Olha o carbono fresquinho! Um real a dúzia! Quem vai querer? (hein?)

Foi-se o tempo em que as relações comerciais se baseavam em trocas de mercadorias simples como alimentos, roupas, matérias-primas por dinheiro ou por outro produto. Chegamos ao tempo da compra e venda de gases do efeito estufa! É, meu amigo… de gases!

vitral_mercado_municipal_sampa.JPG

Vitral no mercado municipal de São Paulo.

Não, não, não… não pense você, pobre mortal, que poderá sair por aí vendendo e comprando os gases do efeito estufa que suas ações pessoais deixaram de emitir. Isso é para os grandes. Isso é para TONELADAS de carbono equivalente. Mas também não pense que você não é um “player” (como gostam de dizer por aí) nesse jogo de especulações.


Como funciona?

Funciona assim: uma empresa que quer entrar para os “negócios do carbono” entra em contato com uma outra empresa especializada em fazer inventários das emissões de gases do efeito estufa. A partir desses inventários, obviamente baseados numas poucas metodologias de cálculos de emissões existentes, normatizadas e aprovadas (GHG Protocol, ISO 14064), é traçado um plano para redução de emissões. Uma auditoria é realizada para checar se a redução foi mesmo realizada e aí, essas toneladas de carbono que deixaram de ser emitadas podem ser VENDIDAS (!!!!) para outra empresa que não conseguiu reduzir emissões, de modo a “neutralizá-las” [opiniões aqui e aqui]. Isso vale e interessa principalmente para as empresas situadas naqueles países chamados pela UNFCCC de países do anexo I que têm metas de redução de emissões (previstas pelo Protocolo de Kyoto).

O Brasil não tem metas de redução estabelecidos pelo Protocolo de Kyoto porque não é do grupo dos países do anexo I. Entretanto, é o país que ocupa o quinto lugar no ranking dos países mais emissores de gases do efeito estufa do planeta – principalmente derivados de desmatamento. Essa colocação entre os TOP 5 nos permite sonhar com reduções de emissão – e também nos permite sonhar com um lugar no ranking bem melhor do que esse. E, porque vamos reduzir, por que não almejar VENDER esse “extra” pra quem não consegue fazer suas próprias reduções?

Vender e comprar carbono. Como faz?

Exitem dois mercados especializados na comercialização de carbono. Um deles, chamado mercado regulado, é organizado por entidades com poder legislativo. Por esse mercado, passou, por exemplo, a transação comercial que envolveu a venda de carbono equivalente do aterro sanitário Bandeirantes, em Perus, São Paulo. Outro mercado é o chamado mercado voluntário, que é auto-regulado e tem como um dos principais representantes da atualidade o CCX, de Chicago.

E o Brasil?

O Brasil nesse contexto é:

1. Um país potencialmente redutor de gases do efeito estufa.

2. Um país que quer e pode LUCRAR com suas reduções de gases do efeito estufa e, mesmo não tendo metas de redução estabelecidas pelo Protocolo de Kyoto tem muito a ganhar ($$$$$) fazendo isso.

3. Um país que não tem (ainda) um mercado voluntário próprio e tem que se submeter à normas de mercados internacionais (como as do CCX). 

Então… já que temos o queijo na mão, falta a faca. Certo? Errado. Faltava.

FIESP e ABNT entram no jogo para ganhar

Ontem, na FIESP, estavam reunidos interessados em iniciar uma comissão que terá a tarefa de “estabelecer as diretrizes orientativas do mercado  voluntário interno de carbono, não necessariamente codificadas pelo Protocolo de Kyoto”, ou seja, uma comissão que, junto com a ABNT, deverá elaborar uma norma para o mercado voluntário de carbono brasileiro.

Essa norma deve prever APENAS regulamentações para que possa ser possível comercializar carbono equivalente dentro do país e deverá responder algumas perguntas como “Quem registra uma transação?”, “Quem tem a custódia?”, “Qual será a mecânica da transação?”, “Onde se fará a compra e a venda?”, etc, etc, etc – tudo relativo a MERCADO. Portanto, se alguma empresa resolver negociar “carbonos frios” esse problema será única e exclusivamente das empresas compradora e vendedora, não sendo do escopo dessa norma gerir maus usos do MERCADO. 

Dessa forma, os responsáveis pela transmissão da credibilidade e da qualidade do produto que está sendo vendido (gases…) não são os responsáveis pelas normas de mercado. Por isso eu digo sempre: se alguém quer mudar a forma com que estamos manejando o nosso planeta, esse alguém somos nós, consumidores atentos e absolutamente fortes para mudar nossos hábitos de consumo e os investidores, que querem nos convencer de comprar os produtos deles, então, vão fazer das tripas um coração para se adequar as nossas exigências.

A comissão para elaboração da norma foi formada ontem, em reunião que presenciei e óbvio, me voluntariei, e, muito em breve, deverá iniciar os trabalhos para a confecção da norma propriamente dita. É bom ficar de olho nisso pois a aprovação pública de uma norma é item obrigatório para que ela seja homologada. Não só isso, normas como essa são subsídios para legislações e para certificações futuras. É bom ficar atento agora, porque será quase impossível correr atrás de algum prejuízo depois.

__________________________________________________

Saiba mais:

FIESP

Estadão

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 3 comentários

  1. Andre, te sugiro começar pelo site da BM&F. Boa sorte!

  2. André Dollo disse:

    Olá Pessoal, Preciso de uma informação.
    Estou fazendo um estudo para saber como comprar ou vender crédito de carbono, gostaria de saber aonde comprar, me informar melhor.
    Agradeço a Ajuda

  3. De facto as politicas que temos e estas licencas negociadas face ao Mercado de Carbono sao complexas. Temos, como Sociedade, de mudar de paradigma energético. Haja coragem e imaginação para isso, como nos diz o video (3 min.): http://www.youtube.com/watch?v=XBYeDr25WGY

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM