São ouvidos aquelas ideias que conseguem atender os interesses da maioria – claro, vale ressaltar que esses interesses nem sempre são sadios.

pecglobalizacao.jpg

Pensadores da globalização são divididos em dois grupos, os céticos e os globalistas que tem visões bem diferentes, desde os conceitos da globalização até as novas ordens mundiais estabelecidas pelo fenômeno. Em algumas ocasiões, os pensadores céticos, por exemplo, acreditam que a globalização vai fortalecer os Estados e a identidade nacional, principalmente porque estão o tempo todo submetidos às novas ideias e propostas que vêm de fora. Os globalistas, por outro lado, acham que a globalização vai aumentar o multilateralismo, desgastando a soberania das Nações, bombardeadas por movimentos rápidos de pessoas, capitais, conhecimentos e culturas. Esse debate e suas posturas, todas contraditórias, podem ser entendidas no livro Prós e contras da globalização, por David Held e Anthony McGrew.

Ainda não há uma corrente de pensadores que conseguem sintetizar o melhor dos dois mundos, céticos e globalistas. Em termos ambientais, penso que devemos aproveitar as tecnologias e conhecimentos globais para melhorar a vida das pessoas dentro dos próprios países. É economicamente mais viável produzir milhares de produtos na China porque lá a mão de obra é abundante e barata mas, em se tratando de sustentabilidade onde o cenário é dividido pelos planos econômicos, sociais e ambientais, produtos chineses respondem só um em três quesitos. 

Produtos locais, por outro lado, podem fortalecer a economia local, respeitar o ambiente e as pessoas que consome e produzem o produto. Podem, mas isso não é 100% verdade. Entretanto, é mais fácil fiscalizar e exigir das instituições e dos governantes quando estamos perto do que está acontecendo. Estar longe só traz um sentimento de passividade da maioria da população. No Brasil, é o que vemos na Amazônia e em Brasília.

Prós e contras da globalização, David Held e Anthony McGrew, 2001 é da Editora Jorge Zahar e foi uma cortesia para este blog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 2 comentários

  1. Carlos disse:

    MIKE é um pró ou um contra?

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM